-

-

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Frente Integralista Brasileira - Trabalho pelo bem do Brasil

“Poderão associar-se à F.I.B todos os brasileiros, que comunguem dos princípios doutrinários da F.I.B., e atuem em coerência com tais princípios, respeitando as disposições estabelecidas no seu Regimento Interno, e colaborando, junto aos demais membros, para o engrandecimento da organização.”

A Frente Integralista Brasileira nasceu, oficialmente, no ano de 2005, como resultado da convergência de ações, grupos e movimentos em prol do Brasil - cujos esforços nas últimas décadas foram fundamentais para que a chama e o legado de Plínio Salgado não se extinguissem.

Unimos, desde o início e de forma progressiva, veteranos e jovens companheiros, de forma organizada, alinhados aos valores autênticos do Brasil e guiados pela Doutrina Integralista. Companheiros, nossa organização tem como um de seus objetivos a união de patriotas de todo o Brasil para possibilitar o desenvolvimento e o alcance dos objetivos do movimento Integralista.

Nestes últimos anos acumulamos vitórias, experiências e também a ampliação da clareza sobre os desafios que temos nos esforços de reorganizar e ampliar o Movimento Integralista em tempos de tamanha confusão mental que contamina não somente nosso povo, mas a humanidade.

Nosso foco interno é organização e a ampla mobilização, sempre com atenção para encontrarmos as saídas e rumos para o Brasil diante das atuais circunstâncias. Temos atuado em diversas frentes, temos planos em curso, projetos diversos em andamento e - com as bênçãos de Deus - já colhemos os primeiros resultados que indicam estarmos no rumo certo. Queremos que cada companheiro faça uma honesta reflexão sobre como doar ntoda ou parte de sua vida pelo Brasil. Temos fé que mesmo os brasileiros menos motivados, quando tiverem a oportunidade de conhecer nossas idéias e nosso trabalho, concordarão conosco e ingressarão de forma decidida em nossas fileiras para lutar pelo bem do Brasil.

Se estiver disposto a trabalhar conosco, ser um membro ativo desta organização, escreva- nos suas idéias, habilidades e conhecimentos. Precisamos de pessoas com capacidade para apoio ou liderança em dezenas de iniciativas. Conhecimento, trabalho, propaganda, força, experiência e inclusive recursos materiais financeiros e imobiliários: todos podem descobrir que há como colaborar de forma muito relevante com a grande obra que estamos edificando e ampliando.

Pelo Bem do Brasil!

Anauê!

Lucas P. de Carvalho

Você quer saber mais?

http://www.integralismo.org.br

O Movimento Integralista por Plínio Salgado.

Plínio Salgado (1958)

“Só os unilateralistas do socialismo e do liberalismo podem engendrar o Estado Totalitário; nunca, porém, os integralistas e isso por uma questão de coerência doutrinária.”

O Movimento Integralista brasileiro é um movimento de cultura que abrange: O Integralismo, pois, no Brasil, é bem diverso do Integralismo francês de Charles Maurras, porque esse não passa de um “nacionalismo integral”, com a preocupação de restaurar as tradições; diverso é, também, do Integralismo lusitano, que transplantou o sentido tradicionalista da corrente gaulesa,
com a tendência de reatar o processo social moderno ao espírito medievalista; e diferente é, por outro lado, não só do “racismo” alemão, cuja tese da superioridade étnica exprime um prejuízo de cultura, como, ainda, do “fascismo” italiano, ao qual somente nos assemelhamos no concernente à nova atitude do Estado, em face da luta social. Trata-se, portanto, de um movimento original, genuinamente brasileiro, com uma própria filosofia, um nítido pensamento destacado na confusão
do mundo contemporâneo.

