-

-

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Spetsnaz: a maior tropa de elite do mundo.


Insígnia do Spetsnaz. Imagem: Spetsnaz GRU.

Sabotagens, atentados e ações-relâmpago são algumas das especialidades da Spetsnaz, as ultra-secretas forças especiais.

Fazia muito frio, com temperatura mínima de seis graus abaixo de zero, e havia ameaça de fortes nevascas em Cabul, a capital do Afeganistão, naquelas últimas semanas de dezembro de 1979. Com a situação política no país deteriorando-se rapidamente, o presidente Hafizullah Amin solicitara, no dia 17 daquele mês, assistência militar soviética para combater os rebeldes que já controlavam algumas regiões nas províncias do norte. Aproveitando o pedido, os soviéticos concentraram grande número de forças paraquedistas e soldados de infantaria nas imediações da cidade. Enquanto isso, as informações enviadas por seus agentes convenceram Moscou de que um golpe de estado era iminente. O melhor a fazer era antecipar-se. Apesar das condições climáticas adversas, às 19 horas de 27 de dezembro, vestidos com uniformes do Exército afegão, cerca de 700 militares soviéticos, incluindo integrantes das ultra-secretas forças especiais conhecidas como Spetsnaz, ocuparam os edifícios públicos mais importantes da cidade, o aeroporto e o palácio presidencial, onde assassinaram o presidente Amin. 

Com precisão cirúrgica, eles explodiram o principal centro de comunicações de Cabul, isolando a cidade do mundo exterior e do resto do país. Começava a invasão soviética ao Afeganistão. A tomada da capital teve êxito absoluto no dia seguinte, quando foram eliminados os últimos focos de resistência com a participação decisiva e brutal dos homens da Spetsnaz.

Com efetivo em tempos de paz entre 27 mil e 30 mil integrantes, a Spetsnaz é a maior tropa de elite do mundo. É também uma das mais secretas, apesar do enorme desafio que é manter em sigilo as atividades de tanta gente. Até seu nome foi pensado de maneira a confundir. Ela é chamada genericamente em russo de Spetsnaz (ou Specnaz, dependendo da forma de traduzir o alfabeto cirílico), abreviatura de Voyska spetsialnogo naznacheniya, literalmente “unidades com funções especiais”. A denominação tenta não dar pistas sobre sua verdadeira natureza, e a palavra é, em geral, usada no dia-a-dia na Rússia para indicar coletivamente as forças especiais de todos os países.

Pouco se sabe sobre sua história, além do fato de que a ideia de formar uma força desse tipo surgiu durante a Segunda Guerra Mundial, quando ainda existia a União Soviética. As experiências da luta contra o nazismo demonstraram a necessidade de contar com uma unidade capacitada a realizar atividades não convencionais (sabotagens, atentados, sequestros, ações-relâmpago, etc.), com a maior discrição possível, pegando o adversário totalmente de surpresa. É bastante provável que o primeiro grupo chamado de Spetsnaz tenha sido organizado no início da década de 1950, mas o segredo em torno dos preparativos era tão grande que a opinião pública mundial só veio a tomar conhecimento dele cerca de 30 anos mais tarde. Serviços secretos ocidentais conseguiram apurar que essa unidade de operações especiais fazia parte da GRU, a inteligência militar soviética, sendo subdividida em esquadrões que receberam o nome de “brigadas de dissuasão”, designadas em código numa lista não-sequencial que vai de Grupo Alfa até Grupo Zênite, servindo tanto ao Exército quanto à Marinha da URSS – características provavelmente mantidas depois que o país se transformou na Federação Russa (nome oficial da Rússia desde junho de 1990).

Nas décadas mais recentes essas brigadas passaram a ser treinadas para atacar e tomar

domingo, 29 de julho de 2012

Deep Web ou Darknet. O inferno oculto na internet!


Imagem: Tecmundo.

Sabe aquele ditado que diz:”se não tem no Google não existe”, pois se você já disse isso alguma vez nunca esteve tão enganado na vida.

Este é assunto muito polemico tão polemico que as pessoas preferem não comentar, muitos dizem coisas horríveis da deep web, é verdade que existem coisas horríveis lá, mas também existe coisa boa, mas pode ser muito perigoso, para se ter uma ideia vários fóruns proíbem seus participantes de criarem tópicos sobre o assunto.

Mas o que é a deep web?

A Deep Web é a internet que você não consegue ver, são bilhões de sites não indexados pelos buscadores. Um mundo totalmente desconhecido e invisível para a maioria das pessoas.

Estima-se que a Deep Web, ou Darknet como é chamada por alguns, seja bem maior que a web surface, que é a web alcançada pelos buscadores e navegadores comuns. Milhares de páginas com todo tipo de conteúdo, desde simples blogs que os autores preferem o anonimato, a sites com conteúdos extremamente desagradáveis e ilegais. 

Alguns dizem que a Deep Web é o inferno da internet, que existem coisas lá que provém do lado mais obscuro da mente humana, coisas que só de ver você já estaria cometendo uma série de crimes. Há muitos rumores sobre o lado negro da web, pessoas que acessaram a Deep Web sem o devido cuidado e se arrependeram. Toneladas de vírus, e centenas de hackers, crackers, e lammers habitam a internet invisível

Tráfico de drogas, compra e venda de produtos roubados, venda de cartões clonados, fotos altamente proibidas e mais uma centena de coisas que você não vai querer saber. Terabytes de dados e documentos praticamente intocados pelos olhos dos internautas. Enfim, uma série de coisas que não vemos na web comum. A Deep Web pode ser definida por camadas, sendo que as mais profundas poucos conhecem.

