-

-

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

PESQUISA ELEITORAL. PURA MANIPULAÇÃO!

Divulgações das pesquisas eleitorais e as eleições



As eleições iniciaram e já estão chegando ao fim, e constantemente são divulgadas pesquisas de intenções de voto. Essas pesquisas podem definir o rumo das disputas eleitorais? Os proprietários das dos institutos de pesquisa, atividade comercial cada vez mais rentável, acredito eu que responderão que não.

Sabemos que o eleitor é livre e escolhe aqueles candidatos de acordo com sua consciência. O próprio eleitor, se pesquisado sobre o tema, dirá mais ou menos a mesma coisa. É razoável que assim seja.

Os eleitores para preservarem a sua auto-estima e o proprietário do instituto, para ostentar a lisura da atividade não poderiam responder diferente. No entanto, a observação continuada dos fatos recomenda colocar na pauta outros ingredientes, esses diretamente envolvidos no jogo eleitoral.

O debate de conteúdo político eleitoral, mesmo na reta final está afastado. O eleitor distraído, apenas aponta na cartela os nomes mais conhecidos e ainda assim os diretamente interessados entram em processo de ebulição ou abulia diante do retrato do momento estampado pela mídia.

Os candidatos, os assessores, as burocracias partidárias sabem que a cotação no mercado eleitoral passam pelos números da pesquisa. É em função dela que os jornais, rádios e tvs pautam sua cobertura. E, dado decisivo, os grandes financiadores de campanha eleitoral se orientam por ela e é ela que define, na bolsa de apostas no mercado futuro, o destino dos recursos contabilizados ou não.

As pesquisas eleitorais jogam, na cultura política dominante, papel importante na armação do cenário da disputa eleitoral. E o mais grave, elas na maioria das vezes manipuladas e desta forma obviamente direcionadas.

Do ponto de vista técnico, não existe coisa mais fácil de manipular. São infinitas as possibilidades; elaboração de questionários, escolha da amostragem, na intercalação dos dias de consulta, trazendo os efeitos positivos para a encomenda. Pelo menos é o que lhe dirá, sob garantia de sigilo, qualquer técnico da área. E mais, tudo científico, sem deixar vestígios de má fé. Pequenas alterações na margem de erro bastam para mudar a posição relativa dos candidatos.

Entre as únicas garantias de lisura, como o fio de bigode dos antigos, estão à independência dos institutos de pesquisa e a eventual competição entre eles. São artigos escassos entre nós. Eles são poucos e a maioria trabalha, fora do período eleitoral, para os mesmos clientes de sempre: governos e grandes corporações patronais. A reputação da empresa, fato por demais alegado, só será medida pela comparação entre o voto na urna com a última pesquisa realizada. As variações do período anterior, onde mora o perigo e quando se arma o cenário da disputa, ficam por conta da volubilidade do eleitor, efeito cardume e coisas que tais.

Entretanto, embora se apresente como tal, as pesquisas não são o oráculo de Delfos. Elas podem errar vergonhosamente - é exatamente isso que vem acontecendo frequentemente. Apesar de seu peso na cultura política dominada pela máquina mercante, elas não são profecias que se auto-realizam. As forças que travam a disputa eleitoral com base em projetos e idéias devem visualizar pesquisas com saudável desconfiança.

Acredito que a melhor opção é talvez manter-se à vigilância no jogo sujo - político eleitoral, e jogar com a determinação das feras, pois os jogadores acreditam. Afinal, as vitórias mais saboreadas são aquelas que quebram a escrita e superam as expectativas. E para os que esquecem - no momento da efetividade do voto, só encontramos dois personagens, um humano, o eleitor e uma máquina a urna eletrônica.

Pesquisas eleitorais: ignorância, ingenuidade ou má-fé



Em maio de 1945 foi divulgada a primeira pesquisa eleitoral no país, publicada no Diário da Noite, realizada pelo recém-criado Ibope. A sondagem tratava da primeira eleição presidencial depois de 15 anos da ditadura de Getúlio Vargas.

De lá para cá as pesquisas eleitorais tomaram corpo no país, principalmente com a instalação do americano Gallup.

Hoje, os principais institutos do país são os dois citados, sendo que o Gallup não se ocupa mais de pesquisas eleitorais, o Datafolha, o Sensus e o Vox Populi, que surgiu nacionalmente na eleição presidencial de 1989.

Vale lembrar que a maioria dos brasileiros se arvora em ser médico, técnico de futebol e pesquisador.

Hoje, pululam pelas 27 unidades da Federação centenas de institutos de pesquisa, em vista disso campeia na seara das sondagens eleitorais a ignorância, a ingenuidade ou a má-fé.

Todo mundo já ouvir dizer que as pesquisas são “fotografias do momento”, mas são poucos os especialistas no Brasil que a dominam com consistência.

Ao contrário disso, a maioria não vislumbra que existem metodologias diferenciadas em cada um dos grandes institutos.

Muitas vezes a divulgação dos resultados de pesquisas de intenção de votos levanta polêmicas, pois são apresentados no mesmo momento resultados diferentes.

Isso ocorre justamente por que as metodologias não são iguais, mas com certeza acontecem em função do item mais importante da sondagem que é o questionário que vai a campo para a colheita das opiniões e a forma de abordagem.

No caso da abordagem, o Datafolha se diferencia, pois pesquisa nas ruas, em vez de ir às residências.

Mas, no caso dos questionários todos os grandes institutos produzem questionários semelhantes.

A porca entorta o rabo, quando leigos se arvoram em montar pequenas estruturas estaduais para fazer pesquisas eleitorais.

Quem tem o cuidado de analisar os questionários produzidos por esses “institutos” enxerga a deficiência.

O questionário, por exemplo, que privilegia a avaliação dos governantes, antes do placar eleitoral, induz a um resultado equivocado.

A alma de uma pesquisa eleitoral está na formulação do questionário.

Dependendo de como for elaborado, o questionário pode distorcer o resultado. A elaboração de perguntas prévias e sua distribuição de prevalência possuem potencial de interferência na escolha do candidato.

Ou isso é feito corretamente ou a vaca vai para o brejo.

Uma pesquisa de intenção de voto espontâneo fica prejudicada se antes disso forem feitas avaliações administrativas do presidente, do governador e do prefeito, por exemplo.

O espontâneo perde a espontaneidade, pois a mente do pesquisado está impregnada pelos três nomes avaliados. A consulta espontânea fica assim formulada na cabeça do eleitor:

“Dado que nós estamos falando no presidente, no governador e no prefeito, em quem o (a) senhor (a) votaria nisso ou aquilo, se as eleições fossem hoje?”

