-

-

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Dicas de Leitura. Coleção História Ilustrada: Egito Antigo.


Hoje trago aos amigos do Construindo História uma excelente dica de leitura para aqueles que são aficionados pela história do Antigo Egito, sua grandiosidade e suas inigualáveis realizações arquitetônicas. Não esqueça que esse Marcador Dicas de Leitura, contará com a participação de todos. Basta enviar através do Formulário de Contato o Título do Livro e Autor que o Construindo História Hoje realizará uma postagem no Marcador Dicas de Leituras sobre ele.

Sobre a obra:

É impossível falar do Egito antigo sem mencionar sua situação geográfica. Os fatores físicos de sua localização, o ritmo do Nilo e seu vale fértil deram aos egípcios e à sua cultura características singulares (estabilidade e isolamento) que permitiram sua perpetuação na história da humanidade. Houve uma época em que todo o Egito era habitável, porém, com o passar do tempo, as chuvas diminuíram e os desertos aumentaram consideravelmente, obrigando os egípcios a se deslocarem para os oásis, sobretudo para o vale do rio Nilo. Neste lugar encontraram água, além de excelentes e produtivos depósitos aluviais. Caçadores paleolíticos se tornaram agricultores e pastores do vale do delta, formando a economia agrícola do Egito neolítico.

A grandiosidade das construções e os inigualáveis rituais funerários da cultura dos antigos egípcios nos estimulam a propor questões instigantes: por que envolver cadáveres em bandagens?  De que maneira aqueles gigantescos blocos de pedra foram transportados a alturas tão impressionantes?  Com que propósito se dedicar a tamanha realização arquitetônica?

O Império do Nilo, a estrutura social, o caminho dinástico para a eternidade, os hieróglifos, os vínculos entre a arte e a religião e, finalmente, o declínio dos faraós completam esta obra que procura revelar as causas do colapso dessa grande civilização e celebrar o extraordinário legado deixado pelo povo egípcio. 

Sobre o Autor:

Paul Johnson é considerado um dos historiadores mais eminentes da atualidade. Seu texto, porém, foge do academicismo, unindo com maestria fatos históricos a uma técnica narrativa moderna. É autora de estudos fundamentais sobre história, filosofia e religião. Tem mais de 40 livros publicados, entre eles O livro de ouro dos papas, da Ediouro.

Neste livro amplamente ilustrado, Paul Johnson analisa a fundo o desenvolvimento e o declínio de uma cultura que sobreviveu três mil anos, mantendo durante todo esse período uma notável pureza de estilo. Johnson examina detalhadamente a localização geográfica, o Estado, a religião, a cultura, o cotidiano e a dinâmica dessa majestosa civilização. O leitor comprovará que nenhuma cultura na história mundial alcançou tamanho requinte como a cultura egípcia, e que a continuidade, o conservadorismo, a tradição, a hierarquia e a subordinação às ordens formam os conceitos-chaves dessa cultura.

Leandro Claudir

COPYRIGHT ATRIBUIÇÃO - NÃO COMERCIAL © 

Copyright Atribuição –Não Comercial©construindohistoriahoje.blogspot.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Atribuição-Não Comercial.  Com sua atribuição, Não Comercial — Este trabalho não pode ser usado  para fins comerciais. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a“Construindo História Hoje”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Construindo História Hoje tem a obrigação adicional de incluir um link ativo parahttp:/www.construindohistoriahoje.blogspot.com.br. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Construindo História Hoje que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes e seus atributos de direitos autorais.




Você quer saber mais? 


JOHNSON, Paul. Coleção História Ilustrada: Egito Antigo. Rio de Janeiro: Ediouro, 2010.












LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.