-

-

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Museu no Cairo reabre com maior coleção islâmica

Coleção Islâmica

Visitante na reinauguração do Museu Islâmico, no Cairo

O Museu de Arte Islâmica, na Velha Cairo (Egito), reabriu nesta segunda-feira (25), depois de sete anos de um projeto de renovação. De acordo com Zahi Hawass, secretário-geral do Conselho Supremo de Antiguidades do Egito, o museu agora mantém a maior coleção de artefatos islâmicos do mundo.
As exibições do museu mostram 1.400 anos de história islâmica, desde a época do Califado de Umayyad (661-750) até o Império Otomano (1299-1923). Turistas vão aos milhões visitar as Pirâmides de Gizé e os Templos de Luxor, mas a riqueza da arte e design islâmicos eram colocados em segundo lugar.

Visitantes observam caixões islâmicos no museu do Cairo

Antes que o museu fechasse, em 2003, alguns milhares de viajantes curiosos se aventuravam mensalmente ao museu, que fica próximo de uma estrada barulhenta no coração da capital do Egito. O prédio, projetado pelo italiano Alfonso Manescalo, data do início do século 20, e guardava cerca de 3.000 tesouros, muitos mal identificados, incluindo cerâmicas, túmulos, portas, telas de madeira, mantos e tapetes. As paredes possuíam rachaduras, devido a terremotos.

"Nosso museu era velho e precisava que suas paredes fossem fortificadas, ou estaria próximo do colapso", disse Mohammed Abbas Selim, diretor-geral do museu.

Entre os 80.000 objetos que Selim e sua equipe puderam escolher, cerca de 1.700 estão à mostra no renovado museu. "Diferente das pirâmides e outros artefatos antigos, arte islâmica é uma área mais especializada", disse Selim. "Estas são obras de arte que precisam ser exibidas de uma maneira que todos possam aprecisar."

Você quer saber mais?

http://www1.folha.uol.com.br/

Dinossauros ganham vida em exposição na França

Dinossauros "vivos"

Uma exposição em Paris reproduz um parque de dinossauros e traz mais de 50 animais em tamanho real, que “ganharam vida” graças à tecnologia.

Construídos com um sofisticado sistema robótico e equipados com sensores, os dinossauros se mexem e emitem rugidos quando detectam a aproximação de uma pessoa. Eles também possuem sensores nos olhos, que permitem acompanhar os movimentos de alguém próximo.

“O Tempo dos Dinossauros”, apresentada no Parque de Exposições da Porta de Versalhes, mostra 31 espécies em tamanho original em ordem cronológica, como o Tiranossauro Rex, o mais temido carnívoro da história, que podia atingir até seis metros de altura.

A exposição também traz representações de um brontossauro, um tricerátops - herbívoro semelhante a um rinoceronte, mas do tamanho de um elefante -, e um espinossauro, o maior dinossauro carnívoro que já existiu, com seus seis metros de altura por 15 a 18 de comprimento.

Uma descoberta recente, o ampelossauro, dinossauro herbívoro com cerca 15 metros de comprimento do pescoço à cauda e dotado de uma armadura sobre as costas, cujo esqueleto foi encontrado no sul da França em 2002, também ganhou uma representação robótica na mostra.

O paleontólogo francês Jean Le Loeuff, que descreveu e nomeou o ampelossauro, participou da organização da exposição.

O espinossauro foi o maior dinossauro carnívoro e bípede, com seis toneladas a até 18 metros de comprimento.

Ambiente sombrio

Os dinossauros estão espalhados por uma floresta artificial, de mais de 6 mil metros quadrados, recriando o ambiente natural dos dinossauros, que surgiram na Terra há cerca de 220 milhões de anos.

“É um zoológico pré-histórico em Paris”, afirma Pascal Bernardin, organizador da exposição.

Segundo ele, foram necessários nove meses para fabricar, na China, os robôs-dinossauros, cobertos com pele de borracha.