Ao citar os nomes anteriormente a intenção de voto deixa de ser espontânea, porque foram colocados na mente dos entrevistados nomes em detrimento a outros que não foram avaliados. Isso contamina o resultado.

Esse é um erro freqüente. Às vezes é fruto de ingenuidade ou ignorância, mas muitas vezes é feito por má-fé, para massagear o ego do contratante ou a serviço do adversário.

Por isso, é preciso muito cuidado ao contratar pesquisas eleitorais.

Pesquisa de intenção de voto é coisa séria, deve ser feita por quem realmente entende do riscado.

VOCÊ QUER SABER MAIS?

http://www.olhardireto.com.br

http://www.prosaepolitica.com.br

Prefeitura de SP tenta abafar descobertas arqueológicas.

Prefeitura de SP tenta abafar descobertas arqueológicas para acelerar obra



PEDESTRE PASSA DIANTE DE CARTAS COM ACHADOS NO SITIO URBANO

A entrada de jornalistas ou de câmeras está proibida pela Emurb (Empresa Municipal de Urbanização). E os arqueólogos foram advertidos para não darem entrevista. No lugar de exibir os achados que revelam o passado de São Paulo às vésperas de seu 456º aniversário, a prefeitura paulistana prefere silenciar sobre os trabalhos arqueológicos que estão sendo feitos na reurbanização do largo de Pinheiros para receber uma estação de metrô.



CACO DE GARRAFA ACHADA NAS OBRAS DE FUTURA PRAÇA DA ESTAÇÃO

"A cidade obedece ao mercado. A modernização de Pinheiros tem o desenho da especulação imobiliária. A reforma não é para a população do bairro. Por isso, é mais fácil desqualificar como caquinhos os objetos encontrados, de clara importância histórica", opina o arqueólogo Paulo Zanettini, sócio de uma empresa de resgate arqueológico e especialista nos sítios paulistanos.

Já foram encontradas louças holandesas, francesas e inglesas, bem como garrafas do século 19, mostrando que a vocação comercial da área é antiga. Mas a única forma de saber isso é passar na calçada esburacada no número 700 da rua Fernão Dias. Lá, espremidos entre tábuas de madeira compensada e os pontos de ônibus para Cotia, dois cartazes contam o que acontece por lá.



PEDAÇO DE FAINÇA INGLESA DESENTERRADA EM PINHEIROS

Os pedestres passam sem ler sobre o aldeamento que os jesuítas fizeram na área até 1640 com os índios guaianás, nem sobre as porcelanas Maastrich ou Sarreguemines usadas pelos habitantes do passado. É fácil ver as placas publicitárias de "compra-se ouro" ou "exame médico demissional" que se espalham pelo largo.

O pano de fundo do ocultamento do resgate arqueológico é o atrito entre Prefeitura paulistana com o Iphan (Instituto do patrimônio Histórico e Artístico Nacional). Uma denúncia anônima ao órgão vinculado ao Ministério da Cultura fez as obras de Pinheiros pararem em meados de novembro.

Vestígios do passado

Desde 2002, toda a obra de porte em região de potencial histórico deve ser inspecionada por especialistas, assim como acontece com o obrigatório relatório de impacto ambiental. Isso é determinado pela portaria federal 230. Pela extensão e localização, a reurbanização de Pinheiros, que inclui mais de uma dezena de quarteirões, entra facilmente no caso.

A Emurb, por meio de sua assessoria de imprensa, disse não conhecer essa legislação. A arqueóloga Luciana Juliani, proprietária da empresa A Lasca de prospecção, diz acreditar que a empresa não agiu errado. "A Emurb achou que não estava agindo mal porque não foi cobrada antes", afirmou.

Um mês depois de parte das obras parada para o resgate histórico, porém, a prefeitura convocou jornalistas para desqualificar os objetos encontrados, apontando que não passavam de pedaços de ossos, ferraduras e utensílios domésticos dos anos 1950, desgastados pelo tempo e sem valor histórico. O arqueólogo responsável, Plácido Cali, saiu prontamente para desmentir, mostrando achados de dois séculos atrás. E a tendência é achar coisas mais antigas, afinal, a cada 50 centímetros para baixo se recua um século.

"É por desconhecimento que se julga que a arqueologia existe para descobrir civilizações e múmias. Os grandes achados são raros. Nossa função é revelar como era o cotidiano do passado", disse Juliani.

Zanettini concorda com ela. "A arqueologia revela a história que foi esquecida, a história das pessoas comuns, não aquela contada nos livros de história, que relata bem só a elite de poder. Os cacos que a gente encontra falam de um cotidiano que as fotos e os textos não revelaram."

E o sítio de Pinheiros foi revelador, com um depósito de garrafas enterradas que apontam a presença por ali de uma taberna do início do século 19.

É sintomático que a revitalização da área queira apagar as pessoas comuns do presente e do passado. O novo desenho do local será elo para o eixo endinheirado que une bairros como Brooklin, Itaim e Jardins ao Alto de Pinheiros, Alto da Lapa e Vila Madalena.

O plano do prefeito Gilberto Kassab (DEM) era inaugurar a primeira parte do novo largo em julho de 2010, mas os arqueólogos acreditam que as escavações podem acabar só no final do ano.

Tendo como pano de fundo as eleições gerais deste ano, há quem veja um embate político no embargo do Iphan. A postura da Emurb de tentar abafar o assunto mostra o tamanho do desgaste que a polêmica causou para a prefeitura, Kassab e seus aliados políticos, afinal, a reurbanização de Pinheiros seria inaugurada simultaneamente a entrega da estação de metrô Faria Lima, que deve sair antes e há tempo de ser exibida no horário político dos políticos envolvidos com a obra.

E na futura praça do largo de Pinheiros não espere referência aos achados arqueológicos.

VOCÊ QUER SABER MAIS?

noticias.bol.uol.com.br/.../prefeitura-de-sp-tenta-abafar-descobertas-arqueologicas-para-acelerar-obra.jhtm


quarta-feira, 29 de setembro de 2010

GUERRA DAS MALVINAS.

O que foi a Guerra das Malvinas?



