-

-

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

56° FEIRA DO LIVRO DE PORTO ALEGRE

BELEZA, CHEGOU A 56° FEIRA DO LIVRO DE PORTO ALEGRE

A Feira do Livro de Porto Alegre é uma das mais antigas do País. Sua primeira edição ocorreu em 1955 e seu idealizador foi o jornalista Say Marques, diretor-secretário do Diário de Notícias. Inspirado por uma feira que visitara na Cinelândia no Rio de Janeiro, Marques convenceu livreiros e editores da cidade a participarem do evento.

O objetivo era popularizar o livro, movimentando o mercado e oferecendo descontos atrativos. Na época, as livrarias eram consideradas elitistas. Por esse motivo, o lema dos fundadores da primeira Feira do Livro foi: Se o povo não vem à livraria, vamos levar a livraria ao povo.

A Praça da Alfândega era um local muito movimentado na Porto Alegre dos anos 50 e de 400 mil habitantes. E, no dia 16 de novembro de 1955, era inaugurada a 1ª Feira do Livro, com 14 barracas de madeira instaladas em torno do monumento ao General Osório.

Na segunda edição do evento, iniciaram as sessões de autógrafos. Na terceira, passaram a ser vendidas coleções pelo sistema de crediário. Nos anos 70, a Feira assumiu o status de evento popular, com o início da programação cultural. A partir de 1980, foi admitida a venda de livros usados. E, na década de 90, conquistou grandes patrocinadores, estimulados pelas leis nacional e estadual de incentivo à cultura.

A infra-estrutura foi ampliada e modernizada, os eventos culturais se consolidaram e a Feira passou a receber grandes nomes do mercado editorial brasileiro e internacional.

Patronos em 42 edições

A Feira do Livro de Porto Alegre adotou a tradição de eleger um patrono na 11ª edição, escolhendo o jornalista, político e escritor Alcides Maya. Os patronos eram eleitos entre escritores e livreiros significativos para o mercado editorial gaúcho e já falecidos. Entre os anos de 1965 e 1983, foram homenageados 13 escritores gaúchos, um jornalista, três livreiros e dois escritores estrangeiros.

Em 1984, a 30ª edição inicia uma nova fase. O patrono Maurício Rosenblatt, um dos fundadores e grande incentivador da Feira, é o primeiro homenageado em vida. A partir desse ano, os patronos passaram a ser escritores gaúchos ou radicados no Estado em atividade.

Na 40ª edição, a Câmara do Livro fez uma homenagem a outros fundadores do evento. Foram escolhidos como patronos Nelson Boeck, Edgardo Xavier, Mário de Almeida e Sétimo Luizelli.

Patrono


Paixão Côrtes

Paixão Côrtes nasceu em Santana do Livramento, em 1927. É agrônomo, folclorista, compositor, radialista e pesquisador da cultura brasileira. Ícone da cultura gaúcha, foi modelo do monumento Laçador, erguido em 1958, o principal símbolo de Porto Alegre. “Em minhas pesquisas, julgo representar a identidade cultural do povo, sempre com a preocupação de preservar os seus valores e projetá-los no cenário universal”, explica. Com seus livros, Côrtes buscou resgatar e compilar as tradições folclóricas para mostrar aos outros quem nós somos. Na Feira, por outro lado, terá a oportunidade de encontrar o que o universo está dizendo. “Você tem que saber quem você é, mas também o que você pode aprender com os outros. A compreensão humana leva à paz universal”, filosofa.

Responsável pelo renascimento do tradicionalismo, é o idealizador da Chama Crioula, da Ronda Crioula, do Candieiro Crioulo e idealizador das comemorações da Semana Farroupilha, em 1947. Publicou uma série de livros, que hoje são considerados clássicos da cultura gaúcha, como Manual de danças gaúchas (1956), com Barbosa Lessa e Danças e andanças da tradição gaúcha (1975). Em 2006, teve sua obra "Folclore Gaúcho - Festas, Bailes, Música e Regionalidade Rural" reeditado pela Corag. O conteúdo é resultante de mais de 50 anos de pesquisas. Seu livro mais recente é Músicas, Discos e Cantares - Um resgate da história fonográfica do Rio Grande do Sul, publicado em 2001. Realiza um amplo trabalho de divulgação da cultura gaúcha em palestras em escolas, piquetes e CTGs, onde distribui gratuitamente seus livros. Atualmente, desenvolve pesquisa, que já conta com mais de 700 páginas, sobre danças gaúchas para uma nova publicação.

