-

-

sábado, 22 de janeiro de 2011

Plínio Salgado, Bandeirante da Fé e do Império.


Por Victor Emanuel Vilela Barbuy

Plínio Salgado é, antes e acima de tudo, um Apóstolo de Cristianismo e de Brasilidade, um arauto da Tradição Cristã e da Tradição Nacional Brasileira. Descendente do Bandeirante Manuel Preto, o herói de Guairá, aliás por ele retratado no poema-épico em prosa A voz do Oeste (1934), que inspirou Juscelino Kubitschek a edificar Brasília [1], foi, ele próprio, um Bandeirante, dilatando a Fé e o Império por todos os lugares onde passou. Este “Cavaleiro do Brasil Integral”, na expressão do poeta Ribeiro Couto [2], e “Cavaleiro do verbo claro e ardente”, no dizer do Padre Moreira das Neves [3], sempre foi, como ressalta Francisco Martins de Souza, o herdeiro do tradicionalismo católico no sentido que a este imprimiu Jackson de Figueiredo [4].

Jackson de Figueiredo, porém, foi crítico ferrenho de Portugal e de sua herança, como bem observou, com tristeza, António Sardinha [5], que, no entanto, jamais deixou de ser amigo do autor de O nacionalismo na hora presente, em quem reconheceu um “irmão na mesma dupla fé religiosa e tradicionalista” [6] e a quem dedicou o ensaio A lição do Brasil, escrito em 1923 [7]. Já Plínio Salgado sempre admirou profundamente Portugal, o Grande Império de que nasceu o nosso Império, bem como o seu legado, de que somos herdeiros e depositários. Em sua obra histórica Como nasceram as cidades do Brasil, por exemplo, Plínio faz a apologia da força aglutinadora dos Brasileiros, que se revela na “construção maravilhosa da Unidade Nacional”, e que se constitui na “grande tradição, pelos Brasileiros herdada dos Portugueses”, no “gênio lusíada”, no “espírito dos fundadores de um grande Império, cujo segredo se encontra nas raízes romanas e cristãs de que provém” [8].

A supracitada obra de Plínio Salgado, que mereceu entusiásticos elogios de intelectuais da estatura dos Portugueses João Ameal [9] e Henrique Barrilaro Ruas [10] e dos Brasileiros Tasso da Silveira [11] e Euro Brandão [12], foi, com efeito, dedicada:

“À Nação Portuguesa, em homenagem aos antepassados comuns que construíram a minha Pátria, deram-lhe uma nobre língua e uma gloriosa tradição e animaram-na, por todo o sempre, com a alma religiosa que a integra na família lusíada das cinco partes do mundo e na comunhão universal do Cristianismo” [13].

Em Nosso Brasil, Plínio Salgado preleciona que a nossa História, “como continuidade da vida de uma das mais cavalheirescas nações europeias”, não principia em 1500, mas sim no momento da fundação da Nação Portuguesa e que todas as glórias de Portugal até 1822 são patrimônio comum a todos os descendentes dos bravos cavaleiros da Reconquista e das Cruzadas, dos grandes cientistas que desenvolveram a arte da navegação, dos nautas que enfrentaram e venceram os mares ignotos, “dos descobridores do caminho das Índias, dos soldados, marujos, escritores e poetas, que foram os primeiros europeus a atingirem a costa oriental da África, os extremos da Ásia e as ilhas misteriosas do Pacífico” [14].

Como sustenta o pensador patrício, “essa tradição de inteligência, de coragem, de universalismo, de sonhos grandiosos e de fé sequiosa por dilatar o Reino do Cristo, continuou no Brasil, plasmando o caráter, a consciência dos Brasileiros. O desbravamento dos nossos sertões pelos Bandeirantes, a reconquista do solo pátrio ocupado pelos Holandeses e pelos Franceses, a evangelização levada às tabas selvagens, o cruzamento das raças americana, africana e europeia, sob a inspiração da igualdade humana perante Deus, tudo isso foi continuação de uma história que principiou quando D. Afonso Henriques, em 1140, desembainhando a sua espada ensinou-nos, por todo o sempre, que devemos bater-nos com ardor e denodo por Cristo e pela Nação” [15].

Plínio Salgado tinha, pois, como Arlindo Veiga dos Santos, plena consciência de que “o Presente que nega o Passado não terá futuro” [16] e de que “toda manobra contra a lusitanidade fundamental do Brasil destrói sua brasilidade” [17]. Daí ter sido Plínio Salgado e não Jackson de Figueiredo o primeiro a efetivamente compreender a Tradição Brasileira, como bem sustentou o jusfilósofo e pensador tradicionalista espanhol Francisco Elías de Tejada y Spínola [18]. Tejada, que, aliás, foi apresentado à inteligência nacional por Plínio Salgado, nas páginas de sua obra O ritmo da História [19], viu, com efeito, no autor da Vida de Jesus, um “profeta incandescente e sublime de seu povo”, “encarnação viva do Brasil melhor” [20].

