-

-

terça-feira, 31 de agosto de 2010

FORÇA EXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA.

O BRASIL E A SEGUNDA GRANDE GUERRA MUNDIAL


A Insígnia da FEB




A insígnia da FEB é formada por uma cobra verde que está fumando um cachimbo, sobre um fundo amarelo. Em cima da figura da cobra está escrito BRASIL em branco sobre um fundo azul. O contorno do emblema é em. O significado de tudo isso: o fundo amarelo, a cobra verde, as letras brancas e o o fundo do letreiro em azul, representam as cores da bandeira; a borda vermelha significa a guerra. A cobra fumando foi o símbolo escolhido em resposta a um repórter carioca que dizia " é mais fácil a cobra fumar do que o Brasil entrar na guerra"


Generais da Divisão Brasileira: Zenóbio da Costa, Mascarenhas de Moraes e Cordeiro de Farias, no desfile da Divisão Expedicionária no Rio de Janeiro, em 24 de maio de 1944. Foto escaneada do livro Mascarenhas de Moraes - Memórias - I volume


A Cobra Fumou...

A 28 de janeiro de 1942, durante a Terceira Conferência dos Chanceleres Americanos no Rio de Janeiro, anunciava o Governo do Brasil o rompimento de suas relações com a Alemanha, o Japão e a Itália, por efeito de seus compromissos internacionais em face da agressão a Pearl Harbour (7 de dezembro de 1941). Em conseqüência desse ato, entrou o Brasil em grande atividade militar para a segurança e a defesa de suas costas, quando, ao mesmo tempo, cedia aos Estados Unidos o uso, durante a conflagração, de suas bases militares - Belém, Natal, etc. Tradicionalmente favorável aos Aliados, vinha a opinião pública se inflamando diante dos ataques praticados por submarinos alemães e italianos contra os nossos navios mercantes e nessas manifestações patrióticas inspirou-se o Presidente Vargas para declarar guerra à Alemanha e à Itália, em data de 22 de agosto de 1942, com a desaprovação, talvez, de alguns auxiliares diretos do Governo. A nossa atitude, decorrente da declaração de guerra, poderia prudentemente limitar-se à defesa das costas, à concessão das bases militares, durante o conflito em curso, e à colaboração com as forças militares norte-americanas no patrulhamento do Atlântico Sul, porque, com a atitude mais avançada, iríamos incorrer, sem dúvida, numa aventura de grandes proporções. O Exército não possuía nem conhecia o material de guerra moderno, as suas organizações táticas eram arcaicas, os seus serviços, deficientes. Ressentia-se o seu moral, e se ressentiu durante toda a guerra, da falta de imprescindível preparação psicológica. Apesar do nosso precário poder militar, decide o chefe do Governo, iluminado por uma intuição, até certo ponto feliz, que as armas brasileiras participem do conflito de além-mar, como mais um tributo de solidariedade à causa aliada. Passou então a vontade do Presidente Vargas, a prevalecer nos novos rumos de nossa política exterior. Tal prevalecimento, todavia, não se pôde afirmar com desejável plenitude, porque permaneceram em seus postos da administração pública alguns auxiliares imediatos do chefe do Governo, sabidamente contrários à participação efetiva do Brasil numa guerra ao lado das Nações Unidas. Desde agosto de 1943 já vinham sendo traçadas as normas, em caráter sigiloso, para a organização da Força Expedicionária Brasileira (FEB), destinada a cooperar, além-mar, com os Exércitos Aliados na missão de destruir o inimigo comum. No dia 9 daquele mês e ano, consultado, no mesmo caráter, o General Mascarenhas de Moraes, comandante da 2ª Região Militar (São Paulo), por telegrama do Ministro da Guerra, se aceitaria o comando de uma das Divisões de Infantaria da Força Expedicionária, respondeu afirmativamente, de modo preciso e claro. Dias depois, tem ciência por comunicação telefônica do Ministro da Guerra, de que fora escolhido pelo Chefe do Governo, entre os generais consultados, para comandar a 1ª Divisão de Infantaria Expedicionária (1ª DIE), devendo a sua designação ser feita oportunamente. A 23 de novembro de 1943 é finalmente criada a Força Expedicionária Brasileira (FEB), com três Divisões de Infantaria e elementos orgânicos de Corpo de Exército, inclusive Aviação e Órgãos de Comando e de Serviços. No mês anterior já se tinha dado começo à organização da 1ª Divisão de Infantaria Expedicionária (1ª DIE), sob a orientação do General Mascarenhas de Moraes, para esse fim designado em 7 de outubro de 1943. Poderosas e vitais foram as razões que conduziram as nossas autoridades militares a estruturar a Grande Unidade expedicionária e seus elementos constitutivos segundo os meios, processos e tipos de organização, vigentes no Exército dos Estados Unidos e já consagrados pela experiência da guerra em pleno desenvolvimento. A tropa orgânica da Divisão de Infantaria Expedicionária (DIE), tipo americano, compreendia: 3 Regimentos de Infantaria, 3 Grupos de Artilharia 105, 1 Grupo de Artilharia 155, 1 Batalhão de Engenharia, 1 Esquadrão de Reconhecimento, 1 Batalhão de Saúde, 1 Companhia de QG, 1 Companhia de Intendência, 1 Companhia de Transmissões, 1 Companhia de Manutenção, 1 Pelotão de Polícia, 1 Banda de Música, 1 Destacamento de Saúde e 1 Pelotão de Sepultamento. Na organização da 1ª DIE foram aproveitadas, em grande parte, unidades já existentes, transformadas algumas e criadas outras. Numerosos e difíceis foram os obstáculos à tarefa de se organizar uma força expedicionária de acordo com os moldes norte-americanos. Há longos anos o Exército Brasileiro vinha sendo instruído por uma operosa missão militar francesa. Sua organização, seus regulamentos e seus processos de combate eram baseados na chamada "escola francesa". De repente, quase da noite para o dia, dentro da antiga moldagem, e no quadro da doutrina gaulesa, surgia a tarefa de constituir uma Divisão de Infantaria, com a organização norte-americana. E, além disso, instruí-la e adestrá-la segundo os métodos, processos e meios norte-americanos. Somente quem nunca se viu a braços com problemas análogos pode ignorar as dificuldades, as incompreensões e choques daí decorrentes. A nova organização exigia a criação de órgãos absolutamente novos e a revisão quase revolucionária de princípios, há muito firmados em nosso meio militar. O problema consistiu em fazer sair, de um maquinismo montado à francesa, uma Força Expedicionária que funcionasse à americana. A 1ª DIE, contou em seu seio, desde o início, cerca de três dezenas de oficiais das armas e serviços, com certa experiência dos processos de combate e instrução adotados nos Estados Unidos, pois tinham realizado proveitosos estágios em Unidades e Campos de treinamento daquele país amigo. Alguns chefes nossos, entre os quais avultam os generais Euclydes Zenóbio da Costa, Oswaldo Cordeiro de Farias e Falconiere da Cunha, estagiaram também na América do Norte, onde tiveram oportunidade de colher magníficos ensinamentos. Além de contar com este contingente para as tarefas iniciais de organização e adestramento, ainda era de inestimável valia para a 1ª DIE a visita do seu chefe divisionário às frentes de combate do provável teatro de atuação das forças brasileiras. Obra de realismo militar, essa visita produzia a vantagem de estabelecer proveitosas relações pessoais de comando, antes mesmo da chegada da tropa brasileira ao teatro da guerra. Nesta ordem de idéias e objetivos, o General Mascarenhas de Moraes, em data de 6 de dezembro de 1943, acompanhado de diversos oficiais, entre os quais um "Grupo de Observadores", partiu para o Norte da África e Itália. Neste último país, visitou demoradamente as frentes de combate e esteve em contacto com os mais abalizados chefes militares aliados desse Teatro de Operações. Somente a 28 de dezembro de 1943 é que foi publicada a designação do General Mascarenhas De Moraes para comandar a 1ª Divisão de Infantaria Expedicionária (1ª DIE), em confirmação da escolha feita pessoalmente pelo Chefe do Governo, em agosto último. Retornando ao Brasil em janeiro de 1944, o General Mascarenhas De Moraes fez sentir a necessidade de tornar mais efetiva a sua ação de comando, pois urgia concentrar a tropa expedicionária na Capital Federal, subordinando-a diretamente ao seu chefe. Na segunda quinzena de março de 1944 atingia ao seu término a concentração da 1ª DIE na Capital Federal, com alguns elementos no Estado do Rio de Janeiro, ficando assim essa Grande Unidade expedicionária debaixo do comando de seu chefe próprio.
Com a adoção da organização americana, na qual a motorização intensiva constitui a nota dominante, e em presença de um material de guerra, até então desconhecido nos meios militares brasileiros, era natural, senão lógico, a incorporação ao nosso patrimônio profissional de preceitos regulamentares e processos de instrução bem diferentes daqueles com os quais nos habituáramos nos exercícios dos tempos de paz. A preparação técnica e tática da 1ª DIE começou a ser encarada pelo seu comandante com a mais séria preocupação de vencer os obstáculos que surgiam por toda a parte. Apesar da atividade dos chefes expedicionários, nos diferentes escalões da hierarquia militar, a escassez de armamento e de outros materiais de guerra prejudicou a obtenção de um nível alto de adestramento, particularmente na instrução tática. Estava previsto, entretanto, um período final de adestramento, que seria realizado no próprio teatro da guerra, o que possibilitaria melhor lucro na instrução tática das unidades. Amiudavam-se as visitas, inspeções e verificações, realizadas pelos chefes expedicionários de todos os escalões. A 31 de março de 1944, desfilava pelas avenidas do Rio de Janeiro a Infantaria Expedicionária, sob o comando do General Zenóbio Costa, dando uma excelente prova de seu apuro físico e de sua disciplina. A 20 de maio de 1944 realizou-se, no Campo de Instrução de Gericino (Rio de Janeiro), com a presença do Presidente da República a esplêndida demonstração de tiro real, levada a efeito por toda a Artilharia Expedicionária, sob o comando do General Oswaldo Cordeiro de Faria. No dia 24 desse mesmo mês, em homenagem ao feito de Tuiuti, desfila pela Avenida Rio Branco a 1ª Divisão de Infantaria Expedicionária (1ª DIE), sob o comando do General Mascarenhas de Moraes, recebendo do Chefe do Governo e do povo as mais entusiásticas aclamações e as mais tocantes despedidas.


Marechal Mascarenhas de Moraes.
"A FEB pelo seu Comandante"


4 de maio de 1944 – Desfile da Divisão Expedicionária Brasileira, no Rio de Janeiro, antes do embarque para a Europa. Capitão Tácito Theóphilo à frente do batalhão saúda a Bandeira Nacional e o Presidente Getúlio Vargas.


Desfile da Divisão Expedicionária Brasileira, no Rio de Janeiro
Arquivo Diana Oliveira Maciel


Imagens do desfile - à frente o Capitão Tácito Theóphilo, que se tornaria, no Governo Geisel, Ministro do Estado Maior das Forças Armadas. Arquivo Gen. Tácito Theóphilo Gaspar de Oliveira.