Horário de funcionamento: a partir das 9h30min, na Área Infantil e Juvenil, e a partir das 12h30min, na área Adulto. As atividades se encerram às 21h, podendo ser prorrogadas até 22h, a critério da Comissão Organizadora.

O Balcão de Informações da Feira do Livro está situado na área central da Praça da Alfândega. Além de distribuir material sobre o evento, a equipe está preparada para dar orientações e tirar dúvidas. Um posto de informações também está disponível no Cais do Porto.

# Praça da Alfândega
# Cais do Porto (Avenida Mauá, altura da Praça da Alfândega)
# Avenida Sepúlveda
# Centro Cultural CEEE Erico Verissimo (Rua dos Andradas, 1.223)
# Memorial do Rio Grande do Sul (Praça da Alfândega, s/nº)
# Santander Cultural (Praça da Alfândega, s/nº)


Confira a distância entre a feira e principais pontos de referência da capital:

AEROPORTO INTERNACIONAL SALGADO FILHO - 7,5 Km

RODOVIÁRIA (ESTAÇÃO CENTRO) - 1,4 Km

PONTE DO GUAÍBA - 4,5 Km

USINA DO GASÔMETRO - 0,7 Km

Assessoria de Imprensa Feira do Livro de Porto Alegre:

E-mail: imprensa@feiradolivro-poa.com.br

Telefone: 51 3311-8850

Tatiana Csordas: 51 8111-8734

Simone Lima: 51 8105-2917

Sheila Meyer: 51 9977-9966

Daniele Ghidini: 51 9972-0411



Você quer saber mais?


http://www.feiradolivro-poa.com.br

http://www.camaradolivro.com.br ou pelo telefone (51) 3286-4517.

Museu de Arte do Rio Grande do Sul

Margs


Guardar, contemplar, conservar, pesquisar, inspirar. De todas estas importantes ações realizadas por uma instituição museológica, arrisco dizer que a última é mais cara para a atual gestão do Museu de Arte do Rio Grande do Sul. Porque para sermos um espaço a serviço da sociedade e de seu desenvolvimento, com finalidades de estudo, educação, apreciação e evidência material - conforme a definição do Conselho Internacional de Museus (ICOM) -, a motivação é atitude fundamental.

O MARGS é considerado o principal museu de arte do Estado e um dos mais importantes do país, reunindo em seu Acervo quase três mil obras de artistas locais, nacionais e internacionais, tendo sediado mais de mil exposições ao longo de sua cinqüentenária trajetória.

Criada em 1954 (decreto n° 5065) e organizada pelo artista e professor paulista Ado Malagoli, o MARGS é uma Instituição da Secretaria de Estado da Cultura que surgiu logo após a implantação de projetos semelhantes de envergadura nacional, como o Museu de Arte de São Paulo (MASP, 1947) e os Museus de Arte Moderna de São Paulo (MAM-SP, 1948) e Rio de Janeiro (MAM-RJ, 1952). Já em Porto Alegre, o período foi marcado pela influência do Instituto de Belas Artes e pelos grupos Clube de Gravura e Associação Francisco Lisboa.

A fundação do MARGS, portanto, remonta a um período de vivacidade e compromisso com a formação cultural básica da comunidade, para a qual é necessário constituir e conservar um Acervo, além de atender as demandas de um público diverso. Por tratar-se de um Museu de Arte, a Instituição possui ainda a tarefa de estar permanentemente atenta às novas manifestações e produções artísticas. Talvez em função disso um museu de artes plásticas não deva ser entendido como um local estático, mas sim um espaço de expressão cultural, ao mesmo tempo em que é reserva técnica dos tesouros da sociedade.

Em suma, o MARGS situa-se entre o tradicional e o dinâmico, e pretende continuar assim. Além de ser fonte de inspiração para cumprir com a função de museu, almeja também propiciar contatos, seja por meio dos documentos do imaginário humano, ou de uma prática social transformadora. Mais do que môuseion - templo dedicado às Musas da mitologia grega que inspiravam as artes - o MARGS quer ser uma casa de inspiração para os indivíduos que o freqüentam, um espaço de portas abertas para as relações humanas, com seu patrimônio estendido entre o presente, o passado e o futuro.

Cézar Prestes - Diretor do MARGS

Você quer saber mais?

http://www.margs.rs.gov.br

Literatura Indiana

Tradição literaria indiana

Literatura escrita nas distintas línguas da Índia, assim como nas do Paquistão. Para mais informação sobre literatura escrita na língua clássica, ver Literatura sânscrita.