A Europa sofre hoje de numerosos males, porém, o pior de todos é o apego a vícios de cultura, a inveterados hábitos, preconceitos de doutrina e costumes sociais e políticos difíceis de serem removidos. Aos prejuízos culturais de uma civilização capitalista e burguesa, contrapôs-se a superstição e o fanatismo das correntes socialistas. Nos dois campos, a visão dos problemas é unilateral, de sorte que o Velho Mundo (ao qual podemos juntar os Estados Unidos da América do Norte) tem hoje uma vista vazada, e os que não vêem as coisas unicamente pelo olho direito, vêem-nas, tão somente, pelo esquerdo. Falta, pois, ao Velho Mundo, a noção das perspectivas exatas, o equilíbrio visual, o sentido das proporções, razão por que nos encontramos em circunstâncias especiais para dizer uma palavra nova aos povos.

1º) Uma revisão geral das filosofias dominantes até o começo deste século e, consequentemente, das ciências sociais, econômicas e políticas;

2º) A criação de um pensamento novo, baseado na síntese dos conhecimentos que nos legou, parceladamente, o século passado. Essa palavra, nós a diremos, se conseguirmos, livrando o povo brasileiro das teorias capciosas e das influências dos sectarismos, organizar uma opinião pública sensata, disciplinada, capaz de depositar confiança na elite cultural que estamos criando. Em vos falando da verdade, pergunto-vos: existe uma verdade da “direita” e outra da “esquerda”? Onde está a verdade? Como atingiremos a verdade? Respondo-vos, dizendo que não existe uma verdade da “direita” ou da “esquerda”, porque no sistema do mundo, na essência do cosmos, não existe nem “esquerda” e nem “direita”, e sim condições de movimentos e processos de expressão de forças eternas, de um modo imutável. A Verdade está no Absoluto das coisa e nós o atingiremos, pela concepção integral do Universo. Eis aí como o nosso integralismo supera todas
as correntes de idéias que costumam evocar, para estabelecer comparações, os pouco versados em nossa doutrina. Não nos limitamos ao terreno econômico e social, porquanto partimos da esfera filosófica e estabelecemos um sistema de consideração do mundo, segundo o qual subordinamos o nosso pensamento político. Esse sistema não se submete ao angulo estreito das concepções unilaterais, nem tampouco se restringe ao agnosticismo debilitante da burguesia epicurista ou empírica. O nosso pensamento tem o sentido expressivo deste século, cujo espírito
os pensadores da Europa não apreenderam. Esse espírito é de Síntese.

Acreditamos, como Hegel acreditou, que a grande filosofia é, principalmente, a história das filosofias. E, por isso, tomamos de todo o cabedal que nos forneceu o século passado, para construirmos, com ele, o século novo. Não somos ecléticos; compreendemos apenas que o ritmo do século XIX foi o ritmo das unilateralidades, das visões parciais. O único sentido totalitário do Universo é ainda aquele ao qual nos ligamos: o pensamento de Aristóteles, a concepção da unidade diferenciada. A contribuição que trazemos, a fim de adaptar a essência desse conceito do Universo às condições do mundo contemporâneo é a mesma que nos fornecem a ciência do século passado e as considerações parciais que nós procuramos sintetizar. Pretendemos realizar a síntese do pensamento e, por consequência, a síntese política.

Sob este aspecto é que o integralismo brasileiro está numa plana muito superior a todas as correntes políticas européias. Somos mais avançados do que o fascismo, no qual, diga-se de passagem, temos muito que observar e aproveitar; deixamos atrás, com uma distância de 50 anos, o socialismo marxista, o sindicalismo revolucionário, como perdemos de vista, na curva de 100 anos, a liberal democracia, filha da filosofia materialista e mãe do comunismo. Todas essas concepções foram parciais, obedecendo ao sentido de análise do século XIX; mas, nós vivemos o século da unidade, o século integral. Somos de uma época em que as ciências refluem para um mesmo ponto comum. A química, tendo caminhado até o átomo, prosseguiu até os “íons” e na gravitação destes encontrou os segredos eternos das jornadas das estrelas.

Na extrema subdivisão da matéria, a química confundiu-se com a mecânica e com a física, e encontrou a essência dos mundos, as expressões materiais da energia; e, no mistério dos movimentos, a magia eterna do número, que Pitágoras pressentira. Essa mesma unidade científica nos inspira a unidade filosófica e a história da filosofia adquire um valor novo para nós, integralistas, que somos os primeiros homens novos. O nosso pensamento integralizador oferece-nos os elementos para a realização da síntese sociológica de que resulta a Nova Economia e a Nova Política. A nossa concepção do mundo, sendo totalitária e realista, leva-nos a considerar o homem, não um animal superior, segundo o entendem os materialistas, nem tampouco um “cidadão cívico”, à semelhança da liberal democracia, mas um ser complexo, com tríplice aspiração: material, intelectual e moral.