Lídimo representante do tradicionalismo político, Plínio Salgado sustenta que o cultivo da Tradição é o único meio de impedir a descaracterização de uma Pátria, de sorte que “sem Tradição na há Pátria” [21]. E afirma, do mesmo modo, que “a ordem humana só pode repousar na ordem divina” [22], cujos fundamentos “estão na Doutrina Revelada” [23] e que “as soluções para todos os problemas econômicos e políticos, morais e estéticos, derivam, luminosas e puras, dos Evangelhos” [24].

Consciente de que a profunda crise atravessada pelo Mundo Ocidental é, antes de tudo, uma crise do Homem, sempre pregou Plínio a restauração do Homem, a reconstrução do Homem, por ele considerada “a grande Cruzada dos tempos modernos” [25]. Tal seria, para o autor de Psicologia da Revolução, o primeiro e mais decisivo passo para a cura da terrível enfermidade que ataca nossa Sociedade. Jamais deixou ele, ademais, de proclamar a imperiosa necessidade da "salvação do Mundo pela santificação das almas", afirmando que "não é digno de lutar pelo Cristo quem não erguer a bandeira da própria santificação" [26] e proclamando a exaltação da realeza de Cristo [27]. Consciente, como São Pio X, da importância da proposição de São Paulo, na Epístola aos Efésios, de “restaurar tudo em Cristo” (Ef. 1, 10), programa, aliás, do Pontificado daquele grande Papa, Plínio Salgado fez dela também o seu programa e, em face do lema maurrasiano Politique d’abord lançou o lema Christ d’abord, Primeiro, Cristo [28].

O tão nobre quanto injustiçado Movimento Cívico-Político-Social legado por Plínio Salgado, o Integralismo, se configura como o mais autêntico Movimento de Renovação Nacional, Espiritual e Social do Brasil, se constituindo, antes e acima de tudo, em uma escola de Ética, Moralidade, Civismo, Patriotismo e Nacionalismo, responsável pela formação de uma verdadeira e autêntica Elite Nacional, Elite esta não de caráter econômico, mas sim de natureza espiritual, ética, moral e intelectual, recrutada em todos os segmentos da Sociedade e forjada pelo combate, pela labuta, pelo esforço e pelo sacrifício.

Atalaia e Cidadela do Brasil Profundo, Autêntico e Verdadeiro e de suas lídimas tradições, o Integralismo sempre pugnou pela recristianização integral do Brasil, opondo, à supremacia do ouro, a Supremacia dos valores espirituais, éticos, morais e intelectuais; à luta de classes da pseudocivilização burguesa, a Harmonia e a Justiça Social; à luta de raças, a Harmonia Étnica; à liberal-democracia burguesa e às tiranias de todos os feitios, a Democracia Orgânica, ou Democracia Integral; ao individualismo liberal e ao coletivismo comunista, o corporativismo, que vem a ser, em todos os tempos, expressão da organização natural e espontânea da Sociedade; ao Estado fraco do liberalismo e ao Estado Totalítário dos regimes coletivistas, o Estado Integral, que não é senão o Estado Necessário; aos mitos e superstições do Mundo Moderno, as verdades perenes da Tradição; às vãs filosofias do tempo, a Filosofia Perene; ao falso jusnaturalismo racionalista e abstrato do “Iluminismo” e ao positivismo jurídico, a sã e vigorosa Doutrina do Direito Natural Tradicional, ou Clássico, fundado na tradição formada pelos filósofos gregos, pelos jurisconsultos romanos e pelos teólogos e canonistas da Cristandade; ao internacionalismo do liberalismo e do comunismo e ao nacionalismo exacerbado, destrutivo e agressivo de certos credos totalitários, o nacionalismo sadio, justo, equilibrado e construtivo, alicerçado na Tradição e tendente ao universalismo; ao Espírito Burguês, o Espírito Cristão, a que também podemos denominar Espírito Nobre, ou Espírito da Nobreza, entendida esta não como classe, mas sim como um estado de espírito.

Em seu célebre discurso intitulado Cristo e o Estado Integral, Plínio Salgado ressalta que o “Estado Integral” é essencialmente “o Estado que vem de Cristo, inspira-se em Cristo, age por Cristo e vai para Cristo” e proclama sua crença em “Deus Eterno”, na “Alma Imortal”, em seu “poder optativo, deliberativo” e em sua ”capacidade de interferência nos fatos históricos, levantando as multidões e conduzindo-as”, bem como em “Cristo e na luz que d’Ele desce”. Sublinha, ademais, que fora por Cristo que se levantara; por Cristo que queria um “grande Brasil”; por Cristo que ensinava “a doutrina da solidariedade humana e da harmonia social”; por Cristo que lutava; por Cristo que conclamava aos integralistas e os conduzia; por Cristo que batalharia [29].

Toda a vida de Plínio Salgado foi, com efeito, dedicada à luta por Cristo. Consoante salienta João Ameal, em percucientes palavras que fazemos nossas:

“Plínio Salgado escreve, fala, apostoliza sob a luz perene da obediência a Cristo; os argumentos que emprega, são colhidos nas divinas palavras; as imagens que levanta, são sugeridas pelas divinas lições, os apelos que lança, são o eco dos divinos apelos e todo o seu programa é reimplantar na consciência dos contemporâneos a figura excelsa do Filho de Deus e incitá-los a que O tomem por modelo e saibam voltar ao integral cumprimento da Sua Lei.