"Há três dias despedi-me de minha mulher. Abracei-a consciente de que talvez nunca mais tornasse a fazê-lo. Chegara a ordem de embarque. Já ao lusco-fusco, reuni meus comandados e com eles embarquei nos caminhões que nos levariam ao cais do porto. No trajeto, homens do povo nos acenavam e desejavam boa sorte. Atracados estavam os transportes de tropa, profusamente iluminados; não se cansavam de "engolir" filas intermináveis de homens fardados de verde-oliva, com pesados sacos de lona às costas. Uma madrugada e foram amarrar a uma bóia. Lá está a Ilha das Enxadas, onde fui tantas vezes para visitar meu irmão Guarda-Marinha. Ali, a Ilha das Cobras e, adiante, a Ilha Fiscal. Vejo-as nitidamente de bordo. Permanecemos debruçados à amurada, presos aos pensamentos mais íntimos, deslumbrados com a beleza do Rio de Janeiro. Lá vão as barcas saindo de Niterói, sempre cheias. Para surpresa de todos nós, o Gen. Meigs largou a bóia e zarpou, às 12h20min daquele ensolarado dia 22 de setembro de 1944. Pouco depois passava frente ao Forte da Lage. A guarnição formada. Por três vezes a Bandeira Brasileira foi arriada, para novamente subir ao topo do mastro, saudando os que partiam para a guerra."
Gen. Tácito Theóphilo Gaspar de Oliveira
"Tempos e Homens que passaram à História"


Comemorações dos 65 anos das vitórias da FEB na Itália

Este ano é um ano muito especial para todo o mundo. Estamos comemorando os 65 anos do final da Segunda Guerra Mundial. Para lembrança deste importante acontecimento, solenidades diversas tem ocorrido em diversos países que fizeram parte do esforço que culminou com a derrocada do nazi-facismo.

Na última semana de abril, a FEB recebeu justas homenagens pela sua contribuição na libertação da Itália. Uma delegação de 16 veteranos participou de uma apertada agenda organizada pelos nossos irmãos Giovanni Sulla, Mario Pereira, Cel. De Simone, Cel. Av. Almeida e muitos outros amigos em solo italiano.

Além do Embaixador do Brasil naquele país, e de toda a nossa aditância no local, também estiveram presentes para prestigiar aquele momento de tamanha importância para a FEB, para as nossas Forças Armadas e para a história do nosso povo: O Exmo. Ministro da Defesa Nelson Jobim, o General de Exército Enzo Martins Peri (Comandante do Exército), o Ten. Brig. Do Ar Juniti Saito (Comandante da Aeronáutica), o Gen. Div. Etchegoyen, e o Ten. Brigadeiro do Ar Marco Aurélio Mendes (ambos do Ministério da Defesa), o Dep. Federal Ciro Pedrosa (criador da Frente Parlamentar que defende os interesses da FEB), representantes do Grupo Histórico FEB, autoridades civis e militares italianas.

A delegação passou por cidades e locais importantes na campanha da FEB, dentre elas, Zocca, Montese, Pistóia, Fornovo di Taro, Montese, Vergato, Stafolis, Monte Castelo, Gaggio Montano.

Pela manutenção da história brasileira, escrita com o sangue dos nossos expedicionários!


VOCÊ QUER SABER MAIS?

maux@fortalnet.com.br

http://www.mauxhomepage.com/geraldomota/feb011.htm

http://www.anvfeb.com.br/


http://www.exercito.gov.br/01inst/feb/indice.htm


http://www.batalhaosuez.com.br/introducaoFEB1.htm


http://www.veteranos.org.br/

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

LINGUAGEM PERDIDA!

UM VISLUMBRE DA LÍNGUA PERDIDA


Documento de 400 anos mostra como os nativos peruanos usavam números (HARVARD GAZETTE).



Foto por Jeffrey Quilter


O verso de uma carta do início do século XVII mostra traduções do espanhol para os números de uma linguagem perdida.
No início do ano de 1600 no norte do Peru, um espanhol curioso fez algumas notas sobre a parte de trás de uma carta. Quatrocentos anos depois, os arqueólogos desenterraram e estudaram o papel, revelando o que parecem ser os primeiros vestígios de uma linguagem perdida.


"É um pequeno pedaço de papel com uma grande história para contar", disse Jeffrey Quilter, Que conduziu as investigações no Peru há mais de três décadas.
Quilter é diretor para assuntos de curadoria adjunta de Harvard no Museu Peabody de Arqueologia e Etnologia. Bem como o diretor do projeto arqueológico em Magdalena de Cao Viejo no Complexo Arqueológico El Brujo, onde o trabalho foi escavado há dois anos.


A escrita é um conjunto de traduções de nomes espanhóis dos números (uno, dos e tres) E algarismos arábicos ( 10/04 , 21, 30 , 100 e 200) para a língua desconhecida. Alguns dos números traduzido nunca foi visto antes, enquanto outros podem ter sido emprestado de Quíchua ou uma outra linguagem relacionada com local. Quíchua é falado ainda hoje no Peru, mas no início do século XVII muitas outras línguas faladas na região , tais como Quingnam.
Informações sobre essas línguas, hoje, é limitada. Mesmo assim, os arqueólogos foram capazes de deduzir que os falantes da língua perdida utilizado um sistema decimal como o nosso.


Quilter disse que essa lista simples oferece "uma visão dos povos antigos até o início do Peru colonial que falavam uma língua desconhecida para nós até agora”.
"O achado é importante porque oferece o primeiro vislumbre de uma linguagem até então desconhecida e um sistema de números", disse Quilter. "Também chama a atenção para a grande diversidade do patrimônio cultural do Peru no início do período colonial . As interações entre os nativos e os espanhóis foram muito mais complexa do que se pensava."


O nome da linguagem perdida ainda é um mistério. A equipe de investigação americana-peruano foi capaz de determinar que não era Mochica, falado na costa norte do período colonial, mas hoje extinta , e apontou para Quingnam e pescadora como possíveis candidatos. Nem Quingnam nem pescadora, contudo, têm sido documentadas para além de seus nomes. Existe ainda a possibilidade de que Quingnam e pescadora são a mesma língua, mas eles foram identificados como línguas distintas, no início de escritos coloniais da espanha , assim que uma conexão definitiva ainda não foi estabelecida.


VOCÊ QUER SABER MAIS?


http://news.harvard.edu/gazette/story/2010/08/a-glimpse-of-lost-language/


http://www.harvardscience.harvard.edu/culture-society/articles/maya-aztec-monument-casts-get-shake-out-dust


http://www.peabody.harvard.edu/


http://www.fas.harvard.edu/~anthro/quilter/index.html

domingo, 29 de agosto de 2010

INTEGRALISMO!

ESTADO TOTALITÁRIO E ESTADO INTEGRAL




Os integralistas querem o Estado Totalitário?


Não; os integralistas querem o Estado Integral.


O Estado Totalitário não é a mesma coisa que o Estado Integral?


Não.


O Estado Totalitário tem uma finalidade em si próprio; absorve todas as expressões nacionais e sociais, econômicas, culturais e religiosas; subordina a "pessoa humana" e os grupos naturais ao
seu império.

O Estado Integral, ao contrário, não tem uma finalidade em si próprio; não absorve as expressões nacionais e sociais, econômicas, culturais religiosas; não subordina a "pessoa humana "e os grupos naturais ao seu império; o que ele objectiva,é a harmonia entre todas essas expressões, a intangibilidade da "pessoa humana".


Por que motivo os integralistas não querem o Estado Totalitário?


Os integralistas não querem o Estado Totalitário, porque os integralistas adotam uma filosofia totalista, isto é, tem do mundo uma concepção totalitária .


Não há uma contradição nisso? Se os integralistas concebem o universo de um ponto de vista totalitário, como é que não concebem o Estado da mesma maneira?


Os integralistas são lógicos, tendo uma concepção totalitária do mundo e uma concepção não totalitária do Estado. É evidente que, sendo o Estado uma das expressões do mundo, se este é considerado em seu conjunto, o Estado tem de ser considerado como uma "parte" do conjunto. Se adotarmos o Estado Totalitário, então‚ que ficamos em contradição, fazendo uma "parte" absorver as outras partes.


Mas um jornalista escreveu, que os integralistas ensinam uma doutrina confusa, porquanto o Estado Forte, o Estado Leviathan de Hobbes compreende a absorção de todos os elementos sociais pela autoridade estatal... Como respondem os integralistas?


O jornalista ouviu falar em Hobbes, sem ter a menor noção do assunto. Basta dizer que Hobbes é um materialista, um naturalista, ao passo que nós somos espiritualistas. A conclusão a que Hobbes chegava, era a de que o homem não presta, inclinado aos vícios e à maldade e, por conseguinte, a sociedade tinha de ser governada com pulso de ferro, por um Estado absorvente de todas as liberdades, impondo a disciplina pela força. Esse‚ o Estado "Leviathan" hipertrofiado e gigantesco. Ao contrário de Hobbes, um outro filósofo chamado Locke, também materialista, também naturalista, pensava que o homem é bom, que as leis, o arbítrio do Estado‚ que o tornam
mau. Baseado no mesmo materialismo experimental de Hobbes, chegava Locke à conclusão de que cumpria dar a máxima liberdade aos indivíduos, competindo ao Estado assegurar essa máxima liberdade. Bastava isso para que tudo corresse no melhor dos mundos.


Também J. J. Rousseau foi da mesma opinião de Locke. O "homem natural"de Rousseau exprime todo o seu pensamento político. O curioso nisto tudo ‚ que, partindo de um mesmo princípio (o naturalismo) Hobbes separa-se de Locke, porem ambos vão encontrar-se nas últimas conseqüências do Estado Liberal, isto é, no comunismo bolchevista, no estado socialista, que destrói toda a personalidade humana, os grupos naturais, a liberdade. Tanto Hobbes como Locke e Rousseau, são "unilaterais". O primeiro considera o Estado e pretende fortalecê-lo contra o indivíduo. O segundo considera o indivíduo e pretende armá-lo contra o Estado. Nós,
integralistas, consideramos a autoridade do Estado como uma força mantenedora do equilíbrio, de harmonia, dentro das quais gravitarão inter-independentes e sem choques, os grupos naturais e a personalidade humana. A "autoridade do Estado", para nós, integralistas, não é "Superior" nem "Inferior" aos outros "valores" sociais e nacionais ("Família", "Corporação" e "Município"; "Cultura", "Economia" e "Religião"). Trata-se de um "valor" diferente, de um elemento de natureza diversa que entra na composição das harmonias sociais e humanas.


Mantendo íntegras cada uma dessas expressões humanas, o Estado integral também a si próprio se mantém íntegro; não entrará nos domínios próprios de cada uma dessas expressões humanas
("Família", "Corporação" e "Município"; "Cultura", "Economia" ou "Religião").


A missão do Estado Integral ‚ manter equilíbrios, sustentar as harmonias sociais. Com esse objetivo, reivindica para si todas as prerrogativas que‚ lhe foram arrancadas e lhe são inerentes
mas nem por isso fere os legítimos direitos de cada um dos fatores humanos constitutivos do conjunto nacional.


Um Estado Forte não é um Estado Totalitário?


Não. Um Estado forte ‚ aquele cuja autoridade moral se fortalece pelo respeito que esse mesmo Estado vota à intangibilidade da "pessoa humana" e de todas as suas expressões grupais ou sociais. O Estado Totalitário seria o Estado Arbitrário. O Estado Integral ‚ o Estado de Direito, o Estado Mediador, o Estado Ético, conforme um princípio espiritualista cristão.


O Estado Integral é um Estado Forte?


É o único Estado Forte, justamente porque não é arbitrário, nem absorvente, nem anulador de legítimas liberdades.


Como consegue o Estado Integral ser forte?


