-

-

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Viagens Filosóficas.

Regina H. Porto Francisco, FEB

Introdução

O século XVIII foi o século da história natural, pois nesta época houve grande empenho dos Estados europeus em inventariar as suas riquezas, particularmente as situadas nas colônias, utilizando métodos e recursos das ciências, que estavam despontando como ferramentas para o desenvolvimento.

Na segunda metade do século XVIII ocorreram profundas transformações nas mentalidades e na ordem econômica de vários países, inclusive em Portugal. Os inventários do mundo natural tornaram-se peças importantes para as estratégias e intenções governamentais.

O governo português também voltou-se para o seu império, para melhor conhecê-lo e explorá-lo.

Em Portugal ocorreram reformas na Universidade de Coimbra, a criação de museus e jardins botânicos de Coimbra e Ajuda e a Academia Real das Ciências de Lisboa.

Os jardins botânicos eram instituições de pesquisa onde espécimes exóticos, encaminhados das colônias americanas, africanas e asiáticas para a Europa, eram adaptados para serem mais bem explorados. A agricultura era vista como uma importante fonte de riqueza. Muitas plantas foram levadas de uma região para outra. Por exemplo, o café trazido da África aclimatou-se muito bem no Brasil. A cana de açúcar foi adaptada na Guiana Francesa e depois difundida no Brasil. O milho, o tomate e a batata são originários da América e adaptados na Europa.

Viagens filosóficas

No Brasil a exploração de minerais estava em declínio e o governo português queria introduzir o uso do “método científico” na extração, acreditando que técnicas modernas e treinamento melhor de mineiros e administradores poderiam reabilitá-la.

Um ator importante neste processo foi Domingos Vandelli, professor da Universidade de Coimbra que, já na década de 1720 propôs a elaboração de uma “história natural das colônias”. Uma das suas preocupações era que naturalistas formados na Universidade de Coimbra fossem aproveitados nos quadros do governo e realizassem viagens científicas no reino e possessões.

No afã de superar as crises econômicas na mineração e agricultura, o governo português acatou estas sugestões. Em 1768 Vandelli foi incumbido de estabelecer um jardim botânico junto ao Palácio Real da Ajuda, em Portugal, com o objetivo de proporcionar educação científica para o príncipe e também auxiliar o desenvolvimento da agricultura.

A criação do “Complexo Museológico da Ajuda”, como é atualmente chamado o conjunto de instituições, centralizou o projeto que envolveu um amplo levantamento dos produtos naturais dos reinos vegetal, animal e mineral, com a finalidade de descobrir novas espécies, contribuir para o desenvolvimento científico, avaliar as potencialidades econômicas e fazer observações sobre a Terra, o ar e a água, para trazer elementos explicativos sobre o funcionamento terrestre.

A partir do final da década de 1770 foram organizadas as expedições demarcadoras de fronteira ao Brasil que, por sugestão de Vandelli, contavam com um naturalista.

Em 1778 os naturalistas do Real Museu da Ajuda fizeram os preparativos para uma “viagem filosófica”, sob orientação de Vandelli. Os estudantes de Coimbra aprenderam a explorar os arredores da sua própria região para aprender os métodos e também para distinguir das espécies nativas, aquelas que seriam identificadas nas colônias.

Um item especialmente importante no treinamento, escolhido por Vandelli, foi uma visita de 5 dias a uma mina de carvão, denotando o interesse dos organizadores na exploração mineral.

Este treinamento era importante, pois acreditava-se que, sem a experiência do familiar (treinamento inicial na interpretação) o observador do ambiente não familiar teria experiências confusas e/ou perturbadoras. A inovação conceitual emerge do impacto perceptivo dos fatores não familiares dentro do instrumental preparado por treinamento na interpretação de fatores familiares.

Em 1779 Vandelli redigiu um manuscrito com instruções muito detalhadas para as viagens, intitulado “Viagens filosóficas ou Dissertação sobre as importantes regras que o filósofo naturalista, nas suas peregrinações deve principalmente observar”. Ente outras coisas o autor enumerou detalhadamente o que o naturalista deveria observar no campo da mineralogia. Ele demonstrava sempre preocupação com a utilidade prática das observações dos naturalistas viajantes.

Vandelli elaborou outros documentos combinando relatórios e instruções para outras viagens.

Em 1783 foi iniciada uma viagem filosófica de 9 anos à Amazônia brasileira, chefiada por Alexandre Rodrigues Ferreira que, alem de dirigir a viagem, devia preparar os diários, inspecionar a manufatura de desenhos, fazer as remessas de produtos naturais. Ele era auxiliado por Manuel Galvão da Silva, que cuidava da economia doméstica e inspecionava a preparação de animais e herbários. Ângelo Donati era o desenhista. No planejamento estas pessoas tinham papéis complementares.

As amostras coletadas eram identificadas, armazenadas, estudadas, cultivadas, adaptadas e exploradas na colônia e também enviadas para a metrópole para processo semelhante. Desenvolveu-se então uma cadeia produtiva envolvendo a educação formal na Universidade, a educação complementar nos museus, academias e sociedades, infra-estrutura para as viagens, pesquisas para geração de novas possibilidades de exploração econômica.

Em 1781 a Academia Real das Ciências de Lisboa publicou as “Breves instruções aos correspondentes da Academia das Ciências de sobre as remessas dos produtos, e notícias pertencentes a História da Natureza, para formar um Museu Nacional” dirigidas aos membros da Academia que se encontravam nas colônias como administradores locais ou membros da elite intelectual, que não necessariamente eram versados em história natural. Elas incluíam recomendações aos governantes sobre como observar e anotar aspectos sobre “as notícias geográficas do físico do país” e da “moral dos povos” (usos, costumes e tradições).

O vice-rei Luís de Vasconcelos e Sousa mandou promover diversos levantamentos naturalísticos no Rio de Janeiro e uma expedição científica para fazer os levantamentos naturais na capitania do Rio de Janeiro.

Nas décadas de 1770 a 1790 foram organizadas pelo governo português várias viagens filosóficas, havendo documentação sobre expedições a Goa, Moçambique, Angola, às ilhas de Cabo Verde e ao Brasil (Belém, Ceará, Nordeste brasileiro, novamente Paraíba e Ceará, Rio de Janeiro, Minas Gerais, região do Rio São Francisco e São Paulo).

Das viagens filosóficas despachadas de Lisboa em 1783 resultaram diversos diários e inúmeras memórias de mineralogia.

As atividades de mineração eram muito importantes, não só para aumentar a produção de pedras preciosas como também para diversificar a produção mineral para atender às demandas geradas pela Revolução Industrial então em curso da Europa.

Conclusões

A realização do projeto de uma “história natural das colônias” no final do século XVIII foi importante e mobilizou as comunidades de cientistas e de administradores portugueses, estabelecendo estreita relação entre elas, além de uma complementaridade entre metrópole e colônias.

As “viagens filosóficas” feitas para atender ao projeto eram cuidadosamente preparadas e seguiam instruções rigorosas. Elas demonstram claramente que o reino português estava perfeitamente inserido no movimento internacional de “mobilização dos mundos”, via história natural.

Você quer saber mais?

Figueirôa & Pataca, História Ciências Saúde Manguinhos, (2004), 11, (3), 713-729

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.