“Porque assim é; e porque, ao serviço de Cristo, Plínio Salgado usa as armas mais eficientes e mais atuais, desenvolve a mais persuasiva (direi até: a mais imperiosa) dialética; e porque, no seu verbo de fogo, existe uma espécie de contagioso ardor que provoca, em redor, benéfica e revolucionária efervescência – deixou entre nós tão funda esteira e continuamos a senti-lo ao nosso lado quando, já de longe, nos manda novas páginas cheias de iguais exortações. A sua batalha é a nossa: batalha sem fim pela salvação dos homens, chamei-lhe um dia. Batalha sem fim – e que, todavia, tende a colocar-nos, permanentemente, diante da segura primazia do Fim Último” [30].

Plínio Salgado sempre sustentou que o Brasil é, por sua natureza, um Grande Império, e pela dilatação deste Grande Império sempre pelejou. No célebre discurso por ele proferido na Câmara dos Deputados, em Comemoração ao Dia de Ação de Graças, em 1961, agradece a Deus por nos haver feito compreender que a sua Santa Cruz deve andar, deve navegar, deve “ir de país em país, dilatando a fé e o Império – a fé em Cristo e o Império de Sua Lei -” e também por haverem nossos antepassados, os Bandeirantes, “com rudes botas, chapelões desabados e facão à cinta, dilatado este imenso Império e nos legado este vasto patrimônio territorial” [31].

Infelizmente não dispomos de tempo e nem de espaço para cuidar, aqui, da concepção de Império no pensamento de Plínio Salgado, já, aliás, magistralmente analisada por Ronaldo Poletti, Professor da Faculdade de Direito da Universidade Nacional de Brasília, em tese de doutoramento sobre o Conceito jurídico de Império recentemente publicada sob a forma de livro [32]. Consideramos, pois, oportuno encerrar, por aqui, a presente homenagem ao magno vulto do pensamento tradicionalista, patriótico e nacionalista que é Plínio Salgado, rogando a Deus, Princípio e Fim Último de todas as coisas, que nos auxilie em nossa duríssima missão de tirar o nome de Plínio Salgado do olvido do Povo Brasileiro e de fazer a verdade sobre ele triunfar, límpida e cristalina, contra todas as mentiras e calúnias que contra ele lançam os inimigos de Deus e da Pátria.

Sejam estas palavras, tão sinceras quanto singelas, a nossa humilde homenagem a Plínio Salgado, encarnação viva do Espírito Bandeirante, Bandeirante da Fé e do Império, cujo luminoso pensamento nos dá a coragem, a tenacidade e o alento necessários para seguirmos em frente, na tão árdua quanto nobre missão de legar a nossos descendentes um Brasil Maior do que aquele que recebemos de nossos genitores e plenamente salvo dos erros da pseudocivilização burguesa. Que o imortal autor da monumental Vida de Jesus, “joia de uma literatura”, na feliz expressão do Padre Leonel Franca [33], nos inspire, bem como todos aqueles que viveram e morreram em prol da dilatação da Fé e do Império e da edificação e defesa deste vasto Império da Terra de Santa Cruz/Brasil, em nosso bom combate pelo despertamento das forças tradicionais que se encontram adormecidas no seio deste Grande Império do Ontem e do Amanhã e que, quando despertas, mudarão para sempre a História do Mundo.

São Paulo do Campo de Piratininga, 22 de janeiro de 2011-LXXVIII.

Notas:

[1] KUBITSCHEK, Juscelino. Carta a Plínio Salgado. In Vários. Plínio Salgado: in memoriam. Vol. I. São Paulo: Voz do Oeste, 1985, p. 223.

[2] COUTO, Ribeiro. Plínio Salgado, cavaleiro do Brasil Integral. In Sei que vou por aqui!, ano 1, n. 2, São Paulo, setembro-dezembro de 2004, pp. XVII-XVIII. O artigo foi originalmente publicado no Jornal do Brasil, do Rio de Janeiro, a 20/7/1933.

[3] NEVES, Moreira das. Cavaleiro do Verbo: à memória de Plínio Salgado. In Vários. Plínio Salgado: in memoriam. Vol. II. São Paulo: Voz do Oeste/Casa de Plínio Salgado, 1985/1986, p. 9.

[4] SOUZA, Francisco Martins de. Raízes teóricas do corporativismo brasileiro. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1999, p. 28.

[5] SARDINHA, António. A aliança peninsular. 3ª ed. Lisboa: qp, 1975, p. 348.

[6] Idem, loc. cit.

[7] Idem. A prol do comum. Lisboa: Editora Livraria Ferin, 1934, pp. 121-181.

[8] SALGADO, Plínio. Como nasceram as cidades do Brasil. 5ª ed. (em verdade 6ª). São Paulo/Brasília: Voz do Oeste/Instituto Nacional do Livro, 1978, p. 20.