Criando a consciência das "diferenciações" dos grupos humanos e das expressões sociais que passam a gravitar harmoniosamente no sentido do bem comum, cada qual com sua própria natureza, sua própria função, seus próprios objetivos. O Estado, por sua vez, penetra-se dessa consciência da sua natureza, da sua função e dos seus objetivos. Princípios imutáveis fixam os
limites de ação de cada pessoa e de cada grupo, assim como de cada expressão humana (Cultura, Economia, Religião). O Estado fortalece-se guardando os seus próprios limites e defendendo e sustentando as suas prerrogativas.


Como se entendem as prerrogativas do Estado?


Entendem-se não como direitos, porém como deveres.O mesmo jornalista acusou o Integralismo de não agir violentamente, para atingir o Poder; outros apontam o Integralismo como doutrina filiada ao fascismo e procuram demonstrar ser este um adepto de Sorel, tanto quanto o comunismo.


Que respondem a essas coisas os integralistas?


O Integralismo não tem agido pela violência justamente porque nada tem que ver com Sorel. O autor das "Reflexões sobre a Violência" é materialista, evolucionista, darwiniano. Toda a sua doutrina ‚ baseada no "struggle for life", a tal ponto que preconiza, como etapa indispensável da luta de classe, o fortalecimento da burguesia. Como Marx, que ‚ naturalista e continuador dos economistas liberais, Sorel aceita, integralmente, os mesmos princípios que já estavam em Hobbes, em Locke, em Rousseau. Só o fato de nós sermos espiritualistas evidencia que não somos soreleanos, que não adotamos a teoria da violência, pois seria a negação da nossa doutrina.

A nossa doutrina, a respeito do emprego da força é clara e não admite dúvida. Em princípio, condenamos toda e qualquer sedição; todas as conspirações, todos os golpes de mão; respeitamos a autoridade constituída; esse respeito irá até ao dia em que a referida autoridade já não puder manter o próprio princípio da sua autoridade e já não tiver meios de fazer a Lei, a Constituição serem cumpridas. Se isso acontecer, se praticamente não existir mais autoridade, então será em
obediência ao próprio princípio da autoridade que os integralistas terão o dever de usar da força, caso disponham dela, para evitar desgraças maiores, como a implantação do comunismo ou uma situação de anarquia.


Essa doutrina‚ a própria doutrina da Ordem no que ela tem de mais profundo. Ora, dentro desses princípios, respeitando as leis e as autoridades do país, não somos incoerentes e, sim, afirmamos a nossa coerência e a nossa dignidade de pensamento.

O Integralismo brasileiro não é, então, anti-democrático?

Não; o Estado Integral quer restaurar a democracia que já não existe no Brasil. Não é um destruidor do regime, mas o criador de novos órgãos capazes de revitalizar um regime morto.


O Integralismo - Gustavo Barroso.


"No fundo da alma de qualquer povo dormem, ignoradas, forças infinitas. Quem as souber despertar, moverá montanhas."

Gustavo Barroso


O Integralismo não é um partido político, nem de modo algum deve ser confundido com qualquer partido político. Os partidos políticos representam interesses parciais de um grupo de eleitores organizados à sombra de um programa destinado à duração dos mandatos daqueles que elege. O Integralismo põe o interesse da NAÇÃO acima de todos os interesses parciais ou partidários e se guia por uma doutrina, não por um programa.


O Programa é um projeto ou resolução daquilo que se pretende fazer em um tempo determinado. Doutrina é um conjunto de princípios filosóficos, morais e científicos na qual se baseia um sistema político por tempo indeterminado. A diferença é essencial. Uma doutrina dá origem a um incalculável número de programas. Um programa não produz nenhuma doutrina.


* Se não é partido, então o que é o Integralismo? – Perguntarão todos quantos se viciaram em compreender a política como simples jogo e manejo de partidos.


O Integralismo é uma Ação Social, um Movimento de Renovação Nacional em todos os pontos e em todos os sentidos. Prega uma doutrina de renovação política, econômica, financeira, cultural e moral. Prega essa doutrina, completa-a e a amplifica constantemente com seus estudos, e prepara os homens capazes de executar as medidas dela decorrentes. Abrange, nos seus postulados, indagações e finalidades, todas as atividades nacionais. Bate-se, não por um programa partidário regional ou local, - autonomista, evolucionista, constitucionalista, partido republicano mineiro, partido republicano paulista, partido democrático, etc.; mas pela construção do Mundo e do Homem até ás dos fatores econômicos (1).


Isto é uma Política, da qual decorre uma administração. Os partidos somente são capazes de chegar até um programa de administração. O Integralismo constrói uma Doutrina Política, em conseqüência da qual poderá formular inúmeros programas de administração.


Por isso, o Integralismo não compreende e não quer o Brasil partido, dividido: de um lado o povo, alistado em dezenas e mesmo centenas de partidos, votando em milhares de legendas que subpartem os partidos, sempre contrário ao governo, como se este fosse seu pior inimigo; de um lado, o povo iludido pelo politiqueiros, contrapondo-se ao Estado que o esfola com os impostos; do outro, esse Estado manobrado pelo partido que dele se apoderou por meio do voto, oscilando ao sabor das forças paralelas a ele – corrilhos eleitorais ou financeiros, etc., tornado meio de satisfazer apetites, quando deve ser um fim para satisfazer o bem público; mas compreende e quer o Brasil - Unido, isto é, o Brasil - Integral, com o Estado e a Nação confundidos num todo indissolúvel.


O Estado não deve ser somente o governo, a administração de um país. A Nação não deve ser somente a comunidade dos indivíduos unidos pela origem, pela raça, pela língua ou pela religião sob o mesmo regime político. A Nação e o Estado devem integrar-se num corpo só, na mesma associação de interesses e de sentimentos, confundindo-se na mesma identidade e para os mesmo fins.


Na Doutrina Integralista, a Pátria Brasileira deve ser uma síntese do Estado e da Nação, organizada sobre a base corporativa (2). A sociedade humana não vale somente pelo que apresenta aos nossos olhos, vale muito mais ainda pelo que nela existe e não conseguimos ver, isto é, as forças ocultas do seu Passado e do seu Espírito. Os homens prende-se ao Passado através de seus ascendentes, cujos características essenciais herdam, cujas conquistas morais, intelectuais, técnicas e materiais lhes são transmitidas como um verdadeiro patrimônio. Essa herança é a civilização e nela as gerações que se sucedem são solidárias.


Compostas de homens, as Nações ligam-se ao passado pelas suas tradições de toda a espécie. Enraizada nelas é que a Pátria Brasileira deve florescer no Presente para frutificar no Futuro.


O regime corporativo une os sindicatos de trabalhadores, de técnicos e de patrões, coordena seus esforços e transforma-os de organismos políticos, sociais, econômicos, morais, educativos, de equilíbrio e de cooperação.


Afim de realizar o que pretende, o Integralismo não apela, como os extremistas, para a brusca subversão da ordem social e conseqüente inversão de todos os seus valores, para os atos de banditismo, vandalismo ou terrorismo, para bombas de dinamite e atentados pessoais, para sabotagens e greves que ainda mais precária tornam a situação do pobre operário; mas para o valor do próprio homem, sua dignidade de ser pensante, suas virtudes patrióticas, suas reservas morais, sua tradição religiosa e familiar, seu amor pelo Brasil, sua crença em Deus!


Querendo a grandeza da Pátria Brasileira, o Integralismo por ela se bate em todos os sentidos. Essa grandeza somente pode alicerçar-se na alma das massas trabalhadoras de todo o país, libertas ao mesmo tempo da exploração econômica do capitalismo sem pátria e da exploração política dos caçadores de votos ou dos extremistas fingidos, que falam em nome de operários e camponeses sem serem nem operários, nem camponeses.


Pelo Integralismo, a grandeza da Pátria Brasileira se fará pela renúncia dos interesses pessoais em favor dos interesses nacionais, a pureza dos costumes públicos e privados, a simplicidade da vida, a modéstia do proceder, a integralidade da família, o respeito a tradição, a garantia do trabalho, o direito de propriedade com seus deveres correlatos, o governo com autoridade moral e mental, a unidade intangível da Nação e as supremas aspirações do espírito humano.


Integralismo quer dizer soma, reunião, integralização de esforços, de sentimentos, de pensamentos, ao mesmo tempo de interesses e de ideais. Não pode ser um simples partido. É coisa muito mais elevada. É um movimento, uma ação, uma atitude, um despertar de consciência, um sentido novo da vida, a marcha de um povo que desperta.


Batendo-se pela felicidade do Brasil dentro das linhas de seus grandes destinos, condicionadas pelas suas realidades de toda a origem, o Integralismo quer que o pensamento dos brasileiros não se divida e enfraqueça na confusão de doutrinas ou programas; quer que se una e some ao influxo de uma mesma doutrina político-social.


Porque essa base doutrinária é imprescindível para a construção do ESTADO INTEGRAL BRASILEIRO, ESTADO HERÓICO pela sua capacidade de reação e de sacrifício, ESTADO FORTE pela sua coesão, sem fermentos desagregadores dentro de si, no qual, como fator indispensável de independência, se tenha processado a emancipação econômica e, como condição principal da unidade da Nação, tenham desaparecido as fronteiras interestaduais (3).


Para a realização de tão grande obra política, econômica e social, o Integralismo tem de combater sem tréguas e sem piedade toda a repelente imoralidade do atual regime de fraudes, engano, corrupção e promessas vãs, bem como todo o materialismo dissolvente da barbárie comunista que alguns loucos apontam como salvação para nosso país. O atual regime pseudo-liberal e pseudo-democrático é um espelho da decadência a que chegou o liberalismo, que procurou dividir a nação com regionalismos e separatismos estreitos, implantando ódios entre irmãos, atirados às trincheiras da guerra civil (4); com partidos políticos transitórios que sobrepõem as ambições pessoais aos mais altos interesses da Pátria e pescam votos, favorecendo os eleitores com um imediatismo inconsciente, em que tudo concedem ou vendem, contanto que atinjam as posições.


Esse regime fraco e vergonhoso escravizou o nosso Brasil, o pouco capital dos brasileiros e o trabalho das nossas populações abandonadas ao banqueiro judeu internacional (5) por um criminoso sistema de pesados, aladroados e sucessivos empréstimos externos, cuja funesta e primeira conseqüência é o esfolamento pelos impostos.


O comunismo que agitadores estrangeiros, aliados a brasileiros vendidos ou inconscientes, inimigos da Pátria, nos prometem, quer a destruição das pátrias, da propriedade e da família, a proletarização das massas e a materialização do homem em todos os sentidos.
Tirando ao indivíduo suas crenças e tradições, sua vida espiritual e sua esperança em Deus, sua família – que é sua projeção no Tempo, e sua propriedade – que é sua projeção no Espaço, arranca-lhe as forças de reação, todos os seus sentimentos, deixa somente a fera humana e prepara-o, assim, para definitiva escravização ao capitalismo internacional disfarçado em capitalismo de Estado.


O Povo Brasileiro debate-se em verdadeira angústia econômica e anseia por novo padrão de vida; debate-se numa completa desorganização de sua existência pública e almeja nova forma de justiça social; debate-se em formidável anarquia de valores e na incultura geral, e precisa formar sem detença homens escolhidos que possam resolver os grandes e graves problemas da Nação.


Urge a transferência completa do Brasil para salvá-lo, novo conceito de vida, novo regime, novo quadro de valores. Essa transformação completa, integral da Sociedade Brasileira fatalmente terá de ser o resultado de uma transformação completa, integral da Alma Brasileira no sentido do rigoroso cumprimento de todos os deveres para com a Família, para com a Pátria e para com Deus.