Convêm explicar: A nossa concepção totalitária do Universo e do Homem repele a idéia do Estado Totalitário. É evidente: não podemos inserir o maior no menor. Sendo o Estado uma criatura do Homem, significa que o Homem é maior do que o Estado. A Nação é um grupo natural criado pelo Homem; o Estado, o instrumento mediante o qual o Homem ordena juridicamente a Nação. Portanto, o instrumento do Homem não pode dominar o Homem. Logo, o Estado Totalitário não pode ser aceito pela filosofia totalitária. Só os unilateralistas do socialismo e do liberalismo podem engendrar o Estado Totalitário; nunca, porém, os integralistas e isso por uma questão de coerência doutrinária.

Você quer saber mais?

http://www.integralismo.org.br

O Integralismo por Gustavo Dodt Barroso


“No fundo da alma de qualquer povo dormem, ignoradas, forças infinitas. Quem as souber despertar, moverá montanhas.”

O Integralismo não é um partido político, nem de modo algum deve ser confundido com qualquer partido político. Os partidos políticos representam interesses parciais de um grupo de eleitores organizados à sombra de um programa destinado à duração dos mandatos daqueles que elege. O Integralismo põe o interesse da NAÇÃO acima de todos os interesses parciais ou partidários e se guia por uma doutrina, não por um programa.

O Programa é um projeto ou resolução daquilo que se pretende fazer em um tempo determinado. Doutrina é um conjunto de princípios filosóficos,morais e científicos na qual se baseia um sistema político por tempo indeterminado. A diferença é essencial. Uma doutrina dá origem a um incalculável número de programas. Um programa não produz nenhuma doutrina.

* Se não é partido, então o que é o Integralismo? – Perguntarão todos quantos se viciaram em compreender a política como simples jogo e manejo de partidos. O Integralismo é uma Ação Social, um Movimento de Renovação Nacional em todos os pontos e em todos os sentidos. Prega uma doutrina de renovação política, econômica, financeira, cultural e moral. Prega essa doutrina, completa-a e a amplifica constantemente com seus estudos, e prepara os homens capazes de executar as medidas dela decorrentes. Abrange, nos seus postulados, indagações e finalidades, todas as atividades nacionais. Bate-se, não por um programa partidário regional ou local, - autonomista, evolucionista, constitucionalista, partido republicano mineiro, partido republicano paulista, partido democrático, etc.; mas pela construção do Mundo e do Homem até ás dos fatores econômicos (1). Isto é uma Política, da qual decorre uma administração. Os partidos somente são capazes de chegar até um programa de administração. O Integralismo constrói uma Doutrina Política, em conseqüência da qual poderá formular inúmeros programas de administração.

Por isso, o Integralismo não compreende e não quer o Brasil partido, dividido: de um lado o povo, alistado em dezenas e mesmo centenas de partidos, votando em milhares de legendas que subpartem os partidos, sempre contrário ao governo, como se este fosse seu pior inimigo; de um lado, o povo iludido pelo politiqueiros, contrapondo-se ao Estado que o esfola com os impostos; do outro, esse Estado manobrado pelo partido que dele se apoderou por meio do voto, oscilando ao sabor das forças paralelas a ele – corrilhos eleitorais ou financeiros, etc., tornado meio de satisfazer apetites, quando deve ser um fim para satisfazer o bem público; mas compreende e quer o Brasil - Unido, isto é, o Brasil - Integral, com o Estado e a Nação confundidos num todo indissolúvel.

