-

-

quarta-feira, 16 de março de 2011

A ciência no caminho da espiritualidade.

A humanidade, desde os primórdios, procura entender os seguintes questionamentos: de onde viemos? O que estamos fazendo aqui? Para essas questões. No início das civilizações, a prática religiosa e, de certa forma, a “investigação científica” caminhavam juntas, tais características podem ser notadas nos mesopotâmicos, egípcios, indianos, chineses e, inclusive, nos gregos.

Com o passar dos tempos, essas duas vertentes de conhecimento foram tomando rumos opostos, principalmente durante a Idade Média, quando o ato de fazer ciência era considerado uma heresia. Ao defender a real compreensão da natureza, muitos pagaram com a própria vida.

Crer apenas naquilo que se pode ver e tocar acabou sendo o princípio da ciência após a ruptura com a Igreja, a partir do século XVI. Isso caracterizou as bases do empirismo, para o qual somente é importante o experimento, e não mais o executor da experiência. Nesse período, deixou-se de lado o abstrato, substância fundamental para o entendimento da natureza. O abstrato ficou para a Igreja, e a ciência seguiu o caminho do concreto.

Apenas no início do século XX o concreto e o abstrato voltaram a andar juntos novamente. E o pensamento da ciência concreta acabou tornando-se o próprio pensamento científico. Todavia, se embasarmos a compreensão da natureza apenas nos nossos sentidos, não conseguiremos entender o que realmente está acontecendo. Se ficarmos parados observando o Sol, por exemplo, sentiremos que ele se move ao redor da Terra, mas a ciência já comprovou que na verdade é a Terra que gira em volta do Sol.

A ruptura do concreto com o abstrato, na área da ciência, acabou criando um modelo de interpretação da realidade deficitário. Tal modelo, todavia, acabou confundindo-se com o próprio funcionamento da natureza. Por isso, estamos até hoje imersos numa grande crise existencial.

Imaginar a vida apenas no concreto é como ter um corpo sem espírito. Foi por isso que se acabou criando a idéia de que, para ser cientista, é preciso ser ateu.

Foi no início do século XX, com os fundamentos da Física Moderna, que o concreto e o abstrato começaram a permear novamente o campo das ciências. A dualidade partícula-onda do elétron demonstra bem essas duas realidades.

A idéia do fluxo contínuo dos fenômenos da natureza foi rompida quando Planck observou que a energia emitida por um corpo negro processava-se através de pacotes de energia, que ele batizou de quanta, ou seja, a Física das Quantidades.

Até então, imaginava-se que o comportamento da matéria em nível atômico era idêntico ao comportamento macroscópico.

Quando Niels Bohr resolveu aprofundar-se no estudo sobre a estrutura atômica, já desenvolvida inicialmente por Rutherford, postulou algumas idéias que mais tarde viriam a mudar todo o pensamento científico.

Bohr descobriu que os elétrons, podem se comportar ora como partícula, ou ora como onda. A dúvida ainda pairava no ar: para onde o elétron vai quando desaparece em um nível e reaparece em outro? Como pode ora ser partícula e ora ser onda?

A Física, então, deveria ser probabilística e não realista. Foi por isso que Einstein disse que Deus não joga dados. Mas, na verdade, o que descobriu é que o observador, que até então era descartado da ciência e considerado um mero espectador do fenômeno, atua sobre este, alterando-o.

Mas algo ainda estava por acontecer. Os cientistas, durante muito tempo, procuraram saber se a consciência realmente existe. Nós a sentimos temos a sensação de que ela esta do nosso lado, mas não conseguimos defini-la. Foram realizadas tomografias e ressonâncias, mas nunca se encontrou nada. Não foi encontrado porque ainda procuramos o concreto.

