-

-

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Allach, a Fábrica de Porcelana das SS.

Xícara de porcelana fabricada sob os padrões da SS.

Nascidas com o objetivo prioritário de oferecer proteção direta ao Fuhrer, as SS viram aos poucos o crescimento assustador de suas atribuições, e para isso tiveram de buscar fontes alternativas de financiamento para cobrir seus custos estratosféricos. A margem das subvenções estatais, cotas e doações particulares, as SS adquiriram cerca de 500 empresas de vários tipos, destacando-se as fábricas de bebidas não alcoólicas, materiais de construção, móveis e equipamentos militares. Alguns dos projetos empresariais das SS não almejava um grande superávit financeiro, mas sim utilizar seus produtos para difundir a ideologia do nacional-socialismo. Assim, surgiu a fábrica de porcelana de Allach.

Durante o Terceiro Reich, a arte desempenhou um papel educativo e de propaganda de primeira ordem, de modo que cada lar alemão costumava ter expostas suas próprias obras de arte para apreciação familiar. No que diz respeito à escultura, sua única possibilidade de admiração era era com o uso da porcelana.

A Alemanha tinha uma longa tradição na fabricação de cerâmica de alta qualidade, com empresas como as de Meissen, Frankenthal, Dresden e Rosenthal. Foi assim que, seguindo o exemplo de muitos mecenas da história, Heinrich Himmler, chefe da SS, decidiu patrocinar um prestigioso empreendimento desse tipo, adquirindo, em 1934, as instalações de uma pequena unidade de produção de porcelana, localizada em Allach, na periferia de Munique. A fábrica foi administrada pela seção cultural da alta cúpula da direção das SS, sendo rebatizada como SS Porzellan-Manufaktur Allach-Munchen-GMBH, e estava sob a direção de Karl Diebtsch, que era SS Obersturmbannfuhrer (Tenente-coronel das SS).

Para obter produtos de qualidade, foram contratados os melhores profissionais do país, como os professores Theodore Karner e Richard Forster, que receberam ordens para concentrar-se em estatuetas de formas suaves, distantes de temas polêmicos, com elevado nível técnico e material, mas que pudessem ser vendidas a preços populares. Tudo isso gerou algumas obras de arte que tiveram grande aceitação em todo tipo de público, o que, por sua vez, implicou a ampliação das instalações para atender à crescente demanda.

A comercialização era feita por catálogos que chegaram a incluir centenas de modelos de miniaturas de diferentes tamanhos, pratos comemorativos com baixos-relevos e inscrições, vasos, floreiras, castiçais e reproduções de peças arqueológicas relacionadas com os antigos povos germânicos. As estatuetas representavam sobretudo animais, temas mitológicos como a deusa Atenas, duendes ou valquírias, trajes típicos regionais da Alemanha, personagens históricos como Frederico da Prússia e outros reis germânicos, soldados de época, temas nazistas, como o estandarte da SA ou o oficial das SS a cavalo e até mesmo esportistas , praticando atletismo ou esgrima. Em longo prazo, também foram produzidas algumas louças de alta qualidade e outras, elaboradas em cerâmicas mais simples.

A produção das unidades de Allach e Dachau cessariam em dezembro de 1944, quando as tropas aliadas se preparavam para cruzar as fronteiras germânicas e invadir a Baviera.

Você quer saber mais?

Coleção 70° aniversário da II Guerra Mundial, v.26.- São Paulo: Abril Coleções, 2009.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.