O Estado não deve ser somente o governo, a administração de um país. A Nação não deve ser somente a comunidade dos indivíduos unidos pela origem, pela raça, pela língua ou pela religião sob o mesmo regime político. A Nação e o Estado devem integrar-se num corpo só, na mesma associação de interesses e de sentimentos, confundindo-se na mesma identidade e para os mesmo fins. Na Doutrina Integralista, a Pátria Brasileira deve ser uma síntese do Estado e da Nação, organizada sobre a base corporativa (2). A sociedade humana não vale somente pelo que apresenta aos nossos olhos, vale muito mais ainda pelo que nela existe e não conseguimos ver, isto é, as forças ocultas do seu Passado e do seu Espírito. Os homens prende-se ao Passado através de seus ascendentes, cujos características essenciais herdam, cujas conquistas morais, intelectuais, técnicas e materiais lhes são transmitidas como um
verdadeiro patrimônio. Essa herança é a civilização e nela as gerações que se
sucedem são solidárias.

Compostas de homens, as Nações ligam-se ao passado pelas suas tradições de toda a espécie. Enraizada nelas é que a Pátria Brasileira deve florescer no Presente para frutificar no Futuro. O regime corporativo une os sindicatos de trabalhadores, de técnicos e de patrões, coordena seus esforços e transforma-os de organismos políticos, sociais, econômicos, morais, educativos, de equilíbrio e de cooperação.

Afim de realizar o que pretende, o Integralismo não apela, como os extremistas, para a brusca subversão da ordem social e conseqüente inversão de todos os seus valores, para os atos de banditismo, vandalismo ou terrorismo, para bombas de dinamite e atentados pessoais, para sabotagens e greves que ainda mais precária tornam a situação do pobre operário; mas para o valor do próprio homem, sua dignidade de ser pensante, suas virtudes patrióticas, suas reservas morais, sua tradição religiosa e familiar, seu amor pelo Brasil, sua crença em Deus! Querendo a grandeza da Pátria Brasileira, o Integralismo por ela se bate em todos os sentidos. Essa grandeza somente pode alicerçar-se na alma das massas trabalhadoras de todo o país, libertas ao mesmo tempo da exploração econômica do capitalismo sem pátria e da exploração política dos caçadores de votos ou dos extremistas fingidos, que falam em nome de operários e camponeses sem serem nem operários, nem camponeses.

Pelo Integralismo, a grandeza da Pátria Brasileira se fará pela renúncia dos interesses pessoais em favor dos interesses nacionais, a pureza dos costumes públicos e privados, a simplicidade da vida, a modéstia do proceder, a integralidade da família, o respeito a tradição, a garantia do trabalho, o direito de propriedade com seus deveres correlatos, o governo com autoridade moral e mental, a unidade intangível da Nação e as supremas aspirações do espírito humano.
Integralismo quer dizer soma, reunião, integralização de esforços, de sentimentos, de pensamentos, ao mesmo tempo de interesses e de ideais. Não pode ser um simples partido. É coisa muito mais elevada. É um movimento, uma ação, uma atitude, um despertar de consciência, um sentido novo da vida, a marcha de um povo que desperta.
Batendo-se pela felicidade do Brasil dentro das linhas de seus grandes destinos, condicionadas pelas suas realidades de toda a origem, o Integralismo quer que o pensamento dos brasileiros não se divida e enfraqueça na confusão de doutrinas ou programas; quer que se una e some ao influxo de uma mesma doutrina político-social.

Porque essa base doutrinária é imprescindível para a construção do ESTADO INTEGRAL BRASILEIRO, ESTADO HERÓICO pela sua capacidade de reação e de sacrifício, ESTADO FORTE pela sua coesão, sem fermentos desagregadores dentro de si, no qual, como fator indispensável de independência, se tenha processado a emancipação econômica e, como condição principal da unidade da Nação, tenham desaparecido as fronteiras interestaduais(3).

Para a realização de tão grande obra política, econômica e social, o Integralismo tem de combater sem tréguas e sem piedade toda a repelente imoralidade do atual regime de fraudes, engano, corrupção e promessas vãs, bem como todo o materialismo dissolvente da barbárie comunista que alguns loucos apontam como salvação para nosso país. O atual regime pseudo-liberal e pseudo-democrático é um espelho da decadência a que chegou o liberalismo, que procurou dividir a nação com regionalismos e separatismos estreitos, implantando ódios entre irmãos, atirados às trincheiras da guerra civil (4); com partidos políticos transitórios que sobrepõem as ambições pessoais aos mais altos interesses da Pátria e pescam votos, favorecendo os eleitores com um imediatismo inconsciente, em que tudo concedem ou vendem, contanto que atinjam as posições.

