-

-

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

O Uniforme Integralista.


Sérgio de Vasconcellos

Eis uma interrogação constante: Os Integralistas têm ou usam algum Uniforme?

Rigorosamente falando, o Integralismo, enquanto Filosofia, não tem e nunca teve uniforme. Mas, como corrente de opinião organizada, teve Uniforme durante a vigência legal da Acção Integralista Brasileira: Camisa da cor verde inglês em cujo braço esquerdo, no terço médio, estava fixado um círculo branco com borda preta, no centro do qual figurava um Sigma também preto; gorro verde da mesma cor da camisa; calças pretas, brancas ou caquis (conforme as circunstâncias); cinto e sapatos de preferência pretos.(1)

Depois deste período, algumas organizações Integralistas não tiveram qualquer Uniforme (o Partido de Representação Popular, a União Operária e Camponesa do Brasil, etc.) outras, tiveram os seus próprios Uniformes (a Cruzada Juvenil da Boa-Imprensa, os Centros Culturais, etc.), mas, o Movimento Integralista, propriamente dito, não teve e ainda não tem Uniforme.

Atualmente, vêem-se muitos modelos de camisetas nos meios Integralistas. Ora, a própria variedade das mesmas, revela que não são Uniformes. Quando muito, são indicativas de um desejo de exteriorizar as convicções ideológicas de seus portadores. E mais, é comum presenciar-se em reuniões Integralistas, parte da assistência envergando camisas verdes de todos os tipos, feitios e tons, tal diversidade comprova de um lado, a inexistência de um Uniforme, mas, de outro, demonstra um desejo latente por parte de muitos Integralistas de resgatar o antigo e heróico Uniforme da Acção Integralista Brasileira.

Hoje, dois são os principais obstáculos para a adoção de um Uniforme para o Integralismo:
1º - Não há uma organização que reuna a totalidade dos Integralistas, e uma indumentária Uniforme (seja a antiga Camisa Verde, seja uma nova ainda a ser criada) pressupõe unidade organizacional;
2º - Condições materiais objetivas, isto é, um Uniforme, por mais simples que fosse, obrigaria a um gasto adicional que muitos Brasileiros não poderiam arcar.

Como estamos falando em Uniformes, para terminar, uma última consideração:

O Integralismo nunca adotou braçadeira com Sigma, isto é uma invencionice recente e ridícula, sob a alegação esdrúxula de que com a “bolacha” (é assim que alguns se referem a circunferência de pano com o Sigma) costurada diretamente “perde-se” a camisa... A Camisa Verde do Uniforme da antiga A.I.B., não era para passeio, só era utilizada em atividades Integralistas, logo, o Sigma afixado diretamente não a perdia, pelo contrário, elevava-a a categoria de instrumento revolucionário. Repudiamos assim esta tal braçadeira, por entendê-la de inspiração burguesa.

Nota:
1 Para maiores detalhes consulte-se as págs. 81 e 82 dos “Protocolos e Rituais da Ação Integralista Brasileira”, em “A Orgânica da Ação Integralista Brasileira” - Tomo II - Rio de Janeiro - Livraria Clássica Brasileira/ Edições GRD -s/d - 143 págs. Enciclopédia do Integralismo Vol. XI.

Você quer saber mais?

http://www.integralismo.blogspot.com

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.