-

-

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Código misterioso descoberto no Pasquitão é nova língua.

Nova língua, nosso passado apenas começou!

Os símbolos encontrados em azulejos e objetos da civilização que habitavam o vale do Indo, no Paquistão, há mais de quatro mil anos são “palavras” de uma língua que até agora era desconhecida, sugere um estudo realizado por cientistas da Universidade de Washington e publicado na revista Science.

Os códigos misteriosos foram encontrados em pequenas placas de pedra, amuletos e placas de cerâmica.

O grupo, formado por matemáticos e arqueólogos, afirma que o misterioso código só poderá ser decifrado se for encontrado um elemento -chave “equivalente à famosa Pedra de Roseta que (por ter o mesmo texto escrito em grego e egípcio demótico) permitiu a compreensão dos hieróglifos egípcios”.

Especialistas afirmavam que os símbolos eram simples pictogramas religiosos ou políticos.

Os códigos misteriosos foram encontrados em pequenas placas de pedra, amuletos e placas de cerâmica e, até hoje, muitos especialistas afirmavam que elas eram simples pictogramas religiosos ou políticos.

A equipe realizou um estudo estatístico que comparou a seqüência de símbolos – conhecidos como “Escrita do Indo” – com diversas manifestações lingüísticas, desde o Inglês moderno até o antigo sânscrito e também com sistemas não lingüísticos.

O código só poderá ser decifrado se for encontrado um elemento-chave.

“Neste ponto, podemos dizer que a Escrita do Indo parece ter concomitâncias estatísticas com as línguas naturais”, disse Rajesh Rao, cientista da Universidade de Washington e líder da equipe que realizou a pesquisa.

A Escrita do Indo é conhecida há quase 130 anos, “mas apesar de mais de 100 tentativas ainda não foi decifrada; no entanto, se entende que codifica uma linguagem”, afirmou Rao.

A língua era de um povo que viveu no vale do rio Indo entre os anos 2600 e 1900 a.C.

O povo do Indo foi um contemporâneo das civilizações egípcia e mesopotâmica e habitou o vale do rio Indo – que ficava onde hoje é o leste do Paquistão e noroeste da Índia – em uma época entre o ano 2600 e 1900 a.C..

Agora, Rao esperança chegar ainda mais longe no estudo das escrituras para decifrar o seu código. “No momento queremos analisar a estrutura e sintaxe da escritura para deduzir suas regras gramaticais”, disse ele.

O cientista espera que este tipo de informação contribua para decifrar a linguagem no futuro, se aparecer um equivalente da Pedra de Roseta.

Você quer saber mais?

http://www.harvard.edu/


http://www.princeton.edu/

http://www.cambridge.gov.uk/ccm/portal

Arqueológos descobrem cemitério de povo misterioso no Tibete.

Cemitério Misterioso

No meio de um deserto aterrorizante no norte do Tibete, arqueólogos chineses escavaram um extraordinário cemitério. Os ocupantes morreram quase quatro mil anos atrás, mas seus corpos foram bem preservados pelo ar seco. O cemitério fica em território hoje pertencente à província de Xinjiang, noroeste da China, mas os restos encontrados são de pessoas com traços europeus, cabelos castanhos e narizes longos.

Cemitério encontrado na província de Xinjiang - acredita-se que os mastros sejam símbolos fálicos.

Embora sepultados em um dos maiores desertos do mundo, os corpos foram enterrados em barcos posicionados de cabeça para baixo. E em lugar de lápides que declarem esperanças pias na mercê de um deus quanto a eles, o cemitério exibe uma vigorosa floresta de símbolos fálicos, sinalizando intenso interesse dos moradores locais quanto aos prazeres ou utilidade da procriação.

O povo há muito desaparecido não tem nome, porque sua origem e identidade ainda são desconhecidas. Mas estão surgindo muitas pistas sobre sua proveniência, modo de vida e até mesmo sobre o idioma que falava. Os sepulcros, conhecidos como Pequeno Cemitério Fluvial Número 5, ficam perto do leito seco de um rio na bacia de Tarim, região cercada por inóspitas cadeias de montanhas. A maior parte da bacia é ocupada pelo deserto de Taklimakan, uma terra tão árida que os viajantes posteriores da Estrada da Seda sempre optavam por contorná-lo ao norte ou ao sul.