Foi um conflito bem rápido entre Grã-Bretanha e Argentina, que quebraram o pau no começo dos anos 80 pelo controle de um pequeno arquipélago no Atlântico Sul, asilhas Malvinas - conhecidas em inglês como Falklands. A Grã-Bretanha ocupa e administra as ilhas desde 1883, mas nossos hermanos, cujo litoral fica só a 480 quilômetros do lugar, nunca aceitaram esse domínio. Aproveitando essa briga histórica, o ditador argentino Leopoldo Galtieri lançou uma invasão às ilhas em 1982. No dia 2 de abril daquele ano, as tropas argentinas tomaram a capital das Malvinas, Stanley. A invasão tinha razões políticas: como as coisas não iam bem dentro das fronteiras de nossos vizinhos - os ditadores eram acusados de má administração e de abuso dos direitos humanos -, o general Galtieri ocupou as Malvinas esperando unir a nação em um frenesi patriótico e, de quebra, limpar a barra do governo militar.

CAÇAS ARGENTINOS SOBREVOAM AS MALVINAS EM 1983.

Mas ele não contava que a Grã-Bretanha reagisse prontamente à invasão, enviando às Malvinas uma força-tarefa com 28 mil combatentes - quase três vezes o tamanho da tropa rival. E, ao contrário do que supunham os generais argentinos, os Estados Unidos não se mantiveram neutros, mas resolveram apoiar os britânicos, seus aliados na poderosa aliança militar da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte). Fornecendo armas, os americanos deram uma forcinha decisiva aos súditos de Elizabeth II. Turbinados pelo apoio ianque, os britânicos bateram os argentinos em pouco mais de dois meses. Aos nossos vizinhos, restou voltar para casa e resolver os problemas internos. Com o fiasco nas Malvinas, o regime militar argentino afundou e foi substituído por um governo civil. Do outro lado do Atlântico, a primeira-ministra britânica Margaret Thacher aproveitou os louros da reconquista para conduzir seu Partido Conservador à vitória nas eleições daquele ano.

Derrota no conflito selou o fim da ditadura no país
CONFRONTO AÉREO

1. A guerra das Malvinas começa para valer em 2 de abril de 1982, quando as forças navais argentinas tomam Stanley, a capital das ilhas. Em resposta à invasão, aGrã-Bretanha envia à região uma força-tarefa em meados de abril, cruzando 13 mil quilômetros pelo oceano Atlântico

2. No dia 25 de abril, uma unidade britânica desembarca em uma ilha próxima, a Geórgia do Sul, que também estava nas mãos dos argentinos. Depois de breves combates, a Grã- Bretanha retoma o controle da ilha e começa a preparar o contra-ataque, adaptando equipamentos para receber armas da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), a aliança militar da qual o país faz parte

3. Ao mesmo tempo, os argentinos se preparam para interceptar as forças britânicas. No final de abril, eles posicionam a noroeste das Malvinas o porta-aviões Veinticinco de Mayo, levando oito caças-bombardeiros, seis aviões a hélice e quatro helicópteros, todos a postos para o combate

4. A maior baixa argentina acontece no dia 2 de maio: longe da zona de conflito, o cruzador General Belgrano é torpedeado por um submarino britânico de propulsão atômica e afunda, matando 368 homens. Enquanto isso, nas imediações das Malvinas, os dois exércitos travam intensas batalhas no ar

5. Dois dias depois, a resistência aérea argentina consegue uma vitória a oeste dasMalvinas ao atingir o destróier Sheffield, matando 20 homens. Nos dias seguintes, ataques argentinos afundam mais quatro navios. Mas as baixas não conseguem impedir o avanço da moderna esquadra britânica, que se aproxima cada vez mais das ilhas Malvinas.

6. O avanço britânico se consolida em 21 de maio, com um desembarque anfíbio na costa norte da ilha Malvina Oriental. Enfrentando tropas mal preparadas e com armas antiquadas, os britânicos capturam povoados menores, como Goose Green, até cercarem a capital, Stanley. Em 14 de junho, os argentinos se rendem e a guerra acaba

Argentina x Grã-Betanha

ARGENTINA

10 mil soldados

750 mortos

NO AR: A frota era numerosa mas antiga, composta principalmente por aviões Skyhawk da década de 60

NO MAR: Inferiorizados, os argentinos só tinham um porta-aviões e submarinos a diesel, que possuem pouca autonomia embaixo d’água

EM TERRA: A maioria dos 10 mil soldados não tinha experiência militar. Mal armadas e sem proteção contra o frio da região, as tropas protagonizaram rendições em massa para o Exército britânico

GRÃ-BRETANHA

28 mil soldados

256 mortos

NO AR: Os modernos caças-bombardeiros a jato Harrier e Sea Harrier eram poucos, mas rivalizaram com a numerosa frota argentina.

NO MAR: Além dos dois porta-aviões, o grande destaque da esquadra eram três submarinos de propulsão nuclear, que podiam ficar embaixo d’água por meses

EM TERRA: Além de a tropa ter quase três vezes mais combatentes que a rival, os soldados britânicos eram todos profissionais e contavam com o moderno armamento da Otan.

Brasil defende soberania argentina das Malvinas

AS MALVINAS PERTENCEM A ARGENTINA.

O assessor internacional do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Marco Aurélio Garcia, declarou no dia 21 de fevereiro de 2010 que "as Malvinas têm de ser reintegradas à soberania argentina". Garcia disse ainda que na Cúpula da América Latina e Caribe, que teve início em 22 de feveiro de 2010 no balneário mexicano Cancún, "o Brasil manterá a posição histórica de solidariedade com a Argentina". A nova polêmica surgiu depois de o Reino Unido ter decidido explorar petróleo nas Ilhas Malvinas. Garcia acompanha Lula na viagem presidencial de cinco dias ao México, Cuba, Haiti e El Salvador.

"Seguramente os países sairão daqui com uma posição de apoio firme às Malvinas, embora não saiba em que termos", comentou Marco Aurélio Garcia. Segundo ele, "esta é uma questão de alta sensibilidade para toda a região" e, "diferentemente do passado, hoje há uma posição consensual na América Latina de apoio às reivindicações da Argentina no que diz respeito a soberania das Malvinas".

Ele lembrou que, quando houve a Guerra das Malvinas, "a situação era diferente". Naquela época, observou, houve países que apoiaram os ingleses, além do fato de que a Argentina "vivia um regime cruel, militar e tudo isso poderia tornar mais turva a situação". Mas, mesmo naquele momento e naquelas circunstância, salientou, a posição da diplomacia brasileira foi de apoio à Argentina.

