-

-

quarta-feira, 11 de julho de 2012

O Caminho até a montanha é vermelho.


Imagem estilizada da capa da Edição em inglês do Livro Deus é vermelho (God is Red: HarperOne, and Imprint of HarperCollinsPublishers).

Liao Yiwu é o escritor contemporâneo mais censurado hoje na China. Seu poema épico “Massacre”, composto em 1989 em condenação à sangrenta repressão do governo na Praça da Paz Celestial (ou Praça de Tiananmen), levou a quatro anos dee prisão. Seu livro The Corpse Walker: Real Lifes Stories, China from the Bottom Up (O Cadáver andarilho: histórias da vida real, a China de baixo para cima), de 2008, que narra a vida dos marginalizados da sociedade comunist, permanece proibido no país. Os líderes chineses consideram seus textos subversivos, pois são críticos do sistema socialista.

Apesar do ambiente adverso na terra natal, Liao não se abala e continua a soltar as rédeas da curiosidade. Em God in China (Deus na China), ele direciona a atenção para uma área há anos escondida do Ocidente, e que permance um assunto de imensa controvérsia: o ressurgimento do cristianismo na China. O centro de estudos World Christian Database estima a existência de setenta milhões de cristãos praticantes no pís, ou 5% da população total. Numa sociedade abertamente ateia, o cristianismo é a maior religião formal da China.

O número, sem dúvida, surpreederá muitos ocidentais, mais inclinados a associar a China aos budistas e taoístas queimadorres de incenso, ou aos pragmáticos confucionistas, ou aos comunistas ateus ambivalentes, empunhado bandeiras vermelhas e convertidos espiritualmente ao consumismo.

O cristianismo ingressou na China no início do século VII. Embora os intercâmbios científicos envolvendo jesuítas nma corte de Kublai Khan estejam bem documentados, a religião não se enraizou de forma sólida até o século XIX, quando melhorias no transporte e acesso ao interior possibilitaram o trabalho de ondas de missionários europeus no Império do Centro. Antes da tomada do poder pelos comunistas em 1949, a liderança cristã local, formada no exterior ou tutelada pelos missionários, acelerou o crescimento da religião entre os nativos. Segundo a China Soul for Christ Foundation (Fundação Alma da China para Cristo), o número de adeptos chegava a setecentos mil quando os missionários estrangeiros forma expulsos após a tomada comunista, em 1949.

Antes da morte de Mao Tsé-tung, em 1976, muitos cristãos chineses foram presos ou executados. Nos últimos anos, com o afrouxamento do controle governamental sobre a religião, o cristianismo experimentou um crescimento explosivo, embora o Partido Comunista procure fiscalizar o movimento cristão, exigindo que todas as igrejas pertençam também ao
Movimento Patriótico das Três Autonomias ou à Associação Católica Patriótica Chinesa.
Em 2007, o jornal oficial China Daily informou que havia uma estimativa de qurarenta milhões de protestantes professos e cerca de dez milhões de católicos – Pequim considera os católicos à parte da corrente principal do cristianismo – China. Enquanto um elevado número de chineses optou por reconhecer a realidade política e praticar a religião dentro dos limites prescritos pelo governo, outros resistiram, acreditando que somente Deus, não o partido, poderia reivindicar suas crenças. Eles evitaram as igrejas “oficiais” e se reuniram para cultos nas casas – o chamado “movimento das igrejas domésticas” – apesar da perseguição permanente por parte das autoridades governamentais. O movimento tem ganhado impulso.

O interesse de Liao no cristianismo começou em julho de 1998, quando visitava um amigo em Pequim e encontrou Xu Yonghai, um neurologist que se tornou pastor numa igreja protestante clandestina. Pela primeira vez, Liao entrou em contato com um cristão chinês. O encontro é descrito num relato chamado “A visita secreta”:

(...) com os fragmentos de conversa que pude reunir, deduzi que planejavam imprimir alguns materias proibidos. Yonghai estava tenso e, quase de minuto em minuto, erguia a cabeça furtivamente e olhava para fora a fim de ver se havia alguém lá. Aparentemente eles haviam terminado suas atividades quando Yonghai se aproximou de mim e sussurrou: “Temos de ser cuidadosos. Acho que a casa de Wenli está grampeada.” Assenti com a cabeça, reconhecendo sua cautela.
Ele queria a ajuda de Xu com uma publicação para os membros das igrejas domésticas de Pequim e, com entusiasmo, falou sobre o conceito de salvação por intermédio de Deus. Eu sabia pouco sobre o cristianismo na época e estava interessado no que ele tinha da dizer, mas no fundo rejeitei seu proselistismo. Por fim, eu disse:
__Eu não vou a igreja.
Ele riu:
__Eu também não vou à igreja...Elas são todas controladas pelo governo.

