-

-

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

A Terceira Onda, de 1967, contada pelo professor Ron Jones. Parte I.

Cubberley High School Professor Ron Jones. Creditos: Fotos de Adam Lau / The Chronicle

A historia do contada pelo professor Ron Jones de seu experimento, que criou um movimento proto-fascista entre os seus alunos de ensino médio, em Palo Alto, Califórnia, que em 2008 foi tema do premiado filme A Onda.

A Terceira Onda

Ron Jones (1972)

Por muitos anos eu mantive um estranho segredo. Eu compartilhei esse silêncio com duzentos alunos. Ontem eu fale com um desses alunos. Por um breve momento tudo passou de volta.

Steve Conigio tinha sido um estudante do segundo ano da minha aula de História Mundial. Corremos um para o outro quase que por acidente. É uma daquelas ocasiões vivido pelos professores quando menos espera. Você está andando na rua, comendo num restaurante isolado, ou comprar alguma roupa interior quando, de repente, um ex-aluno aparece para dizer olá. Neste caso, foi Steve correndo pela rua gritando "Mr. Jones, Mr. Jones". Em um abraço envergonhado saudamos. Eu tive que parar por um minuto para lembrar. Quem é esse rapaz, abraçando-me? Ele me chama de Mr. Jones. Deve ser um ex-aluno. Qual o nome dele? Na fração de segundo da minha corrida de volta no tempo Steve sentiu o meu questionamento. Em seguida, sorriu e levantou lentamente a mão em uma posição curvada. Meu Deus Ele é membro da Terceira Onda. É Conigio, Steve Steve. Ele se sentou na segunda fila. Ele era um aluno brilhante e sensível.

E ficamos ali trocando sorrisos quando, sem um comando consciente eu levantei a minha mão na posição curvada. A saudação foi dada. Dois companheiros tinham encontrado muito tempo depois da guerra. A Terceira Onda ainda estava viva. "Mr. Jones Você se lembra da Terceira Onda?" Com certeza, foi um dos eventos mais assustadores que eu já experimentei na sala de aula. Foi também a gênese de um segredo que eu e duzentos estudantes que, infelizmente, partilhamos para o resto de nossas vidas.

Nós conversamos e rimos sobre a Terceira Onda pelas próximas horas. Então chegou a hora de partir. É estranho, você vai e pega alguns momentos de sua vida. Mantenha-os apertados. Então diga adeus. Sem saber quando e se você nunca mais vai ver outra vez. Oh, você faz promessas de conversar novamente, mas não vai acontecer. Steve vai continuar a crescer e mudar. Vou continuar a ser uma referência atemporal em sua vida. Uma presença que não vai mudar. Eu sou o Sr. Jones. Steve se vira e dá uma saudação silenciosa. Mão levantada para cima em forma de uma onda. Mão curvas em uma forma similar devolvo o gesto.

A Terceira Onda. Bem, finalmente, falar sobre o assunto. Aqui eu encontrei um aluno e nós conversamos por horas sobre esse pesadelo. O segredo deve finalmente estar diminuindo. Levou três anos. Posso dizer-vos e a qualquer outra pessoa sobre a Terceira Onda. Agora é apenas um sonho, algo para recordar, não é algo que tentamos esquecer. É assim que tudo começou. Por estranha coincidência, eu acho que foi de Steve, que começou as perguntas que levaram a Terceira Onda.

Estávamos estudando a Alemanha nazista e no meio de uma palestra que foi interrompido pela pergunta. Como pode a ignorante reivindicação alemã levar uma população ao massacre do povo judeu. Como poderia o povo, os condutores ferroviários, professores, médicos afirmarem que não sabia de nada sobre campos de concentração e da carnificina humana. Como as pessoas que eram vizinhos e talvez até amigos dos cidadãos judeus dizem que não estavam lá quando tudo aconteceu. Era uma boa pergunta. Eu não sabia a resposta.

Como ainda havia vários meses para terminar o ano letivo e eu já estava na Segunda Guerra Mundial, eu decidi tirar uma semana e explorar a questão.

Força através da disciplina

Na segunda-feira, apresentei os meus alunos do segundo ano a história de uma das experiências que marcaram a Alemanha nazista. Disciplina. Dei uma palestra sobre a beleza da disciplina. Como um atleta se sente de ter trabalhado duro e regularmente para ser bem sucedido no esporte. Como uma bailarina ou pintor trabalha duro para um movimento perfeito. A paciência dedicada de um cientista em busca de uma idéia. É a disciplina. Essa auto-treinamento. Controle. O poder da vontade. A troca de dificuldades físicas para instalações superiores física e mental. O triunfo final.

