-

-

segunda-feira, 14 de março de 2011

Síntese Bibliográfica de Plínio Salgado

Filho de um farmacêutico e de uma professora, Plínio Salgado nasceu a 22 de janeiro de 1895 na cidade de São Bento do Sapucaí, interior do Estado de São Paulo. Muito cedo inicia sua ação política e aos 18 anos é um dos fundadores do Partido Municipalista, primeiro do gênero no Brasil, fato que de certa forma prenuncia seu zelo pela problemática dos municípios, tendência que viria a sustentar por toda a vida. Ainda em 1913, cria o Correio de São Bento, semanário que um ano depois lhe credenciaria ao cargo de redator do Correio Paulistano, na capital do Estado. Sendo esse informativo intimamente ligado ao então Governo Estadual, dominado pelo Partido Republicano Paulista (PRP), Salgado passa a transitar entre a elite política local e em 1927 é eleito Deputado Estadual, com apoio de Júlio Prestes.

Antes disso, porém, participa ativamente da Semana de Arte Moderna de 1922, envolvendo-se nos debates em torno da nova estética artístico-literária e do nativismo indianista, além de desenvolver seu nacionalismo, que mais tarde iria robustecer-se com o advento do Movimento Verde-Amarelista, fundado em parceria com Menotti del Picchia, Motta Filho e Cassiano Ricardo. Depois de escrever uma série de artigos publicados pelo Correio Paulistano, através dos quais já se percebe fragmentos da embrionária ideologia integralista, Salgado lança o romance O Estrangeiro (1926) e vê coroadas suas atividades literárias com o ingresso na Academia Paulista de Letras três anos depois. Assiste aos acontecimentos de 1930 em solo Europeu, como preceptor de um jovem de família abastada. Contudo, já instituído o governo varguista, retorna ao Brasil e dirige o jornal A Razão, para o qual escreve artigos doutrinários diariamente.

Em decorrência da eclosão da Revolução Constitucionalista em São Paulo, a sede do jornal é incendiada, o que precipita a fundação da Sociedade de Estudos Políticos (SEP), entidade pré-integralista que serviria como substituta de A Razão na função de agente difusor da apologética de Salgado, bem como instrumento para aglutinar seus seguidores, os mesmos que formariam o núcleo central do grupo que em sete de outubro de 1932 proclama o Manifesto de Outubro. Nascia assim a Ação Integralista Brasileira (AIB).

Salgado logo se afirma como líder supremo (“Chefe Nacional”) do novo movimento, embora a adesão de nomes como Miguel Reale, Gustavo Barroso e Raymundo Padilha tenha forjado esferas de influência consideráveis sobre a militância. Chega a ter chancelada sua candidatura à Presidência da República, empresa que viria a ser revogada pelo decreto estadonovista de extinção dos partidos políticos.

Dúbia se mostra sua relação com a nova ordem, e após uma colaboração inicial que lhe valeu o convite de Vargas para assumir o Ministério da Educação, acaba por repudiar o decreto de fechamento da AIB e é então preso na Fortaleza de Santa Cruz, lá permanecendo até 21 de junho de 1939, sob acusação de ser o mentor do famoso Putsch do ano anterior, geralmente atribuído aos integralistas. Parte para o exílio em Portugal, onde desempenha atividades de conferencista e solidifica, através da publicação de diversas obras religiosas, sua condição de intelectual e líder católico militante. Durante esse período, envia ao Brasil uma série de manifestos e orientações formais aos membros da extinta AIB, explicitando, em um deles, sua aprovação à declaração de guerra do governo brasileiro contra o Eixo nazi-nipo-fascista. Uma vez redemocratizado o sistema político, Salgado retorna à terra natal e é eleito presidente do Partido de Representação Popular (PRP), organização esta que passa a congregar parte significativa dos antigos camisas-verdes. Embora germinada no exílio, operacionaliza-se nessa época sua ressignificação ideológica, que teve no apoio a candidatura presidencial de Eduardo Gomes um marco divisor peremptório, no sentido do abandono do anti-sistemismo característico da AIB.

Em 1955, disputa a presidência da República pelo PRP, obtendo 632. 848 votos, e um ano depois é eleito Deputado Federal pelo Estado do Paraná. Exerce por mais duas vezes a legislatura federal (1960-64 e 1970-74), agora representando São Paulo.

Salgado profere seu discurso de despedida na Câmara dos Deputados e decide abandonar a vida pública, vindo a falecer em dezembro de 1975, aos 80 anos de idade.

Você quer saber mais?

SANTOS, Alonso. Monografia sobre Plínio Salgado. Rio de Janeiro: N.I.E.R.J.

Demais referências bibliográficas citadas pelo autor.

BRITO, Raimundo de Farias. Finalidade do Mundo. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura, Instituto Nacional do Livro, 1957. 2.ed.

CARNEIRO, J. Fernando. Catolicismo, Revolução e Reação. Rio de Janeiro: AGIR, 1947.

