-

-

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Coreias trocam acusações sobre novo incidente na fronteira .

As Coreias do Norte e do Sul trocaram nesta terça-feira acusações sobre quem iniciou um dos mais graves incidentes entre os dois países desde a Guerra da Coreia nos anos 50.

Em uma troca de disparos de artilharia que durou cerca de uma hora, a Ilha sul-coreana de Yeonpyeong foi atingida e dois soldados morreram, enquanto cerca de 50 pessoas, tanto civis como militares, ficaram feridas.

Seul disse que os disparos do Norte começaram a atingir a ilha, próxima à disputada fronteira marítima entre os dois países, na tarde desta terça-feira (hora local, madrugada no Brasil) e suas forças armadas estão trabalhando no nível de alerta mais alto fora de um período de guerra.

Imagens de televisão mostraram colunas de fumaça saindo de Yeonpyeong, e todos os 1,6 mil moradores teriam sido conduzidos a abrigos, segundo a agência de notícias Yonhap.

O presidente sul-coreano, Lee Myung-bak, avisou que seu país vai "retaliar severamente contra qualquer nova provocação".

"O ataque da Coreia do Norte contra a Ilha de Yenpyeong constitui uma clara provocação armada. Além disso, seu impiedoso ataque a alvos civis é imperdoável", disse a declaração divulgada por seu gabinete.

Mas as autoridades militares da Coreia do Norte dizem não ter sido os primeiros a disparar.

"O inimigo sul-coreano, apesar de nossos repetidos alertas, cometeu diversas provocações militares incautas disparando tiros de artilharia contra nosso território marítimo próximo à Ilha de Yeonpyeong a partir das 13h locais (2h no horário de Brasília)", disse à agência de notícias estatal norte-coreana KCNA o comando militar do país.

A Coreia do Norte "vai continuar a realizar ataques militares impiedosos sem hesitação se o inimigo sul-coreano ousar invadir 0,001 milímetro de nosso território", alertou, sem informar se houve feridos ou mortos do lado norte-coreano.

Tensão

A troca de disparos acontece em um momento de crescente tensão regional, já que no sábado a Coreia do Norte revelou o que seria uma nova usina de enriquecimento de urânio, dando ao país mais um caminho para a possível fabricação de uma bomba nuclear.

Após o incidente, o representante dos Estados Unidos para a Coreia do Norte, Stephen Bosworth, anunciou que não vai retomar as negociações do chamado Grupo dos Seis (Estados Unidos, Japão, China, Rússia e as duas Coreias) sobre o programa nuclear de Pyongyang.

A Rússia pediu calma depois do incidente, enquanto um porta-voz do Ministério do Exterior chinês disse que as duas Coreias deveriam "fazer mais para contribuir para a paz".

"O mais importante agora é retomar as negociações do Grupo dos Seis o quanto antes", disse Hong Lei.

O primeiro-ministro japonês, Naoto Kan, disse ter ordenado que seus ministros se preparem para qualquer eventualidade.

"Eu ordenei que eles se organizem para que possamos reagir firmemente, caso algum evento inesperado ocorra", disse ele após uma reunião de gabinete de emergência em Tóquio.

A Casa Branca condenou o ataque firmemente e pediu que a Coreia do Norte suspenda sua "ação beligerante".

O impacto da troca de disparos está chegando ao mercando financeiro, com as moedas coreana e japonesa sofrendo desvalorização.

Você quer saber mais?

http://www.bbc.co.uk/

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.