-

-

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Rituais da Acão Integralista Brasileira: Noite dos Tambores Silenciosos.

Entre os rituais da Ação Integralista Brasileira, acontecia a celebração da Noite dos Tambores Silenciosos previa-se uma cerimônia bastante longa, com mais de três horas de duração, durante as quais juramentos, cantos de hinos e orações em silêncio mesclavam-se a rufar de tambores e declamações de poesia.

Essa cerimônia aconteceu pela primeira vez em 1935, em Blumenau, durante o I Congresso Meridional Integralista e contou com a presença de 40 mil participantes.

Plínio Salgado Referia-se a esse evento da seguinte maneira:

“(...)não se descreve o que foi esse instante em mais de 1600 núcleos, integralistas do Brasil, desde o Oiapoque ao Chuí, desde o litoral ao sertão do oeste. Só quem viu, ouviu e sentiu em Blumenau. Foi um abalo de alma, escutar três minutos os tambores que não rufam mais. Foi um instante de poderoso misticismo, um momento de inefável entusiasmo.”

O ritual que deveria ser seguido para essa ocasião era o seguinte:

I-Ás 21 horas, a autoridade máxima local abre a sessão, sentando-se, porém, na presidência, o integralista mais pobre, mais humilde que representará o Chefe Nacional. Canta-se o Hino Integralista. Faz-se a chamada dos mártires do integralismo e dos mortos do núcleo, respondendo todos: Presente.

II-Procede-se à renovação do juramento e do juramento à Bandeira Nacional;

III-Leitura dos capítulos do Manifesto de Outubro;

IV-Fala um orador. Quando o relógio marcar meia noite em ponto, ergue-se a autoridade que estiver dirigindo os trabalhos e diz: É meia noite. Em todas as cidades da imensa Pátria, nos navios, em alto mar, nos lares, nos quartéis, nas fazendas e estâncias, nas choupanas do sertão, nos hospitais e nos cárceres, os integralistas do Brasil vão se concentrar três minutos em profundo silêncio.

É a “Noite dos Tambores Silenciosos”.

Atenção!

(Uma ou mais caixas surdas batem, devagar, durante esses três minutos).

Os integralistas presentes fazem, mentalmente, a seguinte oração, ou será impressa e distribuída profusamente na reunião, como título de “Oração dos Tambores”:

“Senhor, escutai a prece dos três mil tambores que estão rufando neste instante em todo o mapa da Pátria. Ajudai-nos a construir a Grande Nação Cristã; inspirai-nos nas horas da dúvida e da confusão; fortalecei-nos nas horas do sofrimento, da calúnia e da injustiça; esclarecei nossos inimigos para que eles compreendam quanto desejamos a sua própria felicidade; defendei nosso Chefe e nossa Bandeira e levai-nos ao triunfo, pelo bem do Brasil”.

Decorridos os três minutos, calados os tambores, o presidente da sessão dirá: “Esta cerimônia acaba de ser realizada em todas as cidades e povoados de todas as Províncias do Brasil. O Chefe está falando neste momento na capital do país. A sua voz exprime o pensamento e o sentimento de um milhão de camisas-verdes, vigilantes que montam guarda às tradições da Pátria e cujos corações batem, como um milhão de tambores que nenhuma força poderá fazer calar, porque eles pertencem a Deus e anseiam pela grandeza da posteridade nacional”;

V-Imediatamente após essas palavras, a autoridade que preside à sessão senta-se, e, sem que seja necessário dar a palavra, o melhor declamador,ou a melhor declamadora do núcleo dirá a poesia de Jaime Castro:

A NOITE DOS TAMBORES SILENCIOSOS

Zero hora no cronômetro integral

De toda a imensa vastidão da Pátria

Nas cidades, nos mares, nos sertões,

Um trágico bater de caixas surdas...

É a noite dos tambores silencioso

Três minutos, o rufo no silêncio,

Traduz um grande apelo e um grande choro

E simboliza os nossos corações.

II

A alma da Pátria, inteira está em nós,

Segredando que estamos vitoriosos

Somos neste momento a própria Pátria,

E distinguimos no rumor da voz

Que vem do íntimo da alma dos tambores,

Um soluço de angústia nacional.