Esse regime fraco e vergonhoso escravizou o nosso Brasil, o pouco capital dos brasileiros e o trabalho das nossas populações abandonadas ao banqueiro judeu internacional (O próprio Dr. Miguel Reale, em artigo publicado no Jornal Estado de S. Paulo, 28 de agosto de 2004, esclareceu que a posição Integralista se referia apenas aos aspectos econômicos do controle judaico nas instituições financeiras internacionais, mas nunca à questão racial)(5) por um criminoso sistema de pesados, aladroados e sucessivos empréstimos externos, cuja funesta e primeira conseqüência é o esfolamento pelos impostos. O comunismo que agitadores estrangeiros, aliados a brasileiros vendidos ou inconscientes, inimigos da Pátria, nos prometem, quer a destruição das pátrias, da propriedade e da família, a proletarização das massas e a materialização do homem em todos os sentidos. Tirando ao indivíduo suas crenças e tradições, sua vida espiritual e sua esperança em Deus, sua família – que é sua projeção no Tempo, e sua propriedade – que é sua projeção no Espaço, arranca-lhe as forças de reação, todos os seus sentimentos, deixa somente a fera humana e prepara-o, assim, para definitiva escravização ao capitalismo internacional disfarçado em capitalismo de Estado. O Povo Brasileiro debate-se em verdadeira angústia econômica e anseia por novo padrão de vida; debate-se numa completa desorganização de sua existência pública e almeja nova forma de justiça social; debate-se em formidável anarquia de valores e na incultura geral, e precisa formar sem detença homens escolhidos que possam resolver os grandes e graves problemas da Nação.

Urge a transferência completa do Brasil para salvá-lo, novo conceito de vida, novo regime, novo quadro de valores. Essa transformação completa, integral da Sociedade Brasileira fatalmente terá de ser o resultado de uma transformação completa, integral da Alma Brasileira no sentido do rigoroso cumprimento de todos os deveres para com a Família, para com a Pátria e para com Deus. A lição de Jacques Maritain manda a Razão submeter-se a Deus, que é Espírito, e a Ordem Espiritual por Ele instituída. Só uma Revolução Moral pode produzir uma grande, digna e benéfica Revolução Social. Porque esta é projeção daquela. Por isso, a Doutrina Integralista afirma que a primeira revolução do Integralismo é a revolução Interior.

Notas do revisor (2004):

1. Uma das maiores motivações do Integralismo Histórico foi o combate às cisões regionalistas através da instrumentação de uma força política unionista, que colocasse os interesses do País acima de interesses de grupos ou indivíduos. Por isso, o combate histórico da Ação Integralista Brasileira jamais deve ser entendido como anti-democrático, quando muito pelo contrário, visava dar uma feição social e institucional a agremiações que não se identificavam com as necessidades do Brasil como um todo.

2. Diferentemente do Fascismo, o Integralismo preconizava a substituição dos partidos políticos estaduais (existentes à época) por estruturas corporativas nacionais, de ordem econômica ou não, organizadas através de eleições, à partir das bases municipais (corporativismo democrático). Vale dizer que, no contexto atual não é possível organizar o Estado daquela maneira originalmente proposta pelo ntegralismo, devido à atual complexidade econômica do País e dos próprios meios de produção. Como esclareceu o Dr. Miguel Reale, já desobrigado de sua antiga posição Integralista, há ainda de se aproveitar do corporativismo, a transferência da sua função para a conveniência de órgãos consultivos de caráter sindical ou associativo, afim de serem tomadas decisões fundamentais para o País, no plano técnico, cultural ou econômico, após o pronunciamento de entidades profissionais ou científicas.

3. Visto como uma questão de unidade nacional e não de regionalismos.

4. Não esquecer que, historicamente, o Integralismo surgiu também como uma reação ao regionalismo que culminou com a Revolução Constitucionalista.

