-

-

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

O “Hermano” Hitler: A relação entre a Argentina e a Alemanha na Segunda Guerra Mundial.



Mapa que mostra o plano de Hitler para reconfigurar a América do Sul. O mapa foi encontrado em um táxi que bateu em Buenos Aires em 1941. Posteriormente, descobriu-se que havia sido forjado pela inteligência britânica. Mas, os historiadores indicam que, apesar da falsidade do mapa, ele ilustra bem como o vegetariano austríaco que transformou-se em genocida queria reconfigurar o mundo. Imagem: La Nácion.

A conhecida relação entre a Argentina e o nazismo já rendeu ótimos livros de ficção e teorias conspiratórias. Mas até há pouco tempo, limites entre real e imaginário ainda eram turvos. A publicação de uma nova leva de documentos dissipou algumas dúvidas. Mostrou como as ligações batiam na cúpula argentina e tramavam planos que obrigariam brasileiros a torcer por Maradona.

Um mapa interceptado no Brasil durante a Segunda Guerra Mundial (ver mapa acima) conta como a Alemanha dividiria a América do Sul se ganhasse o conflito. A revelação está em Crônica de uma Guerra Secreta, do ex-diplomata Sergio Corrêa da Costa. A expansão germânica por essas bandas alçaria a Argentina ao posto de reitora dos vizinhos – inclusive o Brasil.

A derrota alemã não pôs fim ao namoro. Em A Verdadeira Odessa, o jornalista Uki Goñi revela com detalhes o funcionamento da rede armada pelo presidente argentino Juan Domingo Perón para resgatar nazistas. As investigações em arquivos americanos e europeus mostram que o esquema teve ajuda de diversas organizações políticas e sociais para driblar o cerco aliado e levar criminosos de guerra para respirar “os Buenos Aires”.

Outro exempla de um mapa que mostra o plano de Hitler para reconfigurar a América do Sul. Imagem: La Nación.

Brasil, “capital Buenos Aires”

Nazistas queriam reescrever o mapa da América do Sul:

1 – Argentina.

Fixação do Führer por sua pouca miscigenação, absorveria Uruguai, Paraguai, o sul da Bolívia, parte do Brasil e uma lasca do Chile para ter saída ao Pacífico. Seria o principal aliado alemão na região.

2 - Nova Espanha.

Reuniria Colômbia, Venezuela e Equador. Também abraçaria o Panamá e seu canal – a menina dos olhos dos estrategistas alemães.

3 – Chile.

Engoliria partes do Peru e da Bolívia. Além das riquezas minerais chilenas, Hitler cobiçava a passagem de sua frota pelo estreito de Magalhães, ligação entre o Pacífico e o Atlântico no sul do continente, que serviria de elo com os aliados japoneses em caso de conflito com os Estados Unidos.

4 – Guianas.

As três vizinhas se uniriam numa colônia da França, país que estava sob domínio alemão.

5 – Brasil

Hitler planejava transformar “esse país mestiço e corrupto” num domínio alemão apoiado na colônia germânica do sul. O Brasil seria base para o Reich e ajudaria a deter a liderança americana. Mais preocupado com os comunistas, o governo Vargas fez vista grossa à ação de agentes alemães. Em 1942, quando o Brasil declarou guerra ao Eixo, a rede nazista depositou suas apostas na Argentina.

Eduardo Szklarz

COPYRIGHT ATRIBUIÇÃO - NÃO COMERCIAL © 

Copyright Atribuição –Não Comercial© construindohistoriahoje.blogspot.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Atribuição-Não Comercial.  Com sua atribuição, Não Comercial — Este trabalho não pode ser usado  para fins comerciais. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Construindo História Hoje”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Construindo História Hoje tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para http:/www.construindohistoriahoje.blogspot.com.br. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Construindo História Hoje que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes e seus atributos de direitos autorais.




Você quer saber mais? 














































LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.