-

-

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Dicas de Leitura: História Concisa da Revolução Russa.


O presente livro é um resumo de Russian Revolution (1990) e Russia under the Bolshevik Regime (1994), que descrevem em detalhes e com farta documentação a história dos “Tempos turbulentos”, entre 1899 e 1924. Nesta obra Richard Pipes condensou o restante desses textos, mantendo o padrão. Todas as informações podem ser verificadas nas obras originarias. Novas informações têm suas fontes indicadas.

Sobre a obra:

Richard Pipes, analisa os períodos imediatamente anterior e posterior à Revolução Russa, revendo o assassinato da família Romanov e a política soviética de sufocar etnias, nacionalidades e combater religiões. Resultado de anos de pesquisa do autor, este livro destaca os principais eventos que culminaram na Revolução Russa e os desdobramentos deste importante fato na história do século XX. Os documentos no qual no qual Pipes se baseou para mostrar os indivíduos realizadores da Revolução Comunista na Rússia, nos mostra homens perseguindo seus próprios interesses e suas aspirações , incapazes ou não desejosos de fazer concessões às conveniências e aspirações dos demais. No século XIX, a Europa Testemunhou a emergência de revolucionários profissionais, intelectuais que devotavam tempo integral ao estudo da história de levantes anteriores, à procura de linhas de rebelião; quando os movimentos se desencadeavam, eles intervinham, procurando conduzir os sentimentos voluntários em objetivos conscientes. Esses intelectuais radicais anteviam um futuro marcado por conflitos violentos e o progresso condicionado à destruição do sistema tradicional de relações sociais. Sua meta era libertar a “verdadeira” natureza dos homens, suprimida pela propriedade e pelas instituições dela derivadas. Comunistas e Anarquistas imaginavam a revolução como um processo de completa transformação, não só de toda ordem política e socioeconômica preestabelecida, mas da própria existência humana. Segundo Liev Trótski, o que eles queriam era “virar o mundo”. Essa tendência alcançou o apogeu na Revolução Russa de 1917. Embora o colapso da monarquia tenha decorrido de fatores internos, os bolcheviques, vencedores da batalha pós-czarista pelo poder, eram internacionalistas, adeptos de ideias comuns a todos os intelectuais radicais do Ocidente.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

PLÍNIO SALGADO: SÍNTESE CRONOLÓGICA


Plínio Salgado. Imagem: Casa de Plínio Salgado. 


1895 — Nascimento, a 22 de janeiro, na cidade paulista de São Bento do Sapucaí, filho do farmacêutico Francisco das Chagas Esteves Salga­do e da professora dona Ana Francisca Rennó Cortez. Quando criança, juntamente com seus irmãos, ouvia preleções de seu progenitor, chefe político do município, em torno de Caxias e outros grandes vultos da história pátria. Lia muito, principalmente os clássicos da língua.

1911 — Aos 16 anos, com o falecimento de seu pai, e estudando no Ginásio São José, em Pouso Alegre (Estado de Minas), teve de voltar para São Bento do Sapucaí a fim de cuidar de sua progenitora e dos quatro irmãos mais novos.

1913 — Aos 18 anos, cria o Partido Municipalista, juntamente com Gama Rodrigues, Machado Coelho, Agostinho Ramos e Joaquim Cortez, "para combater a ditadura do governo estadual" . Esta foi a primeira organização política brasileira a se voltar para a defesa do município. Aplica-se em sua cidade a diversas atividades, dirige um clube de futebol, um grupo teatral, pronuncia conferências é orador oficial em todas as solenidades,é defensor de réus quando faltavam advogados, funciona como topógrafo judicial e ocupa cargo de inspetor escolar no município. Lança o semanário local "Correio de São Bento".

1918 — Casa-se com a senhorita Maria Amélia Pereira, descendente de tradicional família sãobentista, a qual veio a falecer após um ano, dei­xando uma filha, Maria Amélia, com apenas 15 dias, que passou a ser zelada pela avó e tios.

1919 — Muda-se para São Paulo onde ingressa como suplente de revi­sor ascendendo logo a redator, no "Correio Paulistano", porta-voz do governo estadual na época. Aí trava conhecimento com inúmeros inte­lectuais e políticos, a muitos ligando-se por sólida e profunda amizade.

1922 — Realização da Semana de Arte Moderna, cujos principais par­ticipantes. "apontaram novos caminhos, libertações integrais, nacionalismo espontâneo". Leitura absorvente de Marinetti, Soffici, Apollinaire, Cocteau,Max Jacob,Cendrars.

1924 — Indicado como Secretário da Coligação Paulista, presidida por Altino Arantes.