A múmia de uma criança - um dos 200 corpos escavados do cemitério.

Nos tempos modernos, a região foi ocupada pelos uigures, uma etnia de fala turca, e nos últimos 50 anos também recebeu migrantes da etnia chinesa dominante, os han. Recentemente surgiram tensões étnicas entre os dois grupos, com conflitos em Urumqi, a capital de Xinjiang. Grande número de antigas múmias – na verdade cadáveres ressecados- foram localizadas nas areias, e se tornaram mais um objeto de disputa entre os uigures e os han.

As cerca de 200 múmias encontradas têm aparência distintamente ocidental, e os uigures, mesmo que só tenham chegado à região no século 10, as alegam como prova de que a província sempre pertenceu a eles. Algumas das múmias, entre as quais uma mulher bem preservada conhecida como “a beldade de Loulan”, foram analistas por Li Jin, conhecido geneticista da Universidade Fudan que afirmou em 2008 que o ADN continha marcadores que apontavam para origens no leste ou até mesmo no sul da Ásia.

As múmias do cemitério são as mais antigas já encontradas na bacia de Tarim. Testes de carbono conduzidos pela Universidade de Pequim dataram as mais antigas delas de 3.980 anos atrás. Uma equipe de geneticistas chineses analisou o DNA das múmias.

A despeito das tensões políticas quanto à origem das múmias, os pesquisadores chineses afirmaram em relatório publicado no mês passado pela revista científica BMC Biology que o povo tinha origens mistas, com marcadores genéticos europeus e siberianos, e que provavelmente tinha vindo de fora da China. A equipe trabalhou sob o comando de Hui Zhou, da Universidade Jilin, em Changchou, e o relatório tinha Jin como co-autor.

Todos os homens que foram analisados portavam um cromossomo Y hoje mais comumente encontrado no leste da Europa, centro da Ásia e Sibéria, mas raramente na China. O DNA mitocôndrico, que é transmitido pela linhagem feminina, consistia de uma linhagem da Sibéria e duas comuns na Europa. Já que tanto o cromossomo Y quanto as linhagens de DNA mitocôndrico são antigas, o Dr. Zhu e sua equipe concluíram que as populações europeia e siberiana provavelmente já haviam começado a se combinar antes de chegar à bacia de Tarim, por volta de quatro mil anos atrás.

O cemitério foi redescoberto em 1934 pelo arqueólogo sueco Folke Bergman, mas passou 66 anos ignorado até que uma expedição chinesa voltou a localizá-lo, usando o GPS. Os arqueólogos começaram a escavar o sítio entre 2003 e 2005. Os relatórios dos pesquisadores foram traduzidos e resumidos por Victor Mair, professor de chinês na Universidade da Pensilvânia e especialista na pré-história da bacia de Tarim.

Enquanto os arqueólogos chineses escavavam as cinco camadas de túmulos, conta Mair, encontraram cerca de 200 estacas, cada qual com quatro metros de altura. Muitas tinham lâminas lisas, pintadas de vermelho e negro, como os remos de alguma grande galera que tivesse naufragado por sob as ondas de areia.

E por sob as estacas existiam de fato barcos, de cascos revestidos de couro animal e posicionados de cabeça para baixo. Os corpos que os barcos abrigavam ainda vestiam as roupas com que foram sepultados – toucas de feltro com penas enfeitando as abas, muito parecidas com chapéus montanheses do Tirol. As múmias portavam grandes mantos de lã com borlas, e botas de couro. Uma espécie de Victoria’s Secret da Idade do Bronze parece ter fornecido as roupas de baixo – tangas sumárias para os homens e saias feitas de fios soltos para as mulheres.