Os robôs foram concebidos por engenheiros da Disney. O investimento total foi de US$ 2 milhões (cerca de R$ 3,8 milhões), afirma Bernardin. A exposição, que fica em cartaz até 31 de julho, também apresenta dados sobre a evolução e os hábitos alimentares destes animais pré-históricos, extintos há cerca de 65 milhões de anos. Um filme em 3D conta a origem dos dinossauros e as diferentes teorias sobre seu desaparecimento.

Dinossauros pela cidade

O Tempo dos Dinossauros é apenas uma de três exposições dedicadas aos animais pré-históricos em cartaz na capital francesa. As outras duas mostras têm um lado mais científico e pedagógico, o que não deixou de atrair inúmeros visitantes. “A Fome dos Dinossauros”, no Palácio da Descoberta, tem atraído, desde dezembro, 80 mil visitantes por mês. Devido ao sucesso, o evento, que deveria terminar em maio, foi prolongado até 1° de setembro.

O Museu de História Natural de Paris inaugurou em abril a mostra “Dans l’Ombre des Dinosaures” (“Na Sombra dos Dinossauros”, em tradução literal), que tenta explicar como e por quais razões os dinossauros foram extintos.

Você quer saber mais?

http://www.bbc.co.uk/portuguese/cultura/2010/05/100524_dinossauros_paris_aw.shtml

Paleontólogos descobrem que tiranossauro era canibal!

Canibalismo

Paleontólogos americanos e canadenses descobriram que o temido tiranossauro rex não comia apenas outras espécies de dinossauros, mas também outros tiranossauros.

O tiranossauro era o único carnívoro que poderia fazer essas marcas em ossos.

Em um estudo publicado nesta sexta-feira no jornal científico PLoS ONE, especialistas das universidade afirmaram que a descoberta foi feita após encontrarem marcas de mordidas de Tiranossauros em ossadas de predadores da mesma espécie.

Ao analisar fósseis de tiranossauros, o pesquisador da Universidade Yale Nick Longrich encontrou um osso com marcas especialmente grandes. Devido à idade e à localização das marcas, Longrich concluiu que ela só podia ser de um tiranossauro.

“Qualquer grande carnívoro poderia ter feito aquela marca, mas os únicos carnívoros de grande porte que habitavam o oeste da América do Norte há 65 milhões de anos eram os próprios tiranossauros”, afirmou o paleontologista.

Caçada solitária

Após a descoberta, Longrich e outros paleontólogos das universidades de Montana e Alberta percorreram vários museus para pesquisar outros fósseis. Eles encontraram três ossos de patas e um outro de braço com evidências de canibalismo entre tiranossauros.

A descoberta representa uma importante pista para a compreensão dos obscuros hábitos alimentares dos dinossauros. Enquanto os carnívoros de hoje costumam caçar em grupos, os tiranossauros provavelmente saíam sozinhos para matar outros predadores.

“Esses animais são os maiores carnívoros terrestres que já pisaram na Terra e a maneira que eles encontravam alimentos era muito diferente dos hábitos das espécies atuais”, disse Longrich.

“Há um grande mistério sobre o que e como eles comiam. Mas essa pesquisa nos ajudou a encaixar uma importante peça desse quebra-cabeça.”

Você quer saber mais?

http://www.bbc.co.uk/

Faixas sugerem dinossauros podiam nadar!

Nadadores Pré-historicos

Pegadas antigas apresentaram provas convincentes de que alguns dinossauros eram capazes de nadar, relatam os cientistas. O rastro (50 pés) de 15m, que revela uma odisséia submarina animal foi descoberto na Bacia de Cameros, em Espanha, em um grande lago.

O S-shaped estampas sugerem que a besta com garras em sedimentos no fundo do lago, uma vez que nadava em cerca de 3m (10ft) de água. As marcas são de 125 milhões de anos, datando do início do período cretáceo, a equipe escreve na revista Geology.

Elas foram deixadas por um dinossauro grande, bípedes carnívoro. "Nos deparamos com eles cerca de três ou quatro anos atrás", explicou o Dr. Loic Costeur, paleontólogo da Universidade de Nantes, na França, e um co-autor do papel."A Bacia Cameros tem milhares de pegadas de dinossauros a pé da fauna diversa, mas quando vimos estas foi imediatamente óbvio que este era um dinossauro nadando."