1926 — Publicação de O Estrangeiro. Preocupação com problemaspolíticos, leituras de Marx, Sorel, Lenin, Trotsky, Riazonov, Plekanov, Fuerbach. Falecimento de sua progenitora,

1927 — Insistentemente convidado pelo Presidente Júlio Prestes candidatou -se a deputado estadual e é eleito com grande votação.

1928 — Cria a Prefeitura Sanitária de Campos do Jordão e consegue leis favoráveis àagricultura paulista. Funda, com Menotti dei Picchia,Cassiano Ricardo e Motta Filho o Movimento Verde-Amarelista.

1929 — Em 31 de julho, como primeiro ocupante, toma posse da cadeira nº 6, da Academia Paulista de Letras, sendo patrono da mesma Couto de Magalhães. Posse conjunta de Plínio Salgado, Menotti del Picchia, Alfredo Ellis Jr., Cassiano Ricardo, Nuto Sant'Ana e Gofredo da Silva Teles.

1930 — Viagem à Europa e Oriente, como preceptor de um jovem paulistano. Vê as transformações políticas da Turquia, da Itália, da Alemanha, "lê uma vasta literatura comunismo que circulava em País", examina a pequena Bélgica, medita no Egito (sobre o imperialismo inglês), observa observa a anarquia dos espíritos nas Espanha e a nova ordem de Portugal: "tudo me mostrava a morte de uma civilização, o advento de uma nova etapa humana". Deflagrada no Brasil a revolução contra Washington Luis e o sistema político que este representava.

1931 — Fundação e direção de "A Razão". Artigos diários de doutrinação política e análise da situação brasileira e internacional.

1932 — Revolução Constitucionalista. Incêndio de "A Razão", Funda­ção da Sociedade de Estudos Políticos (SEP). Lançamento do Manifesto de Outubro, com que se iniciaram as atividades independentes da Ação Integralista Brasileira, antes um setor de orientação da SEP.

1935 — Intentona comunista no quartel da Praia Vermelha, ocasião em que foram assassinados covardemente pelos comunistas, na calada da noite, quando dormiam, indefesos oficiais do Exército Brasileiro, alguns adeptos do Integralismo. Por telegrama ao Presidente da República é oferecida a ajuda dos Integralistas.

1936 — Casa-se em segundas núpcias com a senhorita Carmela Patti pertencente a conceituada família radicada em Taquaritinga, Estado de São Paulo, não havendo filhos deste consórcio.

1937 — Candidatura à Presidência da República, concorrendo com José Américo de Almeida e Armando Salles Oliveira. Fechamento de todas as organizações políticas. É convidado para Ministro da Educação, que recusa por não concordar com os termos da nova constituição. É implantado o Estado Novo.

1938 — Revolta, denominada "integralista" (Dicionário de História do Brasil, Melhoramentos, São Paulo, 1976, 4ª edição, pág. 469), objetivando a restauração democrática no Brasil, e que   ocasionou inúmeras prisões e fuzilamentos de membros da Ação Integralista Brasileira e exílio dos principais lideres.

1939 — Prisão na Fortaleza de Santa Cruz. Exílio para Portugal.

1939-1946 — Intensa atividade cultural e religiosa em Portugal.

1942 — Publicação da Vida de Jesus, cuja primeira edição, lançada em São Paulo, é apreendida e logo após liberada.

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Madrugada do Espírito: Epicuristas e Estóicos (1934).


Democracia Corporativa. Imagem: Comunidade da Frente Integralista Brasileira no Facebook. Adaptação: CHH.

O que distingue a liberal-democracia como aspecto de civilização é a coexistência de dois pensamentos filosóficos, ambos materialistas, ambos presos aos dias remotos da antiga Grécia.

A liberal-democracia é , ao mesmo tempo, “estoica” e “epicurista”.

Em última análise, toda a obra dos pensadores e filósofos anteriores à Revolução Francesa, está impregnada dessas duas orientações do naturalismo helênico. Ambas negadoras do Espírito, ambas ateístas.

A subordinação ás chamadas leis naturais informa toda a cultura política moderna. Desde o otimismo de Locke e da apologia do “homem natural” de J.J. Rousseau, até às mais recentes doutrinas sociais, a ausência de um “fim moral” teve como consequência a generalização de um epicurismo baseado nos apetites do indivíduo e na liberdade licenciosa.

A filosofia do êxito, traduzida no pragmatismo inspirador da pedagogia e das realizações pessoais, não passa, examinada a fundo, de uma tradução atualizada da filosofia do prazer, ensinada pelo velho Epicuro.

Ora, uma sociedade epicurista, materialista, gozadora individualista, libertária, como poderia conceber o governo?