 Imagem: Kislinux

Os mecanismos de pesquisa não têm em seus bancos de dados todas as páginas de internet. Pelo menos 1/3 da web, dizem alguns, não é pesquisada quando você procura algo no Google, por exemplo. 

Em parte isso se deve aos sites, páginas que exigem cadastro ou acesso especial. Outros sites intencionalmente bloqueiam mecanismos de pesquisa ou têm seu conteúdo em formato que é difícil de pesquisar, como imagens. O que está invisível, porém, não é um “inteiro”. São fragmentos sem ligação entre si. Não existe uma forma de ter acesso a essa “internet”, mas sim a algumas de suas pequenas partes, e mesmo assim é apenas para quem conhece as pessoas certas e tem o conhecimento técnico necessário. O alcance completo do que está por aí ninguém sabe.

Ela é 500 vezes maior que a web visível (e ainda dizem que se não tem no Google não existe, eu acho que o ditado correto é “se não tem no Google com certeza está

sábado, 28 de julho de 2012

Mitologia oriental. Shinigami ou deus da morte.


Shinigami. Imagem: Word Iq.

Shinigami, é um deus da Morte; semelhante ao Ceifador no ocidente, é uma entidade presente na cultura japonesa. Seu trabalho é "levar" a alma dos humanos para o outro mundo. Eles são responsáveis por cuidar para que cada pessoa morra a seu tempo e, em seguida, orientar o seu espírito para ser julgado na vida após a morte.
 

As vezes é um termo usado para expressar qualquer deus da morte. Por exemplo no budismo Enma é o deus que julga e pune depois da morte (Jigoku) e no xintoísmo é a Izanami. Shinigami é usado para caracterizar um deus da morte como por exemplo o deus Hades da mitologia Grega. 

Na maioria das vezes a figura do Shinigami é representada de forma mais demoníaca e são destacados em artes japonesas. O Shinigami é um deus que guia e ajuda as pessoas a passar para para próxima vida. Seja céu, inferno ou alguma outra esfera de criação.
 
Os Shinigami não são um mito nativo do Japão, mas importado de versões ocidentais e chinesas de deuses da morte. Os japoneses tem a imagem visual do Shinigami do Ocidente e da natureza burocrática (ou modus operandi) do trabalho a partir do Oriente.
 
Depois da vida quando você morre, é conduzido por um Shinigami para uma área de espera, aonde o Shinigami tem a tarefa de ajudá-lo a escolher um local em que você passará a eternidade, você estará escolhendo a sua idéia de paraíso. Você tem sete dias para concluir esta tarefa caso contrário terá o destino traçado pelos seus atos, Céu ou Inferno. Mas, claro, é uma tarefa mais difícil do que parece.

Embora o Ceifeiro seja uma entidade única, existem vários Shinigami que muitas vezes trabalham juntos. Os Shinigami são uma adição relativamente recente ao folclore japonês.

Na cultura popular japonesa, um Shinigami também pode ser uma pessoa, que se orgulha de sua capacidade de derrotar (e, geralmente, para matar) qualquer oponente, que poderá enfrentar.

O homem, desde o princípio dos tempos, tem caracterizado a morte através do misticismo, magia, mistérios e segredos. A morte como uma entidade

sexta-feira, 27 de julho de 2012

A História dos Jogos Olímpicos



Bandeira Olímpica, criada em 1914. Imagem: Comitê Olímpico internacional.

O Movimento Olímpico utiliza símbolos para representar os ideais consagrados na Carta Olímpica. O símbolo olímpico, mais conhecido como os anéis olímpicos, é composto por cinco anéis entrelaçados, representando a união dos cinco continentes habitados (considerando as Américas do Norte e do Sul como um continente único). A versão colorida dos anéis, azul, amarelo, preto, verde e vermelho sobre um fundo branco, forma a bandeira olímpica. As cores foram escolhidas porque cada nação tinha, pelo menos, uma delas em sua bandeira nacional. A bandeira foi adotada em 1914, mas voou pela primeira vez apenas em 1920 nos Jogos Olímpicos de Antuérpia, na Bélgica. Desde então, foi hasteada em cada celebração dos Jogos.

O lema olímpico é "Citius, Altius, Fortius", uma expressão latina que significa "mais rápido, mais alto, mais forte". Os ideais de Coubertin são melhores expressos no juramento olímpico:


“A coisa mais importante nos Jogos Olímpicos não é vencer, mas participar, assim como a coisa mais importante na vida não é o triunfo, mas a luta. O essencial não é ter vencido, mas ter lutado bem.”

Os Jogos Olímpicos têm sido usados como uma plataforma para promover ideologias políticas quase desde o início. Alemanha nazista desejava retratar o Partido Nacional Socialista como benevolente e amante da paz quando organizou os Jogos de 1936. Os jogos também foram destinados a demonstrar a superioridade da raça ariana, uma meta que não foi realizada em parte devido as conquistas de atletas como Jesse Owens que ganhou quatro medalhas de ouro nesta Olimpíada.

A cada quatro anos, atletas de centenas de países se reúnem num país sede para disputarem um conjunto de modalidades esportivas. A própria bandeira olímpica representa essa união de povos e raças, pois é formada por cinco anéis entrelaçados, representando os cinco continentes e suas cores. A paz, a amizade e o bom relacionamento entre os povos e o espírito olímpico são os princípios dos jogos olímpicos. 

Foram os gregos que criaram os Jogos Olímpicos. Por volta de

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Idade Média. As Armas Medievais

 Imagem: Medieval Weapons UK (clique na imagem para ampliar).