Para experimentar o poder da disciplina, eu convidei, não mandei a classe para o exercício e usar uma nova postura sentada, eu descrevi como a postura correta sentado assistências concentração obrigatória e fortalece a vontade. Na verdade eu instruí a classe de uma postura sentada correta. Esta postura começou com os pés no chão, mãos colocadas em toda a classe para forçar um alinhamento em linha reta da coluna vertebral. "Você não conseguem respirar mais facilmente? Você está mais alerta. Não se sente melhor."

Nós praticamos esta posição para obter mais e mais atenção. Eu andava para cima e para baixo nos corredores de alunos sentados apontando pequenas falhas, fazendo melhorias. O assento apropriado tornou-se o aspecto mais importante da aprendizagem. Gostaria de descartar a classe que lhes permita sair de suas mesas e, em seguida, chamá-los de repente volta a atenção para uma posição sentada. Nos treinos de velocidade da classe aprenderam a mudar de posição de pé, sentado atenção em quinze segundos. Nos treinos eu foco concentrado a atenção nos pés paralelos e planos, nos tornozelos bloqueado, os joelhos dobrados em ângulo de noventa graus, as mãos espalmadas e cruzou contra as costas, coluna ereta, queixo para baixo, cabeça para a frente. Fizemos exercícios de ruído em que falar era permitido apenas para ser mostrado como um desserviço. Após minutos de trabalhos progressivo da classe pode mudar de posições em pé fora da sala a atenção sentada em suas mesas, sem fazer um som. A manobra levou cinco segundos.

Foi estranho a rapidez com que os estudantes tomaram a este código uniforme de comportamento que eu comecei a me perguntar o quão longe eles podem ser empurrados. Foi essa demonstração de obediência de um jogo momentânea estávamos todos a jogar, ou foi outra coisa. Foi o desejo de disciplina e uniformidade de uma necessidade natural? Um instinto social que todos nos escondemos dentro de nossa alma.

Decidi empurrar a tolerância da classe para a ação a ser regulamentada. No final de 25 minutos da aula, eu trouxe algumas novas regras. Os alunos devem estar sentados na sala de aula na posição de atenção antes do sino final, todos os estudantes devem levar lápis e papel para tomar nota, quando perguntando ou respondendo perguntas que um aluno deve estar ao lado de sua mesa, a primeira palavra dada em responder ou perguntar uma pergunta é "Mr. Jones". Nós praticamos curta "leitura silenciosa" nas aulas. Os estudantes que responderam de forma lenta foram repreendidos e em cada caso feita para repetir o seu comportamento até que ele foi um modelo de pontualidade e respeito. A intensidade da resposta se tornou mais importante que o conteúdo. Para acentuar isso, eu pedi respostas a serem dadas em três palavras ou menos. Os estudantes foram recompensados por fazer um esforço para responder ou fazer perguntas. Eles também foram reconhecidos por fazer isso de uma forma nítida e atencioso. Logo, todos na classe começaram a aparecer com respostas e perguntas. O nível de participação na classe mudou de uns poucos que sempre dominou as discussões para toda a classe. Ainda mais estranho foi a melhoria progressiva da qualidade das respostas. Todo mundo parecia estar ouvindo mais atentamente. Novas pessoas estavam falando.

Quanto a minha parte neste exercício, eu não tinha nada, mas questiona. Porque não havia pensado dessa técnica antes. Os estudantes pareciam ter a intenção sobre a cessão e exibido recitação exata dos fatos e conceitos. Eles até pareciam estar a fazer perguntas melhores e tratar uns aos outros com mais compaixão. Como pode ser isso? Aqui eu estava decretando um ambiente autoritário aprendizagem e parecia muito produtivo. Agora comecei a refletir não apenas o quanto essa classe poderia ser empurrado, mas como tal, eu iria mudar a minha opinião de base para uma aula aberta e aprendizagem auto-dirigida. Foi toda a minha crença em Carl Rogers a murchar e morrer? Sempre foi essa experiência de liderança?

Força através da comunidade

Na terça-feira, segundo dia do exercício, entrei na sala de aula para encontrar todos sentados em silêncio na posição de atenção. Alguns de seus rostos estavam relaxados com sorrisos que vêm de agradar ao professor. Mas a maioria dos estudantes olhavam para a frente na concentração sério. Músculos do pescoço rígido. Nenhum sinal de um sorriso ou um pensamento ou mesmo uma pergunta. Cada fibra tensa para executar a ação. Para liberar a tensão, fui para o quadro negro e escreveu em letras grandes "FORÇA através da disciplina". Abaixo desta eu escrevi uma segunda lei, "a força através da comunidade".