Evidentemente que, pesando a concha da balança para o lado da sociedade, eleva-se a outra, que está do lado do poder público. À áreas de excessivas liberdades facultadas ao individualismo correspondem restrições de âmbitos de ação para os governos.

Daí o motivo por que, em matéria de Economia, o estudioso encontra, nítidas e paralelas, as duas orientações: ao Estado estóico corresponde uma Sociedade epicurista.

Quanto Turgot destrói as corporações e com elas a estrutura moral e social das monarquias, esboça em matéria econômica, o ressurgimento das velhas filosofias gregas. São os fisiocratas que focalizam o organismo nacional segundo o mesmo critério experimentalista com que apreciavam o funcionamento dos órgãos do corpo humano.

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Escritor Philip Kindred Dick, o mestre da ficção cientifica.


Escritor Philip K. Dick. Imagem: http://www.philipkdick.com/.

Philip Kindred Dick nasceu nos Estados Unidos em 1928. Embora não tenha tido o justo reconhecimento em vida, a excelência de sua obra tornou Philip K. Dick é uma referência da ficção científica do século XX. Vários de seus trabalhos tornaram-se mundialmente conhecidos ao serem roterizados e transformados em grandes sucessos do cinema, como Blade Runner: o caçador de androides, O Vingador do Futuro, Minority Report: a nova lei e O Pagamento.

É autor de cinco coletâneas de contos e 36 romances, dentre eles O Homem do Castelo Alto , VALIS, Ubik e Os Três Estigmas de Palmer Eldritch. Morreu em 1982, aos 53 anos.
Ele também era conhecido pelas iniciais PKD, foi um escritor de ficção científica que alterou profundamente este gênero literário. Apesar de ter tido pouco reconhecimento em vida, à adaptação de várias das suas novelas ao cinema acabou por tornar a sua obra conhecida de um vasto público, sendo aclamado tanto pelo público como pela crítica.

Filho de um funcionário do governo federal, a sua irmã gêmea morreu quase à nascença. Os seus pais divorciaram-se quando Philip contava quatro anos de idade. Acompanhou a mãe na sua mudança para a Califórnia, onde estudou, ingressando na Escola Secundária de Berkeley, onde permaneceu até 1945. Matriculou-se então na Universidade da Califórnia, onde estudou Filosofia e Alemão, abandonando o curso para trabalhar como disc-jockey numa emissora de rádio, mantendo, ao mesmo tempo, uma loja discográfica.

Começou a escrever nesta época, publicando o seu primeiro conto de ficção científica na revista Planet Stories. Chegou a terminar alguns romances de índole autobiográfica, mas não conseguiu encontrar quem os editasse. Decidiu portanto dedicar-se inteiramente à ficção científica, convicto de que este gênero poderia melhor abarcar as suas especulações filosóficas.

Solar Lottery, primeira obra publicada por Philip K. Dick em 1955. Image:  http://www.philipkdick.com/. 

A sua primeira obra publicada foi Solar Lottery de 1955. A ação da obra decorria no século XXIII, num tempo em que a democracia como forma de eleição foi substituída por um sistema de loteria que decide as funções dos indivíduos na sociedade. No entanto, vem-se a descobrir que a sorte está viciada. Após o aparecimento de obras como Eye In The Sky de 1956, Dr Futurity de 1960 e Vulcan's Hammer de 1960, Philip K. Dick conseguiu ser reconhecido como escritor, sobretudo com a publicação de The Man In The High Castle (O Homem do Castelo Alto) de 1962. O romance recriava um mundo em que a Alemanha e o Japão haviam vencido a Segunda Guerra Mundial.

Vulcan's Hammer de 1960obra publicada por Philip K. Dick em 1955. Imagem: http://www.philipkdick.com/.

A visão quase paranóica da realidade que Dick demonstrou em muitos dos seus trabalhos não seria portanto de todo infundada. Inspirando-se em ideias do Budismo, Cabalismo, Gnosticismo e outras doutrinas herméticas, e combinando-as com certos aspectos das novas crenças na parapsicologia, extraterrestres e percepção extra-sensorial, o autor criou mundos alternativos nos quais acabou eventualmente por julgar viver. O autor acreditava ter sido contatado, em março de 1974, por uma "mente racional transcendental", o que ele julgava ser uma teofania. Detalhes sobre este evento são detalhados no romance Valis, publicado em 1978.

Philip K. Dick em meados dos anos de 1970. Imagem:http://www.philipkdick.com/.

