-

-

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

O segredo da transformação de pequenos sucessos em êxisto maiores.



Quando Bette Nesmith—mãe solteira de um filho de 9 anos – trabalhava num banco de Dallas, parecia uma pessoa como as outras, sem aptidão particular para coisas grandes. Estava feliz por ter aquele emprego de secretária – o sálario de US$ 300 era muito bom para 1951—, mas ela tinha um problema: como corrrigir os erros que cometia com sua máquina de escrever elétrica? Nesmith tinha sido uma artista free-lancer, e os artistas nunca corrigem seus erros apagando. Sempre pintam por cima do erro. Então ela preparou lum líquido que ela pudesse passar por cima de seus erros de datilografia.

Em pouco tempo, todas as secretárias do edifício estavam usando o que ela chamava de “erro fora”. Um vendedor de material de escritório encorajou-a a produzir industrialmente o líquido, mas as empresas de marketing não se impressionaram e as companhias (entre elas a IBM) recusavam terminantemente. Mas as secretárias continuavam gostando do produto, e a cozinha de Nesmith se transformou na primeira instalação de sua fábrica. Os pedidos começaram a chegar, e ela contratou um estudante universitária para ajudar a vender o produto. Mas não era fácil para suas vendedoras inexperientes. “As pessoas jamais vão pintar seus erros para apagá-los”, dizia um distribuidor.

Os arquivos relevam que, de agosto de 1959 a abril de 1960, a entrada total da companhia foi de US$ 1.142,71 e suas despesas foram de US$ 1.217,35. “Não sei como consegui”, disse Bette. Ela trabalhava em tempo parcial como secretária, conseguindo pagar a conta do armazém e ainda salvar US$ 200 para pagar um químico para desenvolver uma fórmula de secagem rápida.

Bette Nesmith. Mãe e empreendedora!

Depois do produto ter sido melhorado, Nesmith começou a percorrer o pais com seus vidrinhos brancos. Parava em cidades pequenas, médias e grandes. Ela escreveu que ao chegar a uma cidade: “pegava a lista telefônica e copiava o nome dos distribuidores. Depois telefonava. Ià a loja de cada distribuidor que aceitasse o produto e deixava 12 vidros”. Finalmente começava a chover pedidos, e a Corporação Liquid Paper levantou voo. Quando Bette vendeu a companhia em 1979, aquelas garrafinhas brancas estavam rendendo US$ 3,5 milhões por ano, em vendas brutas de US$ 38 milhões e a empresa Gillett & Cia pagou US$ 47 milhões pela firma.

As pessoas de maior sucesso na vida são frequentemente semelhantes a Bette Nesmith. Vivem uma vida bastante comum até que ocorre um pequeno exito. Neste momento, ao contrario da maioria das pessoas, elas transformam aquela vitória em um progresso maior. Possuem o que um consultor de administração chamou de “tendência a repetir”. Isto é uma vez que vêem a si mesmo tendo sucesso, elas decidem duplicar o progresso em ambientes mais amplos. Os especialistas em motivação encorajam esse sucesso, porque tem o efeito de uma bola de neve. Eles estudam as pessoas, procurando pelas qualidades que outros subestimaram; e depois, quando algum pequeno progresso começa a acontecer no trabalho da pessoa, eles sabem como transformá-lo em existos maiores. Um provérbio judeu recomenda: “Quando a sorte entra, ofereça-lhe uma cadeira!”

Você quer saber mais?

Allan Loy McGinnis, Como despertar o melhor das pessoas, 1993, Editora Sinodal

http://construindohistoriahoje.blogspot.com/search/label/PESSOAL

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.