Tendo crescido sob o regime de Mao, quando as práticas religiosas foram banidas e o comunismo foi tratado como uma religião nacional com Mao no centro, deificado e adorado, Liao permaneceu cético em relação a qualquer forma de religião. Ele possuia conhecimento escasso do cristianismo, há tempos demonizado pelo governo como “ópio espiritual” trazido pelos imperialistas estrangeiros. No entanto, para um escritor que entrara e saíra da cadeia por seus textos críticos contra o governo, Liao tinha firmes convicções a respeito da liberdade de expressão e da liberdade religiosa. Ele não partilhava da fé de Yu, mas admirou sua coragem.

Após retornar a sua cidade natal na província de Sichuan, Liao começou a pesquisar a fé cristã na China e aprendeu sobre o movimento cristão clandestino, do qual Xu Yonghai estava na vanguarda.

Liao manteve contato com Xu e se envolveu em longas conversas com ele sobre política e fé até o início de 2004, quando o telefone de Xu foi desligado. Xu havia sido preso durante uma pregação numa casa particular na província de Zhejiang, no sudeste do país, e foi condenado a três anos de cadeis.

A prisão de Xu despertou o interesse de Liao nas questões cristãs. Quando voltou a Pequim em 2005, seu amigo Yu Jie, escritor e notório ativista cristão, presenteou-o com a cópia de um documentário produzido por Yuan Zhiming, The Cross: Jesus in China (A Cruz: Jesus na China). O filme narra a história e o crescimento do cristianismo na China e lança alguma luz sobre os primeiros mártires cristãos e os crentes individuais que integram o “movimento das igrejas domésticas” na China de hoje. A experiência de assistir às extensas imagens das grandes reuniões cristãs foi um abrir de olhos para Liao, e ele se sentiu compelido a incluir os cristãos em um projeto mais amplo sobre as pessoas que vivem à margem da atual sociedade chinesa.

Uma oportunidade surgiu em dezembro de 2004, quando Liao, fugindo de agentes do governo que haviam invadido seu apartamento enquanto ele entrevistava membros da Falun Gong (é uma fé com base nas crenças budistas e taoístas), um grupo semireligioso ilegal, escondeu-se na província de Yunnan. Em Lijang, encontrou um médico chinês cristão, identificado somente pelo nome de família, Sun, que desistiu de uma prática lucartaiva na cidade para realizar trabalho missionário nas regiões remotas e montanhosas do sudoeste da China. Como o território de Sun cobria uma extensa área de regiões minoritárias, onde atuaram os primeiros missionários cristãos da Europa e da América, Liao pediu para juntar-se a Sun numa jornada de um mês, que o levou a aldeias com grandes populações deos povos miao e yin, dois dos maiores grupos étnicos do país.

Nesses enclaves étnicos, empobrecidos pelo isolamento e um tanto negligenciados pela modernização, Liao deparou com uma vibrante comunidade cristã que havia se originado do trabalho de missionários ocidentais no fim do século XIX e início do século XX. Liao obteve acesso raro para um forasteiro.

Liao entrevistou cristãos numa igreja branca e luminosa, “posicionada orgulhosamente entre os picos das montanhas, com uma cruz vermelha exibida com destaque na parte superior do campanário”. Ele presenciou uma reunião de oração num pátio abarrotado, onde “animais e humanos viviam lado a lado, compondo um quandro harmonioso”. Nos cultos celebrados como festivais, Liao ouviu aldeões analfabetos expressarem com eloquência seu amor a Deus.

Muitos dos entrevistados por Liao nunca haviam se aberto para um forasteiro. Eles partilharam histórias sobre estrangeiros “altos e loiros ou ruivos”, que salvaram as aldeias durante a devastadora terceira pandemia de peste bubônica que assolou a China e grande parte do mundo no início do século XX. Contaram sobre como os estrangeiros promoveram a saúde pública e ensinaram os moradores a proteger o suprimento de água; como espalharam a alfabetização ao construir escolas;  como aprimoraram a saúde por meio de seus hospitais; e como salvaram bebês e crianças abandonadas pelos pais por causa da pobreza. Os aldeões também se abriram a Liao e falaram sobre a repressão brutal e a perseguição a notórios líderes cristãos na era Mao, incluindo a trágica e heroica história do reverendo
Wang Zhiming, ministro protestante executado durante a revolução Cultural e honrado pela Abadia de Westminster, com uma estátua acima de sua entrada a oeste, como um dos dez mártires cristãos do século XX.

Liao se emocionou com opoder de sustentação da fé e com o espírito otimista entre as congregações que encontrou. Por exemplo, após recontar a trágica história do reverendo Wang Zhiming, seu filho, reverendo Wang Zisheng disse a Liao: “Não sinto amargura. Como cristãos, devemos perdoar o pecador e seguir adiante. Somos gratos pelo que temos hoje. Há tanto que fazer. (...) Em nossa sociedade atual, a mente das pessoas está confusa e caótica. Elas precisam das palavras do evangelho mais do que em qualquer outra época”.

