-

-

sábado, 9 de junho de 2012

Conhecendo o Xintoísmo “a via dos deuses”. Parte III.


O Primeiro Imperador Jimmu Tenno, filho da deusa Sol Amaterasu.

No budismo japonês cultuam-se os BUTSU e BOSATSU (ser iluminado). Três desses seres têm grande relevância: 

AMIDA: preside a “Terra Pura” ou paraíso ocidental.
KANNON: é o protetor das crianças, e das mulheres em trabalho de parto é também o bosatsu daqueles que buscam o perdão.
JIZO: também se preocupa com as crianças, particularmente com as almas daquelas que morreram (inclusive, em épocas recentes, como os fetos abortados), é também o bosatsu daqueles que sentem dor.

Tanto os KAMI, quanto os BOSATSU são considerados essencialmente complementares. E o número de divindades é importante para o xintoísmo como para o budismo.

HACHIMAN, um importante deus guerreiro, baseado no semilegendário imperador OJIN (300 d.C). Ele é venerado em quase todo o Japão. Os santuários Hachiman, são os locais preferidos para o ritual OMIYAMAIRI.  Em que bebês são levados aos santuários, pela primeira vez, para serem purificados.  Outra divindade com raízes históricas é SUGAWARA NOMICHIZANE conhecido também como TENJIN ou “Pessoa Celestial”. Viveu de 845 – 903 d.C, era um sábio e brilhante administrador e membro da corte de HEIAN. Foi acusado falsamente e
exilado onde morreu.

Os deuses Izanagi e Izanami. O deus Izanagi colocando a lança na substancia primordia para criar as primeiras terras.

Após sua morte Heian a Capital imperial (Atual Quioto), foi devastada por incêndios e epidemias. As autoridades relacionaram os eventos como punição divina pela morte injusta de Sugawara. Para acalmar o seu espírito enfurecido e apaziguar o fantasma construíram um santuário importante para o sábio morto como um KAMI com o nome de TENJIN: o magnífico Santuário de KITANO TEMMANGU que continua a ser um dos importantes templos xintoístas mais importantes na QUIOTO moderna. Segundo a história, após a construção do Templo as condições em Heian melhoraram imediatamente. Sendo então Tenjin Sugawara, uma importante divindade do panteão xintoísta. Cultuado com patrono do ensino e educação.

Com frequência são adicionados novos nomes à lista dos Kami principais. O imperador Meiji (1867-1912), teve seu espírito elevado a Kami, devido ao magnífico reinado. Com um templo em TÓQUIO, o MEIJI-JINGU.

O espírito de IEYASU, o primeiro xogum Tokugawa, (morto em 1616), foi o homem que unificou o Japão sob seu Xogunato. Tem seu magnífico templo em NIKKO.

Os escritos Xintoístas mais importantes são o KOJIKI e o NIHONSHOKI.
KOJIKI: (Registro dos Assuntos Antigos), escrito em japonês arcaico, em 712 d.C, por ONOYASUMARO. Inspirado pelo gênero chinês da “Crônica Imperial”, que servia para legitimar a dinastia dominante. Onoyasumaro, foi encarregado de fazer uma crônica japonesa estabelecendo a supremacia do CLÃ YAMATO.
Contando a criação das ilhas do Japão pelos deuses originais IZANAGI e IZANAMI, o nascimento da deusa Sol AMATERASU, e o surgimento de seu descendente JIMMU TENNO, o primeiro imperador.

 Susano, o deus dragão das águas e tempestades.

Mas os principais clãs japoneses ficaram insatisfeitos com o Kojiki, porque enfatizava a história do clã imperial Yamato, em detrimento dos demais clãs. A corte então encomendou o NIHONSHOKI (Crônicas do Japão), que foi copilado em 720 d.C, que deixa bem clara a extensão e a diversidade da antiga mitologia xintoísta e seus Kami. Foi escrito em Chinês clássico. Segue um trecho:

“No principio o mundo era um caos fluido, turbulento e sem forma, surgiram 7 gerações de Kami invisíveis. Na 8° geração, a divindade Izanagi (o homem augusto), e sua irmã a deusa Izanami (a mulher agusta) e tomaram forma parados na “ponte flutuante” (arco-íris) mergulharam uma lança adornada com joias naquela massa gelatinosa e criaram uma ilha, ONOGORO. Essa foi à primeira terra. Izanagi e Izanami desceram até a ilha. Nesse momento eles tomaram consciência de sua diferença de gênero e tornaram-se um. Izanami então deu luz a uma série de Kami também algumas ilhas como O ARQUIPELAGO JAPONÊS. Mas o nascimento de seu último filho, o deus do fogo causa-lhe queimaduras tão serias que ela morreu e foi para o YOMI, a terra dos mortos.Izanagi tentou inutilmente resgatar Izanami do Yomi. Ao voltar do Yomi, Izanagi teve que se purificar no RIO SAGRADO HI. Enquanto se banhava nasceram do seu corpo a deusa sol AMATERASU, o deus da lua TSUKIYOMI, o deus dragão da tempestade SUSANO. Dos descendentes de AMATERASU, nasceu o primeiro imperador JIMMU TENNO, estabelecendo a primeira linhagem imperial com o fim da ‘ERA DOS DEUSES’.

O Kojiki e o Nihonshoki, não são as únicas fontes da crença xintoísta, temos ainda as coleções que cito a seguir:

MANYOSHU: uma coleção de 10 mil folhas datadas de 700 d.C, abrange poesia, mitologia, versos, e poemas longos.
FUDOKI: crônicas provincianas de 713 d.C. Lendas dos Kami locais.
ENGISHIKI: são 50 livros que contêm as “LEIS DO XINTOÍSMO”. Coleção datada do final do século X d.C. Inclui orações, rituais e liturgia xintoísta e regras para a realização das cerimônias nos santuários, as JINGI-RYO.


Autor: Leandro CHH
Copyright © construindohistoriahoje.blogspot.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Construindo História Hoje”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Construindo História Hoje tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para http:/www.construindohistoriahoje.blogspot.com.br. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Construindo História Hoje que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

Você quer saber mais?

LITTLETON, Scott.C. Conhecendo o Xintoísmo: origens, crenças, práticas, festivais, espíritos e lugares sagrados. Petrópolis: Editora Vozes, 2010.





LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.