-

-

domingo, 12 de agosto de 2012

Mitologia e Lendas brasileiras, Parte V. Zaoris.


Zahorí, ilustração na obra de Pierre Le Brun, História crítica de las prácticas supersticiosas, 1732.

As lendas se relacionam a fatos históricos, cheias de heróis fantásticos e acontecimentos sobrenaturais, transmitidas durante séculos oralmente de geração para geração. Apesar de estarem associadas a uma determinada região ou a uma personalidade histórica, muitas delas viajam o mundo sendo contadas por diferentes culturas.

"Depois, desceu, sempre com ela; em sete noites de sexta-feira ensinou-lhe a vaquenagem de todas as furnas recamadas de tesouros escondidos... escondidos pelos cauílas, perdidos para os medrosos e achadios de valentes... E a mais desses, muitos outros tesouros que a terra esconde e que só os olhos dos Zaoris podem vispar..."
(João Simões Lopes Neto, A salamanca do jarau) 

Todos aqueles que nascem em uma sexta-feira da Paixão são Zaoris. Têm o aspecto de homens comuns. Seus olhos, porém, são muito brilhantes, de um brilho mágico, misterioso. Possuem o poder de ver através de corpos opacos, terras ou montanhas, conseguindo assim localizar tesouros escondidos. Barras de ouro ou prata, jóias, pedras preciosas, armas raras, nada escapa ao olhar mágico do Zaori, mesmo que esteja enterrado sob vinte metros de terra.

É mito de origem árabe, que denuncia o velho hábito de enterrar dinheiro para fugir dos impostos, sendo muito popular também na Espanha. No Brasil, ocorre principalmente no Rio Grande do Sul. Também estão presentes no fabulário da região do Rio da Prata, Chile e Paraguai, localizando as riquezas e tesouros enterrados pelos jesuítas ou por príncipes incas, na tentativa de salvaguardar seu ouro dos espanhóis. Uma vez que os proprietários originais de tais riquezas não podem mais usufruí-las, os Zaoris as localizam para aquelas pessoas que ganham a sua simpatia. Contudo, não podem utilizar seu dom em
uso próprio. Toda a riqueza que encontram sempre deverá reverter para benefício de outrem. 

Em espanhol, rabdomandantes ou zahoris é como são chamadas as pessoas que pretendem ter a capacidade de encontrar substâncias ocultas ou enterradas, detectando-as através de ondas de radiação captadas pelo movimento -- supostamente espôntaneo -- de dispositivos simples sustentados por suas mãos.  São os radiestesistas ou buscadores de água. 

Fato?

O geólogo holandês, Jolco Tromp, demonstrou que os Zaorís são muito sensíveis ao eixo magnético da Terra e reagem a mudanças nesse campo. Na Universidade de Yale foi comprovado que, dentro de alguns desses campos magnéticos, os Zaoris apresentam aumento da pressão sanguínea e do número de pulsações. 

Embora isto tenha sido comprovado com os Zaoris, parece que a reação é comum a todos os organismos. Por exemplo: ratos não dormem dentro da área desse campo;as plantas não crescem ou não há vegetação nesse campo; as pessoas reumáticas sentem contrações musculares, bem como dores nas articulações, num campo produzido por água. Essas áreas, geralmente, exercem má influência sobre a saúde. 

Também se verificou que uma pessoa que não é Zaori apresenta diferença de Os animais em geral são muito sensíveis a esses ‘campos’. É por isto que escolhem lugares especiais para dormir.









Você quer saber mais? 



Cascudo, Luís da Câmara. Dicionário do folclore brasileiro. Rio de Janeiro, Instituto Nacional do Livro, 1954 | 9ª edição: Rio de Janeiro, Ediouro, sd | Geografia dos mitos brasileiros. 2ª ed. São Paulo, Global Editora, 2002, p.350-352.

Teschauer, Carlos, padre. "A lenda do ouro". Revista do Instituto Histórico do Ceará, v.25, p.3-49, Fortaleza, 1911 | "A lenda do ouro", resumo. Almanaque do Globo, Porto Alegre, 1927, p.113.

Lopes Neto, João Simões de. Contos gauchescos. 9ª ed. Porto Alegre, Editora Globo, 1976 (Coleção Província).

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.