PKD explorou em muitas das suas obras temas como a realidade e a humanidade, utilizando normalmente como personagens pessoas comuns e não os normais heróis galácticos de outras obras do gênero. Precursor do gênero cyber punk, o seu livro Do Androids Dream of Electric Sheep? Inspirou o filme Blade Runner que, já perto da sua morte por um AVC (Acidente Vascular Cerebral), serviu como introdução a Hollywood e levou a que outras obras suas fossem adaptadas ao cinema.

O Romance de Ficção Androids Dream of Electric Sheep? De Philip K. Dick,  Inspirou o filme Blade Runner. Imagem:http://www.philipkdick.com/.

domingo, 25 de novembro de 2012

Selo messiânico (cristianismo messiânico)


Inscrição em pedra do primeiro século da Era Cristã. Imagem: Acervo Pessoal CHH.

O “Selo Messiânico”, foi adotado como um emblema do movimento messiânico cristão. Trata-se de grupos religiosos cristãos que adotam certas práticas judaicas em uma tentativa de praticar uma anterior, suposta mais pura, forma de cristianismo, e muitas vezes o foco (geralmente sem sucesso) sobre a conversão de judeus ao cristianismo, uma prática considerada altamente ofensiva por muitos seguidores do judaísmo.
Recipiente para unção, datado do Primeiro século da Era Cristã. Imagem: Acervo Pessoal CHH.

sábado, 24 de novembro de 2012

Entendendo o Monograma IHS



Ostensório, representa mais comumente na atualidade a hóstia da comunhão. Imagem: Arquivo Pessoal CHH.

IHS é uma monograma simbólica do Cristo usada pela Igreja Católica Romana. Este monograma consiste nas letras gregas iota, eta e sigma, as três primeiras letras do nome Iesous (Jesus, em grego), também são usados ​​para soletrar a frase em latim "Salvator Hominem Iesous", "Jesus, salvador do homem ." Relaciona-se com a história de Constantino, cuja visão da Chi-Rho foi gravada por Eusébio Padre da Igreja. Na visão, Constantino relata ter ouvido uma voz proclamar: "Por este símbolo, tu conquistarás." Portanto, a IHS também ficou para "In Hoc Signo"por este símbolo.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Dicas de Leitura. Deus é Vermelho: a história secreta de como o cristianismo sobreviveu e floresceu na China comunista.


Este livro é uma prova da coragem e fé de pessoas dispostas a tudo pelo que acreditam. Dispostas a se entregarem de corpo e alma, mesmo diante das mais horrendas ameaças. Indo de casa em casa, reunindo-se em porões e sótãos, vivendo à margem da religião oficial do Estado, assim caminham os cristãos chineses. Correndo perigo de prisão, castigos e até morte, assim vivem os que desafiam o regime para manter e cultivar a fé em Jesus Cristo. Conversas sussurradas, códigos cifrados, bíblias e material evangelísticos contrabandeados, assim o evangelho é pregado cotidianamente. Deus é vermelho é o relato tocante e desafiador de uma Igreja viva que não só sobrevive, mas também cresce num dos regimes mais fechados do planeta.

Não esqueça que esse Marcador Dicas de Leitura, contará com a participação de todos. Basta enviar através do Formulário de Contato o Título do Livro e Autor que o Construindo História Hoje realizará uma postagem no Marcador Dicas de Leituras sobre ele. Já realizei uma postagem sobre o livro de Liao Yiwu no Desconstruindo o Comunismo já realizou uma postagem sobre o livro em O CAMINHO ATÉ A MONTANHA ÉVERMELHO, passe lá também para conferir!

Sobre a obra:

Na China comunista, sob o regime de Mao Tsé-tung, todas as práticas religiosas foram banidas. O comunismo tornou-se a religião nacional e Mao foi entronizado, deificado e adorado. Apenas a igreja oficial era permitida, mas em seus cultos, apenas palavras de honra e louvor ao regime e ao líder Mao. Mas debaixo de tanta opressão e massacre, a semente do cristianismo brotou e floresceu. 

QUAL A ORIGEM E O SIGNIFICADO DA ESTRELA DE DAVI (MAGEN DAVID) QUE APARECE NA BANDEIRA DE ISRAEL?



Estrela de Davi na bandeira de Israel. Imagem: Numinosumteologia.

Circula no youtube um vídeo que afirma que a Estrela de Davi, símbolo que aparece na bandeira de Israel, foi uma imposição de uma seita secreta chamada illuminati aos judeus por ocasião da formação do Estado de Israel em 1948.  O símbolo, diz ainda o vídeo, teria origem pagã e não judaica.

É verdade que o símbolo não é originalmente judaico (aliás, a cruz também não é um símbolo originalmente cristão), mas a versão que afirma ser o hexagrama uma imposição de uma suposta seita chamada illuminati não passa de um delírio sem fundamento.