[9] AMEAL, João. Plínio Salgado ou a nova luta por Cristo. In Vários. Plínio Salgado: in memoriam. vol. II, cit., pp. 127-134. O artigo foi publicado originalmente na revista de cultura portuguesa Rumo, ano I, n° 6, pp. 278 e ss.

[10] RUAS, Henrique Barrilaro. Plínio Salgado, historiador, visto por um português. In Vários. Plínio Salgado: in memoriam. Vol. II, cit., pp. 71-80.

[11] SILVEIRA, Tasso da. Um livro de Plínio Salgado. In SALGADO, Plínio. Como nasceram as cidades do Brasil, cit., pp. 191-195. Artigo originalmente publicado no semanário Idade Nova, do Rio de Janeiro, a 27/10/1946.

[12] BRANDÃO, Euro. Prefácio. In SALGADO, Plínio. Como nasceram as cidades do Brasil, cit., pp. XI-XIV.

[13] SALGADO, Plínio. Como nasceram as cidades do Brasil, cit., p. 3.

[14] Idem. Nosso Brasil. 3ª ed. In Idem. Obras completas. 2ª ed., vol. 4. São Paulo: Editora das Américas, 1957, pp. 189-290.

[15] Idem, pp. 290-291.

[16] SANTOS, Arlindo Veiga dos. Ideias que marcham no silêncio. São Paulo: Pátria-Nova, 1962, p. 76.

[17] Idem, loc. cit., p. 81.

[18] TEJADA, Francisco Elías de. Plínio Salgado na Tradição do Brasil. In VÁRIOS. Plínio Salgado, in memoriam. Vol. II, cit., p. 70.

[19] SALGADO, Plínio. O ritmo da História. 3ª ed. (em verdade 4ª). São Paulo/Brasília: Voz do Oeste/Instituto Nacional do Livro, 1978, pp. 191-220.

[20] TEJADA, Francisco Elías de. Plínio Salgado na Tradição do Brasil, cit., p. 47.

[21] SALGADO, Plínio. Nosso Brasil, cit., pp. 292-293.

[22] Idem. O dia do Papa. In Idem. Primeiro, Cristo!. 4ª ed. (em verdade 5ª). São Paulo/Brasília: Editora Voz do Oeste/Instituto Nacional do Livro, 1979, p. 57.

[23] Idem, p. 65.

[24] Idem. Princípios cristãos para o estudo da Sociologia. In Idem. Obras completas. 2ª ed., vol. 19. São Paulo: Editora das Américas, 1957, p. 349.

[25] Idem. Reconstrução do Homem. 2ª ed. Rio de Janeiro: Livraria Clássica Brasileira, s/d, p. 16.

[26] Idem. Primeiro, Cristo!., cit., pp. 53-54.

[27] Idem, pp. 26-27.

[28] Idem, pp. 16-17.

[29] Idem. O Integralismo perante a Nação. 3ª ed. In Idem. Obras Completas. 2ª ed., vol. 9. São Paulo: Editora das Américas, 1957, pp. 200-203.

[30] AMEAL, João. Plínio Salgado ou a nova luta por Cristo. In Vários. Plínio Salgado: in memoriam. vol. II, cit., p. 129.

[31] SALGADO, Plínio. Discurso em comemoração do Dia de Ação de Graças. Análise do Homem, da Ciência e do Mundo Contemporâneo (30/11/1961). In Idem. Discursos parlamentares. Sel. e intr. de Gumercindo Rocha Dorea. Brasília: Câmara dos Deputados, 1982, p. 49.

[32] POLETTI, Ronaldo Rebello de Britto. Conceito jurídico de Império. 1ª ed. Brasília: Editora Consulex, 2009, pp. 284-290.

[33] FRANCA, Leonel. Carta a Plínio Salgado. In SALGADO, Plínio. Vida de Jesus. 22ª ed. São Paulo: Voz do Oeste, 1985, pp. IX/XI

Você quer saber mais?



Tácito e o Império Romano.


Fábio Duarte Joly
Professor adjunto de História Antiga e Medieval na Universidade Federal do Recôncavo da Bahia e membro do Laboratório de Estudos sobre o Império Romano .

O presente texto apresenta possibilidades de pesquisa sobre o Império Romano a partir dos conceitos de ordem imperial e fronteiras internas, propostos como eixos norteadores de reflexões do Laboratório de Estudos sobre o Império Romano (LEIR). Meu interesse é discutir como o estudo de Tácito pode contribuir para um entendimento das múltiplas identidades operantes no Império Romano, as fronteiras estabelecidas entre elas, e como essas se articulavam para a constituição de uma “ordem imperial”. O tema das identidades está particularmente em voga na historiografia mais
recente sobre o Império Romano. Conceitos como “romanização” e “helenização” estão sendo revistos e não mais tomados como sinônimos de identidades fixas e imutáveis, impostas a populações sob influência da cultura grega e romana. O esforço agora é pensar como diferentes identidades coexistiam, sem excluir-se, como no caso de identidades “locais” que se expressaram ao longo de toda a duração do Império Romano. Nesse sentido, tende-se a adotar uma perspectiva de conceber as identidades como relacionais e variáveis, vinculadas aos interesses e objetivos dos indivíduos no espaço e no tempo. Contudo, mesmo com o reconhecimento dessa variabilidade, ainda persiste o entendimento de que uma identidade prevaleça e contribua para a constituição de uma ordem. Veja, por exemplo, a conclusão a que chega Andrew Wallace-Hadrill, em seu último livro, Rome’s cultural revolution:

A identidade cultural romana era fortemente contestada no período republicano, na medida em que a identidade do corpo cidadão, e a distribuição do poder no seu interior, também era contestada. Augusto, ao obter um tipo de consenso, que permitiu a contínua expansão do corpo cidadão, e a contínua penetração da elite a partir das margens, foi capaz de estabelecer uma forma de consenso sobre como os romanos deveriam ser ou se comportar, como suas cidades seriam e quais costumes e rituais seguiriam.

1 Em síntese, subentende-se que o imperador gera um consenso que possibilita uma identidade coletiva aparentemente não conflituosa, instaurando uma ordem. Essa interpretação moderna não deixa de estar inspirada na visão dos próprios antigos sobre a origem do Principado. Sobretudo Tácito equaciona esse regime à estabilidade, ao operar uma articulação entre domus imperial e res publica, no sentido de que, no Principado, uma identidade corporativa, tanto do Senado, quanto da plebe e dos exércitos, estabeleceu-se a partir da vinculação com a casa imperial, proporcionando um consenso e estabilidade. Mas, para o autor latino, o resultado último dessa configuração política poderia colocar em risco a expansão e manutenção do Império, visto que, em geral, Tácito advoga um estado constante de conflito para preservar esse Império.
2 Essa tensão permeia sua narrativa e pretendo abordá-la aqui principalmente com referências ao livro I dos Anais, que trata do fim do reinado de Augusto e primeiros anos de Tibério.

Em primeiro lugar, então, cabe perguntar: o que era o Império para Tácito? Um aspecto a ser relevado é o limite de sua visão sobre o Império de Roma. Lemos no alentado e referencial estudo de Ronald Syme que, para esse historiador-senador, o tema central consistia nas relações pessoais do imperador com senadores e governadores, e não na condição geral das cidades, povos e províncias sob o domínio romano. Nos Anais, Tácito não comenta como as finanças e as rendas públicas eram geridas, e tampouco a agricultura, o comércio e as manufaturas no Império. Tampouco a situação das camadas populares na cidade e no campo chama sua atenção. Para Syme, o objeto de Tácito é o governo romano que, por sua vez, se concerne apenas com a classe senatorial e exércitos. As províncias pouco aparecem em sua narrativa por serem “privadas de identidade”. Portanto, a visão taciteana apresentar-se-ia mais urbana, centrada em Roma, do que propriamente imperial.

3 Na mesma linha de Syme, Fergus Millar assinala que, nos Anais, a narrativa dos eventos em Roma é construída, em grande parte, por uma série de cenas no Senado, a ponto de essa ótica relegar à sombra o fato de que a história de Roma no Império, assim como na República, deveria ser a história de toda uma comunidade, da res publica entendida como uma comunidade de cidadãos, e não apenas da relação entre Senado e imperadores em Roma.

4 Essa perspectiva circunscrita não deixa de estar explicitada no proêmio dos Anais quando Tácito inicia afirmando que “a princípio foram reis os que governaram a cidade de Roma” (Urbem Romam a principio reges habuere, Ann., I, 1) e depois anuncia que tratará “de Augusto pouco e seu fim, e depois o principado de Tibério e os seguintes” (pauca de Augusto et extrema tradere, mox Tiberii principatum et cetera, Ann., I, 2). Seu foco é, portanto, o Principado, e baseado em Roma. Na introdução das Histórias, obra anterior aos Anais e que narra as guerras
civis após a morte de Nero em 68 d.C., embora Tácito demonstre maior preocupação em descrever o quadro provincial, Roma permanece como centro de referência. Propõe-se a descrever a “situação da cidade, o pensamento dos exércitos e a atitude dos provinciais” (repetendum videtur qualis status urbis, quae mens exercituum, quis habitus provinciarum, Hist., I, 4). No entanto, são os exércitos estacionados nas províncias que lhe interessam, e na medida em que podem influenciar a lutar por um poder que, ao final das contas, deveria ser exercido em Roma.5 Se o ocaso da dinastia Júlio-Cláudia desvelara um dos arcana imperii – de que um imperador poderia ser feito fora de Roma (Hist., I, 4) – é, contudo, da urbs que o princeps governará o Império.

Do ponto de vista formal, essa centralidade de Roma também decorre de uma característica de sua narrativa nos Anais: a abordagem cronológica dividida por anos, retomando uma tradição analista que introduzia o começo de cada ano com os nomes dos dois cônsules ordinários. Todavia, isso não significa que Tácito praticasse a história analista tradicional, à maneira dos antigos anais pontificais ou da narrativa de Tito Lívio. Adota antes a forma dessa história no sentido de que toma como parâmetro uma estrutura discursiva, associada ao passado republicano, para escrever sobre o Principado.