A lição de Jacques Maritain manda a Razão submeter-se a Deus, que é Espírito, e a Ordem Espiritual por Ele instituída.
Só uma Revolução Moral pode produzir uma grande, digna e benéfica Revolução Social. Porque esta é projeção daquela. Por isso, a Doutrina Integralista afirma que a primeira revolução do Integralismo é a Revolução Interior.


Notas do revisor (2004):


1. Uma das maiores motivações do Integralismo Histórico foi o combate às cisões regionalistas através da instrumentação de uma força política unionista, que colocasse os interesses do País acima de interesses de grupos ou indivíduos. Por isso, o combate histórico da Ação Integralista Brasileira jamais deve ser entendido como anti-democrático, quando muito pelo contrário, visava dar uma feição social e institucional a agremiações que não se identificavam com as necessidades do Brasil como um todo.


2. Diferentemente do Fascismo, o Integralismo preconizava a substituição dos partidos políticos estaduais (existentes à época) por estruturas corporativas nacionais, de ordem econômica ou não, organizadas através de eleições, à partir das bases municipais (corporativismo democrático). Vale dizer que, no contexto atual não é possível organizar o Estado daquela maneira originalmente proposta pelo Integralismo, devido à atual complexidade econômica do País e dos próprios meios de produção. Como esclareceu o Dr. Miguel Reale, já desobrigado de sua antiga posição Integralista, há ainda de se aproveitar do corporativismo, a transferência da sua função para a conveniência de órgãos consultivos de caráter sindical ou associativo, afim de serem tomadas decisões fundamentais para o País, no plano técnico, cultural ou econômico, após o pronunciamento de entidades profissionais ou científicas.


3. Visto como uma questão de unidade nacional e não de regionalismos.


4. Não esquecer que, historicamente, o Integralismo surgiu também como uma reação ao regionalismo que culminou com a Revolução Constitucionalista.


5. O próprio Dr. Miguel Reale, em artigo publicado no Jornal Estado de S. Paulo, 28 de agosto de 2004, esclareceu que a posição Integralista se referia apenas aos aspectos econômicos do controle judaico nas instituições financeiras internacionais, mas nunca à questão racial.


Extraído de "O que o Integralista deve saber", Gustavo Barroso, pp. 7-16 - Editora Civilização Brasileira S.A., Rio de Janeiro (5ª edição), 1937.


VOCÊ QUER SABER MAIS?


www.integralismo.org.br


http://www.integralismo.org.br


http://www.integralismorio.org/


http://www.integralismoce.org/


http://www.pliniosalgado.org.br/


http://www.integralismo.org.br/ead/

sábado, 28 de agosto de 2010

HOMINÍDEOS.

Homo em miniatura:


Homo floresiensis




A descoberta do esqueleto parcial de uma nova espécie de seres humanos que viveram a 18 mil anos numa ilha da Indonésia, acrescenta mais uma peça ao complexo quebra cabeça da evolução humana.
Os restos do Homo floresiensis como é chamado, foi encontrado em uma caverna em Liang Bua na ilha de Flores na Indonésia, foram encontrados um crânio um fêmur e uma tíbia e fragmentos de vértebras, pertenciam a uma mulher adulta de 1 metro de altura com um cérebro do tamanho de um chimpanzé com cerca de 380cc (tamanho de uma laranja), os especialistas estão certos que o esqueleto é de um adulto totalmente formado e não de um anão de Homo sapiens ou símio.
Junto foram encontrados ferramentas em miniatura, como ossos afiados e pontudos, os pesquisadores procuravam por sinais de migração do homem moderno para Ásia. A descoberta desses seres com elementos do comportamento humano moderno na fabricação de ferramentas e na caça é admirável.
A criatura dividia a ilha com um mini-elefante e dragões de Komodo, andava ereto, evoluiu para o tamanho pequeno por causa das condições ambientais, acredita-se que seja uma ramificação do Homo erectus que chegou a ilha de Flores há 800 mil anos atrás e tornou-se marginalizado do resto da humanidade. Ao longo de milhares de anos a pressão evolutiva fez a colônia encolher a escassez de alimentos e a superpopulação favoreceu a sobrevivência de indivíduos menores cujos genes foram passando aos seus descendentes.
Pequenas cabeças nem sempre são sinônimo de idéias limitadas. A reconstituição do cérebro de um hominídeo revela um indivíduo de comportamento sofisticado, capaz de planejar suas ações e tomar iniciativas e que provavelmente era canhoto. O estudo parece resolver, ainda, uma das maiores controvérsias em torno do fóssil, batizado Homo floresiensis: ele descarta a hipótese, proposta por alguns pesquisadores, de que a criatura seja só um humano moderno portador de uma doença que causa uma redução no cérebro. Até prova em contrário, trata-se mesmo de uma espécie à parte. Usando técnicas de tomografia computadorizada para recriar virtualmente o sistema nervoso do Homo floresiensis, apelidado de ‘hobbit’.
Os cientistas descobriram que, apesar de ter o tamanho de um chimpanzé, o cérebro do hominídeo de Flores tinha uma série de características que o aproximavam do Homo sapiens e do Homo erectus, espécie considerada o parente mais próximo do Homo floresiensis.
Entre esses traços está um grau alto de enrugamento do córtex (área do cérebro relacionada à inteligência), que em humanos modernos significa mais área disponível para processar informações. Também foi localizada uma estrutura cerebral relacionada ao planejamento de ações futuras.
O primeiro diz respeito à aparente contradição entre o comportamento do ‘hobbit’ que fazia instrumentos de pedra e caçava elefantes-pigmeus e o tamanho de sua cabeça.


Na evolução humana, geralmente tamanho de cérebro é documento: os hominídeos foram ficando mais inteligentes à medida que esse órgão crescia. O anão de Flores, portanto, parecia contradizer o registro fóssil.
Apesar de o cérebro não se conservar num fóssil, ele deixa marcas nas paredes do crânio durante a vida. Foi olhando essas marcas que a pesquisadora americana conseguiu reconstituir em computador a forma do sistema nervoso central do ‘hobbit’. Em seguida, foi comparado o molde virtual a modelos semelhantes de chimpanzés, australipitecos, humanos modernos saudáveis, pigmeus e portadores de microcefalia doença que causa redução no tamanho do cérebro.
Medições mostraram que o H. floresiensis tinha uma estrutura cerebral de hominídeo saudável. Afirmam até mesmo ter detectado uma variação de tamanho numa parte do cérebro que no Homo sapiens está associada a indivíduos canhotos. O estudo parece encerrar a controvérsia sobre se ele é um mini-hominídeo ou apenas um humano moderno com microcefalia.
As formas do cérebro do H. floresiensis e de microcéfalos verdadeiros são totalmente diferentes. Mas há quem diga que esse pode ser um caso especial de microcefalia. Sugerem, ainda, uma hipótese alternativa para a evolução do homem de Flores. Em vez de ser uma versão encolhida do Homo erectus, como geralmente se acredita, o ‘hobbit’ pode ser uma espécie irmã daquele, compartilhando um mesmo ancestral. ‘Ele pode ser descendente de um hominídeo pequeno que encontrou em Flores um refúgio.
Talvez tenham coexistiram com os humanos modernos por milhares de anos, mas também é possível que os humanos não tenham passado por Flores no caminho para a Austrália aonde chegaram a 45 mil anos, é impossível saber como as duas espécies interagiram, será que o Homo sapiens massacrou seus primos menores? Ou será que o Homo floresiensis entrou em extinção porque não podia competir por comida com seus primos maiores. Outra questão é se essas duas espécies cruzaram, levando a mistura genética que o Homo sapiens traz hoje. É absolutamente fantástico pensar que espécies tão diferentes de hominídeos existiram tão recentemente, nos levando a observar que nossa predominância global pode ser muito mais recente do que pensávamos (12 mil anos atrás). Mas a maiorias dos cientistas são unânimes em disser que o Homo floresiensis extinguiu-se depois de uma erupção vulcânica na ilha há cerca de 12 mil anos.


Desde a descoberta já forma encontrados restos mortais de sete outros indivíduos de Homo floresiensis no mesmo local, o que o torna uma descoberta importante por possuirmos mais de um registro de fóssil. Os outros indivíduos mostram características semelhantes, num espaço de tempo que vai desde 95 mil anos atrás até 13 mil anos atrás em uma população que deve ter desaparecido mais ou menos ano mesmo tempo que os elefantes pigmeus que caçava o Estegodonte cujos restos foram encontrados juntos com os fosseis do Homo floresiensis.
A descoberta do Homo floresiensis coloca em questão todas as noções sobre o que nos torna humanos, pois o Homo floresiensis é tão dramaticamente diferente tanto do erectus como do sapiens que deveria ser classificado como um gênero separado do Homo. Possuindo uma capacidade craniana tão pequena de não mais que 380cc, ele produziu cultura material em pedra e osso e era caçador de animais, arte que necessita organização e coordenação do grupo o que os caracteriza como possuidores de uma organização social elevada.
Para poder realizar essas façanhas tecnológicas e possuir um cérebro tão pequeno, o Homo floresiensis causou uma reviravolta em nossa posição sobre inteligência e sua relação com a capacidade craniana do individuo, chegando a ponto de termos que considerá-las como coisas diferentes e sem relação. Talvez agora a partir da descoberta do Homo floresiensis seja mais estudada a complexidade das relações entre os neurônios do que o tamanho do cérebro em si, porque como explicar um Homo floresiensis com uma capacidade craniana tão pequena caçava e utilizava as mesmas ferramentas do Homo erectus com uma capacidade craniana de 1100cc. E não devemos aceitar isso como um exemplo isolado, pois o cérebro do Homo sapiens neanderthalensis era praticamente do mesmo tamanho que o cérebro do Homo sapiens sapiens, e mesmo assim o Homo sapiens sapiens prevaleceu sobre o neanderthalensis, porque os sapiens sapiens possuíam uma cultura material e técnica muito superior aos neanderthais.


O Homo floresiensis é uma das muitas descobertas que o futuro nos reserva, mostrando a nós que ainda muito pouco sabemos de nossas origens e que muito do que sabemos pode o futuro nos revelar errado, nossa jornada em busca das origens está muito longe de acabar, uma jornada que pretende levar a raça humana além de suas origens indo até aonde a imaginação humana pode levar, “o infinito”.


