-

-

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

A mitologia egípcia e o conhecimento através dos números. Parte IV.



Números egípcios. Imagem: O Egito Antigo.

Para Pitágoras, o número mais importante de todos era o dez, constituído da soma de um, dois, três e quatro. Isso é expresso geometricamente como um triângulo referido como “tetraktis sagrada”. A tetraktis, também conhecida com década, é uma figura triangular que consiste de dez pontos distribuídos em quatro fileiras: um, dois, três e quatro pontos em cada uma.

A tetraktis sagrada de Pitágoras. Imagem: Construindo História Hoje.

Os pitagóricos acreditam que as maravilhosas propriedades da tetraktis são a fonte e a raiz da natureza eterna. Em essência, é a expressão da realidade metafísica e o “mundo ideal” de Platão. O juramento pitagórico inclui uma referência à tetraktis; eles juram por:

 “ele que deu à nossa família a Tetraktis, que contém a Fonte e a Raiz da Natureza eterna”.

De acordo com West, a tetraktis grega pode ser vista como a Grande Enéade egípcia manifesta e desmitologizada. Embora não seja necessariamente um avanço em relação ao conceito egípcio da Enéade, a tetraktis grega é uma forma de tentar entender os diversos significados por trás da Enéade.

A forma triangular da tetraktis representa a progressão aritmética da criação do abstrato e absoluto ao concreto e diferenciado. O lado esquerdo do triângulo (1, 2, 4 e 8) simboliza o movimento da vida a partir da unidade absoluta.


O lado direito (27, 9, 3 e 1) representa a elevação da consciência e o retorno à unidade absoluta. Em essência, é a descrição de tudo (o universo) surgindo do nada. Antes de qualquer coisa existir havia O UM, um ponto geométrico, uma existência adimensional. Quando o ponto se moveu, uma reta foi criada e o adimensional se tornou unidimensional. Quando a reta se moveu, um plano (ou superfície) emergiu e, então, existiam duas dimensões. Quando a superfície se moveu, um sólido emergiu e com ele uma realidade tridimensional. Por essa razão, representado na tetraktis estão quatro planos da existência, do adimensional ao tridimensional.

Platão trabalhou em cima das primeiras interpretações da tetraktis. Ele acreditava que os objetos do mundo natural eram parte de uma realidade maior que incluía um mundo abstrato, ao que ele se referia como “Forma” (no pensamento moderno, essa forma seria o mesmo que uma ideia). A natureza de um objeto não era seu formato ou a matéria da qual era constituído, mas sua essênciasua verdadeira Forma. Para Platão, essas formas eram o conhecimento que existe fora da mente humana.

Interpretando a tetraktis segundo a teoria da Forma, os planos dois ao quatro representam níveis da existência. O segundo plano representa a existência absoluta de formas no qual as ideias são divinas e eternas, no qual o “SER” acontece. O quarto plano representa a manifestação física das formas no qual uma forma torna uma coisa, e era referido como o “âmbito do tornar-se”.  O terceiro plano é um intermediário ou “ESTADO ENTRE” os planos dois e quatro. O plano três é onde as almas existem, misturando, assim, estados de abstração como mundo concreto. Entretanto, o plano um, a fonte de tudo, é indescritível. Esse nível da realidade é à base da progressão do abstrato para o concreto.

Embora a tetraktis Sagrada seja claramente uma elucidação de Pitágoras, não é exclusivamente um conceito pitagórico. Como o mais sábio entre os antigos sábios, Pitágoras, segundo várias histórias, viajou o mundo à procura de sabedoria. Depois de aprender tudo o que podia dos sábios gregos, foi ao Egito, por volta de 535 AEC, com uma carta de apresentação de Polícrates, o tirano de Samos. De acordo com o neoplatônico Porfírio, do século II, foi negada continuamente a Pitágoras admissão nos “Mistérios de Ísis”, o currículo de ensinamentos elevados para sacerdotes e nobres. Entretanto, um sacerdote em Tebas finalmente aceitou e ele completou os ritos necessários.

Recentemente, houve considerável pesquisa histórica sobre a relação entre os gregos e os egípcios durante o primeiro milênio AEC. Em sua monumental obra Black Athena, vol. 1 (1987), Martin Bernal apresenta a história de como os acadêmicos ocidentais forjaram para a Grécia o papel de progenitora da civilização. No volume 2, ele descreve as evidências arqueológicas e documentais mostrando que a verdadeira fonte do conhecimento e civilização foi o Egito Antigo. Embora nem todos os eruditos concordem com sua tese, está claro que existiu de fato uma relação e que os antigos egípcios exerceram influência durante a construção do estado grego.

Leandro Claudir

COPYRIGHT ATRIBUIÇÃO - NÃO COMERCIAL © 

Copyright Atribuição –Não Comercial© construindohistoriahoje.blogspot.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Atribuição-Não Comercial.  Com sua atribuição, Não Comercial — Este trabalho não pode ser usado  para fins comerciais. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Construindo História Hoje”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Construindo História Hoje tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para http:/www.construindohistoriahoje.blogspot.com.br. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Construindo História Hoje que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes e seus atributos de direitos autorais.



Você quer saber mais? 

MALKOWSKI, Edward F. O Egito Antes dos Faraós: e suas misteriosas origens Pré-históricas. São Paulo: Cultrix, 2010.








LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.