Em 1995, um importante experiência laboratorial de interação não-local, ou seja, sem troca de sinais,foi realizada pelo neurofisiologista Jacobo Grinberg-Zylberbaun, da Universidade do México, e sua equipe. Esses pesquisadores estavam procurando um caminho para demonstrar a conexão quântica não-local entre cérebros, demonstrando que a consciência é um objeto quântico, ou seja, desloca-se em níveis quânticos instantaneamente.

O experimento foi executado da seguinte forma:

Um meditador foi colocado dentro de uma gaiola de Farady (ambientes isolados eletromagneticamente) e seu cérebro foi conectado a uma máquina de EEG (eletroencefalograma).

Quando iniciou o experimento, nenhuma das dez pessoas sabia o horário exato do teste. O meditador recebeu então uma foto, escolhida ao acaso, de uma das dez pessoas que estavam na outra gaiola de Farady. O meditador concentrou-se, e imediatamente a máquina EEG capturou um sinal, também capturado pela outra máquina EEG a 220 Km de distância, sem nenhuma troca de sinal. O experimento foi repetido inúmeras vezes, comprovando, portanto, que a consciência é um objeto quântico.

A comunidade científica atual é extremamente conservadora, concreta e não admite nada que não esteja dentro das bases por ela definidas. A própria equação de Einstein (E=mc2) foi durante muito tempo rejeitada por essa mesma comunidade científica, a qual segue mantendo-se voltada meramente aos interesses econômicos. Isso pode ser identificado quando olhamos para os Estados Unidos: mais da metade dos valores investidos em pesquisa no país é financiamento do Pentágono.

Se na grande explosão (Big Bang) todos os elétrons, prótons e nêutrons estavam correlacionados e depois se separaram, isso significa que ainda estamos todos ligados uns aos outros. Então meu pensamento é sentido pelo Universo inteiro.

Aplicar na ciência a lei de São Tomé, ou seja, ver para crer, mas essa lei não funciona para a natureza. O conhecimento está dentro de cada indivíduo. Ele está esperando que cada um de nós tome consciência e passe a buscá-lo. Sócrates já dizia: “CONHEÇA-TE A TI MESMO”.

As revoluções científicas não são absorvidas pela sociedade de uma maneia instantânea.

Já se sabe que, para a ciência, o observador altera o resultado do experimento, mas ainda vivemos em uma sociedade dominada pelo empirismo, em que o ser humano é descartável, apenas um número perdido na multidão. As emoções, a teimosia, a irracionalidade são requisitos necessários para a redescoberta do abstrato.

A ciência e a espiritualidade estão apontando para a mesma direção. As religiões sempre trabalharam com o abstrato, mas a ciência, por questão histórica, acabou ficando apenas com o material.

As respostas para as questões “De onde viemos?”, “O que estamos fazendo aqui?”, “Para onde vamos?” então dentro de cada um, e esse caminho é feito com amorosidade, paz no coração, tanto pela religiosidade-espiritualidade como pela ciência, mesmo que tais idéias não sejam aceitas pela comunidade científica, pois ainda estão em conflito as questões econômicas – apenas de grandes estudiosos, como Einstein e Hawking, apontarem para uma direção mais espiritual.

Você quer saber mais?

BIEHL, Luciano Volcanoglo. A Ciência Ontem, Hoje e Sempre. Canoas: Editora da Ulbra, 2008.

BIEHL, Luciano Volcanoglo. O Mundo Quântico. Porto Alegre: Razão Bureau Editoral, 2005.

GOSWAMI, Amit. O Universo Autoconsciente. 4.ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2001.

BACHELARDA, Gaston. O Novo Espírito Científico. 2.ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1995.

CAPRA, Fritjof. A Teia da Vida. São Paulo: Cultrix, 1997.

CAPRA, Fritjof. O Ponto de Mutação. São Paulo: Cultrix, 1997.

CAPRA, Fritjof. O Tao da Física. São Paulo: Cultrix, 1997.

GROFE, Stanislav. Além do Cérebro. São Paulo: McGraw Hill, 1998.

http://construindohistoriahoje.blogspot.com/search/label/PESSOAL

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.