Imediatamente óbvio

O rastro submarino, que está bem preservada em arenito, é composta de 12 impressões consecutivas cada uma delas constituída de duas a três marcas de arranhões."As pegadas são muito peculiares em sua forma e morfologia - eles não são em todas as pegadas, como caminhadas," Dr. Costeur disse à BBC. "Em pegadas andando, você pode reconhecer o formato do pé, mas aqui não é em todos os casos: é conjuntos de sulcos na superfície do sedimento. "Você começa a idéia que o corpo dos animais, foi apoiada pela água que estava arranhando o sedimento." As estrias onduladas ao redor da pista sugeriu que o dinossauro nadava contra a corrente, tentando manter um caminho reto, a equipe disse.

Outras investigações da pista bem preservado revelou mais sobre o estilo da fera da natação. "O dinossauro nadava com movimentos alternados das duas patas traseiras: um movimento de natação de impulso pélvico", disse Costeur. "É um estilo de natação amplificado andando com movimentos semelhantes aos usados por bípedes modernos, incluindo as aves aquáticas".Por muitos anos, a questão de se os dinossauros eram capazes de nadar ficaram sem resposta.

As investigações sobre a anatomia dos dinossauros e da ecologia sugeriu que era possível, mas muito poucas evidências existentes documentar esse comportamento. Mas o Dr. Costeur descreveu a descoberta como "extremamente interessante" e disse que desde a primeira evidência convincente de que os dinossauros eram capazes de nadar.

"O rastro de La Virgen del Campo abre as portas para diversas novas áreas de investigação", disse Costeur. "Nova modelagem biomecânica irá aumentar a nossa compreensão da fisiologia do dinossauro e capacidades físicas, bem como nossa visão de nichos ecológicos em que viveram.

Você quer saber mais?

http://www.univ-nantes.fr/

http://www.gsajournals.org/perlserv/?request=index-html&issn=0091-7613

Crocodilo pré-histórico descoberto

Crocossauro

O crânio de um crocodilo de 130 milhões anos de idade, revelou ao longo da costa de Dorset foi na exposição. Richard Edmonds estava caminhando ao longo da costa Swanage quando ele encontrou o crânio (60cm) 2ft brotando de uma rocha. Uma queda de penhasco junto do Património Mundial Jurassic Costa expôs o predador pré-histórico em março.

O crocodilo, ou Goniopholis, teria vagueou a terra com os dinossauros. O crânio será exibido no Museu Swanage e Centro do Património. O crânio de crocodilo é realmente o achado de uma vida
Richard Edmonds

Sr. Edmonds, diretor de ciências da terra para o mundo Jurassic Coast Património da equipe do site, disse: "É apenas o segundo crânio de crocodilo de ser encontrados na área nos últimos 30 anos. "Obviamente foi uma verdadeira obra de sorte para encontrar algo parecido. "O crânio de crocodilo é realmente o achado de uma vida." Sr. Edmonds tinha duas semanas de espera para obter a permissão para escavar o crânio do latifundiário e Inglaterra natural, como a área é um site de Especial Interesse Científico (SSSI). O crânio será posteriormente enviado para análise por especialistas da Universidade de Bristol e do Museu de História Natural.

Se eles decidirem que é um achado importante que será doado a um museu registrado.

Você quer saber mais?

http://news.bbc.co.uk/2/hi/uk_news/england/

Fósseis das primeiras plantas do mundo são descobertos na Argentina

As Plantas mais velhas do mundo.

Fósseis na Argentina indicam que as primeiras plantas do mundo “colonizaram” a Terra há cerca de 472 milhões de anos atrás.

Os fósseis pertencem a plantas de estruturas muito simples, que não possuem nem raízes. Isso mostra que elas são o elo entre as plantas que viviam na água e as que passaram a se manter na terra. As plantas terrestres modificaram o clima do planeta, alteraram o solo e permitiram que outras formas de vida multicelular pudessem, também, sair do meio aquático e se adaptar à vida na terra.

