-

-

sábado, 9 de abril de 2011

Colegas de escola das vítimas enfrentam trauma após tragédia no Rio

Por Júlia Dias Carneiro da BBC Brasil no Rio de Janeiro

Natália da Silva Braga. Foto: Julia Dias Carneiro/BBC Brasil

Natália disse que passou a noite revivendo a tragédia

Colegas de escola das 12 crianças mortas por um atirador na Escola Municipal Tasso da Silveira reconheceram em conversas com a BBC Brasil que estão tendo dificuldade em superar o trauma da tragédia.

“Os amigos e a família ficam vindo falar comigo, mas depois desse ocorrido eu só quero ficar quietinha”, diz Juliane Calado Leonardo, de 14 anos, aluna do 9º ano. “O que mais me dói é que vi as coisas acontecendo, mas não pude ajudar.”

Ela diz que vai ser um trauma voltar para a escola, mas vai ter que continuar. “Tenho que ajudar os meus colegas, que perderam muitos amigos”, diz.

“Foi um momento de terror. Parecia que os tiros estavam em cima da nossa cabeça”, lembra ela, que foi à escola nesta sexta-feira para conferir os horários dos enterros listados no portão de entrada. Pretendia ir ao de duas amigas.

Clique Leia mais na BBC Brasil: Parentes e amigos homenageiam vítimas na escola em Realengo

Transferência de escola

Marcos Vinícius dos Santos França, de 12 anos, também não se imagina voltando para as mesmas salas de aula. “Não estou a fim não. Pedi para a minha mãe me colocar em outra escola, que eu não aguento mais essa, não”, diz.

“Muita gente morreu, meus colegas de coração mesmo, de quem eu gostava muito. A gente brincava no recreio”, conta. “Se não fosse aquele policial ali, estava todo mundo morto”, afirma, referindo-se ao sargento Márcio Alexandre Alves, do Batalhão de Polícia Rodoviária.

Marcos Vinícius dos Santos França. Crédito: Julia Dias Carneiro/BBC Brasil

Marcos Vinícius disse que quer mudar de escola

Avisado por um aluno ferido que conseguiu escapar do ataque, ele foi o primeiro a chegar à escola e baleou o atirador Wellington Menezes de Oliveira, que em seguida se suicidou.

Natália da Silva Braga, de 12 anos, veio deixar flores para as amigas que morreram. “Pensei que ia morrer, que todo mundo ia morrer”, conta. Passou a primeira noite após o ataque revivendo os acontecimentos. “Não conseguia dormir pensando em cada coisa que se passava, no sangue nas escadas.”

O carteiro Hercilei Antunes, de 44 anos, passou o dia na porta de sua casa, imediatamente oposta à da escola, de onde costuma acompanhar a gritaria das crianças na hora do recreio.

Nesta sexta-feira, porém, o silêncio que vinha da escola fechada só aumentava a sensação de vazio. “O som dos tiros ainda parece que está dentro do ouvido da gente”, diz Hercilei, pai de uma aluna de dez anos que estava tendo aulas no terceiro andar durante o ataque.

“Ela está muito abalada. A gente conversa, abraça muito, faz carinho. Mas uma coisa assim é muito difícil de apagar”, diz ele, afirmando ter passado a noite em claro.

Atendimento psicológico

Tania Silvia Reis Bley. Foto: Julia Dias Carneiro/BBC Brasil

Tania diz que o filho não quer comer após a tragédia

A prefeitura colocou atendimento psicológico à disposição das famílias ao lado a escola, mas a representante de uma associação de moradores reivindica que o serviço vá diretamente à casa das crianças.

“As crianças não querem vir para perto da escola porque estão com medo”, disse Claudia Bezerra, da Associação de Moradores de Carundé, de onde morreram três crianças. “É um sacrifício trazê-las para cá.”

Mas para Tania Silvia Reis Bley, de 44 anos, afastar-se da escola não é uma opção - ela mora na rua do lado, e agora procura confortar o filho único, Renan, que não quer comer nem sair de casa.