Nas cidades, Liao presenciou as tensões políticas entre as igrejas sancionadas pelo governo e as igrejas domésticas não registradas, mas se sentiu reanimado pela abordagem mais liberal por parte das autoridades governamentais quanto à religião na área rural. Os moradores dos vilarejos tratavam política e religião de maneira mais pragmática. Ainda que tivessem sido batizados numa das igrejas patrióticas das Três Autonomias do governo, não sentiam desconforto em ouvir e orar com os líderes das igrejas domésticas. “A figura santa na cruz sobre o púlpito é o meu Senhor, seja acima do púlpito numa igreja governamental ou dentro de uma sala de estar”, disse um jovem de 24 anos a Liao. Além disso, Liao descobriu ser comum para as famílias exibir um retrato do presidente Mao numa parede e uma imagem de Jesus em outra.

No final da primavera de 2009, Liao e eu começamos a discutir a possibilidade de desenvolver um livro baseado em suas experiências na província de Yunnan. Ele queria explorar a questão mais ampla da espiritualidade na China na era pós-Mao, quando a perda generalizada da fé no comunismo, assim como a corrupção desenfreada e a ganância resultantes da tendência inexorável do país para a modernização, criaram uma crise de fé. Embora Deus é vermelho utilize o cristianismo como tema, seu objetivo é aprofundar as experiências passadas e presentes de determidado grupo de pessoas em busca de indícios sobre o futuro da China.

No verão de 2009, Liao retornou a Yunnan e permaneceu um mês na parte antiga de Dali, uma cidade famosa por suas diversas e robustas culturas religiosas. Ali ele conduziu uma série de novas entrevistas para expandir o escopo de seu conhecimento. Visitou as duas igrejas mais antigas da cidade, construídas por missionários ocidentais do início do século XX, e localizou ativistas e líderes cristãos locais para registrar a história de vida deles.

Algumas histórias, embora únicas e pitorescas, tipificam as experiências de cristãos chineses comuns e evidenciam as controvérsias políticas e sociais que envolvem e, por vezes, ofuscam a questão da fé cristã na China de hoje. Outros testemunhos capturam os anos sombrios da era Mao, quando as garras da perseguição política não deixaram nenhum local intacto na China e quando milhares de cristãos, além de inumeráveis outros, foram torturados e assassinados. Mais importante, cada história coloca um rosto humano sobre as batalhas políticas históricas e contínuas, encenadas por pessoas comuns contra o que ainda é um Estado policial.

Liao iniciou o projeto como um forasteiro – um escritor urbano, não cristão, da etnia majoritária han – empurrado para uma multidão de componeses cristãos das etnias rurais miao, yi e bai, cuja linguagem, tradições culturais e fé lhe eram estranhas. Por vezes, Liao se sentiu perdido e confuso. No fim da jornada, a hospitalidade, honestidade e sinceridade dos aldeões, sua busca objetiva pela fé, assim como seu otimismo pelo futuro, dissiparam qualquer sentimento de alienação e o ajudaram a obter uma compreensão melhor do país. Ele ficou profundamente comovido com o que ouviu e presenciou. Na história “A comunidade”, ele observa:

“As mulheres da vila, muitas das quais semianalfabetas, estiveram privadas do direito de falar por um longo tempo e agora não apenas ‘contavam’ suas histórias, mas também realizavam performances, articulando suas ideias com eloquência, como se cada uma fosse uma atriz profissional treinada. As histórias eram contadas com narrativas vívidas. A variação de tom e ocasionais explosões de lágrimas reforçavam o efeito, elevando suas performances a um alto nível emocional. Eram verdadeiras contadoras de histórias. Eu era um pobre escrevinhador comparado ao dom delas.”

Ainda que Liao continue um “descrente”, as viagens lhe proporcionaram afinidade com milhões de cristãos chineses que estão encontrando sentido numa sociedade tumultuada, onde o consumismo desenfreado está soterrando tradionais e arraigados sistemas de valores. Liao enxergou paralelos entre a perseverança dos cristãos chineses e sua própria luta pela liberdade de escrever e viajar. Em setembro de 2010, quando o governo chinês finalmente concedeu a Liao uma permissão para apresentar suas obras literárias e realizar suas apresentações musicais na Alemanha, após catorze tentativas nos dez anos anteriores, ele enviou um e-mail a seus amigos:

“Para obter e preservar sua liberdade e dignidade, não há outro caminho, a não ser lutar. Vou continuar a escrever e a documentar o sofrimento das pessoas que vivem no degrau inferior da sociedade, mesmo que o Partido Comunista não esteja satisfeito com meus textos. Tenho a responsábilidade de ajudar o mundo a compreender o verdadeio espírito da China, que irá durar mais que o atual governo totalitário.”

COPYRIGHT ATRIBUIÇÃO - NÃO COMERCIAL © 
Copyright Atribuição –Não Comercial© construindohistoriahoje.blogspot.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Atribuição-Não Comercial.  Com sua atribuição, Não Comercial — Este trabalho não pode ser usado  para fins comerciais. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Construindo História Hoje”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Construindo História Hoje tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para http:/www.construindohistoriahoje.blogspot.com.br. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Construindo História Hoje que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes e seus atributos de direitos autorais.
Você quer saber mais? 

YIWU, Liao. Deus é Vermelho: a história secrea de como o cristianismo sobreviveu e floresceu na China comunista. São Paulo: Editora Mundo Cristão, 2011.









LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.