A descoberta foi feita por uma equipe de cientistas do Instituto de Pesquisas Ambientais de Mendonza, na Argentina. Os esporos fossilizados que eles descobriram no Rio Capillas, localizado nas Serras Sub-andinas eram de plantas que, claramente, haviam evoluído de algas verdes multicelulares.

Esses chamados “criptoesporos” são os sinais mais antigos de plantas terrestres já descobertos. Antes da descoberta na Argentina, os fósseis de plantas mais antigos eram os que foram encontrados na Arábia Saudita, que tinha uma idade estimada de 461 milhões de anos. A descoberta de plantas antigas na Argentina e não próximas a Arábia Saudita mostra que as plantas se originaram em uma região muito distante do que se achava e que a vida também pode ter se adaptado para a Terra na mesma região.

As plantas fossilizadas encontradas provavelmente evoluíram para se tornar musgos e liquens.

Você quer saber mais?

http://news.bbc.co.uk/earth/hi/earth_news/newsid_9079000/9079963.stm

Julgamento de 'último algoz nazista vivo'!

John Demjanjuk foi levado ao tribunal de cadeira de rodas.

Foi julgado em 30 de novembro, 2009 em Munique, na Alemanha, o julgamento de John Demjanjuk, tido como um dos últimos algozes do regime nazista ainda vivos. Demjanjuk, de 89 anos, era supervisor no campo de concentração nazista de Sobibor, na Polônia, e é acusado de ter colaborado com a morte cerca de 28 mil pessoas ao cumprir ordens de enviá-los para câmaras de gás. Demjanjuk, está doente e compareceu ao tribunal em uma cadeira de rodas. Seus olhos estavam fechados mas ele pareceu estar consciente.

Seu julgamento pode ser o último grande processo contra um algoz nazista.

Ele morava nos Estados Unidos e foi extraditado para a Alemanha depois que médicos e psicólogos o declararam apto a enfrentar um processo. No entanto, o réu poderá ficar no tribunal no máximo três horas por dia, por ordem médica.

Vítimas

John Demjanjuk, de origem ucraniana, trabalhou em Sobibor em 1943. No total, cerca de 250 mil prisioneiros, a grande maioria de origem judia, morreram nas câmaras de gás de Sobibor entre meados de 1942 e outubro de 1943. Cerca de 20 parentes das vítimas de Sobibor vieram de todo o mundo para presenciar o julgamento. Vários deles vão depor como testemunhas. Um deles, Kurt Guttmann, que perdeu sua mãe e um de seus irmãos no campo de concentração, disse em uma entrevista à imprensa alemã que espera que o processo esclareça o que realmente aconteceu em Sobibor, e o que isso significa para os parentes de cada um dos mortos. Cerca de 270 jornalistas de todo o mundo estão em Munique. Devido ao grande número de interessados, o julgamento acabou começando com atraso nesta segunda-feira. A Justiça alemã foi criticada pelo atraso em julgar Demjanjuk. Críticos alegam que as acusações contra o ucraniano e seu paradeiro nos Estados Unidos já eram conhecidos havia anos.

Você quer saber mais?

http://www.bbc.co.uk/


O Museu Histórico Alemão, em Berlim, abriu nesta sexta-feira a primeira exposição sobre o líder nazista Adolf Hitler desde a sua morte, em 1945.

Museus já dedicaram espaços ao Holocausto, ao trabalho escravo e a outros ângulos da Alemanha nazista, mas nunca se concentraram no homem que arquitetou tudo isso.

"A exibição de suásticas e de imagens de Hitler é proibida por lei, a não ser em um contexto científico. E esta não é uma exposição de propaganda", afirmou o diretor da instituição, Hans Ottomayer.

Algumas peças em exibição chegam a ser comoventes, como uma pintura amadora feita no verso de escrituras sagradas judaicas.

Mas a mostra divide opiniões. Hans Coppi, morador da capital alemã cujos pais morreram no Holocausto, afirmou à BBC que a exposição lhe traz sentimentos ruins.

Mesmo 65 anos depois de sua morte e tema de uma grande exposição, tratar do assunto Hitler na Alemanha ainda é traumático.