Dentro de cada barco usado como caixão haviam oferendas de sepultamento, entre as quais cestos de palha muito bem trançados, máscaras rituais entalhadas e ramos de efedra, uma erva que pode ter sido usada em rituais ou como medicamento.

Nos caixões femininos, os chineses arqueólogos encontraram um ou mais falos de madeira em tamanho natural, postados sobre ou ao lado dos corpos. Ao observar de novo o formato das estacas de quatro metros que se estendiam da proa dos barcos femininos, os arqueólogos chegaram à conclusão de que se tratava de gigantescos símbolos fálicos.

Os barcos dos homens todos estavam sob estacas em estilo remo. Mas na verdade não era essa sua função, concluíram os arqueólogos chineses: as peças no topo das estacas eram uma representação simbólica de vulvas femininas, o complemento dos símbolos encontrados nos barcos das mulheres. “O cemitério todo estava decorado com símbolos sexuais explícitos”, escreveu Mair. Em sua interpretação, a “obsessão com a procriação” refletia a importância que a comunidade atribuía à fertilidade.

Arthur Wolf, antropólogo da Universidade Stanford e especialista em fertilidade em culturas leste asiáticas, disse que as estacas talvez sirvam como marcos de status social, um tema comum nas tumbas e nas estátuas encontradas em cemitérios. “Ao que parece o que a maioria das pessoas deseja levar é o seu status, se esse status é motivo de orgulho”, disse.

Mair disse que a interpretação dos arqueólogos chineses que definiram as estacas como símbolos fálicos é “uma análise crível”. A evidente veneração das pessoas sepultadas no local pela procriação pode indicar que estavam interessadas tanto nos prazeres quanto na utilidade do sexo, se levarmos em conta que os dois são difíceis de separar. Mas parecia haver respeito especial pela fertilidade, disse Mair, porque muitas mulheres estavam enterradas em caixões duplos, com oferendas especiais de sepultamento.

Dada a vida em um ambiente hostil, “a mortalidade infantil deve ter sido muito grande, e a necessidade de procriar, especialmente devido à situação isolada em que viviam, muito intensa”, disse Mair. Outro possível risco para a fertilidade poderia ter surgido caso a população praticasse procriação consanguínea. “As mulheres capazes de gerar crianças e garantir sua sobrevivência até a idade adulta devem ter sido especialmente reverenciadas”, disse Mair.

Diversos dos itens identificados no cemitério se assemelham a artefatos ou costumes familiares na Europa, ele apontou. Barcos para sepultamento eram comuns entre os vikings. Saias de fios e símbolos fálicos também foram localizados em locais de sepultamento da era do bronze no norte da Europa.

Não há assentamentos populacionais conhecidos perto do cemitério, e portanto é provável que as pessoas vivessem a alguma distância e chegassem ao cemitério de barco. Não foram encontradas ferramentas para trabalho em madeira no local, o que sustenta a ideia de que as estacas tenham sido entalhadas em outro lugar.

A Bacia de Tarim já era bastante árida quanto os moradores responsáveis pelo cemitério chegaram, quatro mil anos atrás. Eles provavelmente viveram lutando arduamente para sobreviver até que os lagos e rios dos quais dependiam por fim secaram, por volta do ano 400. Sepultamentos acompanhados por objetos como chapéus de feltro e cestos de palha eram comuns na região até dois mil anos atrás.

Não se sabe que idioma os moradores da região falavam, mas Mair acredita que possa ter sido tocariano, uma antiga intrigante na família dos idiomas indoeuropeus. Manuscritos em tocariano foram localizados na bacia de Tarim, onde o idioma era falado entre os anos 500 e 900. A despeito de sua presença no leste, o tocariano parece mais aparentado aos idiomas “centum” da Europa que aos idiomas “satem” da Índia e Irã. A divisão se baseia nas palavra usadas para centena em latim (centum) e sânscrito (satam).

Os moradores da região já estavam presentes dois mil anos antes das primeiras provas quanto ao uso do tocariano, mas “existe uma clara continuidade de cultura”, disse Mair, comprovada pelo uso dos chapéus de feltro em sepultamentos, uma tradição preservada até os primeiros séculos depois de Cristo.