III

Há nessas misteriosas ressonâncias

O distante tropel dos bandeirantes

Desbravando as florestas brasileiras;

O balbuciar das tribos aturdidas,

Das feras o rugido, a voz da inúbia

-A voz do Brasil virgem dos Tupis.

IV

Enche nossos atônitos ouvidos

Todo um mundo de sons intraduzíveis

-São as vozes que foram abafadas,

Pelos pulsos de ferro da injustiça.

-As vozes dos patriotas esquecidos,

Dos grandes brasileiros ignorados.

V

Vêm-nos de envolta, qual terrível côro,

Os surdos ais dos negros sufocados,

Estrangulados ao vibrar do látego.

Uma paisagem trágica avassala

O nosso pensamento neste instante

Os campos do nordeste, ressequidos,

Fazem lembrar um panorama d’Africa...

VI

Através desses campos na savanas,

Milhões de brasileiros sofrem fome,

Vemos na dor dessa paisagem morta,

A própria dor dos homens que ali vivem,

O rufo continua. Pelo ambiente

Há um bárbaro tumulto. Os grandes filhos

Do Brasil do passado, estão conosco.

VII

Vago bater de marcha acelerada

Semelhante ao relar de uma cascata,

Ao rugir de um tufão pela floresta,

Aproxima-se. É sempre mais distinto.

Cresce, aumente, reboa, estruge, empolga,

Vem de todos os lados, e recorda,

O espetáculo do encontro do oceano

Com a enorme caudal dos grandes rios.

VIII

Escuta-se uma súbita parada...

São as legiões de farda cor de selva

Que vem se recolher da grande marcha.

Agora á voz do Chefe que escutamos.

Ante as legiões sem fim, ele anuncia

A vitória completa, e, diz que ali

É que começa a verdadeira luta.

Sacode intenso frêmito as legiões;

Fá-las vibrar num ímpeto de júbilo...

IX

E as mãos que se estorciam na angústias

De um século de doida expectativa,

Se ergueram para o céu num arremesso

De alegria, de glória e redenção.

E, entre os muitos milhões de braços

Elevaram-se os braços dos descrentes,

Dos tíbios, dos perversos, dos inúteis;

E a interjição de espanto que tiveram

Foi o grito de nossa saudação!

VI-Termina a declamação, o presidente da mesa levanta-se, procedendo-se ao juramento habitual constante dos Protocolos.

Canta-se o Hino Nacional.

O presidente da sessão exclama: Pelo Brasil, futura Potência entre as Potências, que nós construiremos com a energia do nosso Espírito, com a força do nosso coração e com a audácia do nosso braço, três Anauês.

Todos respondem: Anauê, Anauê, Anauê.

Finalmente, o presidente da mesa exclama: A Deus, o criador do universo, para que nos inspire, fortaleça e conduza.

Quatro Anauês.

Todos respondem: Anauê, Anauê, Anauê, Anauê.

Encerra-se a sessão e, enviasse um telegrama à Chefia Nacional comunicando a realização do evento e o número de participantes. Nesses telegramas, que seriam posteriormente publicados nos jornais, a expressão Tambores Silenciosos deveria ser usada.

A título de ilustração, transcrevo um telegrama do Núcleo de Rio Claro-SP, enviado ao Chefe Nacional em 1935, publicado no jornal A Offensiva:

“Rio Claro (São Paulo) – Grande reunião formidável assistência tambores rufaram meia noite, comemoração terceiro aniversário intensa vibração cívica fé inabalável nossa doutrina. O Brasil está de pé. Vibrantes Anauês." (A) Pimentel Junior.


Você quer saber mais?

Cavalari, Rosa Maria Feiteiro. Integralismo: ideologia e organização de um partido de massa no Brasil (1932-1937), Bauru, SP: EDUSP, 1999.

Plínio Salgado, A Noite dos Tambores Silenciosos, in: A Offensiva, ano II, Rio de Janeiro, 12 de outubro de 1935, n.74, p.3

Protocolos e Rituais, Capítulo XI, artigo l67.

A Offensiva, 19 de outubro de 1935, número 75, p. 12.

http://construindohistoriahoje.blogspot.com/search/label/PESSOAL

http://construindohistoriahoje.blogspot.com/search/label/INTEGRALISMO


LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.