Ao contrário dos séculos XVII e XVIII, um grupo de pesquisadores e entusiastas gastoupreciosas horas de seu tempo para aprofundar e redimir seu conhecimento sobre a Idade Média.Buscandojustamente acabar com os velhos preconceitos direcionados contra os tempos medievais, essaspessoas apresentaram grande interesse em mostrar toda a riqueza e diversidade que marcam esse longo período histórico.


quarta-feira, 25 de julho de 2012

A enfermeira Erna Flegel, conta como foram as últimas horas de Hitler.



Erna Flegel com 93 anos, segurando um quadro da época que serviu na Cruz Vermelha alemã durante a Segunda Guerra Mundial. Imagem: Agência EFE.

Uma enfermeira da Cruz Vermelha Alemã que acompanhou o ditador Adolf Hitler nos últimos dias da Segunda Guerra Mundial rompeu pela primeira vez seu silêncio para relatar as últimas horas dele e de seus colaboradores.
 
Em entrevista publicada pelo jornal britânico The Guardian, Erna Flegel, 93 anos, afirma, entre outras coisas, que tentou convencer a mulher do ministro da Propaganda do Terceiro Reich, Joseph Goebbels, a não deixar que os seis filhos do casal morressem.

"Eu queria que ela tivesse levado da cidade (Berlim) pelo menos um ou dois de seus filhos", mas Magda Goebbels se negou. "Eu pertenço ao meu marido. E meus filhos pertencem a mim", respondeu a mulher.
 
Eram crianças encantadoras, diz a enfermeira. Segundo ela, o próprio Hitler tinha muito carinho pelas crianças, tomava com elas chocolate quente e deixava que elas usassem sua própria banheira.
 
Magda Goebbels, que Flegel descreve como uma mulher inteligente, tolerava sem reclamar as conhecidas e freqüentes infidelidades de seu marido.
 
Em relação a Hitler, Flegel afirma que o Führer se sentiu profundamente abatido depois que o exército soviético chegou ao centro de Berlim e ele viu claramente que a Alemanha tinha perdido a guerra.
 
"Hitler não precisava de cuidados especiais. Eu estava ali exclusivamente para cuidar dos feridos. Ele tinha envelhecido muito nos últimos dias e dava a impressão de ser um homem 15 ou 20 anos mais velho", lembra.
 

terça-feira, 24 de julho de 2012

O Mito da Caverna de Platão ou Alegoria da Caverna: Tradução por Enríco Corvisieri.


Alegoria da Caverna de Platão. Imagem: Faccenter Pires.

Trago leitores uma das grandes obras primas da filosofia, que nos faz refletir sobre o que é real e o que parece ser real, mas não o é. Discutindo o conhecimento humano, do mundo ilusório das sombras e a realidade das ideias.

Conhecido como o Mito da Caverna de Platão ou A Alegoria da Caverna, este diálogo faz parte de uns dos diálogos platônicos presentes na obra a República de Platão no livro VII, escrito por volta do século IVa.C.


Amelia Earhart: Uma das maiores aviadoras que o mundo já viu.

 Amelia Earhart com seu avião. Imagem: Hypescience.

Amelia Earhart, a primeira mulher a cruzar o oceano Atlântico sozinha em um avião, estaria hoje fazendo 115 anos. Amelia estabeleceu muitos recordes além deste, escreveu seu best-seller sobre suas experiências e foi uma figura crucial para a formação do The Ninety-Nines, uma organização para mulheres pilotas.

Amelia Earhart também foi interpretada no filme Amelia por Hilary Swank em 2009. Seu interesse pela aviação surgiu aos 20 anos de idade quando, juntamente com uma amiga, assistia a um piloto que realizava acrobacias com seu avião em um local isolado. Quando o piloto as viu ele fez um voo rasante sobre elas. “Tenho certeza que ele disse para si mesmo ‘Veja como as faço correr’”, ela disse. Mas ela se manteve firme no lugar quando a aeronave passava rente por cima de sua cabeça e algo despertou nela. Ela então fez um passeio com o piloto em seu avião e logo que alcançou as alturas “Eu sabia que teria que voar”.


domingo, 22 de julho de 2012

Coiotes do Pampa. A Porta de entrada de imigrantes ilegais.

 Imagem: Zero Hora. (clique na imagem para ampliar).
 
Itamar Melo e Rossana Silva*
Um produto novo foi incorporado à prática ancestral do contrabando na fronteira entre Brasil e Argentina: gente. Às 5h de terça-feira, dois homens foram presos em flagrante na estação rodoviária de Uruguaiana depois de passar irregularmente um coreano para o lado brasileiro.

Segundo a Polícia Federal, os novos chibeiros do Rio Uruguai fizeram ingressar no país, nas últimas semanas, uma leva de imigrantes clandestinos de países como Senegal, Nigéria, Peru e China. A quadrilha, que seria formada por brasileiros e argentinos, costumava fazer a travessia do rio durante a madrugada, de barco.

Em outras ocasiões, escondia o imigrante clandestino em um táxi e cruzava a fronteira pela ponte entre Uruguaiana e Paso de Los Libres. Conforme as evidências reunidas pela PF, o serviço oferecido pelos coiotes do pampa incluía recepção na rodoviária, hospedagem, travessia e envio para o destino final.

Imagem: Zero Hora. Dados: Ministério do Trabalho e Emprego. (clique na imagem para ampliar).

sábado, 21 de julho de 2012

Vladimir Ilich Ulianov, vulgo Lenin


Lenin em 1917. Imagem: Econ Faculty.