CALIL, Gilberto Grassi. O Integralismo no Pós-guerra: A Formação do PRP (1945-1950). Porto Alegre: EDIPUCRS, 2001.

CUNHA, Euclides da. Os Sertões. São Paulo: Martin Claret, 2002.

DARNTON, Robert. História Intelectual e Cultural. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.


FIGUEIREDO, Jackson. Literatura Reacionária. Rio de Janeiro: Edição do Centro D. Vital, 1924.

FRANCA, Leonel. A Psicologia da Fé. Rio de Janeiro: AGIR, 1952. 6.ed.

GONZAGA, Sergius. Manual de Literatura Brasileira. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1994. 11.ed.

MADEIRA, Angélica. Fraturas do Brasil: o pensamento e a poética de Euclides da Cunha. In: AXT, Gunter e SCHÜLLER, Fernando (Orgs.). Intérpretes do Brasil. Porto Alegre: Artes e Ofícios, 2004.

MANTEGA, Guido. Economia Política Brasileira. São Paulo: Polis/Vozes, 1984.

SACCOMANI, Edda. Fascismo. In: BOBBIO, Norberto (Coord.) Dicionário de Política. Brasília: UNB, 1983. 4.ed.

SALGADO, Plínio. Aliança do Sim e do Não. In: Obras Completas. São Paulo: Editora das Américas, 1955. v.6.

_______. A Quarta Humanidade. In: Obras Completas. São Paulo: Editora das Américas, 1955. v.5.

_______. Despertemos a Nação. In: Obras Completas. São Paulo: Editora das Américas, 1955. v.10.

_______. Direitos e Deveres do Homem. In: Obras Completas. São Paulo: Editora das Américas, 1955. v.5.

_______. Discursos. In: Obras Completas. São Paulo: Editora das Américas, 1955. v.10.

_______. Discursos Parlamentares. sel. e intr. Gumercindo Rocha Dórea, Brasília: Ed. Câmara dos Deputados, 1982.

_______. Espírito da Burguesia. Rio de Janeiro: Livraria Clássica Brasileira, 1951.

_______. Madrugada do Espírito. In: Obras Completas. São Paulo: Editora das Américas, 1955. v.7.

_______. Mensagem às Pedras do Deserto. In: Obras Completas. São Paulo: Editora das Américas, 1955. v.14.

_______. Mensagens ao Mundo Lusíada. In: Obras Completas. São Paulo: Editora das Américas, 1955. v.6.

_______. O Cavaleiro de Itararé. São Paulo: UNITAS, 1933.

_______. O Esperado. São Paulo: Panorama, 1948.

_______. O Integralismo na Vida Brasileira. Rio de Janeiro: Livraria Clássica Brasileira, 1958.

_______. O Integralismo Perante a Nação. In: Obras Completas. São Paulo: Editora das Américas, 1955. v.9.

_______. O que é Integralismo. In: Obras Completas. São Paulo: Editora das Américas, 1955. v.9.

_______. O Rei dos Reis. In: Obras Completas. São Paulo: Editora das Américas, 1955. v.6.

_______. O Ritmo da História. In: Obras Completas. São Paulo: Editora das Américas, 1955. v.6.

_______. Páginas de Ontem. In: Obras Completas. São Paulo: Editora das Américas, 1955. v.10.

_______. Palavra Nova dos Tempos Novos. In: Obras Completas. São Paulo: Editora das Américas, 1955. v.7.

_______. Primeiro Cristo! In: Obras Completas. São Paulo: Editora das Américas, 1955. v.6.

_______. Psicologia da Revolução. In: Obras Completas. São Paulo: Editora das Américas, 1955. v.7.

_______. Reconstrução do Homem. Rio de Janeiro: Livraria Clássica Brasileira, 1958. 2.ed.

_______. Vida de Jesus. São Paulo: Panorama, 1945.

SANTOS, Cleiton Oliveira dos. Alberto Torres: o pensamento integralista em gênese. Goiânia: UFG, Monografia de Especialização. Departamento de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal de Goiás, 2004.

SILVA, Hélio. Terrorismo em Campo Verde. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, Coleção Documentos da História Brasileira, 1964.

SILVEIRA, Tasso da. Tendências do Pensamento Contemporâneo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1935.

SOUZA, Francisco Martins de. Raízes teóricas do Corporativismo Brasileiro. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, Coleção Caminhos Brasileiros, 1999. v.7.

TOBIAS, José Antônio. História das Idéias no Brasil. São Paulo: EPU, 1987.

TORRES, Alberto. O Problema Nacional Brasileiro. São Paulo: Companhia Editora Nacional, Coleção Brasiliana, 1978. v.16.

TRINDADE, Hélgio. Integralismo: o Fascismo Brasileiro na Década de 30. Porto Alegre: Co-edições UFRGS/DIFEL, 1974.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.