Você quer saber mais?

http://www.harvard.edu/

http://www.princeton.edu/

http://www.cambridge.gov.uk/ccm/portal

Estatua do deus da sabedoria é encontrada no Egito.

Thot, o deus da sabedoria egípcio.

Arqueólogos encontraram uma estátua de granito vermelho do antigo deus egípcio da sabedoria, Thoth. A descoberta foi anunciada pelo Ministério da Cultura do Egito neste domingo.

Segundo a agência AFP, a escultura, de 3,5 m de altura e 140 cm de largura, foi encontrada durante escavações em Luxor, próximo ao templo do rei Amenhotep III, que governou o Egito há 3 mil anos. A estátua mostra Thoth como um homem com a cabeça de um babuíno.

O deus era considerado pelos antigos egípcios como o inventor da escrita. Outras imagens de Thoth o descrevem também com a cabeça de um íbis (ave com pescoço longo e bico comprido, e encurvado para baixo).

Você quer saber mais?

http://www.harvard.edu/

http://www.princeton.edu/

http://www.cambridge.gov.uk/ccm/portal

Túmulo mais antigo do México é achado em pirâmide

Arqueólogos descobriram em um vale do sul do México um túmulo que pode ter até 2,7 mil anos de idade e que seria a prova mais antiga no México e América Central do uso de pirâmides como recintos funerários.

A ossada de uma mulher foi encontrada em uma tumba de cerca de 2,7 mil anos, no México.

Dentro de uma pirâmide que devia ter cerca de sete metros de altura foi encontrado, no sítio arqueológico de Chiapa de Corzo, no Estado de Chiapas, o túmulo de quatro pessoas: um homem e uma mulher que aparentemente ocupavam alto escalão na sociedade zoque ou olmeca, um menino e um jovem.

Até agora, as sepulturas mais antigas em pirâmides da região tinham sido encontradas na zona maia e datavam de entre 200 e 700 d.C. “É uma das evidências mais antigas do uso de templos de estrutura piramidal para sepultar pessoas”, disse à Reuters Emiliano Gallaga, arqueólogo do Instituto Nacional de Antropologia e História (Inah) que participou das pesquisas na área. “Avaliamos que data de 700 ou 500 anos antes de Cristo, ou seja, entre 2,5 mil e 2,7 mil anos atrás“, disse.

Dentro da pirâmide – com escadas de barro e um templo na parte superior -, os restos mortais do homem traziam um colar e pulseiras nos braços e tornozelos, feitos de milhares de contas de jade, âmbar e pérolas de rio, além de uma pequena máscara de estuque com resquícios de obsidiana verde.
Também participaram da descoberta arqueólogos da Universidade Nacional Autônoma do México (Unam) e da Universidade Brigham Young (BYU), dos EUA, trabalhando com ajuda financeira do governo mexicano e da National Geographic Society.

A mulher trazia adornos funerários muito semelhantes aos do homem, e o menino e o jovem teriam sido sacrificados em homenagem aos adultos. O jade e a obsidiana presentes nos artigos funerários revelaram que Chiapa de Corzo tinha contato com o centro do México e com a Guatemala, de onde vinham esses materiais.

Chiapa de Corzo foi um antigo centro comercial e administrativo cuja origem remonta a quase 3.500 anos e que serviu de ponto estratégico nas rotas comerciais entre o Golfo e o Pacífico. Hoje é um sítio arqueológico aberto ao público.

O local foi habitado pelos zoques, uma etnia dos Estados de Chiapas, Oaxaca e Tabasco, no sudeste do México. Mas algumas vasilhas entalhadas encontradas no túmulo possuem elementos olmecas semelhantes ao sítio pré-hispânico de La Venta, em Tabasco, considerado a parte central da zona olmeca, célebre pela descoberta de grandes cabeças de pedra.