Enquanto a classe ficou em silêncio, comecei a palestrar sobre o valor da comunidade. Nesta fase do jogo eu estava debatendo em minha mente a possibilidade de interromper a experiência ou continuar. Eu não tinha planejado tanta intensidade e conformidade. Na verdade, fiquei surpreso ao encontrar as idéias sobre a disciplina promulgada em tudo. Enquanto a debater a possibilidade de parar ou continuar com a experiência que eu falei sobre e sobre comunidade. Eu inventei histórias de minhas experiências como atleta, treinador e historiador. Foi fácil. Comunidade é que o vínculo entre os indivíduos que trabalham e lutam juntos. Ele está levantando um celeiro com seus vizinhos, é o sentimento que você é uma parte de algo além de si mesmo, um movimento, uma equipe.

Era tarde demais para voltar atrás. Agora eu posso entender porque o astrônomo gira incessantemente para o telescópio. Eu era um exame mais profundo e mais profundo em minhas próprias percepções e as motivações para o grupo e ação individual. Havia muito mais para ver e tentar entender. Muitas perguntas me perseguiram. Por que os alunos aceitam a autoridade que eu estava impondo? Onde está a sua curiosidade ou resistência a esse comportamento marechal. Quando e como isso vai acabar?

Após a minha descrição da comunidade, mais uma vez disse à classe que a comunidade como a disciplina deve ser experiente se é para ser entendido. Para proporcionar um encontro com a comunidade eu fiz a classe recitar em uníssono "força através da disciplina". "Força através da comunidade". Primeiro eu queria dois alunos de pé a chamar de volta o nosso lema. Em seguida, adicione mais dois, até que finalmente a turma toda estava de pé e recitar. Foi muito divertido. Os alunos começaram a olhar uns para os outros e sentir o poder de pertencer. Todo mundo era capaz e igual. Eles estavam fazendo algo juntos. Trabalhamos com este simples ato, durante o período inteiro. Queremos repetir um coro ou dizer em seguida, com vários graus de intensidade. Sempre disse-lhes que deveriam enfatizando a maneira correta de se sentar, e conversar.

Comecei a pensar em mim como uma parte do experimento. Gostei da ação unificada demonstrado pelos alunos. Foi gratificante ver a satisfação e emoção de fazer mais. Achei mais difícil de extrair-me do momento e da identidade que a classe estava desenvolvendo. Eu estava acompanhando o grupo enquanto eu estava dirigindo ao mesmo tempo.

Como a aula estava terminando e sem premeditação que eu criei uma saudação para a classe. Foi somente para os membros da classe. Para fazer a saudação você traz a sua mão direita em direção ao ombro direito em uma posição curvada. Chamei-a saudação da Terceira Onda, porque a mão parecia uma onda para cima de novo. A idéia para os três vieram da tradição praia que as ondas viajam nas correntes, a terceira onda de ser o último e maior de cada série. Como tínhamos uma saudação eu fiz uma regra para saudar todos os alunos fora da sala de aula. Quando o sino soou terminando o período Perguntei a classe para o completo silêncio. Com todos sentados em atenção que levantou lentamente o braço e com uma mão em concha me cumprimentou. Era um sinal silencioso de reconhecimento. Eles eram algo especial. Sem comando todos os alunos fizeram a saudação.

Você estaria andando pelo corredor quando de repente três colegas realizam uma saudação rápida. Na biblioteca ou na academia os alunos seriam vistos dando a esta saudação. A mística de trinta pessoas fazendo a saudação ao mesmo tempo logo chamou mais atenção para a classe e sua experiência na personalidade alemã. Muitos alunos fora até mim para perguntar se poderiam participar.

Força através da ação


Na quarta-feira, decidi emitir cartões de adesão a todos os alunos que queriam continuar o que eu agora estava chamando de experimento. Neste terceiro dia de atividade, havia quarenta e três alunos da turma. Treze alunos tinham trocado de classe para ser parte da Terceira Onda. Dei um cartão a cada pessoa da turma. Marquei três cartas com um X vermelho e informou os destinatários que eles tinham uma missão especial para relatar todos os estudantes que não cumpram com as regras da classe. Eu, então, comecei a falar sobre o significado da ação. Eu expliquei como a disciplina e a comunidade seriam inúteis sem ação. Discuti a beleza de assumir a responsabilidade plena de ação. De acreditar tão profundamente em si mesmo e da sua comunidade ou família que você vai fazer de tudo para preservar, proteger e estender seu alcance. Ressaltei que o trabalho duro e a lealdade uns com os outros permitiria aceleração da aprendizagem e a realização. Lembrei aos alunos do que eles sentiam quando estivam em classes onde a concorrência causou dor e degradação. Situações em que os alunos foram uns contra os outros em tudo, desde a academia para leitura. A sensação de nunca agir, nunca sendo uma parte de algo, nunca apoiando-se mutuamente.

