-

-

sábado, 28 de julho de 2012

Mitologia oriental. Shinigami ou deus da morte.


Shinigami. Imagem: Word Iq.

Shinigami, é um deus da Morte; semelhante ao Ceifador no ocidente, é uma entidade presente na cultura japonesa. Seu trabalho é "levar" a alma dos humanos para o outro mundo. Eles são responsáveis por cuidar para que cada pessoa morra a seu tempo e, em seguida, orientar o seu espírito para ser julgado na vida após a morte.
 

As vezes é um termo usado para expressar qualquer deus da morte. Por exemplo no budismo Enma é o deus que julga e pune depois da morte (Jigoku) e no xintoísmo é a Izanami. Shinigami é usado para caracterizar um deus da morte como por exemplo o deus Hades da mitologia Grega. 

Na maioria das vezes a figura do Shinigami é representada de forma mais demoníaca e são destacados em artes japonesas. O Shinigami é um deus que guia e ajuda as pessoas a passar para para próxima vida. Seja céu, inferno ou alguma outra esfera de criação.
 
Os Shinigami não são um mito nativo do Japão, mas importado de versões ocidentais e chinesas de deuses da morte. Os japoneses tem a imagem visual do Shinigami do Ocidente e da natureza burocrática (ou modus operandi) do trabalho a partir do Oriente.
 
Depois da vida quando você morre, é conduzido por um Shinigami para uma área de espera, aonde o Shinigami tem a tarefa de ajudá-lo a escolher um local em que você passará a eternidade, você estará escolhendo a sua idéia de paraíso. Você tem sete dias para concluir esta tarefa caso contrário terá o destino traçado pelos seus atos, Céu ou Inferno. Mas, claro, é uma tarefa mais difícil do que parece.

Embora o Ceifeiro seja uma entidade única, existem vários Shinigami que muitas vezes trabalham juntos. Os Shinigami são uma adição relativamente recente ao folclore japonês.

Na cultura popular japonesa, um Shinigami também pode ser uma pessoa, que se orgulha de sua capacidade de derrotar (e, geralmente, para matar) qualquer oponente, que poderá enfrentar.

O homem, desde o princípio dos tempos, tem caracterizado a morte através do misticismo, magia, mistérios e segredos. A morte como uma entidade
pessoal é um conceito que existe em muitas sociedades desde o início da história. 

A morte também é representada por figuras mitológicas em várias culturas. Na iconografia ocidental ela é usualmente representada como uma figura esquelética vestida de manto negro com capuz e portando uma foice. É representada nas cartas do Tarot e frequentemente ilustrada na literatura e nas artes. 

A associação da imagem com o ceifador está relacionada ao trigo, que na Bíblia simboliza a vida. Em inglês, é geralmente dado à morte o nome de "Grim Reaper". Também é dado o nome de Anjo da Morte em hebraico Malach HaMavet, um termo decorrente da Bíblia. 

Uma das formas dessa personificação está presente nos romances centrando-se nela como personagem principal. Em alguns casos, essa personificação da morte é realmente capaz de causar a morte da vítima, gerando histórias de que ela pode ser subornada, enganada, ou iludida, a fim de manter uma vida. 

Outras crenças consideram que o espectro da morte (Shinigami) é apenas um psicopompo (tem origem no grego psychopompós, junção de psyché ‘alma’ e pompós ‘guia’, designa um ente cuja função é guiar ou conduzir a percepção de um ser humano entre dois ou mais eventos significantes. Guia interior, o psicopompo pode ser de natureza humana, uma pessoa, um animal como entidade manifesta ou espiritual como um deus da morte, um Ceifeiro ou Shinigami) e serve para cortar os laços antigos entre a alma e o corpo e para orientar o falecido ao outro mundo sem ter qualquer controle sobre o fato da morte da vítima.

A Morte em muitas línguas é personificada na forma masculina (como no inglês), enquanto em outros ela é percebida como uma personagem feminina por exemplo, em línguas eslavas e latinas.

Leandro Claudir

COPYRIGHT ATRIBUIÇÃO - NÃO COMERCIAL © 

Copyright Atribuição –Não Comercial© construindohistoriahoje.blogspot.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Atribuição-Não Comercial.  Com sua atribuição, Não Comercial — Este trabalho não pode ser usado  para fins comerciais. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Construindo História Hoje”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Construindo História Hoje tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para http:/www.construindohistoriahoje.blogspot.com.br. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Construindo História Hoje que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes e seus atributos de direitos autorais.

Você quer saber mais? 






LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.