-

-

sábado, 2 de abril de 2011

Os Navios Vikings

Por centenas de anos antes da era Viking, construtores de barcos escandinavos tinham desenvolvido um tipo de navio, que se mostrou superior à maioria dos modelos anteriores. E a arte de velejar tinha sido finalmente dominada. É provável que a vela não foi utilizado na região nórdica antes do século VII dC.

As naves Viking tinham entre 48-96 pés (15-30m) de comprimento. Elas foram construídos com uma técnica de shell, que é um forte quilha colocada em primeiro lugar, de preferência, como uma peça única que iria aumentar a estabilidade do navio. Um bloco de carvalho de grandes dimensões foi colocado na quilha, com um buraco para o mastro. As placas, geralmente de carvalho, mas, ocasionalmente eram construídas de tijolo, que é a placa de pranchas que eram parcialmente sobrepostas e se juntaram com rebites de ferro. As placas foram calafetadas com cordas de alcatrão encharcado de couro de gado, cabelo ou material têxteis. Em um do quadro superior haveria buracos para os remos. Do lado de dentro dos furos podem ser cobertas com pequenas velas de madeira como uma proteção contra a entrada de água desnecessariamente. Nervuras flexíveis eram adicionadas quando as placas já estavam no local fazendo com que a estrutura do navio fosse elástica. Uma vez que o projeto tinha sido aperfeiçoada, os navios rasos foram sendo projetados rápidamente, espaçoso e de grande navegabilidade. Um navio completamente carregado com apenas cerca de um metro, para uma carga de cerca de vinte a trinta toneladas. Na popa, a estibordo, o leme grande ou remo de direção era localizado. Ele era preso com correias para o interior do embarque. Havia também uma corda na parte inferior do barco para levantar o leme quando o navio entrasse em águas rasas. As velas eram de lã, ou talvez de linho, as folhas de cânhamo. Com base nos cálculos teóricos e experiências práticas, uma velocidade máxima de 12-14 nós, tem sido verificada, mas normalmente cerca de 8 Knots poderia ser alcançado com velas etufadas e um vento justo.
Sabemos pouco da técnica Viking de navegação, mas com toda a probabilidade que mantinham uma navegação proxima ao litoral na medida em que pudesse. Devido as formações naturais, possuiam uma grande variedade de pontos de referência. Em relação a naveção em mar aberto, sinais eram observados como a direção das ondas, o vôo dos pássaros e talvez até a altura ea localização dos astros acima do horizonte. Na saga islandesa do livro de Hauk, a história de uma viagem entre a Groenlândia e a Noruega é contada. Lá é narrada em por menores como você deve navegar para leste e norte das Shetland, que é apenas visível ao sul das Ilhas Faeroes, no sul da Islândia, você encontrará pássaros e baleias. A possibilidade dos Vikings usando uma placa de rolamento primitiva tem sido discutida. Em um assentamento Viking na Groenlândia, um disco de madeira foi encontrado, o que poderá eventualmente ter servido como uma placa de rolamento. Foi datado de cerca do ano 1100.
As ferramentas que foram utilizadas para construir os navios têm sido utilizados mais ou menos inalterada até os dias atuais.


O navio descoberto em 1860 na Gokstad em Sandefjord, na costa sul da Noruega foi um navio de carvalho com cerca de 75 pés (23 m) de comprimento destinados a viagens marítimas. Ele tinha sido usada como um navio de enterro de um homem idoso. O navio foi construído na primeira metade do século IX. O túmulo foi saqueada logo após o funeral, mas os arqueólogos encontraram entre outras coisas, os restos de um pavão, cujas penas eram ainda iridescente, um trenó e 32 escudos de alternância coloração preta e amarela, com fragmentos de tinta restante. Esta é a única ocasião em que os protetores da Era Viking foram encontrados em um estado de preservação tão completa.

A imagem mostra uma reconstrução de uma Pelorus após esboços de Carl V. Solver, que é baseado em um fragmento recuperado na Groenlândia. Com a ajuda da sombra da estaca no relógio de sol, foi possível elaborar o curso, e a horizontal estabelecendo o caminho correto a ser definido.

A parte superior da imagem nesta pedras de calcário muitas vezes tem um contorno típico em forma de cogumelo. As pedras podem ser de até cerca de 12 pés (3-5 m) de altura. Os números são representados em baixo relevo. Os motivos raramente têm sido interpretados de forma correta. Eles são considerados os fragmentos de sagas bem conhecidas dos deuses ou de sagas profana s contemporâneas. Arqueólogos de hoje têm as figuras pintadas na pedra em uma cor contrastante para torná-los mais facilmente visível. Na antiguidade, as pedras foram cromática e pintadas em diversas cores.

Você quer saber mais?

ORRLING, Carin. Vikings, Stockholm: Svenska Institutet, 1997.

http://construindohistoriahoje.blogspot.com/search/label/PESSOAL

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.