Neste ponto, os alunos começaram a dar depoimentos. "Mr. Jones, pela primeira vez, estou aprendendo muitas coisas." "Mr. Jones, gostamos por que você não ensinar como todos os outros." Eu fiquei chocado! Sim, fui empurrando a informação para eles em um ambiente extremamente controlado, mas o fato de que eles encontraram-lo confortável e aceitável era surpreendente. Foi igualmente desconcertante perceber que complexas e demoradas tarefas de casa por escrito sobre a vida dos alemães estavam sendo concluídos e até mesmo ampliada pelos estudantes. Desempenho nas áreas de habilidade acadêmica foi melhorando significativamente. Eles estavam aprendendo mais. E eles pareciam querer mais. Comecei a pensar que os alunos podem fazer qualquer coisa que eu atribuídos. Eu decidi descobrir.

Para permitir aos alunos a experiência de ação direta que dei a cada um uma tarefa especifica. "É sua tarefa projetar um banner para a Terceira Onda. Você é responsável por impedir qualquer aluno que não é um membro da Terceira Onda de entrar nesta sala. Eu quero que você seja capaz de recitar até amanhã o nome e o endereço de cada membro da Terceira Onda. Você é atribuído informar e convencer, pelo menos, vinte crianças da escola adjacente fundamental que a nossa postura sentada é necessário para uma melhor aprendizagem. É seu trabalho ler este panfleto e relatar todo o seu conteúdo para a classe antes que o prazo termine. Quero que cada um de vocês me de o nome e o endereço de um amigo de confiança que você acha que pode querer juntar-se a Terceira Onda ."...

Para concluir a sessão em ação direta, que instruiu os alunos em um procedimento simples para iniciar os novos membros. Foi como este. Um novo membro só tinha de ser recomendado por um membro em vigor e emitido um cartão por mim. Ao receber este cartão o novo membro tinha que demonstrar conhecimento de nossas regras e obediência para elas. Meu anúncio desencadeou um fervor.

A escola estava cheia de conjecturas e curiosidade. Isso afetou a todos. O cozinheiro da escola pediu para fazer um cardápio para a Terceira Onda. Eu disse: chocolate, é claro. Nosso Diretor entrou em uma reunião do corpo docente da tarde e me deu a saudação da Terceira Onda. Saudei de volta. O bibliotecário me agradeceu pelos 30 banner sobre a aprendizagem que ele colocou acima da entrada da biblioteca. Até o final do dia mais de duzentos estudantes já haviam entrado para a Terceira Onda. Eu me senti muito sozinho e um pouco assustado.

A maior parte do meu medo emanava a incidência de imposição sobre outros alunos. Ainda que formalmente nomeados apenas três alunos para relatar o comportamento desviado, cerca de vinte alunos vieram a mim com relatos sobre como Allan não saudou, ou Georgine estava falando de forma crítica sobre a nossa experiência. Esta incidência de acompanhamento fez com que metade da classe considerava agora seu dever observar e relatar erros dos membros da sua classe. Dentro dessa avalanche de informação uma conspiração legítima parecia em curso ....

Três alunas da classe tinha dito aos pais tudo sobre nossas atividades de sala de aula. Estes três jovens foram, de longe, os alunos mais inteligentes da classe. Elas possuíam um nível de confiança em silêncio e prazer em um ambiente escolar que lhes deu oportunidade acadêmico e de liderança. Durante os dias do experimento, eu estava curioso em saber como reagiriam a igualitária e remodelação física da classe. As recompensas que estavam habituados a ganhar pouco não existia no experimento. As habilidades intelectuais de questionamento e raciocínio eram inexistentes. Na atmosfera marcial da classe pareciam atordoadas e pensativas. Agora que olho para trás, eles pareciam muito parecido com a criança com a chamada dificuldade de aprendizagem. Eles observaram as atividades e participaram de uma forma mecânica.

Ao contar aos pais do experimento, eles montaram uma cadeia de eventos . Um rabino era pai de um das alunas chamou-me em casa. Ele foi educado e condescendente. Eu disse a ele que estávamos apenas estudando a personalidade alemã. Ele parecia feliz e disse para não me preocupar. Ele iria conversar com os pais e acalmar a sua preocupação. Ao concluir essa conversa eu imaginava conversas semelhantes ao longo da história em que o clero aceitou e se desculpou por condições insustentáveis. Se ao menos ele teria se enfurecido com raiva, mas simplesmente investigou a situação que eu poderia apontar aos alunos um exemplo de rebeldia justo. Mas não. O rabino passou a fazer parte do experimento No restante ignorante da opressão no experimento tornou-se cúmplice e defensor.