Os líderes reunidos em Cancún para a cúpula da unidade dos países latino-americanos vão apoiar "a soberania argentina" das Ilhas Malvinas e condenar a iniciativa da Grã-Bretanha de explorar petróleo na costa das ilhas. No comunicado negociado pelos ministros das Relações Exteriores dos 32 países, haverá um repúdio à exploração de petróleo pelos britânicos na costa das Malvinas.

"Os chefes de Estado da América Latina reafirmam seu respaldo aos legítimos direitos da República Argentina em sua disputa de soberania (nas Ilhas Malvinas) com a Grã-Bretanha", diz o documento negociado, que deve ser divulgado amanhã, após as plenárias dos presidentes. Os países latino-americanos dizem que as nações devem evitar "ações unilaterais", como a prospecção de petróleo empreendida pela Grã-Bretanha na costa das Malvinas.

A presidente Cristina Kirchner, que chegou sábado a Cancún, solicitou ajuda aos países latino-americanos para pressionar a Grã-Bretanha a sentar e discutir a soberania das Ilhas Malvinas. Seu apelo coincidirá com o início dos trabalhos de perfuração da plataforma petrolífera na área marítima ao norte do arquipélago.

Independência

O governo argentino pretende evitar as perfurações, temendo que as Malvinas tornem-se um novo centro petrolífero regional. Buenos Aires avalia que a bonança aumentaria o risco de os kelpers (como são chamados os habitantes das ilhas) buscarem a independência, fato que minaria as reivindicações territoriais argentinas. As estimativas sobre as reservas nas ilhas variam desde os mais céticos 8 bilhões de barris, até os otimistas 60 bilhões que os kelpers alegam existir.

VOCÊ QUER SABER MAIS?

http://www.estadao.com.br/noticias/internacional,brasil-defende-soberania-argentina-das-malvinas,514373,0.htm

www.militarypower.com.br/frame4-warMalvinas.htm

www.naval.com.br/.../falklandsmalvinas/guerra-das-malvinas-o-confronto-aeronaval-em-graficos/ -


BANDEIRANTES.

UM PEQUENO ESTUDO SOBRE OS BANDEIRANTES E SUA IMPORTÂNCIA PARA O BRASIL


Os
bandeirantes foram os exploradores que, em nome da Coroa, adentravam os sertões em busca de riquezas e escravos, na época do Brasil colônia. Vindos principalmente das vilas de São Paulo e São Vicente, os bandeirantes foram os verdadeiros “descobridores” do Brasil. As expedições organizadas pelos bandeirantes ocorreram do século XVI ao século XVIII e foram determinantes para a constituição do Brasil tal como é. Entretanto, a definição dos bandeirantes como herói ou vilão é uma questão ainda muito polêmica.

DOMINGO JORGE VELHO, BANDEIRANTE PAULISTA.

As Bandeiras, nome que recebiam as expedições organizadas por particulares, ou Entradas, expedições oficiais financiados pela Coroa, de início, visavam mesmo à captura dos índios para utilização da sua mãe de obra nas plantações. Os bandeirantes embrenhavam-se na mata seguindo, geralmente seguindo o curso de rios, abrindo trilhas e vez ou outra fixando postos de descanso que mais tarde, viriam a dar origem a cidades.

Principalmente após o século XVII a bandeiras passaram a ter como objetivo a busca por ouro e pedras preciosas, mas os bandeirantes ficariam conhecidos mesmo é por terem sido os grandes desbravadores das terras brasileiras e os principais responsáveis pelo estabelecimento de muitas cidades.

Para compreender sua importância basta pensar que quando o Brasil foi descoberto, éramos um imenso matagal ocupado e conhecido apenas pelos índios.

BARTOLOMEU BUENO DA VEIGA

Em cada região existiram bandeiras que foram muito importantes cada qual a sua maneira. Mas as que desbravaram o território dos, hoje, Estados de Goiás e Mato Grosso, tiveram um papel importantíssimo para a expansão do território brasileiro e definição da fronteira para além do que era definido no Tratado de Tordesilhas. Os principais bandeirantes desta região foram: Bartolomeu Bueno da Veiga, chamado de “Anhanguera”, Alvarenga e Antônio Pedroso.

Por outro lado, a história das bandeiras foi uma história de violência para com os indígenas. Estes foram praticamente dizimados pelos bandeirantes e, quando capturados eram escravizados e obrigados a um trabalho forçado tal qual os negros trazidos da África.

VOCÊ QUER SABER MAIS?

CARVALHO FRANCO, Francisco de Assis, Dicionário de Bandeirantes e Sertanistas do Brasil, Editora Itatiaia Limitada - Editora da Universidade de São Paulo, 1989.

COSTA MATOSO, Códice Matoso -Coleção das notícias dos primeiros descobrimentos das minas da América que fez o doutor Caetano da Costa Matoso sendo ouvidor-geral das de Ouro Preto, de que tomou posse em fevereiro de 1749 & vários papéis, Belo Horizonte, Edição da Fundação João Pinheiro, 1999.

COSTA, Joaquim Ribeiro. Toponímia de Minas Gerais, Belo Horizonte, Editora Itatiaia, 1993.

CUNHA BUENO, Antônio Henrique Bittencourt, BARATA, Carlos Eduardo, Dicionário das Famílias Brasileiras, Editora Ibero Americanas, dois tomos e quatro volumes, São Paulo, 1999.

ELLIS JÚNIOR, Alfredo, O Bandeirismo Paulista e o Recuo do Meridiano, Companhia Editora Nacional, São Paulo, 1934.

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

DIFERENÇAS ENTRE O INTEGRALISMO E O LINEARISMO.


Se Você amigo tem encontrado dificuldades em entender as diferenças entre as duas vertentes de pensamentos oriundos da Ação Integralista Brasileira (A.I.B) vou procurar esclarecer alguns pontos que serão de extrema ajuda para os interessados no assunto.