Híbridos:
Homo sapiens sapiens e Homo sapiens neanderthalensis




O esqueleto de um menino encontrado em Portugal é apontado como evidência de que hominídeos tidos como espécies diferentes reproduziram-se entre si.
Há 25 mil anos foi enterrado em Leiria um menino, seu esqueleto pode estár ajudando a superar um abismo de tempo ainda mais vasto sobre as próprias origens humanidade, traços do esqueleto desse menino, morto com não mais que cinco anos, sugere que ele é o resultado da mistura entre neanderthais e humanos modernos ocorridos entre 2 e 3 mil anos antes do seu nascimento, pois ele não era mestiço de primeira geração.
A idéia de que houve um longo processo de contato e mestiçagem entre ambos os povos com efeitos aparentes milênios depois do desaparecimento dos neanderthais “puros” ao deixar a África e colonizar a Europa a humanidade moderna não exterminou os antigos habitantes, mas em maior ou menor grau misturou seus genes aos deles, e dissem que o esqueleto do menino é a maior prova disso. A anatomia do esqueleto Lagar Velho 1A a dentição da criança indica que a sua morte terá ocorrido durante o quinto ano de vida. A observação direta dos ossos e a análise das imagens de TAC e de raios X apenas permitiram identificar duas lesões traumáticas menores, uma na face e outra no braço esquerdo. As linhas de Harris pouco marcadas observadas nos ossos longos dos membros e as hipo-plasias incipientes do esmalte diagnosticado no canino superior esquerdo indicam que acriança terá passado por alguns episódios de stress que se traduziram em curtos momentos de paragem do crescimento. Não há, porém, quaisquer indícios de patologias que pudessem ter afetado o desenvolvimento normal do esqueleto e, de uma forma geral, os elementos disponíveis sugerem que se tratava, em vida, de um indivíduo perfeitamente saudável. A ausência de décimas segundas costelas é uma condição não patológica que ocorre clinicamente em populações recentes. A morfologia geral do crânio é semelhante à dos primeiros homens anatomicamente modernos do continente europeu, e o mesmo se passa com os ossículos do ouvido, que são de tamanho modesto. O labirinto apresenta algumas parecenças com o dos Neanderthais, mas, globalmente, a sua forma está mais próxima da do homem moderno. A mandíbula tem um queixo proeminente, de morfologia muito parecida com a dos fósseis humanos do início do paleolítico superior. O tamanho e proporções da dentição são também tipicamente modernos. Algumas características do crânio, porém, são próprias dos Neanderthais, ou encontram-se entre estes últimos com muito maior freqüência. No occipital, as fossas semispinalis capitis estão bem marcadas e há fossa suprainíaca. O bordo externo da órbita é espesso, dentro da norma neanderthalense e no limite superior de robustez observada em indivíduos imaturos das primeiras populações europeias de homens modernos; a arcada zigomática é de construção muito robusta. O ângulo do plano oclusal com a sínfise mandibular é de 78°, valor muito baixo e especialmente significativo, em termos comparativos, devido à grande proeminência do queixo. Este traço arcaico é desconhecido tanto em amostras recentes como entre os primeiros homens modernos, para os quais o valor médio de referência é de 91.5°. No esqueleto pós-craniano, o comprimento da clavícula e a largura da púbis são claramente modernos, do mesmo modo que o tronco estreito que se infere a partir de indicadores diversos. As dimensões da pélvis indicam que se trataria de um indivíduo de pequena estatura, pelo menos por comparação com as populações de referência. A relação entre o tamanho da tíbia e o do fêmur, ou proporção crural, no entanto, é claramente “ártica”, de tipo Neanderthal. Esta característica não pode ser explicada por fatores ligados à nutrição, à plasticidade do esqueleto durante a ontogénese, ou à adaptação de curto prazo às oscilações climáticas. Tal tipo de adaptação pode resultar em mudanças no tamanho e proporções gerais do corpo, mas não em mudanças nas proporções entre os diferentes segmentos dos membros. Além disso, uma dezena de milhar de anos após a chegada à Europa dos seus antepassados, os habitantes modernos do País de Gales, da Morávia e da Rússia ainda mantinham corpos de proporções “tropicais”, apesar de viverem sob condições climáticas muito mais extremas do que as que alguma vez se verificaram em Portugal durante a última glaciação. Esta combinação única de características anatômicas geneticamente herdadas, umas modernas, como o queixo proeminente, e outras neanderthalenses, . Ela indica que os Neanderthais que subsistiam na Península Ibérica quando os primeiros grupos de homens modernos nela começaram a penetrar supostamente contribuíram para o patrimônio genético das populações da época em que viveu e morreu a criança do Lapedo, três a cinco mil anos mais tarde. Para que, tanto tempo passado, os sinais do processo ainda pudessem ser visíveis na morfologia do esqueleto dessas populações, a miscigenação entre os dois tipos humanos deve ter sido extensa e freqüente, não limitada ou episódica.


O menino sepultado possuía ao seu redor cultura material do sapiens sapiens, mas as característica do seu esqueleto eram intrigantes e foi apelidado de menino de Lapedo.O osso do queixo saliente traço que só se torna desenvolvido no Homo sapiens parecia determinar sua origem sapiens, mas sua complexa característica óssea desmentia essa hipótese concluíram os cientistas que a criança era um sapiens sapiens com ascendência parcialmente neanderthal.
Isso só poderia ser explicado por um processo de mestiçagem envolvendo populações inteiras e não era um caso raro. Existem muitas controvérsias, pois o menino de Lapedo pode ser simplesmente uma criança um tanto troncudo, pois essas duas humanidades estavam separadas por tempo demais para que houvesse interfecundidade, cada uma sendo uma espécie diferente o que impossibilitava a união das espécies.
O DNA dos neanderthais esta totalmente fora dos padrões encontrados em seres humanos de hoje, tanto quanto o DNA dos Australopitecinos em relação ao Homo habilis.
Os supostos principais traços de ascendência neanderthal do menino são:


• Pernas muito curtas


• Ângulo da mandíbula


• Robustez dos ossos acima dos olhos e das maças do rosto.


O menino de Lapedo de longe pode ser um híbrido pois deficiências nutricionais podem gerar pernas curtas e existem doenças que afetam o crescimento dos ossos e não deixam marcas, a morte precoce desse menino deixa mais nítido o fato de que se tratava de uma criança doente.
Segundo os criacionistas um ramo cientifico religioso que desconsidera a evolução diz que os Neanderthais foram outrora descritos pelos evolucionistas como “brutos com sobrancelhas proeminentes, tórax como barril e pernas tortas”, um elo entre os macacos e o homem. Segundo eles hoje é possível diagnosticar as várias doenças ósseas comuns aos Neanderthais, e sabemos que os criacionistas sempre se consideraram certos nesse assunto: Que os neanderthais eram simplesmente pessoas completamente humanas. Infelizmente os Neanderthais não têm sido as únicas pessoas outrora consideradas subumanas por autoridades evolucionistas. O Doutor Downs chamava o bem-conhecido síndrome do Neanderthal de "idiotia mongolóide”, porque pensava que as crianças nascidas com essa condição (um extra vigésimo-primeiro cromossomo) eram uma regressão ao “estágio mongolóide” na evolução humana. Ainda mais triste, Henry Fairfield Osborn certa vez argumentou que os cientistas imparciais classificariam a humanidade em várias espécies distintas, senão em gêneros diferentes. Dessa forma escreveu, “O padrão de inteligência do negro adulto comum (o qual o evolucionista Osborn colocou numa espécie subumana distinta) é em média similar a de um jovem de 11 anos da espécie Homo sapiens". Essas idéias, rejeitadas pelos evolucionistas atuais, foram, no entanto, os “fatos da evolução" no tempo de Osborn, e são cruciais para o entendimento dos eventos mundiais das décadas de 30 e 40. Erros históricos como este não podem se repetir, pois como ciência que deve valorizar descobertas relevantes, também devemos ter coragem de admitir um erro e corrigi-lo para que no futuro não venhamos cair no ridículo diante de um fato que por muitos anos foi considerado como “verdade absoluta” caia em total esquecimento como um absurdo histórico.


A convivência entre sapiens sapiens e neanderthais não seria nada fácil pois os neanderthais não possuíam palato desenvolvido o que não permitia que possuíssem um leque de sons muito vastos como os sapiens sapiens, estudos sobre suas mandíbulas demonstraram que a língua não tinha grande mobilidade, sendo que pensavam mas conseguiam transmitir seus pensamentos falando basicamente com sons nasais difíceis de entender, dificultando sua organização e evolução cultural. Estes dados nos sugerem uma pergunta importante: teria os Homens de Neanderthal uma linguagem? Em termos puramente anatômicos, sabe-se que o osso hióide é idêntico ao do homem moderno, mas nunca se encontrou um tracto vocal. Estes fatos dividem os cientistas, pelo que uns defendem que os hominídeos tinham a mesma capacidade para falar que o homem atual, enquanto que outros defendem que a localização da língua e a incapacidade de selar as cavidades nasais à passagem do ar os impediriam de desenvolver uma fala moderna. Segundo estes cientistas, o Homem de Neanderthal produziria sons fortemente nasalizados e seria incapaz de produzir sons quase universais nas línguas humanas – a vogal [a], [i], [u] e as consoantes [k], [g]. Porém, não seria a incapacidade de produzir sons idênticos aos das atuais línguas humanas que impediria os Homens de Neanderthal de desenvolverem uma linguagem. De fato, há registro de línguas que recorrem a poucos sons consonânticos e vocálicos, possuindo maior ou menor quantidade de vocábulos. Por isso, afirmar que os Neanderthais não possuíam uma língua apenas porque não há certeza de serem capazes de produzir os mesmos sons que os homens atuais.


Os homens de Neanderthal, que desapareceram da Europa há 30 mil anos, cresciam de uma forma tão rápida que, aos 15 anos, já eram adultos. Esses hominídeos se chamam neandenthais devido ao esqueleto descoberto, no vale de Neander, perto de Dusseldorf (Alemanha).
Os responsáveis pela pesquisa, elaborada pelo Centro Nacional de Pesquisa Científica de Paris, acham que a descoberta do menino de Lapedo reforça a teoria de que os neanderthais eram uma espécie diferente do chamado "homem moderno" (Homo sapiens) e que a mestiçagem é uma mentiram, quando avaliamos a arcada dentaria. Os autores, comandados pelo paleontólogo Fernando Ramírez Rozzi, se baseiam na análise de centenas de dentes fossilizados pertencentes a neanderthais, Homo sapiens e outros dois tipos de hominídeos.


Segundo o estudo, os dentes do neanderthal, que costumam refletir o desenvolvimento geral de uma pessoa, cresceram num mesmo ritmo durante sua formação, diferentemente da evolução dos dentes do homem moderno, cujo crescimento se torna mais lenta com a idade. Os especialistas entendem que esse crescimento tão acelerado é um traço primitivo, o que indica que os neanderthais, apesar de terem um quase igual ao nosso cérebro, parecem ter sofrido uma injeção evolutiva em relação ao seu desenvolvimento físico. Esse traço "aponta a uma distinção específica entre o Homo sapiens e os neanderthais", segundo escrevem os autores do estudo.


Além disso, esses cientistas também concluíram que o veloz desenvolvimento da dentição do homem de Neanderthal pode se dever a uma dieta muito rica em calorias e a um metabolismo muito rápido. A equipe comandada por Ramírez Rozzi considera que essa dieta calórica corresponde a "uma espécie de hominídeo que se adaptou a condições ambientais particulares", dominadas pelo frio intenso castigou a Europa há 30 mil anos.
Para o menino de Lapedo ser um híbrido, as pernas, o ângulo da mandíbula e a robustez dos ossos é muito pouco, pois os neanderthais dentre outras características possuíam:


• Joelhos flexionados

.
• Espinha dorsal curvada.


• Fêmures arqueados.


• Cérebro com dimensões superiores ao nosso.


• Largo achatamento da testa.


• Órbitas bem separadas.


• Nariz largo e comprido.


• Focinho saliente.


• Ausência de queixo.


• Mãos e pés largos.


• Dedos robustos.


Dentre outras características que o menino de Lapedo não possui, e as que possui são muito pequenas e residuais para provarem alguma coisa. Os corpos dos neanderthais eram musculosos parecem ser uma adaptação as glaciações extremas, ampliadas fossas nasais lhe permitam a condensação do calor. Eram um pouco menores que os humanos modernos, os machos. Mediam ao redor de 1,6 metros de altura, pesando 84 kilos; por sua parte, as fêmeas, mediam 1,5 metros e pesavam uns 80 kilos. Usavam roupas de peles e acendiam fogões tanto para cozinhar como para esquentar-se. As populações de neanderthais foram as primeiras a enterrar seus mortos, Cuidar de seus enfermos e manifestar certo cuidado estético. A denominação"Neanderthal" provem do Vale de Neander, na Alemanha, aonde se encontrou.o primeiro achado desta espécie em 1856.