Até o final do terceiro dia eu estava exausto. Eu estava rasgando. O equilíbrio entre jogos e comportamento dirigido tornaram-se indistinguíveis. Muitos dos alunos estavam completos em ser membros da Terceira Onda. Eles exigiam a obediência estrita das regras de outros estudantes e intimidado aqueles que tiveram a experiência de ânimo leve. Outros simplesmente afundou a atividade e teve papéis auto-atribuído. Eu particularmente me lembro Robert. Robert era grande para sua idade e exibido poucas habilidades acadêmicas. Oh, ele tentou mais difícil do que ninguém que eu conheço para ser bem sucedido. Ele entregou na elaboração de relatórios semanais copiado, palavra por palavra a partir dos livros de referência na biblioteca. Robert é como tantas crianças na escola que não se destacam ou causar problemas. Eles não são brilhantes, eles não podem fazer parte das equipes de atletismo. Eles estão perdidos invisíveis. A única razão que eu vim saber do grande envolvimento de Robert em tudo isso é que eu o encontrei almoçando na minha sala de aula. Ele sempre almoçava sozinho.

Bem, na Terceira Onda Robert ganhou um lugar na escola. Pelo menos ele era igual para todos. Ele poderia fazer alguma coisa. Faça parte. Ser significativo. Isso é exatamente o que Robert fez. No final da tarde quarta-feira eu encontrei Robert seguir-me e perguntei o que no mundo que ele estava fazendo. Ele sorriu (eu não acho que eu nunca tinha visto ele sorrir) e anunciou: "Mr. Jones eu sou o seu guarda-costas. Estou com medo que algo vai acontecer com você.

Posso fazê-lo Mr. Jones, por favor? "Eu não podia dizer não. Eu tinha um guarda-costas. Durante todo o dia, ele abriu e fechou as portas para mim. Ele andava sempre à minha direita. Apenas sorrindo e saudando outros membros da classe. Ele seguiu me em todos os lugares. Na sala de professores (fechada para alunos), ele ficou em silêncio enquanto eu tomava um café. Quando abordado por um professor de Inglês pó que um aluno estava na "sala dos professores", ele apenas sorriu e informou o membro do corpo docente que ele não era um estudante. ele era um guarda costa.

Força por orgulho


Na quinta-feira comecei a desenhar a conclusão do experimento. Eu estava exausto e preocupado. Muitos estudantes estavam sobre a linha. A Terceira Onda havia se tornado o centro da sua existência. Eu estava me sentido péssimo mesmo. Eu estava agora agindo instintivamente, como um ditador. Ah, eu estava benevolente. E eu diariamente argumentava comigo mesmo sobre os benefícios da experiência de aprendizagem. Por isso, o quarto dia do experimento, eu estava começando a perder meus próprios argumentos. Como eu passava mais tempo jogando o papel que eu menos tinha criado eu procurava lembrar as suas origens racionais e objetivas. Eu encontrei-me resvalar para o papel, mesmo quando não era necessário. Eu me perguntei se isso não acontece com muita gente. Ficamos usando um papel atribuído e, em seguida dobramos a nossa vida para ajustar a essa imagem. Logo, a imagem é a única identidade que as pessoas vão aceitar. Então nós nos tornamos a imagem. O problema com a situação e o papel que eu tinha criado era que eu não tive tempo para pensar nele como líder. Os eventos foram se esmagando em torno de mim. Eu me preocupei com os alunos que poderiam se arrepender. Fiquei preocupado.

Continua......

Você quer saber mais?

http://construindohistoriahoje.blogspot.com/2010/12/historia-diante-da-historia-do-estudo.html

Visita de Plínio Salgado a Santa Rita do Sapucaí

Recebemos da leitora e amiga Maria Luiza Matragrano duas fotos raríssimas e que marcam um período muito importante de nossa história. Trata-se da visita de Plínio Salgado, líder nacional do Movimento Integralista, a Santa Rita do Sapucaí:

O evento, acontecido no ano de 1935 reuniu um grande número de santarritenses simpatizantes das ideias do político nascido em São Bento do Sapucaí. Estima-se que o partido tinha, só em Santa Rita, cerca de 1200 afiliados.

Santa Rita do Sapucaí é um município brasileiro do estado de Minas Gerais.

Você quer saber mais?

http://www.emporiodenoticias.com/

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.