Em respeito aos e-mails recebidos de amigos também interessados em compreender essas sutilezas entrei nessa pauta baseando-me nos ensinos da F.I.B (Frente Integralista Brasileira). Cito então:


Entre as tentativas de deturpação da Doutrina do Integralismo, preocupa-nos especialmente uma coisa chamada linearismo.
O que vem a ser isso? Segundo um de seus membros, seria uma nova vertente ou corrente interna do Integralismo. Mas, seria apenas isso?
Um exame dos textos veiculados na página da doutrina linear vai responder-nos:
O linearismo não é uma corrente nova dentro do Integralismo, mas, um outro e diferente pensamento(“Criamos de forma destemida uma nova filosofia: a Filosofia Linear.”), que diz ter feito empréstimos(“tomamos emprestado(...)da Filosofia Integralista”) e se inspirado na Doutrina do Sigma, porém, presumindo-se mais avançado e atual que o Pensamento Integralista(“Essa estrutura é derivada claramente da estrutura integralista, alcançando terrenos científicos e filosóficos mais descritivos e atuais.”).
Portanto, além de uma alegada e suposta influência, o linearismo não é o mesmo que o Integralismo, nem mesmo uma corrente – o que já seria um absurdo inadmissível. No entanto, vemo-lo querer misturar-se e confundir-se com o Integralismo! Pois, o linearismo, ao invés de seguir sua carreira singular, resolveu apresentar-se como Movimento Integralista, mas, atualizado... Para tanto, primeiro, reconceituou linearmente o Integralismo como um ente em mutação(“Entendemos portanto, que o Integralismo, enquanto projeto político-filosófico, deve ser um ente dinâmico, ou seja, uma instituição em constante mutação,(...)”), definição esta que nenhum Integralista com conhecimento da Doutrina pode aceitar; segundo, esvaziou a Autoridade impositiva da Doutrina Integralista, substituindo-a pelo assembleísmo burguês(“em constante debate com membros”), também inaceitável para um Camisa-Verde autêntico; terceiro, o linearismo lançou-se a tarefa de construir um novo Integralismo(“estamos trabalhando duro para a instalação de uma nova filosofia integralista”), o que nenhum Integralista sincero aprovará.


IV SIMPÓSIO NACIONAL ESTADO E PODER: INTELECTUAIS DE 8 A 11 DE OUTUBRO DE 2007 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO, SÃO LUÍS/MA.

A BUSCA INCESSANTE PELO SIGMA: o integralismo no século XXI

Márcia Regina da Silva Ramos Carneiro

(Instituto Superior de Ciências Humanas

e Sociais Anísio Teixeira).


Outro grupo que se considera a continuidade do movimento na atualidade é a Frente Integralista Brasileira. Para os militantes da FIB a obediência aos princípios básicos são respeitados quanto à interpretação católica da doutrina. Seguem a Rerum Novarum. A FIB tem como seu setor de estudos da doutrina o apoio do CEDI, o Centro de Estudos e Debates Integralistas, com núcleos espalhados por diversas partes do Brasil e que se comunicam por meio da internet, mas mantém independência em termos de produção e organização interna. A FIB utiliza a Casa de Plínio Salgado localizada na capital paulista para reuniões. Eles têm o apoio dos irmãos Carvalho, que se sucedem na presidência da Casa em três mandatos, que foram plinianos na década de 1930 e “águias brancas” na juventude. Atualmente, são importantes guardiões da memória do período da AIB, na infância e mais ainda dos tempos do PRP. Ainda há o Movimento Integralista Linearista Brasileiro (MIL-B) que interpreta a doutrina, como dizem, com os olhares do século XXI. Incorporam a leitura científica, da ordenação newtoniana, da negação dos dogmas e do relativismo, mas submetendo todo conhecimento produzido pelos homens à inspiração divina. Seguem Santo Agostinho ao quererem demonstrar a existência do divino apenas pela fé. Pois, para eles, Deus apenas existe e move o Universo. Este é visto através da coerência da ordem da natureza concebida por Deus defendida por Leibniz. Seguem, principalmente, Gustavo Barroso. Afirmam que não há discriminação racial, mas constatação que certos grupos formados por judeus controlam o mundo através do poder econômico. Para os linearistas, se existe Deus como força absoluta e motor de toda a natureza, há o outro lado espiritual que habita as trevas, que governa os interesses de destruição da moral, da família e da Pátria. O objetivo central do linearismo seria alinhar a visão cientificista de mundo com a visão espiritualista e congregar os dois paradigmas num só. Segundo os linearistas, não se pode analisar a espiritualidade sem se analisar as condições científicas e racionais de nossa realidade. No entanto, alertam para se tomar cuidado em não se cair numa visão dogmática e relativista da realidade humana, na sua concepção. A oposição ao materialismo não significa apenas negá-lo. É necessário estudá-lo e compreendê-lo. Para Cássio Reis, presidente do MIL-B (2007), é preciso interpretar o “fundamento santificado da essência racional do Homem” que estaria nas obras de Santo Agostinho, Immanuel Kant e Bertrand Russell. O MIL-B, como associação, ainda conta com o apoio da SENE, a Sociedade de Estudos Nacionalistas e Espiritualistas que é considerada pelo grupo, uma instituição de estudos acadêmicos e filosóficos. Segundo o presidente do MIL-B este congrega integralistas e linearistas e a SENE é uma instituição mais ampla que congrega também monarquistas, maçons, membros religiosos, nacionalistas de vários matizes. Para os linearistas, o Integralismo da década de 30 teve forte tendência nacionalista e colaboração da Igreja Católica. Mas segundo eles, uma das grandes preocupações de Plínio Salgado teria sido discutir a base cientificista dos Séc.XIX e XX do ponto de vista espiritualista. Assim sendo, Chefe Nacional teria iniciado um novo paradigma que pretendia fundir Ciência e Fé numa mesma visão Integral do Homem. Ainda, como coloca Cássio, a questão científica não teria sido bem explorada na época, pois faltava ao Chefe Nacional os conhecimentos em Física ou Matemática, embora conhecesse os trabalhos de Newton e Einstein, a Filosofia Analítica, a Mecânica Quântica, a Biologia Molecular, a Teoria Quântica da Matéria etc. Os novos integralistas absorvem as memórias das obras e do contato com os integralistas de gerações anteriores e apresentam o novo trunfo: a internet.

VOCÊ QUER SABER MAIS?

http://www.integralismo.org.br/novo/?cont=175&vis=


sábado, 25 de setembro de 2010

JUDAISMO REJEITA O SIONISMO.

"Rabino" ataca Palestinos! Comunidade judaica Ortodoxa do Mundo condena seus atos.



29 de Agosto de 2010

Os Anti-sionistas judeus ortodoxos recusam, com desgosto as últimas manifestações do discurso de ódio do rabino Ovadiah Yosef, ex-rabino sefardita chamados chefe do Estado sionista ilegítimo de "Israel", no qual ele chamou os palestinos "malignos" e amaldiçoou com a morte.


"A Torá ordena que os judeus de viver em paz e harmonia com seus vizinhos não-judeus em todas as partes do mundo, de acordo com o mandamento bíblico:" Buscai o bem-estar da cidade a que me exilou-o. "Esse tipo de retórica é contra a Torá de Deus, repugnante para dizer no mínimo e só pode levar a mais ódio e conflito ", disse o rabino Yisrael Dovid Weiss do Neturei Karta International.

