-

-

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

O HOMEM MATERIALISTA, INVENÇÃO "MARAVILHOSA".

NOSSA ERA MATERIALISTA

O homem moderno é uma invenção maravilhosa, pois ele é formado de pano, plástico e um monte de quinquilharias. Tudo para disfarçar o fato de que ele não existe como individuo "Eu", mas sim um produto do meio materialista no qual está inserido.

ESTAMOS VIVENDO A ERA DO MATERIALISMO EXACERBADO,
O QUE MENOS IMPORTA AGORA, E O SER , MAS SIM O TER. ISSO É UM PROCESSO QUE NÃO FOI ATINGIDO RAPIDAMENTE, É UM PROCESSO LENTO QUE COMEÇOU DESDE A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL.

QUANDO AS FABRICAS COMEÇARAM A PRODUZIR EM MASSA, ASSIM, DE INICIO, ERAM PRODUZIDOS ARTEFATOS E TUDO QUE PRECISASSE M PARA O CONSUMO DAS PESSOAS, MAS COM A MODERNIZAÇÃO E REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA, AS FABRICAS COMEÇARAM A PRODUZIR DE FORMA GIGANTESCA, CLARO QUE PARA ISSO, ENXERGAM REAIS CONSUMISTAS PARA COMPRAREM OS PRODUTOS, POIS NUNCA FICAM SEM VENDER, PORQUE CONSEGUEM USAR O MARKETING, PROPAGANDA, GUIADOS PELA MODA CONSUMISTAS, OS EMPRESÁRIOS SE TORNAM CADA VEZ MAIS RICOS EM FUNÇÃO DESSE CONSUMO EXAGERADO.

COMO AS PESSOAS RICAS, TEM SEUS CARROS, ROUPAS DE GRIFE, PRODUTOS MODERNOS, ETC, AS PESSOAS DE CLASSES MAIS BAIXAS ALMEJAM TAMBÉM POSSUÍREM TAIS COISAS, PORQUE UM CARRO É UM BEM, DE UTILIDADE, CLARO, MAS QUANDO SE TEM UM, QUE SEJA FUNCIONAL, NÃO PRECISA O EXAGERO DE TER UM CARÍSSIMO, UMA FERRARI, POR EXEMPLO, QUE CUSTA MUITO, MAS, COMO ESTAMOS NA ERA DO MATERIALISMO, AS PESSOAS PERDEM A NOÇÃO DE NECESSIDADE REAL, E COMEÇAM A ACHAR QUE PARA SEREM MAIS FELIZES, SERIAM AINDA MAIS SE TIVESSEM UMA FERRARI POR EXEMPLO.

MAS PARA QUE ISSO? UMA PESSOA É MAIS FELIZ SE ESTIVER USANDO ROUPAS DE GRIFE OU SE ESTIVER USANDO UMA ROUPA SEM GRIFE, QUAL A DIFERENÇA, NÃO E TUDO FEITO DE TECIDO? AH MAS VEM A MARCA ATRELADA AO PRODUTO, E AO STATUS QUE ELE TRAZ PRA QUEM O USA.
ASSIM USANDO UMA ROUPA DE GRIFE A PESSOA E MAIS RESPEITADA, PARA ALGUNS, ELA TERÁ ATE CHANCE DE SER MAIS QUERIDA ENTRE OS GRUPOS SOCIAIS, MAIS VENERADA POR POSSUIR UM ARTIGO QUE POUCOS O TEM. ASSIM ENXERGAMOS HOJE EM DIA AS PESSOAS, QUE PRECISAM TER PARA PODEREM SER ALGUÉM, ANTES AS PESSOAS PRECISAVAM SER, PARA PODEREM TER, HOJE AINDA EXISTEM ALGUMAS SOCIEDADES QUE VALORIZAM EXTREMAMENTE O SER, MAS É MUITO RARO.

NO NOSSO PAIS, QUE ESTA COMO UM PAIS EM DESENVOLVIMENTO, PODEMOS PERCEBER TUDO O QUE ESSA ERA DO MATERIALISMO, POR ASSIM DIZER, PROVOCA NAS DIVERSAS CLASSES SOCIAIS, E EM DIFERENTES IDADES, OS JOVENS POR EXEMPLO, SÃO OS MAIS DESCOLADOS, OS QUE TIVEREM, UM TÉNIS ALL STAR, UM ADIDAS, OU NIKE, OU QUE USAREM GRANDES MARCAS DE ROUPAS, OU QUE TIVEREM OS NOTEBOOK COM AS CONFIGURAÇÕES MAIS MODERNAS, OS CELULARES DE ULTIMA GERAÇÃO, OS RELÓGIOS MAIS CAROS, E POR AI VAI.

A PESSOA QUANDO NÃO CONSEGUE SE INSERIR DENTRO DESSE PADRÃO DE CONSUMO QUE A SOCIEDADE ESTA IMPONDO, ELA CHEGA A SER TAXADA DE CARETA, DE BREGA DE POBRE, DE CAFONA, DE PESSOA DESATUALIZADA, PORQUE NÃO CONSEGUEM ENXERGAR O QUE A PESSOA E, MAS SIM EXATAMENTE E UNICAMENTE SO O QUE ELA TEM DE MATERIAL, E CLARO.

MAS POR QUE ISSO, ACHO QUE TALVEZ SEJAMOS INCONSCIENTEMENTE VITIMAS DA INDUSTRIA, DAS GRNDES MARCAS, SOMOS VITIMAS DAS GRANDES COMPANHIAS, DAS PROPAGANDAS QUE IMPÕE PARA AS PESSOAS,
SE ELAS POSSUÍREM AQUELE CARRO DA PROPAGANDA, ELAS SERÃO MAIS FELIZES, ASSIM PEGAM ALGUÉM QUE ESTAVA SE AFUNDANDO NA DEPRESSÃO, POR NÃO TER CULTIVADO O SER, E SOMENTE VIVIDO O TER, AI A PESSOA FICA PENSANDO, VOU CONSEGUIR O DINHEIRO PARA COMPRAR AQUELE CARRO DA PROPAGANDA, ASSIM QUEM SABE SEREI FELIZ. ISSO E A PENAS UM EXEMPLO MINIMO DESSA ERA DO MATERIALISMO.

Agradecimento:

Noemia Gebosky
Estudante de administração de empresas e inglês.
noemiabh@gmail.com


Você quer saber mais?

http://www.artigos.com/artigos/humanas/psicologia/nossa-era-materialista-13558/artigo/

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.