6 O contraste entre passado republicano e presente imperial é constantemente acionado por Tácito, em especial quando trata da escrita da história. Nos Anais, em uma digressão, ressalta que, para os antigos escritores, estavam à disposição “grandes guerras, reis abatidos e capturados, (...) discórdias entre cônsules e tribunos, leis agrárias e frumentárias, disputas entre a plebe e os principais cidadãos”, enquanto, no Principado, predominava “uma paz imóvel e moderadamente estimulada, fatos tristes na cidade e um imperador [Tibério] que era indiferente quanto a alargar o império” (IV, 32). Tácito expressaria assim uma visão de mundo agonística, em que o conflito interno e externo aparece como necessário para a expansão do Império de Roma. A associação entre Principado e paz – que aparece como um contraponto a esse ideal – é trabalhada por Tácito já a partir do proêmio dos Anais, quando oferece ao leitor uma sequência progressiva de acontecimentos que antecederam o estabelecimento do regime imperial. Inicia com os reis e encerra com a ascensão de Augusto que, nas suas palavras, “tudo aceitou sob um império, com o nome de príncipe, cansados que estavam todos das discórdias civis” (qui cuncta discordiis ciuilibus fessa nomine principis sub imperium accepit, Ann., I, 1). Frase sintética, mas que comporta uma dupla interpretação, se aceitarmos a leitura de A. Neschke, para quem a sintaxe latina também pode significar que Augusto aceitou, sob um imperium, todos aqueles fatigados pelas guerras civis.

7 Nesse caso, Augusto se equipararia aos antigos reis de Roma que tinham nas mãos a cidade e, por conseguinte, seus grupos sociais. A identidade desses grupos começa a se delinear quando Tácito expõe a seguir as bases de apoio de Augusto. Escreve: “Quando seduziu (pellexit) os soldados com donativos, o povo com trigo, e a todos (cunctos) com a doçura da paz, começou a elevar-se aos poucos, trazendo a si os deveres do Senado, as magistraturas e as leis, sem encontrar adversário” (Ann., I, 2). A ausência de oposição ao princeps é explicada, para o caso dos nobres (nobiles), como resultado de um comportamento servil, que visava mais as benesses do presente (honras e riquezas) do que as turbulências do passado. As províncias, por sua vez, também não se opuseram, visto a desconfiança que votavam ao governo do Senado e do povo romano (suspecto senatus populique imperio). Ao se referir à ascensão de Tibério, os mesmos elementos voltam a recorrer: “Em Roma cônsules, senadores e cavaleiros lançavam-se à escravidão (ruere in servitium)”, seguidos pelos prefeitos do pretório e da anona, e do Senado, exército e povo (senatus milesque et populus, Ann., I, 7).

Além desses grupos de sustentação, diz Tácito que a atribuição de cargos honoríficos a membros da casa imperial por Augusto foi um elemento de consolidação de sua dominação (subsidia dominationi), pois garantiu a transmissão do poder imperial, que agora dependia de uma integra domus (I, 3). Com a morte da maioria dos possíveis sucessores de Augusto, restou Tibério, “para
quem tudo convergiu” (illuc cuncta vergere). Tácito interpreta essa nova configuração do poder como uma reviravolta no estado da cidade, o abandono dos costumes antigos e íntegros (Igitur verso civitatis statu nihil usquam prisci et integri moris, I, 4), já que doravante a estabilidade e a paz estariam associadas à composição da casa reinante.

Esse aspecto também é expresso quando Tácito apresenta as avaliações positivas do reinado de Augusto: “O Oceano e os rios distantes foram as barreiras que deu ao império; legiões, províncias, esquadras, tudo estava conectado (cuncta inter se conexa); prevalecia o direito frente aos cidadãos, a moderação com os aliados; a própria cidade foi magnificamente ornada; se tratou poucas coisas com severidade, foi para assegurar a paz” (I, 9). Na versão que Tácito fornece, no livro XI dos Anais, do discurso de Cláudio, favorável ao ingresso de nobres gauleses no Senado, percebe-se igual ênfase na integração do Império: “Quando se consolidou a paz interna (solida domi quies) e contra adversidades externas prevalecemos, quando os Transpadanos foram admitidos na cidade, quando sob pretexto que nossas legiões espraiaram-se por todo o orbe, nós incorporamosos mais vigorosos dentre os provinciais, remediando o enfraquecimento do
império” (XI, 24).

A principal diferença entre o discurso apresentado por Tácito e o texto original preservado em uma inscrição8 reside no fato de o historiador utilizar um episódio particular – a concessão de privilégios a um grupo restrito das aristocracias provinciais, oriundas da Gália Comata – para avançar uma lei geral de que a sobrevivência do Império dependeria da absorção de elementos
externos a Roma e a Itália.