Nascido em abril de 1870, durante 74 anos a Rússia comunista foi a representação da mente e do espírito desse homem, cuja bibliografia se confunde com a do próprio país. Nasceu na cidade de Simbirsk ás margens do rio Volga, filho de família tradicional desfrutou de conforto.

Seu paí era Inspetor Escolar, chegou ao posto de Conselheiro Municipal com status de nobreza transferível a seus descendentes. Conservador-liberal, seu paí morreu em 1886.

Seu filho mais velho Aleksandr foi preso por tramar a morte do Czar. Lenin ganhava medalhas de ouro ano após ano nos estudos, sem demonstrar interesse político, possuía bom comportamento; com esse currículo ingressou na Universidade de Kazam. O diretor da sua escola na cidade natal, recomendando-o ao curso superior referiu-se a ele (Lenin), como:

“Jovem retraído, não sociável, jamais deu trabalho ao seus superiores ou professores, seja por atos ou palavras que fizessem que formassem a seu respeito opinião desfavorável.”

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Movimento Zapatista na atualidade: atividades e expansão.



Guerrilheiros Zapatistas. Imagem: EZLN

O Movimento Zapatista, conhecido também por EZLN (Exército Zapatista de Libertação Nacional), tem nos últimos anos desenvolvido projetos em várias áreas de atividade. Dentre elas citarei algumas como o JRA (Jovenes em Resistencia Alternativa) que busca o apoio da juventude mexicana aos zapatistas. A Radio Insurgente que trabalha dentro das comunidades divulgando em ondas curtas e longas as transmissões dos revolucionários para as regiões de Chiapas. Outro meio utilizado na atualidade pelos revolucionários é a Revista Rebeldia que tem seu enfoque na atuação e filosofias do movimento.

Dentro da temática em questão trataremos da elaboração de Cooperativas, Clínicas e Escolas dentro das comunidades governadas pelos revolucionários. Abordaremos também as atividades dos simpatizantes do Movimento Zapatista que procuram através da adesão à Declaração da Selva afirmar seu apoio às convicções zapatistas.

JRA. Jovenes en Resistencia Alternativa

Formada em 2002 a JRA é uma organização mexicana composta principalmente de jovens estudantes na Cidade do México. Seus membros tem em comum um forte processo de organização em torno do movimento zapatista e as suas iniciativas. Afirmam ser uma organização radical de esquerda de ação pacífica que não busca o poder político tradicional. O grupo organiza festivais de música de expressão político, passeatas, processos de educação popular, e um projeto editorial. Também procuram organizar-se em coordenação com outras lutas e movimentos sociais em solidariedade com os seus processos locais. Seu espaço surge na busca de uma participação política alternativa fora do estado e suas partes, mas também como uma alternativa às formas tradicionais de política.

Radio Insurgente. La Voz de Los Sin Voz.

Desde fevereiro de 2002, a equipe da Radio Insurgente, composto por rebeldes, tem divulgado as idéias e conteúdo da luta zapatista através de FM, ondas curtas. A partir de várias estações nas montanhas do sudeste mexicano. É uma estação produzida pelo Exército Zapatista de Libertação Nacional, totalmente independente do governo mexicano. A Rádio Insurgente tem divulgado o avanço do processo de construção da autonomia nas áreas zapatistas, e promove a divulgação de discursos e músicas nas comunidades indígenas. Seus operadores são treinados dentre a população, incluindo bases de apoio zapatistas, para assumir as estações FM que operam como rádio comunitária. O objetivo é cobrir as cinco áreas de Chiapas controladas pelos Zapatista com  rádios comunitárias que produzem seus próprios programas de acordo com as necessidades e as línguas de cada região..

Revista Rebeldia

Santos Dumont comemora 139o aniversário com homenagem de um Google Doodle


Imagem: Hypescience

Santos Dumont comemoraria hoje 139 anos. O Google está homenageando este grande gênio com o doodle acima na sua página inicial de buscas. Naturalmente o doodle aparece apenas para o Google Brasil, já que os norte-americanos adoram afirmar que foram os irmãos Wright que inventaram o avião. 

Criar uma máquina “mais pesada que o ar” que pode decolar e voar sozinha não é um feito qualquer. E Santos Dumont foi indubitavelmente o primeiro a realizá-lo já que a máquina voadora original dos irmãos Wright foi em realidade catapultada já que não conseguia decolar por si só.

O mais curioso é que desde o 14 Bis apenas recentemente foi descoberto à causa real pela qual os aviões conseguem voar...e não é pelo motivo que você pensa que sabe.

 Imagem: Hypescience

Dumont também foi quem popularizou os relógios de pulso entre os homens. Ele era grande amigo do famoso relojoeiro Louis Cartier e reclamou para o mesmo que tinha muita dificuldade em cronometrar os voos de suas máquinas malucas usando relógios de bolso ao mesmo tempo que as pilotava. Cartier em seguida o presenteou com um relógio de pulso com pulseira de couro com o qual cronometrava seus recordes voadores.


quinta-feira, 19 de julho de 2012

Estados Unidos e América Latina: doutrinas, ideários, corolários e os enunciados.



Quais são as reais intenções dos Estados Unidos em relação ao Brasil. Imagem: Plano Brasil.

O historiador Voltaire Schilling nasceu em Porto Alegre, em 1944. Leciona História há mais de 30 anos em diversas instituições de ensino. Em seu livro Estados Unidos e América Latina: Da Doutrina Monroe á ALCA (Editora Leitura XXI, 2002, 144p) ele procura levar seus leitores há uma visão interpretativa das diferenças culturais entre os norte-americanos e seus vizinhos do sul. Fixando as idéias bases que nortearam as relações dos Estados Unidos com a América Latina. Relações estas que ataram o destino dos latinos americanos a um processo de subserviência neocolonial.