O fato leva os arqueólogos a pensar que os dois sítios podem ter sido fundados pelos olmecas. “Os olmecas podem ter fundado tanto La Venta como Chiapa de Corzo”, disse Gallaga. “Não é coincidência que saibam realizar os mesmos rituais, acomodar os elementos da mesma forma, ter os mesmos materiais ao mesmo tempo.”

Você quer saber mais?

www.harvard.edu/

www.princeton.edu/

www.cambridge.gov.uk/ccm/portal

Pedreiros descobrem caixões de 2.000 anos no Chipre.

Além dos esquifes, foram encontrados no local esqueletos humanos, potes de vidro e urnas de terracota



Operários de construção em Chipre encontraram quatro raros caixões de argila, com idade estimada em 2.000 anos, informa o Departamento de Antiguidades do país.

A diretora, Maria Hadjicosti,disse que os caixões, decorados com padrões florais, datam do período helenístico e do início do período romano na ilha, entre 300 a.C. e 100 d.C..

Ela declarou que os caixões foram desenterrados do que parece ser um antigo cemitério na zona turística de Protaras.

A diretora acrescentou que caixões semelhantes, datando do mesmo período, já haviam sido descobertos. Dois deles encontram-se em exibição no Museu Arqueológico da capital, Nicósia, e três estão armazenados. Mas o novo achado é significativo, de acordo com ela, por não ter sido tocado por ladrões de sepulturas.

“Os caixões intactos vão nos ajudar a aumentar nosso conhecimento e compreensão daquele período”, disse ela.
Além dos esquifes, foram encontrados no local esqueletos humanos, potes de vidro e urnas de terracota, indicando que o cemitério foi usado por um longo tempo. os operários chegaram aos caixões durante a construção de uma calçada.

Escavações em Chipre encontraram sinais de ocupação humana que vão até cerca de 9.000 a.C.. A ilha assistiu a várias ondas de colonização, incluindo fenícios, micênicos, romanos e, na Idade Média, francos e venezianos. Ela foi conquistada pelos turcos em 1571 e tornou-se parte do Império Britânico em 1878. Tornou-se independente em 1960.

Você quer saber mais?

www.harvard.edu/

www.princeton.edu/

www.cambridge.gov.uk

Etiquetando Humanos Parte II, Mondex biochip.

Mondex Biochip


Mondex Z. Mondex smart card é um sistema eletrônico de dinheiro, que foi originalmente desenvolvido pelo Banco Nacional Westminster, no Reino Unido e posteriormente vendido para a MasterCard. Mondex foi lançado em uma série de mercados durante a década de 1990.Swindon, Reino Unido e Hong Kong, Guelph, e Nova Iorque. Também foi testado em várias universidades britânicas a partir do final dos anos 90, incluindo a Universidade de Edimburgo, Universidade de Exeter (entre 1997 e 2001), na Universidade de York, Universidade de Nottingham, Aston University e Sheffield Hallam University.

A notação Z foi utilizado para testar as propriedades de segurança do Mondex, permitindo-lhe atingir ITSEC nível E6, ITSEC é o mais alto nível de segurança.

A Mondex está desenvolvendo um microchip que será futuramente implantado no corpo humano, e funcionará da mesma forma que o cartão de crédito atual, porém com algumas diferenças:

Não requer número PIN
Não requer senhas
Não pode ser clonado
O chip do futuro terá uma bateria de lítio, um transponder, e um processador desenvolvido pela Motorola.O chip possuirá uma tecnologia que o permitirá recarregar-se com a temperatura do corpo humano.

Na internet, ocorre uma itensa discussão sobre os métodos de implantação do biochip Mondex, há sites afirmando que a Mondex vinha pesquisando os melhores locais para implantação do chip, e que já chegou a conclusão de que os únicos lugares pelo qual o chip poderia ser implantado com sucesso seria na mão direita ou na testa.

2009 - A MONDEX é a companhia que provê este sistema sem dinheiro e já tem privilegiado mais de 20 principais nações do mundo. Este sistema foi criado em 1993 por banqueiros de Londres

MONDEX

MOM = monetário - pertencendo a dinheiro.