A prova mais forte que derruba a teoria do híbrido menino de Lapedo é que a estrutura do DNA neanderthal mostra que não são nossos antepassados, mas sim uma subespécie humana separada por muitos milhares onde evoluíram independentes uma da outra perdendo boa parte de sua ligação como a capacidade de procriar uma com a outra.


O andar do homem-macaco:




A descoberta desse esqueleto na África do Sul deve causar uma revolução nas descobertas de como era o bipedismo do Australopithecus, pois esse esqueleto está 100% completo, vencendo o de Lucy que tinha 40% do total do esqueleto completo.
Se analisando poucas lascas de crânio ou de fêmur os arqueólogos conseguem bons resultados, imaginem com um esqueleto completo que abre diante de nós uma perspectiva maior em busca dos segredos da evolução humana. Quando o fóssil for retirado completamente da rocha e for analisado o osso do pescoço, bacia e dos pés, poderemos chegar a conclusões importantes sobre o bipedismo da espécie, e ao revelar a qual espécie de Australopitecino pertence, trará novas descobertas referentes a essa espécie e os primeiros passos da humanidade. A analise do esqueleto trará luz sobre que grau de bipedismo os Australopitecino chegaram porque ate agora não possuímos um meio de analise tão completo quanto o desse esqueleto sendo obrigado a confessarmos que muito pouco se sabe e os restantes deduzem na falta de fosseis mais completos encontrados com todas as suas partes próximas de forma a ser incontestável pertencerem ao mesmo individuo.
Possivelmente o esqueleto pertence a um Australopithecus africanus ou afarensis e um esqueleto completo dessas espécies poderá esclarecer muitas coisas como a busca por cultura material entre os Australopitecinos, o que introduzira ele no gênero Homo.
Tudo isto é propício a alterações anatômicas e de comportamento, compatíveis com as predisposições existentes em cada grupo de organismos; e é neste contexto que a origem do bipedismo é integrada no contexto hominídeo, como uma adaptação vantajosa às novas necessidades sociais, de reprodução e de segurança:


A libertação dos membros anteriores revela-se preciosa para carregar objetos e alimentos entre dois locais sem ter que interromper a marcha, ou carregar quantidades extras de alimentos; para além de a postura ereta possibilitar apanhar frutos e bagas de pequenas árvores, abundantes neste novo habitat (como se verifica nos chimpanzés atuais).
A capacidade de obter e transportar maiores quantidades de comida é particularmente importante num habitat tipo mosaico, onde as fontes alimentares estão cada vez mais dispersas e escassas (savana aberta). Sugiro que esta não seria a melhor altura para adaptar uma posição ereta que nos exporia a mais perigos e potenciais predadores (que têm sucesso num ambiente que nos é completamente estranho), e que se fosse realmente vantajosa teria sido adotada por outros Primatas.
A manipulação dos objetos que tem à sua disposição, não necessariamente iniciada neste novo contexto ecológico, é uma mais valia no aumento do leque de movimentos possíveis pelos membros anteriores e amplifica as capacidades de exploração dos indivíduos (para além de ser um possível auxílio na defesa e caça componente que adquire mais importância numa alimentação vegetal agora mais limitada).
A sugestão de maior eficácia neste tipo de locomoção é uma das mais controversas, com alguns fisiologistas apresentando estudos que colocam o bipedismo no mesmo patamar energético que o quadrupedismo, (afirmando serem nulas ou quase nulas as vantagens do primeiro em relação ao segundo mecanismo locomotor). Uma reinterpretarão associa esta eficiência a um aumento da resistência e ao aumento da capacidade de recolha de alimentos.
Com as necessidades alimentares e de segurança satisfeitas, a reprodução é um parâmetro em que qualquer suplemento energético é vantajoso. Estando grande parte do sucesso reprodutor relacionado com as reservas energéticas maternas e com os cuidados parentais dedicados, a estratégia de aumentar esse sucesso passa pela intensificação das relações entre progenitores e na divisão dos papéis que competem a cada um: o macho dedica-se a proteção e alimentação (dele, da parceira e do seu descendente), enquanto a fêmea investe a maioria das suas reservas na reprodução - há a redução do período entre gestações consecutivas e a adoção de um sistema social monogâmico (pelo menos durante o período infantil da cria) de forma a assegurar a paternidade do macho em relação à cria (única forma deste "aceitar" o compromisso de garantir a subsistência da parceira e da cria).
Uma teoria fisiológica aponta para a importância da termo regulação, e em como a posição ereta associada ao bipedismo reduz a área corporal sujeita à insolação direta a meio do dia, no pico do sol, e facilita a perda conectiva do calor excessivo.


Num contexto de intensificação das relações sociais e de exploração de um ambiente hostil (desconhecido), o bipedismo pode aparecer associado a comportamentos de "display" (manifestações de afeto e/ou agressividade), como que uma extensão e intensificação destes padrões e manifestações de comportamento (como encontrado nos macacos africanos atuais), antes de qualquer benefícios energéticos e/ou fisiológicos que possam ter experimentado posteriormente.
Todas as propostas referidas podem estar corretas, e todas podem estar erradas; mas o que é certo é que nenhuma é capaz de justificar por si só todo o mecanismo da progressão do bipedalismo, um acontecimento complexo e cujas componentes não podem ser dissociadas em variáveis de estudo independentes. Tudo interage com tudo, e tudo determina as respostas possíveis a uma situação... Com a seleção natural a desempenhar o papel de juiz quanto as soluções apresentadas, é a pressão seletiva que no fim determina quais as propostas mais engenhosas e que serão progressivamente adotadas e aperfeiçoadas.
Assim, para além de todas as variáveis implicadas, há um compromisso poderoso entre as pressões seletivas e a dimensão temporal, que acaba por ter a decisão final e sobre o qual apenas podemos supor o único modelo bípede comparativo que temos na atualidade somos nós, e seria muito improvável a postura inicial corresponder ou aproximar-se ao que presenciamos na atualidade.
O bipedismo levou ao surgimento de numerosas alterações a nível evolutivo e morfológico.


As características bípedes podem ser a verdadeira causa do desenvolvimento das outras características humanas, dado o Homem ter libertado as mãos para manejar e desenvolver ferramentas, com o desenvolvimento cerebral daí resultante. (A teoria atual), conhecida por “East side story”, tem em conta os locais onde apareceram os fósseis de hominídeos. Estes fósseis só existem no leste africano, pois uma barreira geográfica que separou a população ancestral em dois grupos. Os antropomórficos do lado oeste divergiram para os macacos atuais, devido ao meio luxuriante se manter. Os do lado leste ficaram encurralados numa zona donde desapareceram as florestas, ficando uma extensão de savana. Deste modo foram obrigados a modificar o seu modo de locomoção, para permitir o transporte de alimentos a grandes distâncias. O bipedismo também permite uma maior eficiência a percorrer longas distâncias, o que originaria territórios muito maiores.


Aspectos morfológicos no bipedismo:


• O corpo apóia se exclusivamente nos membros inferiores e a deslocação efetua-se assentando alternadamente os pés, com um balanceamento do corpo. Além do Homem, poucos animais o conseguem e geralmente durante pequenas distâncias apenas (gibão, chimpanzé, por exemplo), pois a sua estrutura física não está para isso habilitada. No Homem a adaptação ao bipedismo e à postura vertical levou a importantes modificações anatômicas na cabeça, coluna vertebral e membros inferiores muito maiores que os anteriores.


• Orifício occipital, no crânio, é horizontal e localizado por baixo da cabeça, permitindo que esta fique bem estável. Nos macacos, por exemplo, o orifício occipital está deslocado para trás e é oblíquo.


• Coluna vertebral é um eixo vertical que sustenta o corpo, permitindo-lhe mover-se graças ás vértebras articuladas entre si e separadas por discos intervertebrais maleáveis. Apresenta quatro curvaturas que se compensam mutuamente: cervical (concavidade posterior), dorsal (concavidade anterior), lombar (concavidade posterior) e sacra. A ligação lombar/sacra forma um promontório que sustenta todo o peso da parte superior do corpo.


• Bacia em forma de cesto, enquanto nos macacos é alongada e estreita, permite sustentar as vísceras e fornece uma maior superfície de inserção aos músculos dos membros inferiores (principalmente ao grande glúteo). A cada passo o peso total do corpo passa de um pé para o outro, logo para que não se caia a cada passo é necessário que a bacia oscile para cima e para baixo.


• Fêmures alongados, delgados e orientados obliquamente permite o alinhamento das articulações da bacia e joelho. Por este motivo é possível juntar os pés.


• Centro de gravidade é baixo, pois o peso do corpo está deslocado para os membros inferiores, ao contrário dos macacos, que têm um tronco bastante pesado. Este fato permite uma maior estabilidade à marcha.


• Pé é o suporte da totalidade do peso do corpo, sendo uma das maiores modificações morfológicas verificadas no Homem. O dedo grande do pé é longo, robusto e paralelo aos restantes. Através do seu primeiro metatarso o peso é deslocado do calcanhar para a extremidade do pé, sem que exista apoio na zona exterior do pé, como nos macacos. O pé funciona como uma plataforma extremamente flexível e estável.
Pode não ter sido só o fato de ter passado à condição de bípede e de assumir uma postura ereta que fez com que a nossa espécie se afastasse dos outros primatas. Hoje já existe afirmação que a capacidade de correrem longas distâncias teve também um papel crucial no aparecimento do homem.


O que nos tornou aquilo que hoje somos, em termos anatômicos, foi a capacidade de sobrevivência baseada na aptidão para correr longas distâncias, defende a equipa. Entre os nossos antepassados australopitecos, há dois milhões de anos, a seleção natural levou a que os indivíduos que conseguiam correr mais passassem para uma nova etapa evolutiva e que os outros se fossem extinguindo. É desses indivíduos com boas pernas para correr que nós descendemos.


