-

-

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Selo dos 500 Anos da Reforma vai marcar as celebrações até 2017.

O pastor da Paróquia Matriz da IECLB, Claudio Kupka, foi responsável pela criação do selo comemorativo dos 500 Anos da Reforma.

Segundo Kupka o selo está estruturado em duas cores contrastantes (azul escuro e cor de laranja), representando tanto a ruptura que a Reforma ensejou no pensar teológico, social e cultural quanto polos entre os quais dialeticamente se articula o posicionamento luterano. "A Rosa de Lutero aponta para o centro da Teologia luterana. A imagem de Lutero apresenta um rosto sereno e olhar fixo no horizonte”, explicou.

A IELB e a IECLB se uniram, através de um Grupo de Trabalho (GT-500) para realizar diversas atividades em todo o país até outubro de 2017. No calendário já estão previstos o desenvolvimento de seminários, a criação da Praça de Lutero em Porto Alegre, a publicação da Revista 500 anos da Reforma Luterana, a criação de um site para acompanhar os seis anos de atividades e a realização da Caminhada Luterana, entre outros.

O selo comemorativo foi apresentado no ato de lançamento das festividades do quincentenário, realizado na terça-feira, 18 de outubro, no Hotel Plaza São Rafael, em Porto Alegre.

Você quer saber mais?

FALE COM O CONSTRUTOR

http://www.construindohistoriahojecontato.blogspot.com/

OBJETIVO

http://construindohistoriahoje.blogspot.com/2010/07/brigada-integralista.html

http://construindohistoriahoje.blogspot.com/search/label/F%C3%89

PESSOAL

http://construindohistoriahoje.blogspot.com/search/label/PESSOAL

INTEGRALISMO

http://construindohistoriahoje.blogspot.com/search/label/INTEGRALISMO

DESCONSTRUINDO O COMUNISMO

http://www.desconstruindo-o-comunismo.blogspot.com

DESCONSTRUINDO O NAZISMO

http://www.desconstruindo-o-nazismo.blogspot.com

LUTERANOS

http://www.ielb.org.br/

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.