Voltaire Schilling aborda as relações entre Estados Unidos e América Latina de forma muito resumida nas idéias bases como: as doutrinas, os ideários, os corolários e os enunciados, não levando em consideração a complexidade envolvida em cada uma destas idéias que envolvem contextos temporais e regionais. Do mesmo modo que enfatiza a admiração dos latinos pelo sucesso dos Estados Unidos o autor nos mostrar o ressentimento com as constantes intromissões dos mesmos nos assuntos da América Latina, demonstrando uma plena lucidez sobre os fatos que envolvem os interesses dos Estados Unidos e suas intervenções.


Golpe no Mercosul: consequências para o Brasil

Em 1965, no ato de inauguração da então maior ponte em vão livre do mundo – a Ponte da Amizade, Alfredo Stroessner e Castelo Branco, respectivamente presidentes do Paraguai e do Brasil, caminharam em direção ao meio da ponte em um encontro simbólico, que marcaria para sempre as relações entre os dois países. O Brasil construíra sozinho um colosso da engenharia moderna e presenteava o Paraguai com uma ligação rodoviária ao seu território, além do acesso paraguaio ao oceano atlântico, pelo porto de Paranaguá. Era o início de uma relação de amizade que ampliaria a importância geopolítica do Paraguai, desenvolveria sua indústria e consolidaria o Brasil como seu principal parceiro.


ONU recomenda acabar com a Polícia Militar no Brasil

A ONU (Organização das Nações Unidas), órgão avançado do mamonismo internacional, da usurocracia apátrida e supraestatal, da Internacional Dourada de que são escravos, em maior ou menor grau, todos os povos da Terra, por meio de seu Conselho de Direitos Humanos, “recomendou” nada menos que o fim da Polícia Militar no Brasil.

Deixando claro que os “Direitos Humanos” da ideologia moderna promovida pela ONU nada têm que ver com os legítimos Direitos Naturais da Pessoa Humana do Jusnaturalismo Tradicional, ou Clássico, por nós professado, não encontrando sequer fundamento no Direito, como, aliás, bem o demonstrou o jusfilósofo francês Michel Villey na já clássica obra O direito e os direitos humanos [1],

Corrupção e relações ocultas nos bastidores da Democracia

Se uma das lições que o escândalo envolvendo o bicheiro Carlinhos Cachoeira e os mais diferentes políticos dos mais variados partidos pode nos dar é que a democracia brasileira - e as democracias em geral - são bastante vulneráveis a interesses particulares e a modos obscuros de fazer política. Deste modo - sobremaneira a democracia brasileira - em seu exterior (como numa “fachada”) há linhas gerais e regras que representam, como num teatro, o jogo político; mas que nos bastidores, essas linhas gerais e regras obedecem a outros princípios, a saber: o coleguismo, o poder econômico subordinante, amplas alianças que não obedecem a princípios ideológicos (ou “princípios” morais do partido), algo que, devemos dizer, se dá nas mais diferentes democracias ao redor do mundo, mas no Brasil, entretanto, vemos a radicalização dessa característica.

A Democracia, palavra que literalmente significa “governo do povo”, uma junção das palavras gregas Demo e Kratos, surgiu na Grécia, mas ainda naquela civilização, cujo modelo de democracia representara o gérmen das democracias do mundo ocidental, fizeram uma distinção importante ao qual pode iluminar os problemas brasileiros. Na Grécia Antiga, a distinção entre o público, que concerne ao agir político par excellence,sendo o lugar da decisão dos cidadãos gregos, o lugar da Práxis, i.e., do agir intransitivo em que se decidia aquilo de interesse ao povo grego dava-se na Ágora. No que diz respeito ao privado, pelo contrário, não cabia aos gregos decidir na Ágora, não era negócio público. De como um pai deveria educar seus filhos, por exemplo, era assunto privado.

Mas o que tem a ver a democracia brasileira com tudo isso? No Brasil os interesses privados dos políticos e de alguns grupos ditam todo o resto, ditam a partir dos bastidores, mas subordinados a outras esferas de poder. O caso Carlinhos Cachoeira, análogo ao filme Godfather (traduzido no Brasil como “O Poderoso Chefão”, uma tradução errônea, é verdade) evidencia por demais este aspecto. Os tentáculos do “chefão” são abertos e alcançam diferentes esferas estatais. Tudo que diz respeito ao Estado pode beneficiá-lo. Aqueles que de alguma maneira quiserem obter vantagens terão que ceder algo em troca. Deste modo é nos bastidores que o verdadeiro jogo político acontece, que se decidirá se irão construir uma ponte, um viaduto – se ambos, a empresa que constrói e o político, lucrarão verdadeiramente com isso; se haverá verba para a educação ou não; se o investigado por corrupção será avisado que está sendo investigado ou não.

Esta característica pode se estender até abranger conjuntos de países, se concentrando todo o poder nas mãos daqueles que possuem o poder econômico e que passam a ditar regras a seu bel-prazer. As mais diferentes esferas estatais, como no caso brasileiro, estão vulneráveis a minoria poderosa, podendo-se generalizar às metarrelações e até à afirmação de que a maioria dos países está nas mãos de alguns poucos que agem nos bastidores e ditam as regras, não sendo algo surpreendente dizermos que nos EUA é assim e de que destes se deriva todo o comando restante. A situação de explorados e dominados ainda prossegue fortemente de acordo com os interesses de poucos, esta é a regra oculta. Com efeito, o escândalo de Carlinhos Cachoeira apenas demonstra que as microrrelações são reflexo de macrorrelações muitas vezes ocultas e que estas macrorrelações por sua vez obedecem às metarrelações que conseguem fugir ao âmbito da verificação das pessoas comuns, uma vez que, estas relações, vão além da observação e mesmo da imaginação dos cidadãos comuns.

quarta-feira, 18 de julho de 2012

A escravidão nos pampas gaúchos. Fato ou Ilusão!