5. O próprio Dr. Miguel Reale, em artigo publicado no Jornal Estado de S. Paulo, 28 de agosto de 2004, esclareceu que a posição Integralista se referia apenas aos aspectos econômicos do controle judaico nas instituições financeiras internacionais, mas nunca à questão racial.

Você quer saber mais?

Extraído de “O que o Integralista deve saber”, Gustavo Barroso, pp. 7-16 - Editora Civilização Brasileira S.A., Rio de Janeiro (5ª edição), 1937.

http://www.integralismo.org.br

Mãos que oram

M Ã O S

No século XV, em uma pequena aldeia
perto de Nüremberg, vivia uma família
com vários filhos.

Para pôr pão na mesa para todos,
o pai trabalhava cerca de 18 horas
diárias nas minas de carvão, e em
qualquer outra coisa que se apresentasse.

Dois de seus filhos tinham um sonho:
queriam dedicar-se à pintura, mas sabiam
que seu pai jamais poderia enviar os dois
para estudar na Academia.

Depois de muitas noites de conversas e
troca de idéias, os dois irmãos chegaram
a um acordo : lançariam uma moeda para tirar
a sorte, e o perdedor trabalharia nas minas
para pagar os estudos ao que ganhasse.
Ao terminar seus estudos, o ganhador
pagaria então, com a venda de suas obras,
os estudos ao que ficara em casa.

Assim, os dois irmãos
poderiam ser artistas.

Lançaram a moeda num domingo ao
sair da Igreja. Um deles, chamado Albrecht,
ganhou, e foi estudar pintura em Nüremberg.

Então o outro irmão, Albert, começou o perigoso
trabalho nas minas, onde permaneceu pelos
próximos quatro anos para pagar os estudos de
seu irmão, que desde o primeiro momento tornou-se,
logo, um sucesso na Academia.

As gravuras de Albrecht, seus entalhes e seus óleos
chegaram a ser muito melhores que os de muitos de
seus professores. Quando se formou, já havia começado
a ganhar consideráveis somas com as vendas de sua arte.

Quando o jovem artista regressou à sua aldeia,
a família Dürer se reuniu para uma ceia festiva
em sua homenagem.

Ao finalizar a memorável festa, Albrecht se pôs de pé
em seu lugar de honra à mesa, e propôs um brinde à seu
irmão querido, que tanto havia se sacrificado,
trabalhando nas minas para que o seu sonho de estudar
se tornasse uma realidade. E disse:

“Agora, meu irmão, chegou a tua vez.
Agora podes ir a Nüremberg e perseguir teus sonhos,
que eu me encarregarei de todos os teus gastos”.

Todos os olhos se voltaram, cheios de expectativa,
para o lugar da mesa que ocupava seu irmão.
Mas este, com o rosto molhado de lágrimas,
se pôs de pé e disse suavemente:

“Não, irmão, não posso ir a Nüremberg.
É muito tarde para mim. Estes quatro anos
de trabalho nas minas destruíram minhas mãos.
Cada osso de meus dedos se quebrou pelo menos
uma vez, e a artrite em minha mão direita tem
avançado tanto que me custou trabalho
levantar o copo para o teu brinde.

Não poderia trabalhar com delicadas linhas,
com o compasso ou com o pergaminho, e não
poderia manejar a pena nem o pincel.
Não, irmão, para mim já é tarde. Mas estou feliz
que minhas mãos disformes tenham servido para que
as tuas agora tenham cumprido seu sonho”.

***Mais de 450 anos se passaram desde esse dia.
Hoje as gravuras, óleos, aquarelas, entalhes e
demais obras de Albrecht Dürer podem ser vistos
em museus ao redor de todo o mundo.

Para render homenagem ao sacrifício de seu irmão,
Albrecht Dürer desenhou suas mãos maltratadas,
com as palmas unidas e os dedos apontando ao céu.

Chamou a esta poderosa obra simplesmente “MÃOS”,
mas o mundo inteiro abriu de imediato seu coração
à sua obra de arte e mudou o nome da obra para:
“Mãos que oram”.