Abaixo uma explicação sobre a origem do símbolo num livro especializado em cultura e religião judaica:

A estrela de Davi, de seis pontas, ou selo de Salomão, também chamada de “Magen Davi”, tornou-se um símbolo dos judeus no fim da Idade Média (grifo nosso). Em tempos anteriores, ela figurava também em símbolos cristãos e islâmicos. Foi, mais tarde, adotada pelo movimento sionista e na bandeira de Israel [1].

Sinagoga, séc. III. Imagem: Numinosumteologia.
Ronald Eisenberg diz que o símbolo remonta a uma época ainda mais antiga. Ele afirma que a Estrela de Davi já era um símbolo popular na Europa e no Oriente Médio desde os tempos antigos por causa de sua simetria geométrica. O primeiro uso conhecido do hexagrama judaico foi encontrado em um selo de cerca do século VI a.C. Na sinagoga de Cafarnaum, em Israel (segundo ou terceiro século d.C.), o hexagrama aparece como decoração em um friso de pedra, que também possui um pentagrama (estrela de cinco pontas) e uma suástica [2].

Hexagrama em colar assírio (centro). Imagem: Numinosumteologia.

Uma investigação mais atenta confirma que o hexagrama não é um símbolo originalmente judaico. Ele aparece em gravuras budistas e até mesmo em relevos assírios[3] feitos algumas dezenas de séculos antes de Cristo. Ao que parece, o movimento sionista resgatou esse emblema antigo e lhe deu novo significado. Seja como for, em dado momento os judeus viram no símbolo uma ótima representação para a nação judaica.

Muitas tentativas foram feitas para explicar o emprego da estrela da Davi pelos judeus, que em hebraico transliterado aparece como “magen David” (lê-se maguén David), literalmente “escudo de Davi”. Segundo Elza Galdino há uma tradição judaica [em minha opinião, pouco crível] que diz que os soldados do rei Davi tinham em seus escudos a estrela de seis pontas [4]. Outra tradição, continua Elza Galdino, diz que os dois triângulos seriam formados pelo entrelaçamento de duas letras gregas “delta” (Δ), equivalente à letra hebraica “dalet” (ד), que aparece no começo e no fim da grafia hebraica do nome desse rei. Esta última explicação faz sentido, desde que o símbolo seja admitido que uma assimilação cultural e não uma criação judaica. É possível que algum judeu tenha notado que o hexagrama lembra dois deltas entrelaçados e acabou achando que seria um bom emblema para a nação judaica. Acho esta uma explicação aceitável, ainda assim carece de provas.

Os dois deltas no nome de Davi. Imagem: Numinosumteologia.

Sobre o primeiro uso do hexagrama como símbolo dos judeus, recorro a Grace Cohen:

O principal símbolo que representa o povo judeu hoje é a estrela de seis pontas. Embora geralmente referido como Magen David (escudo de David), não há nenhuma referência bíblica ou talmúdica para esta associação. Amplamente utilizado como um motivo geométrico ou amuleto em outras culturas, a estrela de seis pontas foi oficialmente usada como um símbolo judaico em Praga, em 1354, quando o imperador Carlos IV concedeu o privilégio aos judeus de exibirem a sua própria bandeira em ocasiões especiais [5].

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Dicas de Leitura. Coleção História Ilustrada: Egito Antigo.


Hoje trago aos amigos do Construindo História uma excelente dica de leitura para aqueles que são aficionados pela história do Antigo Egito, sua grandiosidade e suas inigualáveis realizações arquitetônicas. Não esqueça que esse Marcador Dicas de Leitura, contará com a participação de todos. Basta enviar através do Formulário de Contato o Título do Livro e Autor que o Construindo História Hoje realizará uma postagem no Marcador Dicas de Leituras sobre ele.

Sobre a obra:

É impossível falar do Egito antigo sem mencionar sua situação geográfica. Os fatores físicos de sua localização, o ritmo do Nilo e seu vale fértil deram aos egípcios e à sua cultura características singulares (estabilidade e isolamento) que permitiram sua perpetuação na história da humanidade. Houve uma época em que todo o Egito era habitável, porém, com o passar do tempo, as chuvas diminuíram e os desertos aumentaram consideravelmente, obrigando os egípcios a se deslocarem para os oásis, sobretudo para o vale do rio Nilo. Neste lugar encontraram água, além de excelentes e produtivos depósitos aluviais. Caçadores paleolíticos se tornaram agricultores e pastores do vale do delta, formando a economia agrícola do Egito neolítico.