Mahabarata, literatura indiana

A tradição literária indiana é principalmente poética e essencialmente oral. Seus autores são, freqüentemente, desconhecidos. Por esta razão, torna-se difícil estabelecer a história da literatura indiana.

Grande parte da literatura tradicional inspira-se na tradição sânscrita, como também nos textos budistas e jainistas escritos em pali e outras línguas prácritas (dialetos medievais do sânscrito). Isto é válido tanto para a literatura dravídica, como para a literatura escrita nas línguas indo-européias do norte. A influência das culturas islâmica e persa é maior na literatura escrita em urdu, embora em outras literaturas também se possa observar tendências islâmicas.

Entre os séculos II e V foram escritos grandes romances em verso, também chamados epopéias: Cilappatikaram (O bracelete de ouro) de Ilanko Atikal e em seguida Manimekalai (O cinturão de pedras preciosas), uma obra budista escrita por Cattanar.

Até 1500 a maior parte da produção literária indiana era formada por traduções de histórias extraídas das epopéias em sânscrito, os puranas. Muitas das versões do Ramayana - O Mahabharata e Bhagavata-Purana - datam deste período.
A literatura medieval aborda também outros temas, como os Caryapadas, versos tântricos do século XII (ver Tantra) que relatam o ensino e a proeza do fundador da seita mahanubhava. As primeiras obras em língua kannada (a partir do século X) e em língua gujarati (a partir do século XIII) são romances jainistas.

Outros exemplos literários distanciados destas tendências sectárias são os relatos heróicos e de cavalaria em língua rajasthani, como o poema épico do século XII Prithviraja-râsau, de Chand Bardâi de Lahore.

Posteriormente, desenvolveram-se outras literaturas religiosas associadas a filosofias e seitas regionais: os textos tântricos que mais tarde deram origem a gêneros como o mangala-kavya (poesia de um acontecimento ressagiado) de Bengala. Esta poesia era dirigida a divinidades como Manasa (a deusa serpente), forma local da principal divindade feminina chamada Devi.

A principal influência para a literatura indiana posterior foi o culto a Krishna e Rama escritos nas línguas nacionais. A história de Krishna desenvolveu-se em sânscrito a partir do Mahabharata e através do Bhagavata-Purana até o poema composto no século XII por Jaydev, Gitagovinda (O canto do vaqueiro). Em torno de 1400, surge uma série de poemas de amor, escritos pelo poeta Viyapati, que influenciou de maneira decisiva o culto a Radha-Krishna praticado em Bengala, além de toda a literatura erótico-religiosa associada a ela.

A tradição do bhakti encontra-se na obra dos alvars tamiles místicos que, entre os séculos VII e X, escreveram hinos em louvor a Visnú. Estes hinos manifestam-se, especialmente, nas obras escritas em avadhi (hindi oriental) de Tulsi Das, cujo Ramcaritmanas (Lago dos atos de Rama 1574-1577) transformaram na versão canónica do Ramayana. Os primerios gurús, ou fundadores da religião sij, particularmente Nanak e Arjuna, escreveram hinos bhakti que formam parte do Adi Granth (Livro primeiro ou Livro original), livro sagrado dos sijs, compilado em 1604 por Arjuna.

Durante o século XVI a tradição bhakti dirigiu-se a outras formas de divinidade. Assim, por exemplo, a princesa Rajasthani e o poeta Mira Bai escreveram seus versos para louvar a Krishna, igual ao poeta gujarati Narsimh Mehta.

Em urdu, uma língua nova, foi escrita a poesia lírica de Wali. Os ghazals de Mir y Ghalib pode ser considerado o auge da poesia lírica em urdu.

Destacados poetas como Ghalib viveram e trabalharam durante o período de dominação britânica, tendo provocado uma autêntica revolução literária como resultado do contato com o pensamento ocidental. Em meados do século XIX, surgiu uma tradição literária em prosa que absorveu todos os gêneros poéticos tradicionais, exceto o dos poetas urdus.

Nos últimos 150 anos, a literatura indiana foi registrada nas principais quinze línguas do país, incluindo o inglês e o bengalí, esta última oferecendo uma das literaturas mais ricas da India. Um de seus principais representantes é Rabindranath Tagore, o primeiro escritor indiano a receber o prêmio Nobel de Literatura (1913).