 Escravo e o Feitor. Imagem: Enciclopédia Delta Larousse 1967.

Para a historiografia sulina durante décadas o escravo africano inexistiu, sendo esse um consenso entre os historiadores a pouca importância que teria tido o escravo na formação do Rio Grande do Sul. Avaliavam ser o homem livre o fator preponderante na formação de nosso Estado.

Acreditavam que os escravos eram pouco utilizados, e quando se falava neles era para ressaltar que aqui, se houve escravismo, ele foi paternal, benigno. Pelo conceito vigente acreditavam que havia sido pequena a contribuição de sangue africano na etnia rio-grandense. Diante desses fatos cria-se então o difuso mito da Província libertária, obra do braço livre, inocente, ou quase, da pecha da escravidão. Mas os primeiros escritos sérios sobre o assunto irão provar o contrário. Participando do amplo movimento da década de 30, que reiniciará o estudo mais sistemático da “africanologia” brasileira, aparecerão os primeiros trabalhos do advogado Dante de Laytano que procurará, nos documentos, relatos e mapas estatísticos do século XVIII e XIX, o traço da passagem da escravidão pelo Rio Grande do Sul. Tece duras palavras sobre a benignidade do tratamento aos escravos, pois enquanto os negros estavam no pastoril do Rio Grande tiveram um tratamento mais humano, mas ao habitar a senzala dos granjeiros ou as charqueadas esse tratamento foi modificado pelas chicoteadas do feitor e pela barbárie escravagista.


Nelson Mandela completa 94 anos: O ícone da liberdade da África do Sul foi o primeiro presidente negro!




Foto: Debbie Yazbek/ Mandela Foundation/AFP/Arquivo

Nelson Mandela completa 94 anos nesta quarta-feira, 18 de julho, uma data importante na África do Sul, ocasião para multiplicar as homenagens, as boas ações e também os debates críticos sobre a melhor maneira de prosseguir com seu combate e com seu trabalho de reconciliação.

Herói da luta contra o regime da segregação racial, "Tata" Mandela ou "papai" Mandela, como é chamado com respeito e afeto, é notícia frequentemente por motivos de saúde. Mas agora esta data, que significava festas na presença de estrelas ou de dignitários estrangeiros, é celebrada em família.

Em janeiro de 2011, Mandela foi hospitalizado por uma infecção respiratória, e em fevereiro precisou se submeter a alguns exames.

As últimas notícias, fornecidas pelo presidente Jacob Zuma, que se encontrou recentemente com ele, afirmam que Mandela encontra-se "bem de saúde".

"Foi um prazer vê-lo, como sempre. Eu estava particularmente feliz por poder felicitá-lo antes de seu próximo aniversário. Também o informei de que, como sempre, todos os sul-africanos esperam o dia 18 para poder desejá-lo um feliz aniversário de todas as maneiras possíveis", declarou o presidente sul-africano em um comunicado.

Zelda la Grange, que foi sua secretária particular, também declarou à rádio que o encontrou "em forma" e "mimado por sua família e pela equipe média que o rodeia".


terça-feira, 17 de julho de 2012

O processo de industrialização e a ascensão da burguesia.


Fábrica de Tecelagem (Imagem: Enciclopédia Larousse).

Abordando o desenvolvimento da burguesia gaúcha ao longo da República Velha temos por premissa o fato que o país não reproduz, ao industrializarem-se, os padrões europeus, o empresariado que decorre desse processo é o agente de uma nova ordem, mas não o seu introdutor; não cabe a ele o nascer do capitalismo no Brasil. Porque a mesma já nasce subordinada a um contexto agrário predominante.

À herança colonial/escravista e à dependência do capital estrangeiro, a burguesia somaria mais um condicionante no seu processo formativo: a ambivalência da mescla de uma tradição senhorial, dos longos anos de predomínio da ordem agrária na sociedade.

Por meio da afirmação classista procuram sua identidade por meio da dominação do capital sobre o trabalho e da viabilização dos interesses do empresariado no interior da sociedade civil. Definindo os pontos de vista e interesses específicos do setor e da sua organização classista. A burguesia industrial busca firmar-se em um contexto agropastoril dentro do qual se desenvolve um setor industrial.

No Rio Grande do Sul as primeiras fábricas ligadas ao meio de acumulação de capital comercial na área do chamado complexo colonial imigrante. A liderança empresarial, com origens sociais marcadas pela influência imigrante e do capital mercantil, constitui-se basicamente de grupos familiares ligados pelo casamento.

Em relação aos aspectos sociais e políticos buscavam a dominação do capital sobre o trabalho, obtendo o domínio e disciplina do operário na empresa e expropriando o trabalhador do seu “saber” particular.

Quando o Rio Grande do Sul começou a industrializar-se a Europa já exportava máquinas para a América Latina. Este processo de mecanização altera a planta industrial obrigando a criação de métodos de fiscalização do trabalho, a imposição de normas reguladoras das tarefas fabris e o treinamento dos operários para a nova situação.