Uma forte seleção, baseada na capacidade de correr foi crucial no aparecimento do homem moderno". A capacidade de correr talhou a nossa evolução. Correr tornou-nos humanos, pelo menos no sentido anatômico do termo.
Durante anos, esta hipótese terá sido desvalorizada, uma vez que outros animais com capacidades de corrida não foram mais felizes em termos evolutivos por causa disso. Mas, mais do que ter aptidão para correr, o homem ganhou características anatômicas favoráveis a um bom corredor de fundo, ou seja, uma resistência que lhe permite correr por longas distâncias.
Ainda existe outra explicação que ajudam muitos a perceber porque é que o homem moderno se distingue tanto, em termos anatômicos, dos australopitecos, se o bipedismo caracterizava tanto aqueles hominídeos como o gênero "Homo": "Ocorreram 2,5 a três milhões de anos de bipedismo sem que isso fizesse com que os australopitecus se parecessem conosco. Por isso, será que foi o bipedismo que transformou o nosso corpo? Acredito que a resposta é não. Andar não fazia isso, mas correr sim".
Já houve analise de partes do esqueleto fossilizado de 26 hominídeos, entre os quais alguns de "Homo habilis" e de "Homo erectus", relacionadas com a capacidade de correr. Entre músculos, ligamentos e tendões dos pés e pernas, estruturas ósseas do pé e perna que permitem correr e impulsionar o corpo, ou a capacidade de rotação do ombro independente da cabeça e pescoço, característica ligada com o equilíbrio, ou mesmo uma evolução craniana que permite um arrefecimento rápido, para que não ocorra um aquecimento excessivo. Tudo foi estudado ao pormenor.
“Existem características anatômicas da cabeça aos pés que só estão relacionadas com a capacidade de correr. A hipótese de estas características anatômicas poderem ter surgido todas mais ou menos pela mesma altura durante a nossa evolução”.
Não se sabe ao certo porquê nem quando os hominídeos começaram a desenvolver a corrida. Talvez para conseguir perseguir animais quando ainda não dispunham de ferramentas auxiliares, como flechas e arcos.
Realizando uma analise mais profunda dos ossos do braço e das mãos podem nos revelar a capacidade de coordenação motora que possuía e se era viável a fabricação de utensílios, porque ate então não possuíamos um esqueleto completo e logo não tínhamos como ter certeza de como reagia o esqueleto a certos movimentos, não tínhamos idéia ou só presumíamos limites para os seus movimentos baseados em poucos ossos fossilizados que eram encontrados, agora tudo ira se tornar mais claro com esse esqueleto pronto para ser analisado que confirma ou não a viabilidade de certas suposições e a desmistificação de certos mitos sobre nossas origens e sua ligação com os Australopitecinos que podem estar mais próximos de nos do que pensamos como produtores de cultura material, se as descobertas se confirmarem só irá faltar encontrar os vestígios dessa por enquanto suposta industria lítica dos Australopitecinos.


Nós vencemos:




Como humanidade somos uma espécie que não possua concorrente na natureza e nem outras variedades de espécies humanas como ocorre com outros animais, mas nem sempre foi assim.
Somente nos últimos 30 mil anos nos temos à hegemonia no planeta há cerca de 1,8 milhões de anos disputávamos o domínio no planeta com mais espécies como o Australopithecus boisei, robustus, Homo rudolfensis, Homo habilis e Homo ergaster. E convivência não é a palavra mais adequada a ser usada na relação que essas espécies tinham. A suposição de que os "imigrantes" vindos do sul (Homo sapiens) teriam superado o homem de Neandertal por sua técnica mais avançada e sua maior inteligência é uma as suposições que possuímos acerca dessa situação. Hoje é preciso ver tudo isso como um processo cultural complexo, afirmam, apontando as mudanças climáticas nos últimos 20 mil anos de sua existência como um fator que possivelmente contribuiu para o desaparecimento do Homo sapiens neanderthalensis. Tais mudanças podem ter desencadeado movimentos migratórios, o que teria sido reforçado pela chegada de novos grupos humanos ao continente. Como na Europa de então viviam 250 mil pessoas no máximo, não deve ter sido muito difícil para o novo grupo de Homo sapiens multiplicar-se e superar os "primeiros europeus". Fato é que o código genético da raça humana moderna não apresenta quase nenhum vestígio de parentesco com os homens e mulheres de Neandertal.
Seja competindo por espaço, água ou quando possuía a mesma dieta alimentar competindo por comida, chegando a lutarem entre si pela sobrevivência da sua espécie. Há várias versões, muitas vezes contraditórias, sobre a cadeia de reacções que gerou o homem, sobre o estilo de vida e comportamento dos hominídeos, de como eles e o homem sapiens, há 75000 ou 100000 (ou há muito mais tempo) anos teriam emigrado da África Austral para o resto do mundo, e de como interagiram com outros descendentes ou antecessores do Homo erectus dessas zonas. Vários Australopithecus conviveram, por alguns milhões de anos, com o Homo habilis e erecto. Como interagiram quando se encontravam, ninguém sabe ao certo. Infelizmente, jamais será possível encontrar a verdade e os cientistas apenas podem conjecturar hipóteses, ao gosto deles, adaptadas aos achados que vão desenterrando, já que, como afirmou Napoleão Bonaparte (1769 - 1821), "História, é uma versão de acontecimentos do passado sobre a qual algumas pessoas decidiram concordar" Não é só nos tempos modernos que o homem dizima, por prazer ou necessidade, animais, plantas, a natureza e o seu semelhante.O canibalismo é vulgar entre seres vivos, dos minúsculos invertebrados aos animais de grande porte. O homem foi ( e continua a ser em certos aspectos) um animal selvagem e, como tal, tem impregnado no seu DNA o "gene pré-histórico do canibalismo". e ainda mantém esse vício, quer esteja em florestas tropicais do 3º mundo ou viva nas florestas modernas de betão armado, das nossas cidades cosmopolitas, como não raramente se lê no jornal casos de assassinos que comeram as suas vítimas!


As várias espécies de hominídeos que nos precederam, com diferentes graus de desenvolvimento eram mais propícios a caçarem-se mutuamente do que a terem convívios amigáveis e, ao entrarem em contacto, tentavam matar os "machos" e comê-los, roubavam os seus parcos apetrechos, raptavam as suas "crias", para escravos, e as "fêmeas", para parceiras de prazer. Ainda hoje temos não só várias tribos humanas que matam e comem seres humanos, macacos, símios, gatos, etc, assim como temos os chimpanzés (os nossos parentes mais próximos) que nos copiam, caçando e comendo macacos menores que eles. Essas lutas fratricidas e mortíferas, e os acasalamentos forçados teriam criado não só possivelmente híbridos (Não esquecer que a "bestialidade", uma atividade sexual da espécie humana, sempre existiu, e que é possível cruzar diferentes tipos de animais, por exemplo, cavalo com burra dando uma mula que na maior parte das vezes é estéril ou o leão com tigre gerando um ligre, etc,), como contribuíram para o desaparecimento de inteiras espécies.As descobertas recente demonstram que o número de ossos ancestrais diretos ou não tem aumentado muito e essa quantidade de espécies ainda são poucas em relação ao número imenso de elos perdidos que faltam para fixar a escala evolutiva humana em uma plataforma segura onde não haverá aberturas para dúvidas.O que diferenciou o Homo sapiens sapiens foi seu maior desenvolvimento técnico desencadeado na explosão criativa do paleolítico, com o aperfeiçoamento do desenvolvimento da linguagem e a produção de ferramentas cada vez mais apurada.
Humanos, estranhos primatas. Andamos sobre duas pernas, possuímos cérebros enormes e colonizamos cada canto da Terra. Antropólogos e biólogos procuraram sempre entender como a nossa raça diferenciou-se tão profundamente do modelo primata. Foram desenvolvidos, ao longo dos anos, todos os tipos de hipóteses, visando explicar cada uma dessas particularidades. Um conjunto de evidências, porém, indica que essas idiossincrasias mistas de humanidade têm, na realidade, uma linha em comum: elas são, basicamente, o resultado da seleção natural, atuando para maximizar a qualidade dietética e a eficiência na obtenção de alimentos. Mudanças na oferta de alimentos parecem ter influenciado fortemente nossos ancestrais hominídeos. Assim, em um sentido evolutivo, somos o que comemos.
Conseqüentemente, o que comemos é ainda uma outra forma pela qual nos diferenciamos de nosso parente primata. Populações de humanos contemporâneos pelo mundo afora, adotam dietas mais calóricas e nutritivas que aquelas de nossos primos, os grandes macacos. Então, quando e como os hábitos alimentares de nossos ancestrais divergiram dos hábitos de outros primatas? Além disso, quanto os humanos modernos se distanciaram do padrão alimentar ancestral?
Para se compreender o papel da alimentação na evolução humana, devemos nos lembrar de que a procura pelo alimento, seu consumo e, finalmente, como ele é usado para processos biológicos são, todos, aspectos críticos da ecologia de um organismo. A energia dinâmica entre organismos e seus ambientes, ou seja, a energia despendida comparada à energia adquirida, tem conseqüências adaptativas importantes para a sobrevivência e reprodução. Esses dois componentes da aptidão darwiniana refletem-se na forma como estimamos o estoque de energia de um animal. A energia de manutenção é o que mantém um animal vivo. A energia produtiva está associada à concepção e manutenção da prole para a próxima geração. Para mamíferos, isso deve cobrir as demandas das mães durante a gravidez e lactação.


O tipo de ambiente que uma criatura ocupa irá influenciar a distribuição de energia entre esses componentes, em que condições mais duras representam, obviamente, maiores dificuldades. No entanto, o objetivo de todos os organismos é o mesmo: assegurar a reprodução, visando garantir, a longo prazo, o sucesso das espécies. Portanto, ao observarmos a forma como os animais se deslocam para obter a energia alimentar, podemos compreender melhor como a seleção natural produz a mudança evolutiva. As características que mais distinguem os humanos de outros primatas são, certamente, os resultados da seleção natural, agindo no melhoramento da qualidade da alimentação humana, e a eficiência com que nossos ancestrais obtiveram os alimentos. Alguns cientistas sugeriram que muitos dos problemas de saúde enfrentados pelas sociedades modernas seriam conseqüências de uma discrepância entre o que ingerimos e o que nossos antepassados comeram.
Estudos entre populações que vivem tradicionalmente apontam que os humanos modernos estão aptos a suprir suas necessidades nutricionais usando uma ampla variedade de estratégias. Adquirimos flexibilidade alimentar. A preocupação com a saúde no mundo industrial, em que alimentos calóricos concentrados estão facilmente disponíveis, não se originam de desvios de uma dieta específica, mas de um desequilíbrio entre a energia que consumimos e a que despendemos.O que é extraordinário em nosso cérebro grande, sob uma perspectiva nutricional, é o quanto de energia ele consome aproximadamente 16 vezes mais que um tecido muscular por unidade de peso. Porém, apesar de os humanos apresentarem, quanto ao peso corporal, cérebros maiores que os dos outros primatas (três vezes maior que o esperado), as necessidades totais de energia em repouso do corpo humano não são maiores que a de qualquer outro mamífero do mesmo porte. Usamos uma grande parte de nossa quota diária de energia para alimentar nossos cérebros vorazes. Na verdade, o metabolismo de um cérebro em repouso ultrapassa de, 20 a 25%, as necessidades de energia de um humano adulto - bem mais que os 8 a 10% observados em primatas não - humanos, e que os 3 a 5% em outros mamíferos.
Baseando-nos nas estimativas de tamanho corporal de hominídeos compiladas por Henry M. McHenry, da University of California, em Davis, Robertson estimamos a proporção das necessidades de energia em repouso que poderiam ser necessárias para alimentar os cérebros de nossos antigos ancestrais. Um australopiteco típico, pesando entre 35 e 40 kg, com um cérebro de 450 cm3, teria reservado cerca de 11% de sua energia em repouso para o cérebro. Enquanto um H. erectus, pesando entre 55 e 60 kg e com um cérebro de cerca de 850 cm3, teria reservado cerca de 16% de sua energia em repouso - ou seja, cerca de 250 das 1.500 kcal diárias - para este órgão.Estudos comparativos em animais vivos sustentam essa afirmação. Além de todos os primatas, espécies com cérebros maiores ingerem alimentos mais ricos; os humanos são um exemplo extremo dessa correlação, ostentando o maior tamanho relativo de cérebro e a dieta mais variada. Conforme as análises recentes de Loren Cordain, da Colorado State University, os caçador-coletores contemporâneos obtêm, em média, 40 a 60% de energia da carne, do leite e de outros produtos de origem animal.
Chimpanzés modernos, em comparação, obtêm somente entre 5 e 7% de suas calorias provenientes dessas fontes. Alimentos de origem animal contêm bem mais calorias e nutrientes que a maioria dos alimentos vegetais. Por exemplo, 100 g de carne geram acima de 200 kcal. A mesma quantidade de frutas libera entre 50 e 100 kcal. Uma porção comparável de verduras produz somente entre 10 e 20 kcal. Faz sentido, então, que, para o antigo Homo, adquirir mais matéria cinzenta significou procurar alimentos energeticamente mais densos.