Na poesia, destaca-se o líder e filósofo islâmico sir Muhammad Iqbal, escrita originalmente em urdu e persa. A autobiografia de Mohandas K. Gandhi, Minhas experiências com a verdade, escrita originalmente em gujarati entre 1927 e 1929 é, hoje, considerada um clássico.

Entre os escritores de língua inglesa cabe citar Mulk Raj Anand, autor de romances de protesto social e R.K. Narayan, que escreveu romances e relatos sobre a vida rural. Entre os escritores mais jovens da Índia moderna destacam-se Anita Desai e Ved Mehta.

Você quer saber mais?

http://www.letras.ufrj.br/ciencialit/.../annabeatriz_margens.pdf

Devanagari

A escrita da fé Hindu

Mesmo que um descendente da Brahmi escreva Devanagari evoluiu para um escrito altamente cursiva. Muitas línguas da Índia, como o hindi e sânscrito, use Devanagari e muitos mais línguas na Índia usam variantes locais da escrita.

Escrituras hindus são escritos em Devanagari, fato ilustrado pela etimologia do nome. "Devanagari" é uma palavra composta de duas raízes: Deva significa "divindade", e nagari significa "cidade". Juntos, ela implica um script que é tanto religiosa, bem como urbana ou sofisticada.

Como você olhar para o alfabeto seguinte tenha em mente os seguintes símbolos especiais de transcrição. Eu mantive a transcrição fonética tradicionais de sânscrito / Devanagari, ao invés de usar IPA ou americano símbolos fonéticos. Note-se que, a fim de ver as letras especiais, você vai precisar de uma fonte Unicode em seu computador.

* ā, ī, ¾ são versão mais longa do / a /, / i / e / u /.
* ṛ ḷ são chamados de "líquidos silábica", e são como / r / e / l /, mas usadas como vogais. Mais uma vez, uma barra acima de cada um indica mais vogal.
* sou: nasalizadas / a /.
* Ah: é pronunciado com / a / primeiro, seguido por um sopro de ar.
* ṅ é realmente uma nasal velar, como o fim do Inglês palavra "sing".
* ñ é o mesmo que é em espanhol: uma nasal palatal.
* mil t dh ḍ versões retroflexa do / t th d dh /
* n é uma nasal retroflexa.
* Na verdade, com exceção de r / silábico / e / l /, qualquer consoante com um ponto baixo é retroflexo.
* h após uma consoante que aspira consoante. Então / th / é um / t /, com um sopro de ar.
* v às vezes é [w], como em "guerra", e às vezes mais perto de [v].
* ¶ s é "uma palatal, semelhante a / / sh na palavra Inglês 'shsão ".
* ṣ é como / s /, mas com a língua enrolada para trás como se pronunciar o / r /.

O seguinte é o alfabeto Devanagari básicos:

Clique para ampliar

Uma carta em Devanagari tem o padrão de vogal / a /. Para indicar a mesma consoante seguida de outra vogal, os cursos são adicionadas ao pé da letra, como no exemplo abaixo:
Além disso, alguns outros "sinais diacríticos" são usados no final de palavras. Para denotar a nasal [AM], um ponto é colocado sobre a letra, bem como o / am / carta. De forma similar, a escrever [ah], dois pontos são escritos à direita da letra, como a ah / / letra.

Quando uma consoante termina uma palavra, é necessário que a carta não tem a última vogal. Para fazer isso, uma linha diagonal, chamado Virama, é efectuada nos termos da letra. Cartas com o Virama são chamados halanta letras.

Para indicar apenas os encontros consonantais, as letras se fundem em uma variedade de formas, um processo chamado Samyoga (significando "jugo desigual" em sânscrito). Às vezes as letras individuais ainda podem ser discernidos, enquanto outras vezes a conjunção cria novas formas. A gama de possibilidades é bastante alto, e eu só vai dar breves exemplos para ilustrar o conceito.



Você quer saber mais?

http://sanskritdocuments.org/

Línguas Indianas

Introdução

Idiomas falados na Índia. Calculadas em mais de 150, a maioria pertence ao ramo indo-iraniano da família indo-européia ou da família dravídica.

Manuscrito do Bhagavata Purana

A Constituição estipula o híndi como língua oficial, mas outorga esta condição a outros 15 idiomas usados em muitos estados: assamês, bengali, guzarate (ou gujerati), kashmir, marata (ou maráti), oriia, penjabi, sindi, híndi, urdu, sânscrito, tamil, télugo, canará e malaio. A língua oficial do Paquistão é a urdu e a de Bangladesh é a bengali.