A maquinaria além de aumentar a produtividade destitui o trabalhador de seu controle sobre o próprio trabalho. Com a mecanização aplicasse técnicas como o taylorismo que difundia-se entre a burguesia gaúcha, que visa racionalizar a produção, aumentar a produtividade, economizar tempo, suprimindo gastos desnecessários e comportamentos supérfluos, aperfeiçoar a divisão social do trabalho e o controle do tempo do trabalhador pela classe dominante.

Mesmo diante dessa pratica desumana os burgueses procuravam fazer propaganda positiva sobre o trabalhador do novo modelo criando no proletariado um “relógio moral interno” que orientaria seu comportamento pelos padrões fabris.

Mas isso não significou que no Rio Grande do Sul o trabalhador abandonou de imediato suas características artesanais, as quais permaneceram por muito tempo antes de progressivamente irem se combinando com o uso das máquinas.

O pensamento fordista veio completa o taylorista no Rio Grande do Sul com as idéias de que os operários devem ser os seus melhores consumidores.

Periódicos do inicio do século XX divulgam os interesses empresariais, mostrando as fábricas como modernas e higiênicas e o trabalho era harmônico e cordial e os operários referidos como sadios e ordeiros, mas não era o retrato completo da verdade.

Surge a necessidade de pessoal técnico para operar e montar as máquinas que cada vez mais estão atuantes na industria gaúcha. Desencadeando o processo qualificação/desqualificação do operariado. A lógica técnica faz com que ocorra uma divisão entre o trabalho manual e o intelectual, acentuando o controle hierárquico do processo de trabalho.

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Dos mecanismos da abolição para a servidão voluntária.


 Imagem: Guga Arts +
Na escravidão a compulsão ao trabalho acontece por meio da coerção física e da vigilância. Sendo um processo brutal de dominação por meio da violência para conseguir a sujeição do trabalhador direto.

Já o capitalismo impele o individuo ao trabalho por meio da coerção econômica, pois é um mercado que possui pessoas que não tem nada além de sua própria mão de obra para vender e garantir sua sobrevivência.

Para mover o mercado da escravidão para o capitalismo foi preciso difundir ideologias novas de ética de valorização do trabalho e condenação da vagabundagem. O trabalhador livre surge no Brasil por meio tanto da coerção violenta como da transformação cultural e do uso de mecanismos de controle social da classe trabalhadora típicos de uma sociedade capitalista. 

Mas quais eram esses mecanismos?

Podemos citar as praticas coercitivas puras, como a prisão, os castigos ou a condenação à morte se obtinha o controle, mas sem desses meios vivia os mecanismo capitalista de formação das massas trabalhadoras. Havia também a religiosidade como veículo ideológico da acomodação e ajuste dos indivíduos às posições que ocupam na sociedade. Outra forma de coerção, mais ou menos explicita impostas pela elite eram os códigos de posturas municipais prevendo em suas legislações preservar, fiscalizar e reter a mão-de-obra servil que progressivamente ia se libertando da escravidão.  

A principio as cidades iam tornando os escravos em artesãos que até então era a força bruta. Esses centros urbanos transformaram-se em espaços preferenciais da regulamentação ao longo prazo de todo o processo de formação do mercado de trabalho livre.
As elites formadoras do modelo capitalistas procuraram sempre relacionar o escravo fugitivo com a figura do vagabundo e do homem que abandonava sua razão de ser: o trabalho. Deixando bem claro que a ociosidade era algo condenável. Tornando desclassificado o trabalho ocasional e irregular, o biscate, o crime e o vício ao trabalho disciplinado. Procurando sempre associar o escravo fugitivo a prática do roubo para sobreviver inculcando na população o mecanismo de controle social sobre os escravos fugidos, incentivando a delação, punindo os coniventes e gratificando os delatores.

A necessidade da ordem instituída, uma vez que nos centros urbanos se concentravam, como se viu, negros de ganho ou de aluguel, negros forros e escravos domésticos, no meio dos quais poderia se diluir ou passar despercebido aquele que se evadisse.

O comércio ambulante era uma tarefa por excelência os escravos, em suma o comércio ambulante foi um ponto importante de regulamentação do trabalho. Pois o comércio varejista, que se considerava prejudicado pela concorrência dos mascates pedia para que os mesmos fossem tributados.

Em suma era preciso coibir a preguiça e os meios “fáceis” de ganhar a vida, compelindo ao trabalho, de preferência regular e produtivo, honrado e dignificado pela nova ética. Devendo haver um controle do trabalho e dos de todos os aspectos da vida os escravos libertos.  Um dos meios utilizados para controlar o trabalhador era submetê-lo a um registro, quantificando e identificando o seu local de atividade. 

A elite dominante ensaiava novas formas de dominação sobre os subalternos, mas o alvo da disciplina era a mão-de-obra nacional livre e liberta e não a imigrante considerada superior e adequada as novas condições do trabalho dentro do

domingo, 15 de julho de 2012

As Ditaduras Latino Americanas


 Imagem: Vice-Versa

      Ao procurarmos traços comuns a regimes militares das décadas de 1960 a 1980 e situações políticas diversas notamos que o nacionalismo e “populismo” de Velasco Alvaro no Peru e de Ovando Candia na Bolivia diferem em muito dos regimes repressivos e entreguitas de Pinochet no Chile, de Costa e Silva no Brasil e de Videla na Argentina. Mas nunca havemos de esquecer os pontos comuns entres eles: dissolução das instituições representativas, falência ou crise dos partidos políticos tradicionais, militarização da vida política e social em geral.