9 Logo, nesse primeiro momento, imperium significa um poder exercido pelo princeps, e antes dele pelo Senado e pelo povo. Imperium, no Principado, está associado à ordem, enquanto na República é instrumento de conflito e disputa cujos reflexos atingem Roma e suas províncias. No regime imperial, pela ótica de Tácito, ocorreria como que uma privatização da res publica, em que prevaleceriam as relações diretas com o imperador da parte do Senado, povo e exército. O emprego da metáfora da escravidão é um elemento ilustrativo desse contexto e presente não só na obra de Tácito. Finda a República, a escravidão situou-se no centro de uma negociação discursiva entre princeps e aristocracia no contexto de uma adaptação das instituições republicanas e dos códigos de conduta aristocráticos à presença de um imperador. Se, por um lado, a relação senhor-escravo representaria um modelo negativo de interação entre imperador
e aristocracia – devido às conotações negativas de servitus e seus cognatos10 –, por outro lado, em Tácito, tal relação não deixa de ter um conteúdo implícito positivo, no sentido de se constituir em componente da ordem imperial. A escravidão, ao caracterizar um comportamento voluntário de adequação ao novo regime, proporciona um consenso.

Tácito acaba assim por corroborar uma nova cultura política, cuja estruturação discursiva substituiu um modelo centrado na res publica por outro baseado na casa imperial. Essa transformação aparece explicitamente em decretos senatoriais da época de Tibério, como a Tabula Siarensis, de 19 d.C., a Tabula Hebana,de 20 d.C., e o senatus consultum de Cn. Pisone patre, de 23 d.C., em que as duas primeiras testemunham honras conferidas pelo Senado a Germânico, enquanto o senatus consultum trata da condenação de Cneu Piso, acusado de assassiná-lo. Esses decretos revelam que o Senado desempenhou um papel primordial na transmissão da nova ideologia, em especial de transições da família imperial, e, ao fazê-lo, ganhou nova visibilidade na Itália e mesmo usurpou funções legislativas ao decretar honras antes de serem outorgadas por lei.11 O comportamento que Tácito qualifica de servilismo ou adulação representa essa estratégia senatorial de vincular o Senado à casa imperial, conferindo nova identidade aos membros desse órgão. Nos Anais, isso é observável, por exemplo, quando o historiador relata pedidos de senadores para que se atribuam honrarias a membros da família
imperial, como a Augusta, mãe de Tibério (I, 14).

Assim como o Senado é retratado como diretamente vinculado à domus Caesaris, o mesmo Tácito procura fazer com os exércitos estacionados nas províncias, embora não com muito êxito. Isso é exemplificado, ainda no livro I dos Anais, quando da narrativa da revolta das legiões da Panônia (I, 16-30) em 14 d.C. Na ocasião, Tibério enviou, para tratar com os sediciosos, seu filho
Druso, acompanhado de senadores (cum primoribus ciuitatis).12 O centurião, representante das legiões reunidas em assembleia (contio), manifestou-se contra a posição do imperador, divulgada por Druso, em remeter ao Senado os favores e castigos que deveriam ser impostos às tropas. Exigia, pelo contrário, uma intervenção direta do representante da família imperial. O interessante de se observar no relato taciteano é a solução oferecida para o impasse promovido
pelo questionamento à autoridade imperial. Um eclipse da lua fez com que os soldados o interpretassem como reflexo e resultado de suas ações, levando-os a restaurar pelas próprias mãos a disciplina militar (I, 28). A ordem nas legiões é assimilada às leis do cosmos, como se os mundos natural e divino revolvessem por conta da rebelião das tropas.13 A mensagem subliminar do texto de Tácito é que não há uma vinculação totalmente harmônica entre o exército nas províncias e o princeps.

Se as tropas estacionadas em Roma enquadram-se na lógica da privatização da res publica, aquelas provinciais mostram-se recalcitrantes. Não é à toa que o termo contio parece com frequência nas descrições de revoltas militares por Tácito.

Embora a cultura política do exército seja fundada na hierarquia e disciplina, a interação entre tropas e comandantes ocorre em contiones, em assembleias onde se empregava moratória e o princípio da decisão coletiva.14 Se nos voltarmos para o povo de Roma, a persistência da cultura política das assembleias também se revela. Embora Tácito mencione que os comícios foram transferidos, sob Tibério, do Campo de Marte para o Senado, ressalta que subsistiram alguns que reuniam as tribos da cidade e, portanto, fora do “arbítrio do príncipe” (I, 15). Esses dados indicam que, se Tácito tem uma visão da sociedade de Roma como ordenada em torno da casa imperial, as esferas de deliberação do Senado, povo e exército aparecem preservadas, ainda que minimizadas em sua narrativa, já que ele vê toda a ação nesses espaços como uma imagem de liberdade, uma forma sem conteúdo. Contudo, enquanto Tácito confere pouco relevo aos espaços de deliberação coletiva, o mesmo não ocorre quando se trata da ação de viri militares nas províncias do Império. O exemplo mais emblemático é o de seu próprio sogro, Júlio Agrícola.