Os fósseis, também, indicam que a melhoria na qualidade dietética acompanhou o crescimento evolutivo do cérebro. Todos os australopitecos apresentavam características esqueléticas e dentais estruturadas para processar alimentos vegetais duros e de baixa qualidade. O australopiteco mais antigo e robusto - um ramo da outra ponta da árvore genealógica humana, que viveu lado a lado com membros de nosso próprio gênero - teve adaptações especialmente pronunciadas para triturar alimentos vegetais fibrosos, incluindo faces maciças em forma de prato, mandíbulas fortemente estruturadas; cristas sagitais, no alto do crânio, para a fixação de potentes músculos mastigatórios; e dentes molares enormes e fortemente esmaltados. (Isto não significa que os austrolopitecos nunca comiam carne. Eles certamente ingeriam este alimento, ocasionalmente, tal como os chimpanzés de hoje.) Mas, membros mais antigos do gênero Homo, descendentes dos graciosos australopitecos, possuíam faces e molares menores, mandíbulas mais delicadas, e não apresentavam cristas sagitais - apesar de serem bem maiores, em termos de porte corporal total, que seus predecessores. Em conjunto, essas estruturas sugerem que o Homo ancestral consumia menos matéria vegetal e mais alimentação animal.
Com o aumento da capacidade de comunicar-se e guerrear, tornou o sapiens sapiens superior as outras espécies que a 45 mil anos competiam com nos pela hegemonia no planeta, sendo eles o Homo erectus na Ásia e o Homo sapiens neanderthalensis na Europa e Oriente Médio. Ainda não sabemos se nossa hegemonia sobre eles se deu em razão dos novos inventos, como armas ou se indiretamente pela disputa de recursos naturais, aonde nós mais preparados tecnologicamente superamos os erectus e os neanderthais, que houve guerras entre essas espécies é incontestável mas se este foi o motivo principal e que não sabemos, nós podemos ter oprimindo eles com o nosso crescimento populacional acelerado ate que entrassem em extinção naturalmente por sua inferioridade em relação aos sapiens sapiens.


Australopithecus garhi:




O Australopithecus garhi foi descoberto a 20 de Novembro de 1997 por Yohannes Haile-Selassie na Etiópia, mais precisamente em Bouri, na região do Middle Awash (a 70 km do local onde tinha sido descoberta Lucy, Australopithecus afarensis).
A descoberta foi feita a partir de um conjunto de fragmentos de um crânio que compreendiam o frontal, os parietais e uma maxila com dentição, que foram datados de há aproximadamente 2,5 milhões de anos (época Pliocénico superior). O holótipo encontra-se no Museu Nacional da Etiópia, em Addis Abeba. Depois de reconstruído o crânio, os investigadores defrontaram-se com uma face com aspecto simiesco na parte de baixo, com uma maxila saliente (que fazia lembrar o Australopithecus afarensis), dentes e palatos de grandes dimensões e uma cavidade cerebral reduzida, com aproximadamente 450 cm3 (o cérebro humano atual tem aproximadamente 1800 cm3).
O nome Australopithecus garhi só lhe foi atribuído em 1999 pelo antropólogo etíope Berhane Asfaw e a sua equipa. Garhi significa “surpresa” na linguagem falada pelo povo Afar.
No mesmo local onde foram encontrados estes fósseis, foram também encontradas evidências do comportamento dos hominídios. As descobertas consistiam de ossos de antílopes, cavalos e outros vertebrados que apresentavam marcas e fraturas causadas por instrumentos de pedra (que também datam de há 2,5 milhões de anos). Estes instrumentos de pedra que seriam utilizados para desarticular e quebrar os ossos, possivelmente para extrair o tutano, constituem a primeira evidência de desmantelamento de corpos de animais. Não é possível atribuir com certeza a criação destes instrumentos de pedra ao Australopithecus garhi, de qualquer forma Australopithecus garhi é o único taxon de hominídio presente nestes estratos. Apesar de se poder tratar de uma linhagem morta que apenas nos permite conhecer um pouco melhor nosso ancestral, para muitos antropólogos, o Australopithecus garhi está definitivamente ligado ao gênero Homo, representando um passo intermédio entre o Australopithecus afarensis e os primeiros Homo. A favor desta última hipótese estão um conjunto de características presentes no Australopithecus garhi, como a forma dos dentes pré-molares e a razão entre o tamanho dos dentes caninos e dos molares, que lembram os primeiros Homo e o fato de estes fósseis terem sido encontrados no Leste de África (o mesmo local onde foram encontrados Lucy e os primeiros Homo). Por outro lado o A. garhi difere dos primeiros Homo pelo caráter muito primitivo da sua morfologia frontal, facial, palatal e subnasal e, pelas reduzidas dimensões da cavidade cefálica. Muitos antropólogos defendem que não teria havido tempo suficiente para que a evolução “tivesse transformado” o Australopithecus garhi no primeiro Homo conhecido. No entanto, uma melhor dieta, na qual o uso de instrumentos teve grande importância, possibilitou o seu rápido aumento, bem como a rápida alteração de outras características.
A combinação de características morfológicas presentes nos Australopithecus e nos Homo e, uma possível associação ao uso de instrumentos fez com que o Australopithecus garhi viesse pôr em causa muitas das noções sobre a evolução humana.
Os australopitecos formavam um grande grupo de animais parecidos com os chimpanzés. Mas, ao contrário deles, já não andavam sobre quatro patas. Eram meio humanos, embora apresentassem um cérebro pequeno demais. Também tinham os dentes e o maxilar diferentes, bem maiores e mais pesados que os humanos. Já se conhecem oito espécies de australopitecos, que viveram entre 4 milhões e 1,5 milhão de anos atrás: além do africanus e do garhi, foram identificados os Australopithecus anamensis, Australopithecus afarensis, Australopithecus aethiopicus, Australopithecus boisei, Australopithecus robustus .
A teoria por enquanto mais aceita indica como provável ancestral humano o afarensis, surgido há cerca de 4 milhões de anos e extinto uns 2,5 milhões de anos atrás. Além dessa hipótese, existem outras. Os descobridores do garhi acreditam que o afarensis esteja na raiz da humanidade, porém não diretamente. Um pouco antes de se extinguir, ele teria dado origem ao garhi este, sim, ancestral direto dos homens. O sul-africano Ronald Clarke pensa que o afarensis não tem ligação com os seres humanos – ele seria apenas um ramo que não vingou na árvore da evolução. A humanidade teria nascido do africanus.
Também é incerto o que transcorreu depois dos australopitecos, pois a paleoantropologia não afirma que eles tenham originado diretamente o Homo sapiens. Antes disso teriam existido seis espécies primitivas de homem, de crânio um pouco menor: Homo rudolfensis, Homo habilis, Homo erectus, Homo ergaster, Homo heidelbergensis e Homo neanderthalensis (o homem de Neandertal. Até a década passada, era quase tido como verdadeiro que o habilis evoluíra dos australopitecos há uns 2,5 milhões de anos, produzindo em seguida o ramo do erectus. E este, um pouco antes de se extinguir, por volta de 500 mil anos atrás, gerou duas novas espécies, o sapiens e o homem de Neandertal.
Essa teoria, atualmente, já não tem grande aceitação. Primeiro porque os fósseis mais antigos de sapiens que se conhecem têm somente 100 mil anos. Nesse caso, ele não poderia descender do erectus, desaparecido centenas de milhares de anos antes. Talvez tenha havido uma espécie intermediária entre ele e o sapiens, mas nenhum dos fósseis desse período desenterrados até agora mostra as características que se esperam encontrar nesse hipotético elo que falta com exceção do Australopithecus garhi.
O mais novo membro da família dos Australopitecinos pode ser o elo que faltava para relacionar os Australopitecinos diretamente ao gênero Homo, pois o garhi possui algumas características inusitadas não presentes nos achados anteriores, provavelmente é um descendente da espécie de Lucy, o Australopithecus afarensis.
O garhi tirou o posto de descendente do afarensis do africanus que até agora era o mais próximo que possivelmente tínhamos dos Autralopitecinos e o gênero Homo. Um achado arqueológico corresponde ao mesmo que nenhum, atualmente possuímos um esqueleto parcial de garhi o que é caracterizado como muito pouco, pois seguidamente achados como os do garhi são colocados próximos ao elo perdido, mas sempre descobertas posteriores desmentem posicionando o fóssil de forma diferente.
Os especialistas chegam a supor que o garhi produziu cultura material, baseado no achado de instrumentos de pedra junto com seu esqueleto e ossos de animais trincados com pedra. Mas também junto foram achados ossos de outros hominídeos o que torna difícil de avaliar se realmente foi o garhi que utilizou estas ferramentas ou se essas ferramentas eram de hominídeos mais modernos que até mesmo usaram para caçar garhi, o que é mais provável que aconteceu, mesmo que ainda restem duvidas devido desenvolvimento cerebral do garhi ser superior que seu antepassado. Agora resta saber o quanto esse desenvolvimento cerebral foi crucial para a produção de tecnologia, ou se foi um desenvolvimento significativo para a produção de cultura material, pois o tempo que separa o afarensis do garhi é grande o suficiente, mas não se sabe ainda o quando uma espécie com suas características próprias precisaria de tempo para desenvolver uma tecnologia muito superior se comparado com seu ancestral que não possuía nenhuma tecnologia por mais rústica que fosse. Ainda é muito cedo para considerar o garhi como produtor de cultura material, somente achados posteriores podem confirmar isso, pois por enquanto o sitio do garhi é um local um tanto confuso com ossos de diversas espécies e isto não facilita em nada um posicionamento mais seguro sobre o achado, precisamos de no mínimo mais um esqueleto um pouco mais completo e material lítico mais claro e em maior quantidade para podermos fazer uma avaliação mais confiável sobre o achado.
Essa descoberta pode não ser a confirmação de produção de cultura material pelos Australopitecinos, mas revela que estamos muito próximos de descobrir algo que revolucionara não só em palavra tudo que entendemos sobre evolução humana e sua complexidade natural, mas levando nossa historia como humanidade cada vez mais além no tempo, tornado aquilo que era obscuro em claro, dissipando as trevas do desconhecimento e do medo em verdadeira luz da verdade, luz que mostra de onde viemos e nos ajudará a traçar uma perspectiva de para onde iremos, posicionando todos nós como uma espécie que muito teve que lutar para chegar aonde chegamos e fazendo com que compreendamos que somente conseguimos chegar aqui graças a algo chamado cooperação e união que foram indispensáveis para nossa supremacia como espécie hegemônica no planeta e deixar bem claro que estamos aqui para ficar.


VOCÊ QUER SABER MAIS?


• Revista Galileu em “Homo em miniatura” de dezembro de 2004;
Por Daniel das Neves.


• Super Interessante em “Meio sapiens, meio neanderthal” de setembro de 1999;
Por Denis Russo Burgierman.


• Super Interessante em “O andar do homem macaco” de janeiro de 1999;
Por Flávio Dieguez e Denis Russo Burgierman.


• Super Interessante em “Nós vencemos” de dezembro de 2000;
Por Rodrigo Cavalcante.


• Isto É on line em “O filho de Lucy” de abril de 1999;
Por Peter Moon.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.