      Nos três golpes militares na década de 1960, houve a influência determinante da diplomacia norte-americana. Devido aos seus interesses na América Latina e ao iminente confronto com a URSS por áreas de influência no mundo. Impregnaram a América Latina da idéia de que as democracias eram incapazes de conter o comunismo.

            No Brasil o golpe militar de 1964 contou como apoio do governo dos Estados Unidos que apoiou a derrubada do governo Goulart. Nesse período o embaixador norte-americano era assíduo freqüentador do palácio presidencial. Onde sugeria nomes para compor ministérios e censurava as escolhas de “esquerdistas.

      É evidente o grau de envolvimento dos Estados Unidos na preparação e execução do golpe de abril de 1964. Examinemos  a Operação Brother Sam que consistiu  no envio às costas brasileiras de um porta-aviões, destróieres dentre outros artefatos bélicos como o objetivo de fornecer apoio logístico, material e militar aos golpistas. Mas para surpresa dos gringos os nossos militares deram conta do recado de acabar com o regime democrático contrariando os prognósticos da CIA que previa uma guerra civil prolongada.

      O Estado militar instaurando credenciava-se principalmente como guardião do capital internacional e defensor da “restauração econômica, com foco constante na luta contra o comunismo internacional que pretendia acabar coma propriedade privada.

      Em 9 de abril de 1964 como AI-1 decretou a morte do regime baseado na Constituição de 1946, na harmonia e independência dos Poderes, na inviolabilidade do mandato parlamentar. Com a criação da SNI (Serviço Nacional de Informação, com o objetivo de levar adiante os “princípios” da Doutrina de Segurança Nacional que tinha por objetivo principal caçar os “inimigos internos”.

      Em 1966 foi a vez da Argentina ser tomada por um governo militar com os iguais ares de “refundação institucional” que o exército argentino tomou o poder comandado por Juan Carlos Onganía.

      O projeto de penetração norte-americana na América Latina tinha exigido a deposição de vários governos civis para garantir a “calma” necessária ao andamento dos negócios e o combate à Revolução Cubana. Bolivia, Brasil em 1964 e Argentina em 1966 eram elos de um processo comum, que por toda parte se auto-intitulava “revolução”.

      Nos anos de 1968-1969 os governos militares entraram em profunda crise, devido à onda de mobilizações populares que percorreu toda a América Latina, desde o México até a Argentina e o Uruguai. Na realidade esses eventos estavam relacionados com uma crise mundial que se instaurava como posso citar: “o maio francês”, a Primavera de Praga, a Ofensiva Tet pelos Vietcongs e do Vietnã do Norte contra a ocupação da Indochina pelo exército dos Estados Unidos, todos esses eventos deram-se no ano de 1968.

      Neste mesmo ano houve no Brasil importantes manifestações estudantis contra a ditadura militar brasileira, as manifestações foram violentamente reprimidas. Haviam no Brasil grupos organizados e oposição ao regime, atuando na clandestinidade, empreendendo ações armadas em todo o país. Podemos citar a Ação Libertadora Nacional (ALN), e a Vanguarda Popular Revolucionária (VPR). Grupos armados como os citados eram duramente perseguidos e eliminados, com enorme mobilização de tropas do aparelho repressivo do Estado.


sábado, 14 de julho de 2012

Capitalismo nacional na América Latina


Imagem: Galizacig

Octavio Ianni, demonstra que o malogro da política de desenvolvimento econômico destinada a elaborar um capitalismo nacional na América Latina, levou também ao fracasso da política de interdependência ou capitalismo associado. Esses malogros levaram segundo aponta o autor as instabilidades políticas latino-americanas que culminaram com a deposição de presidentes de várias nações. Nesse mesmo contexto encaixam-se as mudanças nas políticas da econômica da América Latina em relação ao livre comercio principalmente com os Estados Unidos. A problemática da dependência esta ligada diretamente como esclarece Octavio Ianni, a brecha econômica e científico-tecnologica, entre o mundo em desenvolvimento e as nações desenvolvidas. Segundo observado no texto a noção de dependência não substitui a de imperialismo ao contrario uma se desdobra na outra se integrando ambas tanto empírica como teoricamente.

Analisando o imperialismo este sempre esteve ligado às perspectivas oferecidas pela nação dominante, sejam nos processos econômicos e políticos como analisa o autor. Os estudos baseados nesses pressupostos procuram demonstrar a relação capital entre os países industrializados e os produtores de matérias-primas. Com  à atuação dos processos econômicos resultantes da Revolução Industrial levaram ao Capitalismo monopolístico em conseqüência aliasse aos interesses do governo metropolitanos. O resultado foi à criação dos impérios, como o britânico e outros. Visando barrar o avanço desses novos impérios econômicos os Estados Unidos elabora a Doutrina Monroe dentre outras, com o objetivo de proteger seus interesses na América Latina.

 Nesse contexto desenvolvesse as noções entre os países industrializados e os exportadores de matéria prima e todos os demais princípios antagônicos entre países dependentes e metrópoles. Mas o imperialismo prolonga-se internamente na própria nação dominante, pois os mesmos fundamentos governam sua política interna como explica Octavio Ianni. Um exemplo no próprio Estados Unidos é a clara distinção entre as cidades do sul aonde a grande maioria da população formada por negros, descendente de mexicanos ou porto-riquenhos é onde impera a pobreza, miséria e o abandono em relação ao governo. Em contradição nas cidades do norte prevalece uma maioria branca aonde a riqueza, luxúria e amparo do governo estão presentes. O motivo: uma sociedade de classes existente dentro do próprio Estados Unidos. Neste colonialismo interno encontramos os mesmos processos que levam ao imperialismo.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.