DEX = DEXTER - pertencendo ou localizado à mão direita.

2)SET-MARK

mondex3MARK = Vem junto com o microchip, que pode vir em forma de cartões de crédito, onde se pode usar um dispositivo no seu interior microchip(com os dados de Transferência Eletrônica PessoalRobin O'Kelly disse: "nada pode parar o sistema MONDEX agora e será um controle de caracter global". Eventualmente a ideia de levar um cartão ficará logo obsoleto, porque as pessoas descobrirão que terão uma limitação de segurança, sendo susceptível ao dano, perda e roubo do cartão. A solução final será ter um biochip simplesmente colocado dentro do corpo humano como eles fazem agora com o implante de biochip NFOPET é umas das várias companhias que provêem uma seringa que realiza o implante indolor do bio-chip injetando na pele do animal. O biochip pode ser lido por um scanner e o código identifica o seu dono expondo o código em um computador. O sistema pode localizar mais de 1 bilhão de animais por satélites ou por torres da telefonia celular.


A MOTOROLA é que está produzindo o microchips para o MONDEX SMARTCARD que desenvolveu vários implantes em humanos usando o bio-chips. O chip BT952000 foi criado por Dr. Carl Sanders para que se pudesse ser desenvolvido um dispositivo para uso global para identificação de humanos para o propósito do comércio econômico global. O bio-chip mede 7mm de comprimento e 0.75mm em largura, mais ou menos o tamanho de um grão de arroz. Contém um transponder e uma bateria de lithium recarregável.

A bateria é carregada por um circuito de thermo-par que produz voltagem de flutuações com a temperatura do corpo. Eles gastaram mais de 1.5 milhões de dólares nos estudos para saber o melhor local para colocar este biochip no corpo humano. Eles só acharam dois lugares satisfatórios e eficientes - a testa, de baixo do couro cabeludo, e a parte de trás da mão, especificamente a mão direita!


Dr. Sanders estava contra o uso da bateria de lithium porque era de conhecimento que se o invólucro do microchip quebrasse, causaria uma FERVURA DOLOROSA que causaria muita agonia ao hospedeiro.

Com Tecnologias da AT&T e a Lucent Tecnologies e sua divisão de telecomunicação empresarial AVAYA Communication. LUCENT.

Esta empresa chamada de LUCENT TECNOLOGIES já está no Brasil, segundo grande Informe Publicitário Especial que saiu na revista EXAME Número 12 de 16 de junho de 99 nas páginas 122 a 136 - A Lucent é uma fábrica de 25.000 metros quadrados (em área total de 212.000 metros quadrados) com investimentos da ordem superior de 500 milhões de dólares - cuja tecnologia permitirá aos provedores de serviços para internet e de telecomunicações dimensionar e montar complexos sistemas móveis, softwares, sistemas de rastreamento, energia e cabeamento de fibras óticas, serviços para administradoras de cartões de crédito - entre elas: Provedor de Serviços Globais - Soluções de Comunicação Empresarial - Sistemas de Rede de Dados - Microeletrônica com implantação até o início do ano 2000.).

Esta empresa comprou a franquia da MONDEX E.U.A. Esta companhia escolheu instalar alguns dos seus novos escritórios em Nova York a Quinta Avenida em Manhattan. Um das realizações mais orgulhosas deles é TTS (Text To Speech) em que o hardware fala com a qualidade da voz humana com imagem humana animada.

PROJETO LUC-ID - O projeto usará até satélites espiões, como os usados na guerra do golfo e também outros aparatos eletrônicos, que serão usados para o policiamento de um estado global totalitário, que foi idealizado para monitorar todos os homens, mulheres, e crianças, que usarão o biochip implantados e programados por um software BIOMÉTRICO UNIVERSAL, contendo o MARC ou MONDEX. LUC- ID. Com LUC-ID a autoridade de execução de lei global poderá localizar qualquer um dos seus movimentos, transações financeiras globais.

Você quer saber mais?


http://www.mondex.com/

http://www.mastercardworldwide.com/

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.