A grandiosidade das construções e os inigualáveis rituais funerários da cultura dos antigos egípcios nos estimulam a propor questões instigantes: por que envolver cadáveres em bandagens?  De que maneira aqueles gigantescos blocos de pedra foram transportados a alturas tão impressionantes?  Com que propósito se dedicar a tamanha realização arquitetônica?

O “Hermano” Hitler: A relação entre a Argentina e a Alemanha na Segunda Guerra Mundial.



Mapa que mostra o plano de Hitler para reconfigurar a América do Sul. O mapa foi encontrado em um táxi que bateu em Buenos Aires em 1941. Posteriormente, descobriu-se que havia sido forjado pela inteligência britânica. Mas, os historiadores indicam que, apesar da falsidade do mapa, ele ilustra bem como o vegetariano austríaco que transformou-se em genocida queria reconfigurar o mundo. Imagem: La Nácion.

A conhecida relação entre a Argentina e o nazismo já rendeu ótimos livros de ficção e teorias conspiratórias. Mas até há pouco tempo, limites entre real e imaginário ainda eram turvos. A publicação de uma nova leva de documentos dissipou algumas dúvidas. Mostrou como as ligações batiam na cúpula argentina e tramavam planos que obrigariam brasileiros a torcer por Maradona.

Perón e o Terceiro Reich


Comício nazista em pleno centro portenho, no dia 10 de abril de 1939. Imagem: La Nación.
“A luta de Hitler na paz e na guerra nos servirá de guia. As alianças serão o primeiro passo. Temos o Paraguai, temos a Bolívia e o Chile. Com a Argentina, Paraguai, Bolívia e Chile será fácil pressionar o Uruguai. Logo, os cinco países unidos vão atrair facilmente o Brasil devido a sua forma de governo e suas grandes comunidades alemãs. Quando o Brasil cair, o continente americano será nosso”.

A frase, pronunciada pelo general Juan Domingo Perón em maio de 1943, ilustrava quais eram os projetos do governo argentino de plantão para o Brasil na época. Nesse momento, a Alemanha nazista e seus aliados do Eixo estavam no apogeu de seu poderio, dominando a maioria da Europa, dos Pirineus até as estepes ucranianas, do deserto da África até os fiordes noruegueses.
Hitler e seus assessores já pensavam na extensão de seu domínio ou influência na América do Sul, para distrair as forças dos EUA que começavam à chegar à Europa e atrapalhavam os planos do Japão no Oceano Pacífico.
Seu instrumento seria Perón, na época secretário de Guerra, e a eminência parda do poder na Argentina. Perón, que não era nem um pouco tonto, também utilizou os nazistas como instrumento, e no pós-guerra, serviu-se de centenas deles, que na Argentina trabalharam em âmbitos variados: desde técnicos para fábricas militares, físicos nucleares, e até torturadores e especialistas em propaganda política.

“Duvido que os alemães pensassem seriamente em uma invasão da América do Sul, mas fizeram o possível para estimular o surgimento de governos favoráveis ao Reich, de forma a incomodar os EUA”, afirma o historiador Uki Goñi.
O então coronel Perón já vinha estabelecendo contatos e colaborações com o Terceiro Reich desde o início da Segunda Guerra Mundial. Ele liderava o Grupo Oficiales Unidos (GOU), uma agrupação de oficiais que em 1943 realizaria um golpe de Estado vitorioso.
Não são tropas alemãs na frente da Casa Rosada apesar do capacete de estilo prussiano São tropas argentinas desfilando na frente da Casa Rosada o palácio presidencial nos anos 40 Esse modelo de capacete perdurou até a segunda metade dos anos 50. Imagem: La Nación.

A anterior estadia de Perón na Itália de Mussolini em 1940, sua visita à Paris ocupada e as multidões frenéticas na Piazza Venezia, deixaram o futuro presidente argentino inspirado.
“Não diria que Perón era um nazista”, me explicou o jornalista e historiador norte-americano-argentino Uki Goñi, autor de “Perón e os alemães”, onde traz à tona uma série de documentos sobre os vínculos do general argentino com o Terceiro Reich.
“Neste tema, as ideologias ou religiões não possuem nenhuma importância. A única coisa que importa é o poder. Nazistas são os que enchiam os estádios por Hitler. Peronistas são os que enchiam a Plaza de Mayo. Perón não era nazista”, diz.
No entanto, Goñi admite que “Perón admitia sua admiração pelas ideias do fascismo, e muito depois, nos anos 70, ainda criticava o Julgamento de Nuremberg, que definia como uma infâmia. Dizia que havia tentado resgatar o máximo de alemães de Nuremberg. E o conseguiu”.
O ranço fascista dos militares argentinos chamou a atenção de Goñi, e decidiu – após dois anos de investigações e a descoberta de documentos inéditos – escrever “Perón e os alemães”, já considerada a melhor obra do gênero no país.
A espionagem alemã na Argentina estava constituída principalmente pela Sicherheitsdienst (SD). A Argentina, que se manteve neutra até semanas antes da vitória dos Aliados, foi o principal centro da espionagem alemã na América do Sul, e grande parte da informação sobre os EUA passava por Buenos Aires. Com a ajuda discreta do GOU, a espionagem alemã no país manteve-se praticamente intacta até o fim da guerra.