Você quer saber mais?

http://www.bbc.co.uk/

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2010/03/100303_aborto_hitler_vdm.shtml

BRIC 2020: que papel cabe ao Brasil?

Em um mundo cada vez mais multipolar, emergentes devem se fortalecer como potências ( lideres da Índia, Russia, China e Brasil).

Muitos economistas acreditam que até o final da próxima década os países que formam o chamado BRIC - Brasil, Rússia, Índia e China - estarão entre as maiores economias do mundo, muito próximas de gigantes como Estados Unidos, Japão e Alemanha. Segundo analistas, nos últimos anos estes países tiraram da pobreza mais de meio bilhão de pessoas, incorporando esse enorme contigente à classe média, aumentando, em consequência, a capacidade de consumo interno. Com esse incremento, os especialistas acreditam que esses países dependerão cada vez menos de mercados tradicionais, como Estados Unidos e Europa, e representarão o verdadeiro motor que impulsiona o consumo mundial. Em consequência, os governos desses países querem passar a ter uma voz mais ativa nas grandes decisões mundiais. O Brasil e a Índia pleiteiam uma cadeira permanente no Conselho de Segurança da ONU e, individualmente, cada um dos BRIC quer ter maior participação nas decisões do Fundo Monetário Internacional.

Apesar do reconhecimento da importância dos BRICs na economia mundial, os países ricos ainda relutam em partilhar em pé de igualdade os grandes fóruns internacionais onde são tomadas as decisões que mais afetam o mundo globalizado. Na sua opinião, os BRICs vão chegar a dominar a economia global? Que papel você acha que o Brasil deve ter na política internacional? Os países do BRIC deveriam ter uma voz ativa e em pé de igualdade nas decisões mais importantes?

Você quer saber mais?


http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2009/03/090330_russia_ffaa.shtml

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2009/03/090330_brasil_bric_energia.shtml

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2009/03/090330_bricsabertura_ss.shtml

http://www.bbc.co.uk/portuguese/multimedia/2009/03/090327_jimoneil_brics.shtml

Exposição na Espanha mostra crueldade da pirataria após século XVI

A Pirataria da crueldade

Uma exposição na cidade de Sevilha, Espanha, está contando a história dos piratas que aterrorizaram os mares após o início das Grandes Navegações, no século XV.

Rompendo com as versões romanceadas popularizadas por filmes como Piratas do Caribe, a história real, que emerge de depoimentos originais registrados no período, é de violência e crueldade. Os relatos falam, por exemplo, de El Olonés, um francês conhecido em seu tempo como o mais cruel dos piratas caribenhos. Ele abria o peito de sua vítima, arrancava seu coração e o comia diante da tripulação. São 170 peças, entre documentos e maquetes, que contam a história do ponto de vista da Espanha.

O evento, intitulado Mare clausum, Mare liberum, La piratería en la América española (Mar Fechado, Mar Livre, A pirataria na América espanhola), está sendo realizado pelo Archivo General de Indias e teve sua data de encerramento adiada devido ao grande interesse do público.

Versão Idealizada

"A imagem que chegou aos nossos dias mostra os piratas como aventureiros e até heróis", disse à BBC um dos guias da exposição. "A literatura e o cinema deram a eles uma aura romântica, mas a realidade era muito diferente". "O título (da exposição) faz alusão às teorias que predominavam na Europa desde o descobrimento da América", explica o guia. "A Espanha apoiava a teoria do mar fechado, que lhe dava acesso exclusivo às novas riquezas, enquanto países como França e Holanda, que também queriam um quinhão do Novo Mundo, defendiam a teoria do mar aberto".

Franceses: Os primeiros

O primeiro caso de pirataria documentado ocorreu em 1522, quando o francês Jean Fleury interceptou a embarcação que levava os presentes do imperador asteca Montezuma ao conquistador espanhol Hernán Cortés. Entretanto, o próprio Cristóvão Colombo tinha sido atacado antes, perto dos Açores, quando retornava de sua terceira viagem à América. "Os primeiros a atuar foram os franceses. Os ingleses não apareceram até o final do século 16. Holandeses e dinamarqueses vieram depois do século 17", disseram à BBC as curadoras da exposição, Falia González e Pilar Lázaro. "Foram três séculos de pressão constante sobre o tráfico marítimo mantido pela Espanha e de repetidos assaltos contra suas embarcações". As Índias Ocidentais (como era chamado no período o continente Americano), eram um território imenso que a Espanha não podia povoar por completo, e os piratas estavam conscientes da debilidade e vulnerabilidade de seus portos.