"Este rabino e outros como ele não podem representar o judaísmo ou a Torá, assim como o Estado sionista de" Israel ", que é uma rebelião contra o Todo Poderoso, não pode representar a Torá ou os judeus do mundo real com a Torá. Seu uso do nome "Israel" é falsa.

"Esse rabino é um membro de sefarditas judeus, os judeus dos países árabes. Se ele só olhar para trás, para sua própria comunidade e história dele, ele iria perceber que os judeus podem, e sim, viver em paz com os árabes, por muitos séculos. Quando os judeus foram perseguidos , mortos e expulsos de outras partes do mundo, os países árabes desde um refúgio seguro e congratulou-se com os judeus de braços abertos. Na Palestina, assim, os judeus gozavam este hospitalidade quando palestinos e judeus coexistiam em harmonia para muitas gerações, como é bem documentadas em livros judaicos da época. Foi só o sionismo, com seu roubo e da opressão do povo palestino, que pôs fim a essa coexistência.

"Somos obrigados pelo Todo Poderoso, como afirma em Sua Torá, para expressar nossa gratidão e retribuir a boa derramou sobre nós. Assim devemos ser eternamente grato ao mundo árabe para hospedar o nosso povo. Que ironia, como trágico e do mal disto é que precisamente estes os países árabes e os povos árabes são acusados de serem nossos inimigos.

"De acordo com a Torá, os judeus estão no exílio, e são proibidos de ter um Estado próprio. Da mesma forma somos proibidos de matar, roubar e oprimir outro povo, etc. Portanto, contanto que o estado sionista continua a existir, nós acreditamos que que não há como a verdadeira paz pode ser alcançada. A Terra Santa deve ser devolvida aos seus legítimos donos, os palestinos.

10 de agosto de 2010: Anti-sionistas ortodoxos protestam judeus fora da ONU prédio em Nova York contra as atrocidades sionistas, incluindo o ataque à esquadra humanitária para Gaza.

"Nós rezamos para o desmantelamento rápida e pacífica do Estado sionista de Israel. Naquela época, voltará a ser capaz de realmente coexistir em paz e harmonia, como fizemos durante a nossa longa história. E naquele momento nós seremos capazes de cumprir o mandamento da Torá (mitzvá) de lembrar e retribuir o bem feito para nós. Que possamos ter o mérito de ver isso em breve em nossos dias.

"Finalmente, podemos ter o mérito de ver a revelação da glória do Todo-Poderoso, quando toda a humanidade irá servir o Todo-Poderoso juntos em harmonia, como dizemos em nossas orações", e todos eles vão formar uma empresa para fazer a Sua vontade incondicionalmente. Amém ".

VOCÊ QUER SABER MAIS?


http://www.nkusa.org/activities/Statements/20090429IID.cfm

http://www.nkusa.org/activities/Statements/2006Nov9.cfm

http://www.nkusa.org/activities/Statements/2006July19.cfm

http://www.nkusa.org/activities/Speeches/20081227.cfm

GUSTAVO BARROSO, RACISTA?

TEXTO EXTRAÍDO NA INTEGRA DO BLOG INTEGRALISMO.BLOGSPOT.COM de Sérgio de Vasconcellos.

Imagem inserida pelo Construindo História Hoje. Aqui em nosso Brasil o legal é sermos iguais ( Todos brasileiros) na diferença ( Nossa nação é formada por uma infinidade de povos).

Hoje corre mundo a afirmação de que Gustavo Barroso era racista, acusação que ganhou ares científicos depois que “historiadores” passaram a sustentá-la e divulgá-la. No entanto, como procedem os “ilibados” pesquisadores? Pegam passagens em que Barroso fala de anti-semetismo, amputam-nas, descontextualizam-nas, adulteram-nas mesmo, e apresentam tais trechos falsificados como “prova” incontestável que o nosso saudoso Companheiro era Justificarracista. Nós, Integralistas, sabemos perfeitamente o que pensar desta caterva, que de historiadores só possuem o rótulo, pois, são, na verdade, marxistas se fingindo de pesquisadores. Mas, muitos Brasileiros se deixam iludir pela pretensa cientificidade das provas apresentadas e, na impossibilidade de verificar direta e pessoalmente as fontes, acabam por curvar-se ao argumento de autoridade, afinal, estariam mentido tantos professores, mestres e doutores? Sim, infelizmente, estão mentindo, mentindo pela gorja, e o que estes canalhas escrevem não vale o que o gato enterra.

Mas, perguntar-me-ão, Barroso não falou em “anti-semitismo”? Sim, de fato, Gustavo Barroso empregou tal expressão, porém, toda a questão é esta: Teria Gustavo Barroso, naquela época, o mesmo entendimento de “anti-semitismo” que o imposto pelos supostos historiadores que pontificam totalitariamente nas Universidades ou mesmo pelo simples senso comum dos nossos dias? Para responder de forma leal e sincera, transcreverei a seguir alguns trechos do Autor de “O Integralismo em Marcha”.

Eis o que ele disse no "O Integralismo e o Mundo", pág. 17:
"Separam-nos, no entanto, diferenças profundas: O Fascismo se enraiza na gloriosa tradição do Imperio Romano e sua concepção do Estado é cesariana, anti-cristã. O Estado nazista é tambem pagão e se basêa na pureza da raça ariana, no exclusivismo racial. Apoiado nêste, combate os judeus. O Estado Integralista é profundamente cristão, Estado forte, não cesarianamente, mas cristãmente, pela autoridade moral de que está revestido e porque é composto de homens fortes. Alicerça-se na tradição da unidade da pátria e do espirito de brasilidade. Combate os judeus, porque combate os racismos, os exclusivismos raciais, e os judeus são os mais irredutiveis racistas do mundo" (Gustavo Barroso, "O Integralismo e o Mundo". 1ª edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1936, 290 págs.).