Juan Domingo Perón. Imagem: La Nación.
O principal enlace entre a Argentina e o Terceiro Reich foi Juan Carlos Goyeneche, líder dos nacionalistas católicos, que viajou dezenas de vezes à Alemanha, onde reuniu-se com o chanceler Joachin Von Ribbentrop, o líder das SS Heinrich Himmler, e outros líderes fascistas europeus como Mussolini.
Sua capacidade de contatos surpreende até hoje: Goyeneche correspondia-se com Himmler ainda em março de 1945, um mês e meio antes da derrota nazista. Nas décadas posteriores, divertiu seus amigos contando características pessoais dos ministros de Hitler.
No entanto, era um enlace informal. Goñi considera que “a História da região poderia ter sido diferente se Osmar Hellmuth não tivesse sido capturado pelos ingleses”.
Hellmuth, ao contrário de Goyeneche, era um germano-argentino, colaborador da SD, e enviado como emissário especial por Perón para negociar com Hitler um apoio argentino em troca de armas.
No entanto, Hellmuth foi preso pelos britânicos no meio do caminho e permaneceu preso até o fim da guerra, impedindo as conversações oficiais de uma possível aliança argentina-germânica.

O ditador paraguaio Higino Morinigo, o qual Perón paparicava, de olho em mais influência em Assunção. Imagem: La Nación.
Goñi relata a supresa de um chefe da seção latino-americana da Chancelaria do Reich que em agosto de 1944, após o desembarque aliado na Normandia e com Berlim sob constante bombardeio, recebeu um telegrama de Perón dizendo que ainda acreditava na vitória alemã.
“Na verdade, os militares argentinos não acreditavam na vitória nazista, mas consideravam que Hitler poderia obter uma paz separada com os EUA e a Grã-Bretanha, e ter as mãos livres para continuar a guerra com a URSS”. Segundo Goñi, Perón acreditava que era possível uma paz condicional, e que a Argentina e o Vaticano, poderiam ser os mediadores da paz.
Durante a Guerra, Perón planejava constituir uma faixa de proteção à Argentina, constituída por países como a Bolívia e o Paraguai. Este, foi um dos primeiros alvos de Perón: em 1943, tentou seduzir o general Higino Morínigo, presidente paraguaio, com aparatosa recepção em Buenos Aires.
O mordaz jornalista Ray Joseph, do The Buenos Aires Herald, descreveu a visita de Higino Morínigo como a “dessas boas-vindas que Mussollini costumava dar a Hitler”.

Juan Carlos Goyeneche. Imagem: La Nación.
Segundo Joseph, os muros portenhos foram cobertos com cartazes com a imagem de Morínigo, “uma imagem tão hollywoodiana que duvido que o próprio pudesse se reconhecer nelas”. No entanto, apesar das lisonjas, o paraguaio ficou do lado dos EUA, que lhe havia oferecido armas. Perón dedicou-se imediatamente a outro alvo: a Bolívia.
Esse país recebeu atenção especial de Perón. Ali, o GOU, o SD articularam um golpe que derrubou o governo do general Enrique Peñaranda em dezembro de 1943. No seu lugar, com apoio do magnata do estanho, o germano-bolivano Gustav Eickenberg, foi colocado o general Gualberto Villarroel. Em troca, a Argentina prometeu ajuda econômica e a construção de uma ferrovia.

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Dicas de Leitura. Santo Agostinho: uma biografia.


Saudações aos amigos do Construindo História Hoje. Hoje venho informar a todos a criação de um novo Marcador; DICAS DE LEITURAS. Seu objetivo será indicar aos meus visitantes livros que li, que estou lendo, livros que estão cotados como Best-Sellers e também livros indicados por você amigo. Isso mesmo, esse Marcador irá contar com a participação de todos. Basta enviar através do Formulário de Contato o Título do Livro e Autor que o Construindo História Hoje realizará uma postagem no Marcador Dicas de Leituras sobre ele.