A carreira inicial de Agrícola na Bretanha é mostrada por Tácito com o intuito de afirmar que o correto funcionamento do Império dependia de uma competição intraelite por glória. Como recentemente argumentou Dylan Sailor, Tácito “a fim de demonstrar como deveria operar a economia da glória, (...) caracterizou a Bretanha como um espaço separado do restante do Império, como um campo para a atividade da elite isolado da influência do princeps em Roma e
do sistema cultural e político organizado em torno de principes”.15 Nesse sentido, o Império configura-se como um processo constantemente autorrenovável de expansão, se movido por indivíduos que buscam afirmar-se pela glória militar, mas sem descartar a existência de uma hierarquia. Caso esta não encontre vazão no regime imperial, ao despertar a hostilidade do imperador, os esforços dessa elite serão frustrados e a manutenção do Império comprometida.
É também o modelo que advoga em sua obra de cunho etnográfico, a Germânia, em que descreve como princípio motor do comitatus a disputa entre os guerreiros por prestígio perante o chefe. Este, por seu turno, serve-se do seu séquito para rivalizar em prestígio com os demais chefes. No campo de batalha, segundo Tácito, é a emulação mútua entre comandantes e comandados que impera. O chefe (princeps) é o centro da comunidade guerreira germânica. Ele fornece o padrão
de conduta para seus subordinados e estes combatem, não visando uma glória pessoal, mas a glória do chefe. A este cabem os méritos da vitória.

Em contrapartida, os guerreiros exigem demonstrações de liberalidade (liberalitas) do chefe. A conduta de Agrícola diante de seus superiores – de emulação positiva, mas sem rompimento da hierarquia – é aquela que Tácito transplanta para a sociedade germânica, anulando assim as fronteiras étnicas, sociais e políticas
entre romanos e germanos. Em suma, trata-se mais de identidade do que de alteridade, pois, como ressaltou Erwin Wolff, o comitatus, como representado por Tácito na Germânia, é uma organização romana, embora não exatamente igual, mas semelhante.16 Esse jogo de identificação entre grupos díspares é o que também vemos operando quando recorre à metáfora da escravidão, pois servitus é a submissão dos senadores e cavaleiros em Roma diante do imperador, dos soldados romanos a seus superiores e de alguns chefes bárbaros com relação a Roma.

Ao afirmar que todos são “escravos”, dilui as identidades específicas de cada grupo, traçando uma identidade única cuja referência é a subordinação ao imperador. O próprio historiador, nos Anais, chega a afirmar que a vinculação pessoal ao imperador e a prática de emulá-lo era comum dentre os “homens novos” que progressivamente adentravam na política romana: Homens novos, procedentes dos municípios e colônias e até mesmo das províncias, foram admitidos no Senado e introduziram a parcimônia a que estavam afeitos; e ainda que alguns tivessem sorte ou habilidade para atingir uma abastada velhice conservaram o mesmo gênero de vida. Foi, no entanto, Vespasiano quem deu impulso a essa severidade de costumes, vivendo ele mesmo ao antigo modo de vestuário e mesa. O desejo de agradar e imitar o príncipe fez mais que qualquer lei coercitiva ou medo de punição (Ann., 3, 55). É esta subordinação ao princeps que, em última instância, encerra a visão de Tácito sobre o Império Romano e que não deixa de ser caracterizada por uma ambiguidade: a presença do imperador é necessária para um tipo de ordem, que diminui ou elimina o conflito entre grupos políticos, mas a ausência de um imperador permitiria outra forma de estabilidade, que incorpora o conflito. No primeiro caso, Tácito tem em mente a situação em Roma, focando o Senado, mas também o povo da cidade. O cerceamento da liberdade política desses grupos, entendida como espaço de deliberação e disputa, é equacionado a uma ordem constituída pela ligação de Senado e povo à casa imperial. No segundo caso, o historiador volta-se para o Império e sua preservação pela força das armas, e, portanto, salienta a necessidade de chefes militares cuja ação, e resultante glória conquistada, não pode ser coibida pelo princeps. Ou seja, pressupõe a importância do conflito entre grupos ou no interior dos mesmos, em que cada indivíduo faz valer a sua libertas.

Tácito apresenta a identidade corporativa do Senado, povo e exército, atrelando-a a casa imperial e postulando, dessa maneira, uma alternativa para manter a estabilidade do Império. Por outro lado, igualmente revela que há afirmações identitárias que fogem a esse esquema, consubstanciadas em espaços de deliberação coletiva. Isto é, permanecem espaços fora da alçada do imperador, que remetem à antiga res publica, mas são tidos como imagens efêmeras. Ao tempo em que Tácito escreve, após o período de guerras civis subsequentes à morte de Nero, talvez Roma aparecesse como mais inextricavelmente ligada ao princeps, e, portanto, nosso historiador visse como anômala a existência de resquícios da cidade-Estado clássica. Mas isso não significa que outras identidades ligadas a esse aspecto persistissem, sugerindo outras formas de ordenação.

Você quer saber mais?

http://revhistoria.usp.br/

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.