Línguas Indo-Iranianas

Até o ano 1000 a.C. a língua indo-iraniana era dividida em duas: o ramo indiano ou indo-ário e o iraní ou persa. O ramo indiano desenvolveu-se no noroeste da Índia. Sua história pode ser dividida em três grandes etapas: o indiano antigo, que inclui o védico e o sânscrito; o indiano médio, com os dialetos vernáculos do sânscrito, chamados prácritos (dos quais procede o páli, língua sagrada dos textos budistas), e o indiano novo ou moderno.

As línguas relevantes são o híndi e o urdu. A primeira, falada pelos hindus (cerca de 180 milhões), tem sua origem no sânscrito. A segunda, de origem persa, é a língua dos muçulmanos.

As outras línguas indianas são o bengali (falada por cerca de 120 milhões de pessoas em Bengala e Bangladesh), o penjabi, o biari, o cingalês (idioma oficial do Sri Lanka) e o romani (língua dos ciganos).

Línguas Dravídicas

Cerca de 150 milhões de pessoas falam 23 línguas dravídicas, principalmente no sul da Índia. Quatro têm condição para serem idiomas oficiais: tamil, télugo, canará e malaio. Estas línguas têm produção literária e escrita autônomas.

Você quer saber mais?

http://www.ancientscripts.com/devanagari.html

Civilização Indiana.

A civilização indiana carrega as tradições como dado explicativo de sua realidade.

As origens da civilização se desenham no processo de ocupação territorial promovido por diversas tribos árias entre 2000 e 1500 a.C.. Antes disso, a civilização hindu foi responsável pela organização de uma vasta cultura repleta de artefatos que comprovam a presença de uma sociedade complexa dotada de uma agricultura extensiva, a realização de atividades comerciais e práticas religiosas próprias.

A partir desse evento temos a formação da civilização védica, que ganha esse nome por causa dos textos sagrados reunidos nos Vedas. Esta obra consiste em um conjunto de poemas e escritos atribuídos à Krishna, encarnação de Vishnu, uma das mais importantes divindades do povo indiano. Nele temos a presença de preceitos religiosos e também das regras sociais que justificam o sistema de castas indiano.

Segundo este sistema, o nascimento de uma pessoa em uma determinada família define a natureza de sua casta. Seguidores do princípio da reencarnação, os indianos relacionam a presença de uma pessoa em uma casta com a abnegação espiritual dela em suas vidas passadas. Na medida em que a espiritualidade é trabalhada, o indivíduo pode ocupar uma casta superior a cada encarnação.

Por volta do século VI a.C., um novo movimento religioso transformou o cenário indiano novamente. Segundo os códices indianos, nessa época, um príncipe chamado Sidarta Gautama abandonou sua vida de luxo e prazeres para experimentar uma vida ascética e centrada no fim do sofrimento humano. Com isso, escreveu os diversos princípios do Budismo, religião que se propagou em várias regiões do mundo Oriental.

Outras religiões como o islamismo e o jainismo também aprecem na trajetória da civilização indiana e demonstram a presença de uma historicidade em seu passado. Ao atingimos a era Moderna, observamos que outras civilizações ocidentais passaram a entrar em contato com a Índia. Os valiosos e diversificados produtos indianos chamavam a atenção dos mercadores europeus dos séculos XV e XVI.

Quando atingimos o século XIX, a entonação do contato com os europeus se transformou mediante as ações imperialistas tomadas pelo Império Britânico. Interessados em desenvolver sua economia e conquistar novos mercados, os ingleses promoveram um gradual processo de intromissão política na Índia. Com o passar do tempo, a dominação viabilizou uma forte tensão entre britânicos e indianos.

O fim da hegemonia britânica só ganhou força quando o líder Mahatma Gandhi empreendeu a organização de um movimento pacifista. Por meio da desobediência civil não violenta e a realização de discursos de grande impacto à população indiana, este líder político e espiritual conseguiu desarticular as justificativas e a ordenação do controle político sustentado pela Inglaterra.

Após atingir a independência, a Índia se envolveu com uma ainda não resolvida disputa territorial com os paquistaneses pela região da Caxemira. Além disso, a sua economia se adaptou às necessidades do capitalismo contemporâneo e, hoje, ocupa a condição de país emergente. Apesar disso, vemos que a Índia sofre com os vários dilemas que expõe as tensões entre a modernização ocidental e a perpetuação de suas antigas tradições.

Você quer saber mais?

http://www.indiaconsulate.org.br/

http://india.gov.in

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.