Ora, Barroso, julgava o seu "anti-semitismo" uma forma de ANTI-RACISMO e não de racismo, e isso pode ser confirmado pela seguinte passagem de "Judaísmo, Maçonaria e Comunismo", pág. 10: "Entre nós, o anti-semitismo não póde provir dum sentimento racista, porque o brasileiro é eminentemente contrário a qualquer racismo; porém, dêsse sentido exatamente anti-racista. O que traz o mundo nos sobressaltos continuos atuais, minado pelo revolucionarismo e pelo terrorismo, é justamente o racismo judaico. O judeu não se mistura com outros povos, mantem através dos séculos a pureza de sua raça, e, dentro das outras nações, alicerçado nêsse racismo, conserva a sua nacionalidade, feito um Estado dentro do Estado"(Gustavo Barroso, "Judaísmo, Maçonaria e Comunismo". Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1937. 235 págs., il.). Portanto, paradoxalmente, ele era um "anti-semita" por ser anti-racista... Evidentemente, não estou entrando no mérito da justeza ou não da apreciação barrosiana sobre os judeus, só estou dizendo que ele não se entendia como racista, e atribuir a ele intenções racistas redundará numa compreensão viciosa e viciada do seu Pensamento. Também não pretendo tapar o Sol com a peneira, pelo contrário, estou querendo impedir que seus raios sejam interceptados por algum material opaco...

Não concordo, não posso concordar, que se coloque o Pensamento Barrosiano numa camisa de força ideológica, pré-estabelecida, que assim pode ser caracterizada: Todo o anti-semitismo é racismo; ora, Gustavo Barroso era anti-semita, logo, Gustavo Barroso era racista. Sinto, me perdoem, mas não posso compactuar com tal silogismo – um belo sofisma! -, um reducionismo que não esclarece coisa alguma, ao contrário, só serve para dificultar a apreensão e compreensão da Obra Barrosiana em sua especificidade.

Já transcrevi aqui dois trechos de Gustavo Barroso, em que ele diz claramente que o seu anti-semitismo não é racismo. Que ele não enfocava esse tema sobre o prisma racial, ele o diz desde a primeira Obra em que aborda a “Questão Judaica”(como se dizia na época), “Brasil, Colônia de Banqueiros”, onde afirma na pág. 71: “O anti-semitismo é muito mais antigo que o cristianismo. Nem foi creação dêste. Porque o judaísmo foi o problema mais dificil e perigoso de todos os tempos, não como problema racial ou religioso; porem como problema politico e econômico”(Gustavo Barroso, “Brasil, Colonia de Banqueiros. 2ª edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1934, 259 págs.).

Vejam o que diz Barroso no “Judaísmo, Maçonaria e Comunismo”, pág. 128:
Não somos racistas e encontramos apesar de natural simpatia pelo Nazismo, graves defeitos no racismo germanico, os mêsmos que brilhantemente aponta Pierre Lucius no seu livro “Les Révolutions Étrangéres”. Um brasileiro profundamente brasileiro e ao mesmo tempo descendente de raças as mais diversas só por um contrasenso seria racista. Aliás, o estudo constante e amoroso de nossa história mostra que a Nação brasileira é o produto de um espirito de continuidade, de um sentimento e de um pensamento comuns, sem cor de pele ou indagação de procedencia.
“Então, por que combate sem coerencia o judaismo? Perguntarão os abelhudos. E responde-se, serenamente: Combate-se o “racismo judaico” em nome da ausencia de racismo brasileiro. Não se pode admitir que o povo de Israel entenda de se não misturar com os outros, de ser um quisto irredutivel no seio de todos os povos; não se póde admitir que os judeus nascidos no Brasil pertençam a “colonias israelitas” e a toda a espécie de organizações israelitas públicas e secretas”(Gustavo Barroso. “Judaismo, Maçonaria e Comunismo”. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1937, 235 págs., il.).

No livro “Sinagoga Paulista” – que tanta celeuma causou -, no meio de um capítulo em que critica um judeu paulista, revela nas págs. 68 e 69, que o filho do dito judeu é Integralista e mais, que esperava que o mencionado judeu “imite o filho, vista uma camisa-verde e venha trabalhar conôsco”(Gustavo Barroso, “Sinagoga Paulista”. 3ª edição revista e com acrescimos. Rio de Janeiro: Empresa Editora ABC, 1937, 281 págs.). Ora, se Barroso fosse um anti-semita racista, não seria mais lógico que ele combatesse a entrada de judeus na A.I.B ao invés de concitá-los a vestir a Camisa-Verde?

Poderia multiplicar as citações, mas, para quê? Afinal, para os inteligentes, as que fiz serão suficientes. Para os demais, basta o dito de nosso sábio Povo: Quem é burro, pede a Deus que o mate e o diabo que o carregue.

Não conheci Barroso, mas, fui amigo pessoal de vários Integralistas que o conheceram e privaram de sua amizade – só para citar um, o Companheiro Benedicto de Aquino, que aparece depondo no filme “Soldados de Deus” -, e, posso afirmar com tranqüilidade e certeza do que estou dizendo que, Gustavo Barroso não nutria qualquer preconceito racial em relação aos judeus. Ninguém é obrigado a acreditar na minha palavra, mas, isso não alterará a verdade em nada.

Só quero deixar bem claro que, não tirei da Obra de Barroso nada que ela não contivesse, ao contrário dos pseudo-historiadores, que atribuem à Barroso opiniões que ele nunca externou. Barroso não era racista, e os que prosseguirem mantendo este julgamento, não estão mais no terreno da razão, mas, no da crença, crença pessoal e ideológica, de que Barroso era racista. Não conheço toda a Obra de Gustavo Barroso, que é imensa - só perde para Coelho Netto em número de livros publicados -, mas, já li todos os seus Livros Integralistas, vários anteriores ao Sigma, e diversos posteriores ao fechamento ilegal da A.I.B. pelo funesto Estado Novo, e, adianto, que nada encontrei neles que justificasse a afirmação de que Gustavo Barroso era racista. Portanto, concluindo, não estou no terreno da crença, mas, no da Verdade, no da autêntica Ciência Histórica, no terreno dos fatos e dos documentos, e, portanto, posso afirmar com toda a Razão: Gustavo Barroso era anti-racista.

Antes de finalizar, não posso deixar de abordar um aspecto que ficou em aberto mais acima: Não seria exagerada a opinião de Gustavo Barroso em atribuir aos judeus um posição racista? Ora, todos nós que convivemos com judeus, por qualquer razão, podemos dar o nosso testemunho de que os mesmos não são racistas, muito pelo contrário. Então, como explicar a surpreendente generalização de Barroso? Na época em que escreveu sua denúncia, a maioria dos judeus no Brasil eram estrangeiros, recém chegados, portanto, com as cautelas comuns aos imigrantes – judeus ou não -, o que reforçaria o estereótipo do judeu que não quer integrar-se na Vida Nacional. Nós, que vivemos sete décadas depois, quando duas gerações de judeus – filhos e netos daqueles imigrantes -, não só nasceram, mas se deixaram assimilar perfeitamente pelo nosso Povo, sendo bons Brasileiros, sem os pruridos exclusivistas de seus avós, temos uma visão da colônia judaica de que não poderia dispor o ínclito Gustavo Barroso. Evidentemente, não estou dizendo que não existam judeus racistas, eles existem e são ativos, como o prova – só para citar um exemplo -, o artigo da revista judaica “Veja”, de tempos atrás, onde os judeus – também tomados generalizadamente – são apresentados como superiores aos demais Povos.