**Tela de Albrecht Dürer
Um dia, Albrecht encontrou Franz de joelhos, com as suas mãos postas em atitude de oração, ásperas, no entanto, oferecidas a Deus em amoroso sacrifício. Prontamente, Dürer desenhou o momento e produziu um símbolo do significado da oração. Desde então, a oração intercessora, simbolizada por aquela atitude faz-nos lembrar que a oração e a amizade correm juntas. A pessoa a Quem oramos teve Suas mãos atravessadas pelos cravos em nosso favor.


Na próxima vez em que vir uma cópia desta obra,
olhe-a bem. E que ela sirva para que, quando você
se sentir demasiado orgulhoso do que faz,
e muito seguro de si mesmo, lembre-se que, na vida,

…ninguém triunfa sozinho!

**“E, como a geometria é a base de todas
as pinturas, eu decidi ensinar seus rudimentos e
princípios aos mais novos, ansiosos pela arte.
”(Course in the Art of Measurement)
* Albrecht Dürer


* Nasceu – 21 May 1471,
in Imperial Free City of Nürnberg (now in Germany)

+ Faleceu -6 April 1528,
in Imperial Free City of Nürnberg (now in Germany)

Você quer saber mais?

http://www.ielb.org.br

http://construindohistoriahoje.blogspot.com/search/label/PESSOAL

http://construindohistoriahoje.blogspot.com/search/label/F%C3%89

Os Dois Lobos

Um velho índio descreveu certa vez seus conflitos internos: “Dentro de mim existem dois lobos: um deles é cruel e mau; o outro é muito bom. Os dois estão sempre brigando. “Quando então lhe perguntaram qual dos dois lobos ganharia a briga, o sábio índio parou, refletiu e respondeu: “Aquele que eu alimento.”

E você? A quem está alimentando?

Procure alimentar-se bem, conversando com Deus em oração, lendo a sua Palavra, visitando Sua casa – a igreja, amando ao próximo sem esperar por alguma recompensa, consolando um amigo, emprestando seus ouvidos a quem necessite e, de forma especial, confiando plenamente no perdão que Jesus Cristo nos concede mediante nosso real arrependimento.

Você quer saber mais?

http://www.ielb.org.br

http://construindohistoriahoje.blogspot.com/search/label/F%C3%89

http://construindohistoriahoje.blogspot.com/search/label/PESSOAL


Big Father X Big Brother

É bem provável que você já tenha assistido ao “Big Brother, na TV. Pois saiba então, que o título do programa foi inspirado na obra de ficção “1984”, de George Orwell que previa que as populações seriam vigiadas pelo olho do “Grande Irmão”, mantendo todos sob controle total.

Como você agiria se soubesse que está sendo espionado? Talvez você não seria o mesmo, até acostumar-se com a câmeras ocultas.

Acontece que já nos acostumamos a elas. Nesta nossa aldeia global, elas á fazem parte do cotidiano. Basta entrarmos em bancos, lojas ou residências.

Governos e organizações possuem projetos para controle de populações visando evitar o crime e o terrorismo. Isso nos leva bem próximo daquilo que Orwell previa.

Na verdade, já somos observados antes mesmo de vir ao mundo. Há alguém que está sempre nos olhando, e muitas vezes nem nos damos conta disso. É o nosso Big Father. O Grande Pai. Há mais de três mil anos, o sábio rei Davi dizia: “Ó Senhor Deus, tu me examinas e me conheces. Tu sabes tudo o que eu faço”.

O Big Brother de Orwell sugere um controle total dos seres humanos através das câmeras. Nosso Big Father, sem precisar delas, sabe de cada um de nossos movimentos e nos dá a liberdade de executá-los. Conhece nossas fraquezas e incoerências e ainda assim nos ama. Respeita nossa individualidade e não nos coloca no “paredão”. Saber disso é ter a verdadeira segurança e paz.

Você quer saber mais?

http://www.ielb.org.br/

http://construindohistoriahoje.blogspot.com/search/label/F%C3%89

http://construindohistoriahoje.blogspot.com/search/label/PESSOAL

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.