-

-

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Madrugada do Espírito: Epicuristas e Estóicos (1934).


Democracia Corporativa. Imagem: Comunidade da Frente Integralista Brasileira no Facebook. Adaptação: CHH.

O que distingue a liberal-democracia como aspecto de civilização é a coexistência de dois pensamentos filosóficos, ambos materialistas, ambos presos aos dias remotos da antiga Grécia.

A liberal-democracia é , ao mesmo tempo, “estoica” e “epicurista”.

Em última análise, toda a obra dos pensadores e filósofos anteriores à Revolução Francesa, está impregnada dessas duas orientações do naturalismo helênico. Ambas negadoras do Espírito, ambas ateístas.

A subordinação ás chamadas leis naturais informa toda a cultura política moderna. Desde o otimismo de Locke e da apologia do “homem natural” de J.J. Rousseau, até às mais recentes doutrinas sociais, a ausência de um “fim moral” teve como consequência a generalização de um epicurismo baseado nos apetites do indivíduo e na liberdade licenciosa.

A filosofia do êxito, traduzida no pragmatismo inspirador da pedagogia e das realizações pessoais, não passa, examinada a fundo, de uma tradução atualizada da filosofia do prazer, ensinada pelo velho Epicuro.

Ora, uma sociedade epicurista, materialista, gozadora individualista, libertária, como poderia conceber o governo?

Evidentemente que, pesando a concha da balança para o lado da sociedade, eleva-se a outra, que está do lado do poder público. À áreas de excessivas liberdades facultadas ao individualismo correspondem restrições de âmbitos de ação para os governos.

Daí o motivo por que, em matéria de Economia, o estudioso encontra, nítidas e paralelas, as duas orientações: ao Estado estóico corresponde uma Sociedade epicurista.

Quanto Turgot destrói as corporações e com elas a estrutura moral e social das monarquias, esboça em matéria econômica, o ressurgimento das velhas filosofias gregas. São os fisiocratas que focalizam o organismo nacional segundo o mesmo critério experimentalista com que apreciavam o funcionamento dos órgãos do corpo humano.

A frase “laissez-faire, laisserz-passer” define a atitude de indiferença do Estado diante das lutas sociais. O edifício da Economia Clássica repousa sobre os princípios que enclausuram o Estado, tornando-se impotente e inerme.

Quem aprecia a nossa civilização burguesa, verifica que ela nos oferece um panorama de materialismo grosseiro, em que o prazer se torna a única finalidade. A escandalosa ostentação dos ricos, o luxo das classes abastadas, o esbanjamento dos milionários, o rumor das roletas e das taças de champanha tilintastes, o esplendor pagão que caracteriza  todas as manifestações sociais, mostram-nos que, apesar de uma protocolar exterioridade cristã, o que predomina, no fundo das famílias, é o epicurismo, a filosofia do prazer que Epicuro ensinou há tantos séculos na Grécia naturalista.

A esse desbragamento, os governos assistem de braços cruzados, por que os governos adotam a filosofia da indiferença, a doutrina pregada pelo velho Zenão, e que tanto sucesso fez na época da decadência de Roma.

O estoicismo é realmente a filosofia da decadência. Quando o Império Latino se esboroa, a cidade dos Césares está cheia de estoicos. Um dia os bárbaros passarão a cavalo pelas ruas de Roma, obrigando os senadores a assistir ao desfile dos seus carros de vitória. Hirtos, sentados em suas cadeiras, com suas longas togas impecáveis, os varões ilustres contemplarão a apoteose da marcha inimiga. Não terão um ríctus de dor, porque aprenderam a resistir, marmóreos e gelados, a todos os sofrimentos.

Hoje, os governos conservam-se na mesma atitude do senado romano no crepúsculo do Império. Incapazes de agir, arma-se dessa indiferença de cadáveres diante da tremenda luta social.

Essa luta está aberta em todos os países.

COPYRIGHT ATRIBUIÇÃO - NÃO COMERCIAL © 

Copyright Atribuição –Não Comercial© construindohistoriahoje.blogspot.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Atribuição-Não Comercial.  Com sua atribuição, Não Comercial — Este trabalho não pode ser usado  para fins comerciais. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Construindo História Hoje”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Construindo História Hoje tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para http:/www.construindohistoriahoje.blogspot.com.br. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Construindo História Hoje que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes e seus atributos de direitos autorais.


Você quer saber mais? 

SALGADO, Plínio. Madrugada do Espírito. São Paulo: Editora das Américas, 1957.



























LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.