A exposição detalha, por exemplo, a situação da cidade de Santa Marta, a mais antiga da Colômbia, destruída 20 vezes em um período de 50 anos. Assim, aos poucos, as lendas de dragões e monstros que até então inundavam o oceano Atlântico deram lugar a uma fauna de personagens rudes e ambiciosos, tatuados ou amputados por espadas e canhões.

Mas havia vários tipos de piratas.

De corsários a filibusteros

A ilha Tortuga era, na verdade, as Ilhas Cayman

Os corsários eram piratas que assaltavam a serviço de um país, destacando-se, nessa categoria, ingleses e holandeses. Para isso, recebiam uma licença especial, a Patente de Corso, que os autorizava a atuar contra os inimigos da coroa. O mais famoso deles foi Francis Drake. "Drake era considerado um herói em seu país, chegando até a ser nomeado cavaleiro pela rainha Elizabeth Primeira", explicou o guia da exposição. "Ele foi a segunda pessoa a dar a volta ao mundo cruzando o perigoso Estreito de Magalhães - depois de (Juan Sebastián) Elcano".

"Só conseguiu essa proeza graças ao piloto português Nuño da Silva, que conhecia a região, e a quem ele havia capturado em um ataque". No Caribe, havia também piratas conhecidos como bucaneros. Seu nome vinha de bucán, um tipo de carne defumada que eles compravam com o produto de seus saques. "Finalmente, havia os filibusteros (da palavra inglesa flyboat, veleiro rápido), considerados os mais malvados. Eram a soma de todos. Se dedicavam a fazer pilhagens, no mar ou em terra, e tinham sua base na ilha de Tortuga, a ilha dos piratas, hoje, Ilhas Cayman", acrescenta o guia. Segundo o guia, os piratas da ilha de Tortuga formaram uma confraria que tinha seu próprio código de honra. Segundo esse código, matar um membro da irmandade era um delito gravíssimo. Como punição, o assassino era amarrado ao corpo da vítima e a uma rocha antes de ser jogado no mar.

Piratas Espanhóis

Embora a América hispânica fosse a mais atacada pelos piratas, também havia piratas espanhóis que entravam em confrontos com navios ingleses e portugueses, como é o caso de Benito Soto Aboal, o mais sanguinário. Soto Aboal teria sido o último pirata do Atlântico. Em 1823, deixou um rastro de sangue no mar desde a cidade do Rio de Janeiro, de onde zarpou em um barco português. Depois de comandar um motim, passou a abordar todos os navios que cruzavam seu caminho, entre eles, um barco americano que voltava do Canadá. Em todos aplicava a mesma tática: matar toda a tripulação e afundar o barco. Uma estragégia parecida com a do francês El Olonés (François l'Olonnais), o filibustero mais temido do Caribe. Tinha fama de aventureiro e cruel, e dizia-se que ele havia acumulado muitas riquezas nas Antilhas. Além de torturar seus prisioneiros, escolhia um para matar, arrancando o coração da vítima e comendo-o diante da tripulação.

Esse ritual cruzou o oceano e teria chegado às selvas mais profundas da América. Tão famoso se tornou o temido pirata que, segundo contam, uma tribo indígena que habitava uma região onde hoje está a Nicarágua teria reconhecido El Olonés. "No Archivo General de Indias há um depoimento de um dos marinheiros que o acompanhavam. Segundo o relato, a tribo cortou (o pirata) em pedaços, assou-o e em seguida o comeu". A exposição Mare clausum,Mare liberum, La piratería en la América española fica aberta até o dia 31 de outubro.

Você quer saber mais?

http://www.bbc.co.uk/

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.