Sobre a obra:

Para começar irei indicar um livro excelente que estou lendo atualmente; Santo Agostinho: uma biografia de Peter Brown. Está biografia clássica foi originalmente publicada em 1967 e, há mais de trinta anos, firmou-se como a narrativa-padrão sobre a vida e os ensinamentos de Santo Agostinho – conhecido como o “Santo da Inteligência”. Este doutor da Igreja e filósofo viveu entre 354 e 430, durante a dominação romana, em uma colônia sem tradição, na província da Numídia, atual território da Argélia. Ele foi Consagrado como grande pensador da condição humana, por meio da investigação de temas como conhecimento e amor; memória e presença; sabedoria; Deus e o destino do homem.

Esta narrativa que realta a trajetória do vaidoso professor de retórica, voltado inicialmente à busca mundana dos bons negócios e do prazer, recria com vigor o panorama da vida nas colônias romanas do Mediterrâneo. Aborda o descompromisso do jovem Agostinho, seus relacionamentos amorosos, os casamentos, a busca de oportunidades profissionais e status nos centros políticos e intelectuais do Império como Roma e Milão, e a influência da filosofia Greco-romana. Investiga aspectos curiosos do relacionamento de Agostinho com sua mãe, Mônica, fundamental na formação e conversão do filho.

A extraordinária descoberta recente de um número considerável de cartas e sermões agostinianos lançou uma nova luz sobre a primeira e a última década de sua experiência como bispo em Hipona, na África do Norte. Esses textos circunstanciam a levar historiador Peter Brown a reexaminar algumas de suas avaliações de Agostinho, tanto como autor das Confissões (397 d.C) e Cidade de Deus (413-427) quanto como o bispo idoso que pregou e escreveu durante os últimos anos de dominação romana.

terça-feira, 20 de novembro de 2012

A Revolução da Família


A Família e os ideais Integralistas. Imagem: Family and Faith. Adaptação CHH. 

A Revolução Francesa proclamou os Direitos do Homem.

A Revolução Russa, oriunda da Revolução Francesa, porem antítese do individualismo, proclamou os Direitos da Classe.

Os movimentos dos modernos nacionalistas na Itália e na Alemanha proclamaram os Direitos da Família.

O individuo, o homem isolado, é uma realidade? Não negamos.

A Classe é uma realidade? Também não o negamos.

O Estado é uma realidade?  Não o negamos também.

Mas, agora, perguntamos aos individualistas liberais; aos coletivistas da extrema e da meia-esquerda; aos estadistas; imperialistas, racistas: - a Família; não e uma realidade?

Então, como sobrepor-lhe o Individuo, ou a Classe, ou o Estado?

O Homem, no individualismo, hipertrofia-se. Parte de Rousseau e termina em Nietzsche.

O Homem no coletivismo anula-se. Parte também de Rousseau e termina em Marx.

O Homem, no estadismo racista ou imperialista, estandardiza-se, uniformiza os seus movimentos nos movimentos de um. Todo que serve a finalidade inumana do Estado.

Mas o Homem, no integralismo, que se inspira nos supremos equilíbrios de Cristo e da sua Igreja, não é nem o gigante, nem o pigmeu, nem o autômato: - é, simplesmente, o Homem.

A Revolução Francesa foi a Revolução do Individuo e, cem anos depois, o Individuo esmagou a sua própria humanidade, porque o coletivismo em que o Homem se dissolveu não passa de uma consequência do próprio individualismo.

O individualismo econômico e político da liberal-democracia e, pelo menos, ingênuo, na sua concepção romântica. Mas os que dentro dele evolveram, no materialismo histórico, com todo o pretensioso cabedal cientificam informador das sistematizações burguesas dos evolucionistas e das conclusões burguesas do marxismo, que blasonam de conhecer todos os segredos da sociedade, como puderam passar, indiferentes ou agressivos, sobre a maior das realidades?

E os que viram no Estado a realidade única não se lembraram de que o homem da caverna, antes de se constituir em tribo, se constituiu em família?

E os racistas, que pretendem desuniversalizar-se na concepção exclusiva dos direitos do sangue, não pararam que no bojo das massas de caracteres antropomórficos uniformes palpita alguma coisa que e comum a todo o gênero humano, e que é a família?

Aqueles que sonharam a felicidade do Homem, acaso pensaram que a circunstancias da vida que não poderão jamais ser alteradas pelas tisanas dos regimes políticos? Que ha dramas de sutil delicadeza e estranho mistério, que escapam a alçada do Estado?

Hoje, pensamos em restaurar o equilíbrio social, criando um Estado que, orientado por Princípios Eternos, vá buscar a sua forca política numa fonte moral. Essa fonte de moralidade do Estado e a Família. Sem Família não ha dignidade do Estado.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.