-

-

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

O Culto ao Indivíduo!

Liderança! Questão de humildade.

Quando se deparam com questões intrigantes, as pessoas normalmente procuram o caminho percorrido pela maioria, que aos seus olhos parece o mais correto. Mas, na realidade a voz do povo nunca foi à voz de Deus, pois quando nos deparamos com situações complexas vemos que as massas são infelizmente facilmente manipuladas por interesses escusos.

Vejo questões que seriam facilmente solucionadas diante de simples leituras, tornando-se algazarras complexas para lucros alheios aos interesses da verdade. Mas, como é mais fácil ouvir ou ler pequenas notas distorcidas sobre assuntos de extrema importância para a história de nossa nação, temos diversos fatos relacionados com nosso passado distorcidos.

Vejo constantemente acusarem os integralistas de culto a pessoa de Plínio Salgado. Então iremos ver o que o próprio Plínio Salgado falava sobre essa questão!

“Procurai-me no meu Pensamento. Não me considero nem diferente nem melhor do que vós. “Camisas-verdes”! Quando quiserdes ver o vosso Chefe, olhai para os vossos companheiros. Quando quiserdes ouvir a voz do Chefe, rufai vossos tambores, soprai vossos clarins. Quando quiserdes sentir o espírito do Chefe, marchai porque ele estará no rumor dos vossos passos: os pensamentos andam como as pernas. E quando quiserdes alegrar o Chefe, reuni-vos em torno da bandeira azul-e-branco. E se, nos recesso do sertão da nossa Pátria, perdido na floresta, na solidão e no silêncio, não tiverdes nem companheiro, nem tambor, nem clarim, nem bandeira, e, mesmo assim, quiserdes ver o Chefe, procurai no espelho dos rios, das lagoas, dos igarapés e das restingas, a vossa própria imagem: e se nos seus olhos rutilar esta fé que nos abrasa nos destinos gloriosos do Brasil, terá visto, no brilho dos vossos próprios olhos, a presença do Chefe. O Chefe não é uma pessoa: é uma idéia.”

"Se você quiser mudar o mundo, não comece pelos velhos, mas sim pelas crianças".

Sei que é difícil desconstruir anos de mentiras, a respeito do maior movimento nacionalista Brasileiro em pouco tempo, mas afirmo que somente por meio da leitura crítica, é possível aproximarmos as palavras dos fatos. Pois, como a escritora Silvia T. Maurer Lane declara que precisamos de escolas criticas, onde são formados indivíduos conscientes de suas determinações sociais, e de sua inserção histórica na sociedade.

É de Leontiev a afirmação de que a “relação entre o progresso histórico e o progresso da educação é tão estreita que se pode, sem risco de erro julgar o nível geral do desenvolvimento histórico de uma sociedade pelo nível de desenvolvimento do seu sistema educativo e vice-versa.

Sem conhecimento, não há um modelo adequado de visão do passado. Vejamos o que Plínio Salgado dizia a respeito da relação, entre liderados e liderança: “O povo não pode ser uma criação de César, nem César uma criação do povo. Será usurpar direitos que só pertencem a Deus. E toda a vez que César quer criar o povo, fabrica um monstro, e toda vez que o povo quer criar um César engedra um Anticristo”.

Fala-se hoje em “educar para a democracia”, “educar para a liberdade”, “educar para o nacionalismo”, “educar para o socialismo”, “educar para o desenvolvimento econômico e técnico”; só não se fala em preparar o Homem para si mesmo.

Você quer saber mais?

Pompêo, A. Porque é que sou Integralista, Empresa Grafhica “Revista dos Tribunaes, São Paulo, 1935.

Salgado, Plínio. O Integralismo Perante A Nação, Livraria Clássica Brasileira, Rio de Janeiro, 1950.

Lane, Silvia T. Mauer. O que é Psicologia Social, Editora Brasiliense, 1994.

O Integralismo e a Educação" - Rio de Janeiro - Livraria Clássica Brasileira/Edições GRD - s/data - 217 págs. - "Enciclopédia do Integralismo" - Vol.IX.

http://construindohistoriahoje.blogspot.com/search/label/INTEGRALISMO

http://construindohistoriahoje.blogspot.com/search/label/PESSOAL

http://construindohistoriahoje.blogspot.com/search/label/BRASIL

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.