Outrossim, entre os próprios judeus há manifestações de anti-judaismo, e exemplo famoso e inquestionável é o do judeu Kyssel Mordechai, mais conhecido por Karl Marx, que no seu “A Questão Judaica”, denuncia generalizadamente o judaísmo. Portanto, se algum fanático, desses que vêem nazistas até debaixo da cama, quiser vir com acusações ridículas, sugiro que vá primeiro fazer uma auto-crítica junto dos seus pares e depois, venham... nos pedir desculpas – aos Soldados de Deus e da Pátria – pelas injúrias que sempre assacaram contra o Integralismo.

(Obs.: Em todas as transcrições conservei a ortografia da época)

VOCÊ QUER SABER MAIS?

integralismo.blogspot.com

PIRÂMIDE DE QUEÓPS. LIVRO DE PEDRA E OBSERVATÓRIO ASTRONOMICO.

PIRÂMIDE DE QUEÓPS.

NÃO É APENAS UMA TUMBA, MAS UM LIVRO DE PEDRA.


Existe uma tradição copta que a grande pirâmide foi construída durante o reinado dos deuses antes do dilúvio. Ao seu redor existem conchas, fósseis marinhos, e depósitos de sal no interior.


__Esta alinhada com os pontos cardeais.

__Sua diagonal divide ao meio o delta do nilo.

__Uma linha atravessando seu centro se estende pelo paralelo 30° N.

__A medida da base d pirâmide dividida duas vezes por sua altura dá o valor de Pi 3,1416.

__A soma de duas diagonais da base dá o ano platônico do zodíaco.

__A abertura da galeria do rei aponta para onde estava a Estrela Polar, quando foi construída a pirâmide.

__Traçando uma linha reta a partir da base sul, atravessando as diagonais cruzadas ao centro ela deixará de atingir o polo norte por apenas 6,5 quilômetros (desvio causado pelo deslocamento do polo norte desde a época de sua construção).


Em 1864, o Astrônomo Real da Escócia, Charles Piazzi Smyth, divulgou sua teoria com relação à Grande Pirâmide, baseado em uma unidade de medida que ele chamou de polegada piramidal, equivalente a 1,001 polegadas. O prestígio daquele cientista, sem dúvida, deu um poderoso ímpeto ao movimento em busca da solução de um mistério, o qual, após mais de um século de teoria e contra-teoria não mostra sinais de ter atingido a exaustão. Segundo a piramidologia, como ficou conhecida essa corrente de pensamento, o conjunto estrutural da Grande Pirâmide esconde uma história codificada da raça humana sobre a Terra. Medidas exaustivamente tiradas de cada pedra, cada ângulo, cada fiada, cada fresta, são a base dessas hipóteses.

Piazzi Smyth aceitou a data de 2170 sugerida por Herschel como válida, mas estranhou o fato do corredor descendente apontar para uma estrela polar relativamente sem importância. Sua lógica dizia que deveria haver também, na mesma data, uma importante estrela zodiacal ou equatorial alinhada para o sul. Descobriu, então, naquela posição, alinhada diretamente com o vértice da pirâmide, a estrela principal de um grupo de sete estrelas chamadas Plêiades, conhecida como Alcione ou Eta Tauri. Essa coincidência de posicionamento — Alcione sobre o vértice da Grande Pirâmide e Alfa Draconis em linha com o corredor descendente — ocorre apenas uma vez em cada 25.827 anos, ou seja, um ciclo sideral. Smyth concordou, portanto, que no outono do ano 2170 a.C. o ângulo do corredor descendente do monumento estava sendo estabelecido e a obra em andamento.


VOCÊ QUER SABER MAIS?


Berlitz, Charles; O Mistério de Atlântida; Tradução de Vera Teixeira Soares, Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1978.

PORFIRIAS: LICANTROPIA E HEMATOFAGIA.

PORFIRIAS

As porfirias são um grupo de doenças genéticas cujas causa pelo mal funcionamento da sequência enzimática do grupo Heme da hemoglobina (a hemoglobina é o pigmento do sangue que faz que este seja vermelho e é composta pelo grupo Heme e várias classes de globinas, segundo circunstancias normais que agora não veem ao caso).

Desenho de um Lobisomem, por Lucas Cranach em 1512.

O grupo Heme é quem transporta o oxigênio dos pulmões ao resto das células do organismo e é um complexo férrico (em estado ferroso). Qualquer erro na hereditariedade que interfere na síntese do grupo Heme é capaz produzir doenças chamadas Porfirias.


SINTOMAS


Fotossensibilidade, Hirsustino (crescimento de pelos). A pele pode apresentar zonas de pigmentação ou despigmentação. As Porfirinas acumuladas na pele, podem absorver luz do sol em qualquer longitude, tanto no espectro ultravioleta, como no espectro visível e logo transferir sua energia ao oxigênio que proveem da respiração. O oxigênio normalmente não é toxico, mas como excesso de energia transferido pelas porfirinas o oxigênio se libera sob a forma de oxigênio altamente reativo. Este oxigênio altamente reativo, produz destruição dos tecidos, pontas dos dedos, o nariz, a boca etc. Oxidando essas áreas de forma violenta, com severa inflamação em forma de queimação.

OS MITOS

Agora procure pensar na Idade Média uma pessoa com essa doença. Com a pele completamente branca cheia de pelos, sem poder andar de dia devido a irritação na pele causada pela doença, vagando pelas noites a procura de comida e abrigo, com o rosto desfigurado.

Agora o que alguém que o encontra pensaria?

Foi ai que nasceu o mito do lobisomem ( Licantropia) e dos vampiros (Hematofagia). Procuro por meio desse estudo mostrar que por detras de todo mito existe pontos verdadeiros e por isso mesmo devem ser estudados.

VOCÊ QUER SABER MAIS?


http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/literatura-lendas-e-mitos-do-folclore/lobisomen.php


http://www.porfiria.org.br/porfirias.htm

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.