“As meninas que morreram eram da sala dele. Ele está muito nervoso”, diz ela, que não sabe dizer se o filho vai querer continuar na escola. “Ele sempre estudou aqui. Mas não pode forçar. Tem que deixar ele fazer o que o coraçãozinho dele manda. Deixar agora na mãozinha dele, para ele não sofrer”, diz.

Você quer saber mais?

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2011/04/110408_realengo_criancasjc_rg.shtml

Para ativistas, restringir acesso a armas teria amenizado tragédia.

Episódios como o de Realengo nunca haviam ocorrido no Brasil!

Restringir o acesso a armas de fogo poderia ter amenizado a tragédia desta quinta-feira em uma escola no Rio de Janeiro, disseram à BBC Brasil ativistas pró-desarmamento.

Em um episódio semelhante a outros que já ocorreram no exterior, pelo menos 11 pessoas foram mortas por um atirador em uma escola municipal do bairro do Realengo, na zona oeste do Rio. Confrontado pela polícia, o autor dos disparos se matou.

Para o sociólogo Ignácio Cano, da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), a única forma de prevenir tantas mortes em um ataque como o ocorrido é evitar o acesso do público a esse tipo de armamento.

“Sem armas de fogo, um ataque como esse poderia ter alguns feridos. Com armas de fogo, vira uma tragédia gigantesca”, afirma Cano, membro do Laboratório de Análise da Violência da Uerj.

Antônio Rangel Bandeira, coordenador do Programa de Controle de Armas da ONG Viva Rio, tem opinião semelhante.

“Na China ou no Japão, as pessoas não têm acesso a armas de fogo, e um ataque como esse acontece com uso de faca. Faz muita diferença. Com faca, a média de mortes é de 30%. Com tiro, a média é de 80%”, afirma.

‘Desequilíbrio’

A venda de armas de fogo no Brasil, criticada por Cano e Bandeira, já foi tema de um referendo no Brasil, realizado em 23 de outubro de 2005. Na ocasião, a maioria dos que foram às urnas (63,94%) respondeu “não” à pergunta “O comércio de armas de fogo e munição deve ser proibido no Brasil?”.

Mesmo sem a restrição, Cano lembra que é a primeira vez que a ação de um atirador ocorre com essa dimensão e com tantas vítimas no Brasil.

Apesar de se tratar de uma novidade no país, porém, ele considera que as motivações para esse tipo de crime “são sempre as mesmas”.

“Esse tipo de ação é fruto de desequilíbrio psíquico, raiva ou desejo de vingança de alguém no local de trabalho ou de estudo”, diz. “Pode ocorrer em qualquer lugar. São motivações psíquicas individuais”, diz o sociólogo da Uerj.

No livro Armas de Fogo – Proteção Ou Risco?, Antônio Rangel Bandeira analisa ataques do gênero ocorridos nos Estados Unidos. “Geralmente são pessoas que se sentem rejeitadas pelas instituições, seja a escola ou o trabalho. Elas se vingam daqueles que estão tendo relativo sucesso”, afirma.

“O fenômeno reflete um tipo de sociedade que é intolerante e não lida com as diferenças de forma adequada.” Para ele, os Estados Unidos se enquadram nessa definição, o que explicaria a alta incidência de ataques de atiradores no país.

“Mas o Brasil está se americanizando cada vez mais, por influência principalmente dos games e da televisão”, disse Bandeira. “Incorpora coisas boas, mas as ruins também.”

De acordo com coordenador do Programa de Controle de Armas da Viva Rio, quase metade das 16 milhões de armas que circulam no Brasil atualmente são ilegais, e “90% está nas mãos da sociedade”. “O Brasil é um dos povos mais armados do mundo”, afirmou. “Muita arma, muita morte.”

Cano ressalta que discutir segurança nas escolas é um tema importante, mas não em relação ao caso de Realengo.

“Por mais que se protejam as escolas, dificilmente isso evitaria um caso com esses. Se houvesse um segurança, o atirador daria um tiro nele. A única coisa que se pode fazer é evitar que as pessoas tenham armas.”

Você quer saber mais?

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2011/04/110407_tiroteio_escola_armas_jc.shtml

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.