-

-

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Dicas de Leitura. Deus é Vermelho: a história secreta de como o cristianismo sobreviveu e floresceu na China comunista.


Este livro é uma prova da coragem e fé de pessoas dispostas a tudo pelo que acreditam. Dispostas a se entregarem de corpo e alma, mesmo diante das mais horrendas ameaças. Indo de casa em casa, reunindo-se em porões e sótãos, vivendo à margem da religião oficial do Estado, assim caminham os cristãos chineses. Correndo perigo de prisão, castigos e até morte, assim vivem os que desafiam o regime para manter e cultivar a fé em Jesus Cristo. Conversas sussurradas, códigos cifrados, bíblias e material evangelísticos contrabandeados, assim o evangelho é pregado cotidianamente. Deus é vermelho é o relato tocante e desafiador de uma Igreja viva que não só sobrevive, mas também cresce num dos regimes mais fechados do planeta.

Não esqueça que esse Marcador Dicas de Leitura, contará com a participação de todos. Basta enviar através do Formulário de Contato o Título do Livro e Autor que o Construindo História Hoje realizará uma postagem no Marcador Dicas de Leituras sobre ele. Já realizei uma postagem sobre o livro de Liao Yiwu no Desconstruindo o Comunismo já realizou uma postagem sobre o livro em O CAMINHO ATÉ A MONTANHA ÉVERMELHO, passe lá também para conferir!

Sobre a obra:

Na China comunista, sob o regime de Mao Tsé-tung, todas as práticas religiosas foram banidas. O comunismo tornou-se a religião nacional e Mao foi entronizado, deificado e adorado. Apenas a igreja oficial era permitida, mas em seus cultos, apenas palavras de honra e louvor ao regime e ao líder Mao. Mas debaixo de tanta opressão e massacre, a semente do cristianismo brotou e floresceu. 

Deus é Vermelho, percorre pequenos vilarejos e grandes cidades, trazendo narrativas emocionantes e assombrosas sobre dezenas de milhões de cristãos chineses que vivem a fé debaixo do duro regime socialista. Liao Yiwu traz nesta obra uma perspectiva nova sobre a força e a importância de acreditar em Deus para pessoas simples e abnegadas, mas que morrerão sem negar a sua fé.

Sobre o autor:

Liao Yiwu é jornalista, músico e poeta não apegado às questões religiosas, mas que se surpreendeu com a sobrevivência da religião dentro da China. Liao é crítico da política chinesa e, por suas críticas já esteve preso. Em 2003, recebeu o prêmio da Human Rights Watch. Hoje mora em Berlim, Alemanha, onde conseguiu asilo político após fugir da perseguição política do regime chinês. Liao escreveu Deus é Vermelho para nos revelar uma China diferente da TV, jornais ou dos livros de história. Aqui, a verdade ganha os olhos de quem anseia descobrir o que ainda é oculto sobre a política chinesa e sobre a religiosidade que ainda luta para sobreviver em meio ao forte regime.

Leandro Claudir

COPYRIGHT ATRIBUIÇÃO - NÃO COMERCIAL © 

Copyright Atribuição –Não Comercial© construindohistoriahoje.blogspot.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Atribuição-Não Comercial.  Com sua atribuição, Não Comercial — Este trabalho não pode ser usado  para fins comerciais. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Construindo História Hoje”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Construindo História Hoje tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para http:/www.construindohistoriahoje.blogspot.com.br. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Construindo História Hoje que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes e seus atributos de direitos autorais.


Você quer saber mais? 

YIWU, Liao. Deus é Vermelho: a história secrea de como o cristianismo sobreviveu e floresceu na China comunista. São Paulo: Editora Mundo Cristão, 2011.































LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.